Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Santos: A democracia está curando a corrupção da ditadura

Por Miguel do Rosário

27 de novembro de 2014 : 22h36

ScreenHunter_5398 Nov. 28 01.30


A entrevista de Fabiano Santos, renomado cientista político do IESP, para a nossa querida MegaTV, tocada pelo amigo Alexandre Teixeira, nos oferece uma brilhante análise política da conjuntura.

Santos considera que a democracia brasileira tem se mostrado bem mais forte do que temem alguns analistas, inclusive da esquerda.

E, na sua opinião, o que estamos assistindo, com a investigação da Petrobrás, é o início de uma revolução na maneira como as grandes empreiteiras lidam com a classe política.

Santos diz que o regime autoritário, impedindo qualquer investigação, censurando a imprensa, criou-se uma cultura de corrupção que perdura até hoje.

“A democracia brasileira está curando esses vícios”, analisa o cientista.

Santos também acha um erro primário, por parte da esquerda, demonizar o legislativo ou achar que existe algum problema insolúvel no próprio sistema democrático brasileiro.

Ele lembra que é o mesmo erro que a esquerda cometeu em 64, quando demonizava o PSD. Demonizar o PMDB, um partido de centro, por exemplo, é um preconceito antidemocrático, diz Santos.

Na primeira vez que votou, conta Fabiano, no início da década de 80, havia um país destruído, com dezenas de milhões de excluídos.

Hoje é a sétima economia do mundo, e uma das democracias mais pujantes.

Ele elogia o sistema de eleição proporcional do Brasil, que é um dos melhores do mundo, apesar de algumas imperfeições pontuais.

A eleição proporcional permite o empoderamento das minorias, lembra Santos. “Sem a proporcional, não haveria PSOL, não haveria PT”.

Santos é contra a marca “reforma política”. Para ele, as forças progressistas deveriam negociar aprimoramentos pontuais do sistema.

Para assistir, clique na imagem acima, ou neste link.

Pule os primeiros cinco minutos, que são apenas teste de gravação.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

tiago

29 de novembro de 2014 às 01h26

Gilmar Mendes, determinou a suspensão do processo administrativo disciplinar aberto no final de outubro pela Corregedoria Nacional do Ministério Público para investigar o procurador da República Rodrigo de Grandis por ter “esquecido” numa “pasta errada” o pedido de investigação feito pela Justiça da Suíça sobre a roubalheira do caso Alstom-Siemens no Metrô-SP e na Compnhia Paulista de Trens Metropolitanos.

Responder

Wagner M. Martins

28 de novembro de 2014 às 14h56

Fui aluno desse caboclo em 2000… Gente da melhor qualidade, sem contar a simpatia e a simplicidade.

Responder

Nilda

28 de novembro de 2014 às 09h20

Bom dia! O bom filho retornando! Capriche! Bom trabalho. Estou ansiosa por notícias. Não leio jornais. Leio e recomendo os blogs “sujos”. Sou paulista. Voto PT.

Responder

    Celso Junqueira

    28 de novembro de 2014 às 10h36

    Os militares golpistas de 64 era patriotas mesmo. Pelo menos no caso do gen Kruel, comandante do 2. Exército, seu “patriotismo” cabia em seis malas recheadas de dólares levadas pelo então presidente da FIESP. Ao meio-dia de 31 de março, Kruel estava ao lado da legalidade e do Pres. Goulart. Às 19 hs., já tinha passado para o lado dos golpistas.

    Responder

Mauricio2

28 de novembro de 2014 às 06h24

Assim acaba mais um mito alardeado pelos coxinhas golpistas, de que na DITADURA não havia corrupção e que todos os generais que participaram do golpe levam vida modesta hoje. Todos sempre souberam da roubalheira nas grandes obras tocadas pelos milicos, vide ponte Rio-Niterói, Itaipu, Transamazônica, etc. A diferença é que quem ousasse denunciar qualquer coisa seria na melhor das hipóteses preso e torturado, além de perder o emprego. Na pior, iria ser morto como tantos foram. Talvez o momento seja propício para derrubar esse mito da honestidade da milicada, que não resiste a uma análise minimamente séria e imparcial. Somente as viúvas da DITADURA acreditam nesta falácia….

Responder

esquerdinha do botafogo

28 de novembro de 2014 às 02h28

mediocre

Responder

ricardo de antonio bittencourt

27 de novembro de 2014 às 23h02

Finalmente, pegastes na labuta.

Responder

Deixe um comentário para Mauricio2

Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno?