Ato em defesa da imprensa

A Folha e a guerra contra o Brasil

Por Miguel do Rosário

04 de maio de 2015 : 07h04

Em Numero Zero, novo romance de Umberto Eco, um dos personagens ensina como inserir a opinião política do jornalista dentro da notícia, sem que o leitor se aperceba. Basta entrevistar duas pessoas com opiniões diferentes. Para a opinião da qual você discorda, use um entrevistado de baixa qualidade, ou pegue uma frase tola. Em seguida, faça uma entrevista consistente com a pessoa com a qual você concorda. Pronto. Você posará de imparcial e terá expresso a sua opinião.

No caso da imprensa brasileira, eles sequer têm esse escrúpulo. Entrevistam apenas a pessoa que tem a opinião do jornal e ponto final.

Um exemplo é a matéria publicada na Folha, de hoje,  reproduzida abaixo.

A reportagem integra a incansável rotina da grande imprensa de mostrar o Brasil à beira da ruína econômica. Se agiam assim quando a economia brasileira batia recordes de crescimento, ao fim do governo Lula, agora estão mais felizes do que pinto no lixo, diante das dificuldades passageiras enfrentadas pelo país.

Dê uma olhada na matéria. Eu volto em seguida.

*

País regride em avanço do poder de compra

ÉRICA FRAGA, DE SÃO PAULO

04/05/2015 02h00

O Brasil voltou a ficar estagnado na sua trajetória rumo ao desenvolvimento econômico, na contramão de um grupo de países emergentes de diferentes regiões que continua avançando para um nível de renda mais elevado, como Chile, Uruguai, Coreia, Taiwan, Polônia e Estônia.

O aparente fim do ciclo de alta dos preços das matérias-primas -carro-chefe das exportações brasileiras-, aliado à falta de reformas que poderiam aumentar o ritmo de crescimento, dificulta a retomada do desenvolvimento brasileiro.

15122199


 

O poder aquisitivo do brasileiro como fatia da renda americana -referência para comparações globais- começou a se recuperar em meados da década passada. Em 2011, chegou ao patamar de 30% pela primeira vez desde o fim da década de 1980.

Depois de três anos nesse nível, no entanto, a proporção voltou a recuar levemente em 2014, para 29,5%.

Os cálculos foram feitos com base em dados do PIB (Produto Interno Bruto) per capita dos países, expresso em Paridade do Poder de Compra (PPC), divulgado em abril pelo FMI (Fundo Monetário Internacional). Essa medida é comumente usada para comparar o poder aquisitivo médio de diferentes nações.

Um país consegue se desenvolver à medida que a sua renda média se aproxima do patamar de países ricos.

Esse processo, chamado de convergência econômica, ocorre em etapas. A primeira é a transição de um nível de renda baixo para médio. A seguinte, bem mais difícil de ser atingida, é a evolução para um patamar de renda alto.

A transformação do Brasil em um país de renda média ganhou fôlego entre as décadas de 1950 e 1970, embalada pela urbanização e pelo surgimento da indústria básica.

“O crescimento inicial é mais fácil. Você consegue evoluir acumulando capital. Mas, depois, o retorno sobre esse capital decresce e outras fontes são necessárias”, afirma Filipe Campante, professor de políticas
públicas da universidade Harvard.

Em 1980, a renda per capita brasileira medida em PPC chegou a equivaler a 38% da norte-americana.

MUDANÇA

Com a crise econômica dos anos 1980, o processo de convergência sofreu um revés que se estendeu até meados da década passada, quando teve início uma modesta recuperação, abortada com a perda de fôlego do crescimento nos últimos três anos.

“A convergência da renda brasileira para o nível americano aumentou nos anos 2000 graças ao boom das commodities”, afirma Robert Wood, analista sênior da consultoria EIU (Economist Intelligence Unit).

Segundo o economista Otaviano Canuto, consultor do Banco Mundial, a transição para um nível de renda alto depende, principalmente, da adoção de um conjunto de normas na economia que sejam favoráveis ao desenvolvimento de capital humano e tecnológico.

“Nesses quesitos, o Brasil e parte da América Latina pararam no tempo”, afirma.

*

Voltei.

Nunca li um texto mais idiota na minha vida. Falar em “renda média” no Brasil, sem mencionar, nem que fosse “en passant”, a desigualdade social (até há pouco a maior do mundo),  é um atentado terrorista à inteligência humana.

Repare que a reportagem exalta a renda per capita de 1980, que teria chegado a 38% da americana.

Que cinismo!

Ora, em 1980, estávamos iniciando um dos períodos mais trágicos da nossa história, quando a inflação explodiria a níveis completamente descontrolados. O repique inflacionário de hoje não corresponde nem a um centésimo do que foi naquela época.

Desemprego, dívida externa, fome, miséria, um país sem obras de infra-estrutura, sem plano de crédito popular, sem programas sociais, sem futuro.

A matéria estende as considerações neoliberais para toda a América Latina, que viveu, nos últimos 15 anos, uma das maiores revoluções sociais da história da humanidade, com a emergência de dezenas de milhões de pessoas à um padrão de consumo melhor.

Esses cálculos de poder de compra, lastreados no dólar, me parecem totalmente anacrônicos. O percentual de brasileiros que viajam ao exterior hoje é infinitamente maior do que antes. Os aeroportos estão lotados. Nova York, Miami, Paris, Buenos Aires, foram invadidas por turistas brasileiros, que são os que mais compram.

Nunca se vendeu tanto carro, casa própria, eletrodomésticos, no Brasil como nos últimos dez anos.

Como assim o poder de compra estagnou-se?

A matéria da Folha é um engodo, e uma prova de que, com um pouco de criatividade e entrevistando-se as pessoas certas, pode-se fazer o que quiser com estatísticas.

E ainda deixei de lado qualquer observação sobre o título grotesco: “país regride em avanço”… Regride em avanço?

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Pedro Bizzotto

05 de maio de 2015 às 19h16

a globo é mestre nisso

Responder

Marcelo Gaúcho

05 de maio de 2015 às 15h36

“Regride em avanço” é típico do linguajar tucano que adora enrolar e manipular informações.

Existe um dicionário tucanês na internet para melhor compreender os incoerentes bicudos:
http://stravaganzastravaganza.blogspot.com.br/2011/02/dicionario-de-tucanes.html#!/2011/02/dicionario-de-tucanes.html

Responder

Jorge Oliveira

05 de maio de 2015 às 10h39

Vou ler, pois o Cemitério eu visitei e me impressionou.

Responder

Alexandre S. S. da Silva

05 de maio de 2015 às 07h03

Pois é…

Responder

Meire Souza

05 de maio de 2015 às 03h32

“Regride em avanço ” é ótimo!

Responder

Helio Siqueira

04 de maio de 2015 às 21h36

A média não é só uma xícara de café com leite. E não é mentira que Paulo, um mineiro de 1,80m de altura, tenha morrido afogado num lago de profundidade média 30cm. Acontece, que o lago tinha uma depressão de 5m de profundidade e Paulo, coitado, não sabia nadar. Ou seja a média, na maioria das vezes, só serve para confundir.

Responder

Sidnei Brito

04 de maio de 2015 às 17h48

Deixa eu ver se eu entendi:
Hoje, o País regride no avanço.
Beleza! Nos tempos do PSDB, o País avançava na regressão.
Melhor hoje!

Responder

Ciromar Batista

04 de maio de 2015 às 20h16

Elucidativo.

Responder

Paulo Henrique Souza Martins

04 de maio de 2015 às 19h25

Mais uma boa dO Cafezinho!!!

Responder

Miguel Do Rosario

04 de maio de 2015 às 14h22

Muito o bom Cemitário, também li.

Responder

Miguel Do Rosario

04 de maio de 2015 às 14h22

Muito o bom Cemitário, também li.

Responder

Judith Godinho

04 de maio de 2015 às 14h00

Preciso ler esse romance do Eco, Miguel Do Rosario. Vc tem dados tõa boas indicações. No momento, estou lendo outro romance dele: O Cemitério de Praga.

Responder

Rodrigo Jardim Rombauer

04 de maio de 2015 às 13h41

Frias Goebbels fazendo história…

Responder

Miguel do Rosário

04 de maio de 2015 às 10h28

cara, vai com calma, ok?

Responder

João Só

04 de maio de 2015 às 10h00

Essa velha mídia porca é o maior inimigo de um Brasil soberano e feliz.

Responder

Nicolau Massalai de Lima

04 de maio de 2015 às 12h51

Eles sempre itrevistam as pessoas que defede o mesmo pensamento da imprensa ou do poder econômico. O conta ponto fica com quem?

Responder

Deixe uma resposta