Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Linda vitória da blogosfera sobre Ali Kamel!

Por Miguel do Rosário

06 de junho de 2015 : 15h38

(Na foto acima, o editor de Cafezinho, Miguel do Rosário (eu), num café em Paris, alguns anos atrás, preocupadíssimo com as rasteiras judiciais de Ali Kamel).

Reproduzo abaixo texto do Nassif sobre essa linda vitória da blogosfera sobre a censura judicial.

Sempre é bom lembrar que o diretor de jornalismo da Globo tem usado do mesmo artifício – processos judiciais – para tentar silenciar a blogosfera.

Ali Kamel é a única pessoa no mundo que faz um site e inclui uma aba intitulada “sentenças judiciais”, apenas para se gabar dos processos que ganhou sobre blogueiros.

ali

ScreenHunter_5857 Jun. 06 15.17

Eu gostaria, aliás, de agradecer Ali Kamel por esta iniciativa (de juntar tudo em seu site), porque ela nos ajudará a reunir material para instituir mudanças que, futuramente, protejam blogueiros contra violências judiciais similares, por parte do poder econômico, político ou midiático.

A vitória de Paulo Henrique Amorim sobre Daniel Dantas, portanto, é também uma vitória da blogosfera sobre Ali Kamel.

Atente para a decisão de Celso de Mello:

“O interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade”, disse Celso de Mello. Ministro do STF encerrou ação de Daniel Dantas contra o jornalista Paulo Henrique Amorim

A partir desse momento, será mais difícil para autoritários, como Ali Kamel, tentarem sufocar financeiramente blogueiros.

Para mim, contudo, a vitória só não é completa porque é preciso uma lei específica, para que a liberdade de expressão não fique em mãos de juízes, desembargadores ou ministros do supremo.

Além disso, Paulo Henrique Amorim teve que pagar um dos melhores advogados do país para este tipo de ação. Nem todos podem fazer o mesmo.

Eu não posso, por exemplo.

Por isso a liberdade tem de ficar sob guarda da lei, não de juízes.

No meu caso, um desembargador que ganha mais de R$ 200 mil por mês, me condenou a pagar R$ 30 mil a um executivo que deve ganhar ainda mais que isso.

Que justiça democrática!

Pior, a mando do advogado deste executivo, o juiz invadiu ilegalmente as minhas contas bancárias. Não teve sequer a decência de me enviar um aviso para que eu quitasse a dívida com a justiça dentro de determinado prazo. Eu tinha o dinheiro para pagar e esperava apenas este aviso para fazê-lo.

Fui pego de surpresa, em plena viagem à BH, ficando sem recursos até para me alimentar. E tudo isso para transferir  dinheiro para um empregado da família mais rica do país.

Não tem sentido. Se o Estado provê até presidiários, condenados por homicídio, com bolsa-reclusão, para evitar que suas famílias morram de fome, qual a razão de um juiz entrar na conta de um cidadão, que sequer cometeu crime algum, apenas chamou uma figura pública de “sacripanta”, qual a razão do juiz tirar todo o seu dinheiro, só porque um executivo pediu?

Que tipo de democracia permite esse tipo de violência contra as liberdades individuais e até mesmo contra a segurança financeira de seus cidadãos?

Coréia do Norte?

Isso é Brasil, onde liberais pedem intervenção militar, censuram críticas e usam seu poder para invadir a conta bancária de seus adversários.

***

Mello, Dantas e PHA. Nassif e a ?vitória da liberdade !

Abaixo a censura jornalística pelo bolso !

O Conversa Afiada reproduz artigo publicado no jornal GGN, de Luis Nassif:

CELSO DE MELLO E A SENTENÇA PELO FIM DA CENSURA JORNALÍSTICA

“O interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade”, disse Celso de Mello. Ministro do STF encerrou ação de Daniel Dantas contra o jornalista Paulo Henrique Amorim

Jornal GGN – O jornalista Paulo Henrique Amorim comemorou nesta sexta-feira (5) uma sentença do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), a qual classificou como “histórica” por lançar caminhos mais sólidos para os profissionais de comunicação alvos de ações na Justiça envolvendo liberdade de imprensa e de expressão, inclusive no meio digital.

O magistrado deu ganho de causa a Amorim ante uma ação por danos morais ajuizada pelo banqueiro Daniel Dantas, que se declarou prejudicado por publicações feitas pelo portal Conversa Afiada. No último dia 2, Mello julgou procedente a Reclamação 15243, apresentada pelo advogado Cesar Marcos Klouri, para invalidar acórdão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) que estipulou indenização no valor de R$ 250 mil por danos morais em benefício de Dantas.

Na primeira tentativa de conquistar a indenização, o banqueiro sofreu derrota na primeira instância. Após isso, recorreu e a Primeira Câmara Cível do TJ-RJ, por unanimidade, reformou a sentença e arbitrou o valor cobrado de Amorim. Tal sentença foi derrubada com o despacho de Celso de Mello.

Na Reclamação feita ao STF, a defesa de Amorim alegou que o tribunal fluminense desrespeitou decisão proferida no julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 130 pela Suprema Corte. Nela, os ministros deliberaram que a Lei de Imprensa de 1967 não foi recepcionada pela Constituição e lançaram algumas diretrizes para julgar casos sobre liberdade de expressão.

Celso de Mello reiterou, na sentença favorável a Amorim, alguns fundamentos com base na ADPF 130. Disse ele:

“Todos sabemos que o exercício concreto, pelos profissionais da imprensa, da liberdade de expressão, cujo fundamento reside no próprio texto da Constituição, assegura, ao jornalista, o direito de expender crítica, ainda que desfavorável e em tom contundente, contra quaisquer pessoas ou autoridades.”

“Ninguém ignora que, no contexto de uma sociedade fundada em bases democráticas, mostra-se intolerável a repressão estatal ao pensamento, ainda mais quando a crítica – por mais dura que seja – revele-se inspirada pelo interesse coletivo.”

“A crítica jornalística, desse modo, traduz direito impregnado de qualificação constitucional, plenamente oponível aos que exercem qualquer atividade de interesse da coletividade em geral, pois o interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade.”

“É por tal razão que a crítica que os meios de comunicação social, inclusive em ambiente digital, dirigem às pessoas públicas, por mais acerba, dura e veemente que possa ser, deixa de sofrer, quanto ao seu concreto exercício, as limitações externas que ordinariamente resultam dos direitos da personalidade.”

A defesa de Amorim sustentou na Reclamação que “o réu, na qualidade de jornalista, cumpre a sua função social sempre que noticia fatos ocorridos no dia-a-dia e juntamente com a narrativa dos fatos revela a sua opinião critica” e que “a imprensa que se limita a noticiar sem avaliação crítica é uma imprensa desqualificada.”

Para Paulo Henrique Amorim, “toda vez em que houver uma ação referente à liberdade de expressão, a defesa [do réu] poderá invocar essa decisão” de Celso de Mello e, assim, lutar com armas mais justas contra o sufocamento do jornalismo dado pelo ataque ao bolso dos profissionais independentes.

“Com o fim da Lei de Imprensa, em 2009, na pratica houve um vácuo institucional. Os juízes não tinham referencia para julgar. A única referência era a Constituição. Mas, até o acusado chegar ao Supremo, para que a Constituição prevalecesse, ele/a tinha que aguentar dez anos de pressão, oficial de Justiça na porta, execração publica – e gastar uma fortuna! A histórica decisão do Ministro Celso de Mello encurta esse caminhão – e acaba com a judicialização da censura, pelo bolso!”, publicou.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

34 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Vinicius

08 de junho de 2015 às 11h42

Importante decisão, que seja seguida em futuras ações judiciais cujo único objetivo seja censurar quem pensa diferente – o que fica claro normalmente quando se vê quem está processando, não parecem ser pessoas humildes para quem 30 mil reais possa amenizar os efeitos da “”””difamação”””” sofrida.
E uma dúvida: será que Kamel foi condenado a pagar os honorários advocatícios também? Paulo Henrique Amorim além de ter um dos sites progressistas mais acessados certamente tem um excelente salário na Record (não tão excelente quanto os rendimentos de quem o processou por certo), sendo um de seus principais nomes. Mas como você mesmo disse, nem todos podem se dar ao “luxo” de contratar ótimos e caros advogados, e depois ainda ficar com a incumbência de pagar honorários mesmo sendo vitorioso na ação.

Responder

Carlos Ociran

07 de junho de 2015 às 09h29

De vez enquanto a justiça é justa.

Responder

Deborah Teixeira

07 de junho de 2015 às 10h06

Parabéns!!!!

Responder

Tamosai

07 de junho de 2015 às 03h22

Miguel, em função dessa decisão do STF, você poderia recorrer da sentença no processo impetrado por aquele que disse que não existe racismo no Brasil?
P.S. Pelo dicionário, sacripanta significa hipócrita, o que não é nenhum xingamento.

Responder

Thyago Humberto da Silva

06 de junho de 2015 às 21h32

chupa, sacripanta!

Responder

Thyago Humberto da Silva

06 de junho de 2015 às 21h32

chupa, sacripanta!

Responder

Taciana Dutra

06 de junho de 2015 às 20h32

Linda é merecida vitória. Um momento de justiça!

Responder

Maria Amélia Martins Branco

06 de junho de 2015 às 20h23

À luta, companheiros, vamos derrotar essa mídia corrupta Tucana.

Responder

Rosângela Trolles

06 de junho de 2015 às 20h01

Seria bom vc escrever em três linhas o q aconteceu p/ ser processado.

Responder

Deborah Dourado Lopes

06 de junho de 2015 às 19h55

Excelente notícia, adoro o blog O Cafezinho!

Responder

Deborah Dourado Lopes

06 de junho de 2015 às 19h55

Excelente notícia, adoro o blog O Cafezinho!

Responder

Deborah Dourado Lopes

06 de junho de 2015 às 19h55

Excelente notícia, adoro o blog O Cafezinho!

Responder

Luis Hilário da Silva

06 de junho de 2015 às 16h34

Miguel, Miguel você tenta ser um Leonardo Attuch, mas falta-lhe competência e, principalmente ética. O fato de você ser um “blogueiro progressista” não o exime de ter ética

Responder

    Miguel do Rosário

    06 de junho de 2015 às 17h42

    Por que sem ética?, agora vc me magoou

    Responder

      Miguel

      06 de junho de 2015 às 22h50

      Te peguei falando a mesma coisa no tijolaço. É um troll

      Responder

Sandra Francesca de Almeida

06 de junho de 2015 às 19h32

Excelente decisão do Ministro Celso de Mello. PHA e os demais blogueiros estão em situação menos desfavorável, agora. É mesmo uma decisão histórica.

Responder

Iasmin Moris

06 de junho de 2015 às 19h14

Ahmmm agora fiquei conhecendo Miguel do Rosário/ O Cafezinho, a quem sigo faz tempo.

Responder

Iasmin Moris

06 de junho de 2015 às 19h14

Ahmmm agora fiquei conhecendo Miguel do Rosário/ O Cafezinho, a quem sigo faz tempo.

Responder

Iasmin Moris

06 de junho de 2015 às 19h14

Ahmmm agora fiquei conhecendo Miguel do Rosário/ O Cafezinho, a quem sigo faz tempo.

Responder

    Fabio Lima

    07 de junho de 2015 às 13h32

    Pois é minha cara, você acabou de ter uma antecipada visão do inferno. Decididamente a natureza não foi generosa com o Miguel do Rosário. O sujeito entrou várias vezes na fila para ser feio !

    Responder

Eloiza de La Torre

06 de junho de 2015 às 19h05

O Judiciário brasileiro atua em prol dos poderosos.

Responder

Eloiza de La Torre

06 de junho de 2015 às 19h05

O Judiciário brasileiro atua em prol dos poderosos.

Responder

Eloiza de La Torre

06 de junho de 2015 às 19h05

O Judiciário brasileiro atua em prol dos poderosos.

Responder

Maria De Lourdes

06 de junho de 2015 às 19h05

Parabéns!!

Responder

Marcos P Silva

06 de junho de 2015 às 19h02

vitória do jornalismo de verdade

Responder

Francisco Coêlho

06 de junho de 2015 às 18h50

Parabéns.

Responder

Deixe um comentário para Thyago Humberto da Silva

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?