Haddad e Dilma em Belo Horizonte

Brasil fecha acordo histórico com Tio Sam!

Por Miguel do Rosário

01 de julho de 2015 : 15h13

Eis outra notícia legal, que não apenas beneficiará mais de 1 milhão de brasileiros residentes nos Estados Unidos, como traz reflexos geopolíticos importantes.

Americanos residentes no Brasil poderão requisitar aposentadoria aqui, e brasileiros residentes nos EUA poderão requisitar aposentadoria lá.

É um acordo importante também do ponto-de-vista da grande política, porque é uma parceria em termos igualitários, ou seja, não imperialista, e com foco no bem estar dos cidadãos.

Esse tipo de acordo às vezes são mais importantes do que acordos comerciais, que frequentemente beneficiam apenas algumas empresas, de um lado ou de outro.

Já um acordo previdenciário como este constitui um benefício universal a todos os cidadãos brasileiros dispostos a residir nos EUA, e a todos os americanos dispostos a viver no Brasil.

É um acordo que consolida as boas relações políticas e econômicas entre Brasil e EUA.

É um acordo entre países amigos, para desespero dos coxinhas, que saíram às ruas exibindo faixas onde se lia “Militar intervention, please”, como que pedindo às forças armadas norte-americanas para invadir nosso país e derrubar uma presidente democraticamente eleita.

Mais uma vez, os coxinhas perderam.

Dilma fez acordo com a China, que vai investir aqui algumas centenas de bilhões de dólares e fazer um trem ligando o Brasil ao oceano pacífico.

E agora Dilma fez acordos ainda mais importantes com os EUA.

Admito que Dilma comete inúmeros erros políticos, os quais eu procuro denunciar e apontar no blog, mas temos que admitir que, apesar de todos esses erros, ela segue governando, firme e forte.

Os dois impérios, o chinês e o americano, já estão mais ou menos conversados.

Ser simultaneamente um bom amigo da China e dos EUA é um grande trunfo diplomático para Dilma, pois evidentemente facilitará muito a entrada de novos investimentos, além de aniquilar, de uma vez por todas, a serpente golpista.

Se quiser continuar com seu golpe, as conspirações midiatico-judiciais terão que mandar prender os presidentes da China e dos EUA, e isso será bem mais difícil.

Enquanto isso, Aécio segue agarrado, qual um morto-vivo, à agenda do terceiro turno.

Aceita que dói menos, aecim!

***

Acordo beneficiará cerca de 1,4 milhão de brasileiros residentes nos EUA

Com acordo bilateral, 88,6% da comunidade brasileira no exterior terá cobertura previdenciária

por Portal Brasil
Publicado: 01/07/2015 12h21
Última modificação: 01/07/2015 12h21

A assinatura do Acordo Bilateral de Previdência Social entre o Brasil e os Estados Unidos, na terça (30), durante a visita da presidente Dilma Rousseff àquele país, garantirá proteção aos cerca de 1,4 milhão de brasileiros que migraram para os EUA.

Os brasileiros – tendo cumprido os requisitos – poderão solicitar os benefícios previdenciários, previstos no contrato entre os dois Estados nacionais, no país onde estiver residindo, do mesmo modo que os americanos que vivem no Brasil.

Ao entrar em vigor o acordo entre o Brasil e os Estados Unidos, o percentual de cobertura previdenciária aos brasileiros residentes no exterior chegará a 88,60%. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, atualmente, cerca de 3,123 milhões de brasileiros moram fora do País. 44,45% da comunidade brasileira no exterior vivem nos EUA.

Manutenção dos direitos previdenciários

O acordo bilateral com os Estados Unidos permite a soma dos períodos de contribuição realizados nos dois países para a implantação e manutenção do direito aos benefícios previdenciários, além de evitar a bitributação em caso de deslocamento temporário. Com a totalização, é possível ao segurado utilizar os períodos de contribuição em um dos países para atingir o tempo necessário para obter o benefício em qualquer dos Estados que firmam o acordo.

A permissão do deslocamento temporário define que um empregado, sujeito à legislação de um dos países, enviado para trabalhar no território do outro país – desde que mantido o mesmo empregador – permaneça sujeito apenas à legislação previdenciária do país de origem nos primeiros sessenta meses de deslocamento.

Evita, portanto, a bitributação: por cinco anos, o trabalhador contribuirá com a Previdência de um dos dois países, mantendo os direitos previstos no acordo. Antes do acordo, era obrigado a contribuir com a Previdência de ambos.

Benefícios

Nos Estados Unidos, o trabalhador alcançado pelo acordo multilateral terá direito aos benefícios dispostos na legislação que rege o Programa Federal de Seguro Social por idade, sobrevivência (morte) e invalidez. No Brasil, terão direito à aposentadoria por idade, pensão por morte e aposentadoria por invalidez, que constam do Regime Geral de Previdência Social, do Regime Próprio de Previdência Social de Servidores Públicos e do Regime dos Militares.

O valor do benefício é calculado obedecendo às regras nacionais, mas em proporção ao tempo trabalhado em cada país. É importante observar que o acordo não gera encargos financeiros uma vez que o benefício pago será proporcional ao período em que o segurado contribuiu em cada Estado contratante. O acordo também fortalece a cooperação administrativa entre as instituições previdenciárias.

Fonte: Ministério da Previdência Social

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

32 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Olney Cardoso Galvão

13 de setembro de 2015 às 12h27

DILMA não se curvou perante o gigante americano e recebeu o elogio de que

o BRASIL é uma grande nação .

Temos que negociar com todos os países , mas com soberania .

OCG

Responder

Sérgio Antônio Mota Furtado

02 de julho de 2015 às 00h28

Dilmais….

Responder

Roberto Nozaki

01 de julho de 2015 às 23h19

#CunhaGolpista

Responder

Lucão Renata

01 de julho de 2015 às 22h23

#13

Responder

Lucão Renata

01 de julho de 2015 às 22h23

#13

Responder

Sandra Coelho Coelho

01 de julho de 2015 às 21h44

Ñ tenho certeza que é bom assim,a maioria dos brasileiros residentes nos Estados Unidos são ilegais!!!!Então não terão acesso ao benefício!

Responder

    Marcio Araujo

    02 de julho de 2015 às 02h47

    a ideia talvez seja esta, que todos passam a ser legais dentro de outro pais, ja que eles nao podem mais grampear todo mundo a inteligencia deles tem que trabalhar no corpo a corpo.

    Responder

Wellington Nunes

01 de julho de 2015 às 21h40

Úrsula Viana

Responder

Vitor

01 de julho de 2015 às 18h29

Miami em festa! A melhor notícia é que o Constantino deve se aposentar por lá agora…

Responder

Fatima Alves Oliveira

01 de julho de 2015 às 21h22

Regina Santana Santana

Responder

Rafael Camilo

01 de julho de 2015 às 20h20

Halisson Barreto

Responder

Francireudo Pimenta

01 de julho de 2015 às 19h25

E o povo estar gostando muito do governo federal 9% da população .: ainda acho muito !

Responder

    Janaina

    01 de julho de 2015 às 19h45

    NÃO CHEGOU ATÉ A MIM ESSA PESQUISA!!?????

    Responder

Simone Guarani-Kaiowá Martins

01 de julho de 2015 às 19h19

Sei lá… desconfio!

Responder

João Vitor Almino

01 de julho de 2015 às 19h18

Que governo entreguista. Não podemos nos entregar ao imperialismo ianque assim…

Responder

Maria Teixeira de Magalhaes

01 de julho de 2015 às 18h33

O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada . Ele sabe que essa gente bronzeada aqui tem muito valor. … e como tem !!

Responder

Sandra Farias

01 de julho de 2015 às 18h24

Irah Pires

Responder

Francisco Rodriguez

01 de julho de 2015 às 18h19

Quando estão na pior lambem o saco do reino do império que sempre rejeitaram Povinho hipócrita

Responder

    O Cafezinho

    01 de julho de 2015 às 18h34

    que lambem o saco, deixa de ser idiota. é acordo igualitário. me surpreende um coxinha puxa-saco como você ser contra, isso sim!

    Responder

      Janaina

      01 de julho de 2015 às 19h48

      POIS E E LOBÃO NÃO IA PARA MIAME? E O POVO DA CLASSE ELITE DO BRASIL, NÃO AMA A DISNEY? ADORAM VIR COM ORELHAS DO MICKEY E COM A CARA DE PATETA NOS AEROPORTOS BRASILEIROS…..

      Responder

    Daniela Guinther Passaglia

    01 de julho de 2015 às 19h17

    Calma Cafezinho, calma!

    Responder

    Francisco Rodriguez

    01 de julho de 2015 às 19h22

    Só dei minha opinião, sem ofensa cretino

    Responder

    O Cafezinho

    01 de julho de 2015 às 19h45

    Tô calmo.

    Responder

      Janaina

      01 de julho de 2015 às 19h53

      MANTENHA A CALMA, PARA FAZER MAIS ARTIGOS INTELIGENTES… QUEM CRITICA SEUS ARTIGOS SÃO LEITORES DA REVISTA… É….. HAM.. DE TÃO HORRÍVEL QUE É ESQUECI O NOME DA RATAZANA REVISTINHA?

      Responder

    Antonio Henrique Siqueira

    01 de julho de 2015 às 19h51

    Francisco Rodrigues, se vc não é hipocrita é no minimo burro.

    Responder

    Miguel F Gouveia

    01 de julho de 2015 às 21h49

    Opiniões como essas devem vir acompanhadas de um relincho.

    Responder

Sonia Bastos

01 de julho de 2015 às 18h19

Eia, Miguel! Em algum momento, mesmo que seja em política, ? louvando o que bem merece deixe o que ruim de lado ? !

Responder

Marcelo Volcato

01 de julho de 2015 às 18h15

Qual a chance do Olavinho se aposentar por lá?

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com