Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Golpe conflagrará o país, diz presidenta do PCdoB

Por Miguel do Rosário

15 de setembro de 2015 : 19h03

A presidenta do PCdoB, Luciana Santos, falou o que até mesmo líderes da oposição já andaram externando: um golpe não será fácil. Pode-se conseguir ludibriar, por alguns dias, um setor do congresso e da opinião pública, mas em muito pouco tempo haverá conflagração política.

Setores importantes do país não aceitarão a violação da democracia. A economia sentirá o recrudescimento da instabilidade.

Mais difícil que o golpe, é o pós-golpe.

Arrasar um país é relativamente fácil, como ficou provado com a guerra no Iraque. O difícil é reconstruir o país.

Os partidos e lideranças que estiverem à frente de um movimento de ruptura com a legalidade democrática ficarão marcados para sempre como golpistas.

Isso mesmo que tentem disfarçar, como evidentemente tentarão, pintando o golpe com tintas da legalidade.

Não importa quantas camadas de tinta de legalidade passem sobre o corpo do golpe. Qualquer um poderá raspar a superfície e identificar o que realmente está por trás.

***

Tentativa de golpe conflagrará o país, afirma Luciana Santos

15 de setembro de 2015 – 16h46

Em entrevista ao Portal Vermelho após encontro com a presidenta no Palácio do Planalto, nesta terça-feira (15), a presidenta nacional do PCdoB e deputada federal Luciana Santos (PE) deu o tom da disposição de luta do partido na defesa da democracia e do mandato legítimo de Dilma.

Por Dayane Santos, no Portal Vermelho.

A presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos, durante encontro com Dilma, nesta terça (15), no Palácio do PlanaltoA presidenta nacional do PCdoB, Luciana Santos, durante encontro com Dilma, nesta terça (15), no Palácio do Planalto “Não vamos aceitar golpe. Esse país vai entrar num processo de conflagração e nós estaremos na trincheira, defendendo o legado de um projeto para o país que inclui as pessoas, que democratizou na prática e garantiu avanços significativos na vida das pessoas”, garantiu Luciana que, juntamente com líderes da base aliada, entregou manifesto em apoio a Dilma.

Sobre o encontro, Luciana frisou que as lideranças e os partidos foram levar à presidenta Dilma o apoio na perspectiva de enfrentar qualquer tipo de golpe contra o seu mandato.

“É preciso respeitar a democracia. Respeitar uma presidenta que fez a disputa eleitoral em outubro do ano passado, foi eleita com 54 milhões de votos para um mandato de quatro anos”, disse. “Nós, comunistas, sabemos o que é a ausência de democracia no Brasil e não vamos permitir qualquer retrocesso”, advertiu.

Para a dirigente comunista, o país assiste ao que há de “pior na oposição”, que tenta, “sem nenhuma justificativa ou base jurídica”, interromper o governo legitimamente eleito. Luciana frisou que o impeachment tem previsão constitucional, mas desde que tenha elementos. “Não pode ser a conjuntura econômica adversa ou baixa adesão popular a justificar que se rasgue a Constituição e viole a democracia brasileira”, asseverou.

Recompor a base de apoio no Congresso

Luciana destacou a resolução da Comissão Política Nacional do PCdoB, divulgada nesta segunda-feira (14), que apontou as tarefas para organizar a contraofensiva, diante da tentativa de golpe em curso. De acordo com ela, é necessário consolidar a base política ampla que dá sustentação ao governo de coalizão e, assim, aprovar o conjunto de medidas para a retomada do desenvolvimento.

“Acreditamos que o PMDB tem papel fundamental nesse esforço de aprovação. Isso num debate democrático, construído com muitas mãos, pois só assim é possível construir uma agenda para o Brasil que concilie as necessidades de ajuste, estabilidade econômica e política, tirando o país da recessão”, declarou.

A presidenta do PCdoB alertou para a conjuntura política grave, que tem como consequência a situação econômica de singularidades brasileiras, mas com origem na crise do mundial, que explodiu no berço do capitalismo com consequências para todo o mundo.

“Desde 2008, do governo Lula ao governo Dilma, o Brasil tem tomado medidas no sentindo de manter o crescimento e o emprego através de medidas anticíclicas. Houve todo um redirecionamento no sentido de aquecer o mercado interno, mantendo a política de reajuste do salário mínimo e a desoneração de vários setores econômicos para manter a atividade produtiva”, lembrou a parlamentar, ressaltando que o momento atual exige uma readequação.

“O ajuste não é para ficar, é temporário. São medidas necessárias para criar novas condições para a retomada do crescimento e ampliação das conquistas dos programas sociais, que têm sido tão importantes para o processo de inclusão do povo brasileiro”, disse.

Ajuste no andar de cima, não contra o povo

Luciana reafirma que o PCdoB tem uma posição clara de defesa do mandato, no entanto, salientou que essa defesa vem acompanhada de um conjunto de propostas que possa dar resposta aos anseios da população e retomar o desenvolvimento econômico do país.

“Acreditamos que é preciso dar perspectivas ao povo brasileiro. Sair da pauta apenas do ajuste, ou melhor, qualificar esse ajuste. Levar o ajuste para o andar de cima. Para o rentismo e o mercado financeiro”, explicou a líder comunista, citando, como exemplo, a taxação das grandes fortunas e a repatriação de renda que foi colocada no exterior, fazendo com que seja devolvida ao país, com multa.

“Um conjunto de medidas que significam arrecadar sem penalizar o trabalhador e o povo brasileiro, que já têm sofrido com os efeitos dessa crise”, defendeu Luciana Santos.

Segundo ela, a atual “política monetária já deu o que tinha que dar” e está levando o país “a um contracionismo muito grande” que tem levado os ajustes a um paradoxo. “Faz o ajuste, mas a sensação é de enxugar gelo: de um lado bota e de outro se tira. É preciso ter foco no desenvolvimento”, acrescenta.

Papel da militância

Ela conclui conclamando a militância do partido a fortalecer o “debate de ideias à altura das necessidades do momento”. De acordo com Luciana, é preciso explorar as contradições e resgatar, por meio de comparações, como era o Brasil antes de 2002.

“Quando se fala em risco Brasil, por exemplo, de 1994 a 2002, ou seja, incluindo os oito anos do governo Fernando Henrique, o risco Brasil era muito pior do que é na atualidade. E foi Lula, em 2008, que tirou esse risco Brasil”, lembrou.

E finaliza: “A nossa militância deve atuar nas redes sociais, fortalecer o papel das frentes de luta que participa e fazer um grande esforço pela amplitude. Temos no seio dos movimentos sociais e no âmbito das forças políticas, muitas divergências, muitas contradições. Agora, o que está em jogo é a democracia brasileira, caso contrário veremos interrompido – a exemplo do que aconteceu em outros momentos da história, como nos governos de João Goulart e Getúlio Vargas –, um projeto para o pais, um projeto que inclui as pessoas, que democratizou na prática e garantiu avanços significativos na vida das pessoas”.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

32 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Beto Piemont

17 de setembro de 2015 às 09h53

Haaaaa agora é golpe ???
Mas quando o PT, CUT , MST e companhia gritavam…
Impeachment já, fora FHC !!!!!
Cara, vcs são cínicos, hipócritas e demagogos.
Eu que era do movimento estudantil na época olho tudo isso e vejo os grandes bandidos que se tornaram.

Responder

Mario Costa Galvanese Galvanese

17 de setembro de 2015 às 04h21

Aqui nçao é Síria, não podemos aceitar esse clima golpista pró-guerra;;;

Responder

Edson Bezerra

17 de setembro de 2015 às 02h33

Terá muita violência também. Acho que por isso que Dilma se sentindo a mãe do Brasil,está se alinhando a direita pra enfraquecer a esquerda. Mas a esquerda não vai aceitar um golpe nem mesmo dela,pois esse mandato é nosso,da esquerda e dos votos que conquistamos,não dela. A luta está se tornando mais ríspida a cada dia. As espadas já foram desembainhadas. Agora é tarde.

Responder

Helo Souza

16 de setembro de 2015 às 23h48

Brasil, patria do evangelho. Deus está no comando. #ForçaDilmaIluminada

Responder

Monica Figueiredo

16 de setembro de 2015 às 16h42

Que papo furado esse de golpe! Palhaçada! Ela só vai sair dentro da lei! Então, não será golpe! Show de incompetência esse governo! Mantega deveria responder por irresponsabilidade administrativa!

Responder

surreal

16 de setembro de 2015 às 09h31

A república federativa brasileira nasceu sob a formação militar em 15 de novembro de 1889, hoje somos uma democracia, democracia essa sob a proteção e garantia militar que honra o nome do Brasil e seus cidadãos. Hoje, vejo uma guerra internacional e comercial contra o Brasil com interesses de traidores entreguistas de nossa grande nação, com a ajuda da mídia anti-pátria, de entrega de nossas riquezas estratégicas, da destruição de conquistas sociais e tecnológicas. O aparelhamento internacional de traidores do Brasil estão fazendo seu vil trabalho, tentando destruir as grandes empresas nacionais e atacando até os grandes e honrados nomes da área militar que trabalham para o engradecimento e soberania do país. Tudo arquitetado entre mídia anti-pátria e a banda podre do judiciário, contando com a ajuda de alienados. O Brasileiro precisa reagir contra esse mal, que quer a destruição de nossa soberania. Chega de indolência e alienação.

A pátria dos traidores é o dinheiro sujo, não importa de onde vem, é dinheiro manchado com o sangue do povo brasileiro.
https://www.youtube.com/watch?v=Bi15bR4GXo0
https://www.youtube.com/watch?v=1phd2VxUnW4
https://www.youtube.com/watch?v=L3VTSxWTvjI
https://www.youtube.com/watch?v=22Ygk15lCGY

Responder

surreal

16 de setembro de 2015 às 09h04

A república federativa brasileira nasceu sob a formação militar em 15 de novembro de 1889, hoje somos uma democracia, democracia essa sob a proteção e garantia militar que honra o nome do Brasil e seus cidadãos. Hoje, vejo uma guerra internacional e comercial contra o Brasil com interesses de traidores entreguistas de nossa grande nação, com a ajuda da mídia anti-pátria, de entrega de nossas riquezas estratégicas, da destruição de conquistas sociais e tecnológicas. O aparelhamento internacional de traidores do Brasil estão fazendo seu vil trabalho, tentando destruir as grandes empresas nacionais e atacando até os grandes e honrados nomes da área militar que trabalham para o engradecimento e soberania do país. Tudo arquitetado entre mídia anti-pátria e a banda podre do judiciário, contando com a ajuda de alienados. O Brasileiro precisa reagir contra esse mal, que quer a destruição de nossa soberania. Chega de indolência e alienação.

A pátria dos traidores é o dinheiro sujo, não importa de onde vem, é dinheiro manchado com o sangue do povo brasileiro.

https://www.youtube.com/watch?v=Bi15bR4GXo0
https://www.youtube.com/watch?v=1phd2VxUnW4
https://www.youtube.com/watch?v=L3VTSxWTvjI
https://www.youtube.com/watch?v=22Ygk15lCGY

Responder

Jose Nascimento

16 de setembro de 2015 às 11h18

Golpe é ser governado por um desgoverno q só nos prejudica. doe muito ter meus direitos trabalhista ser retirado. ver este governo enfiado em maracutaias e mais maracutaias. precisamos e merecemos ser felizes

Responder

Thomas Jeffersom

16 de setembro de 2015 às 11h01

Presidenta do “PCdoB” partido que promulga a ideologia que mais aplicou golpes no planeta….

Responder

Gleydson Lellys

16 de setembro de 2015 às 06h56

#VivaDemocracia
#NãoVaiTerGolpeNão

Responder

Fernando Bindel

16 de setembro de 2015 às 04h42

A piada pronta. Presidenta Lucianta. rsrsrsrs

Responder

André Rol

16 de setembro de 2015 às 04h19

Responder

    Gleydson Lellys

    16 de setembro de 2015 às 06h54

    Isso também é golpismo. Eu e nenhum cidadão somos obrigados a arcar com este rombo aos cofres públicos. Isso vem de pessoas aliadas de direita!

    Responder

    André Rol

    16 de setembro de 2015 às 13h20

    Que bom que reconhece com o “isso também”.
    Quanto ao projeto… É ultra polêmico.
    Do que se trata?
    Do seguinte: quem mandou dinheiro para o estrangeiro (para bancos europeus, especialmente os suiços, americanos etc.), ou manteve esse dinheiro lá, de forma ilegal [pelas leis vigentes no Brasil, de maneira criminosa], ganharia (de sobra) uma anistia criminal, em relação a todos os crimes fiscais e financeiros, incluindo os crimes contra a administração pública: falsidades, fraudes.
    Basta que a pessoa física faça a retificação da declaração do IR e, em lugar de pagar a alíquota de 27,5%, pagaria apenas 5% sobre o valor dos bens. A alíquota cai pela metade se os bens forem aplicados em algumas áreas (definidas no projeto) ou em fundos de investimentos. As pessoas jurídicas pagariam alíquotas entre 8% e 10%. Não é preciso repatriar todo o dinheiro. A anistia vale mesmo que só parte do dinheiro venha para o Brasil.
    Alguns juízes não concordam
    Para Sérgio Moro (juiz federal) O projeto é uma vergonha. De acordo com Gabriel Wedy (presidente da Associação dos Juízes Federais), O Brasil não pode aceitar esse tratamento benéfico ao capital que vai para o exterior de forma criminosa, na maioria das vezes fruto da corrupção ou do tráfico internacional de drogas (O Estado de S. Paulo de 24.12.10, p. A4). A anistia, na prática, diz o primeiro juiz citado, não vai beneficar apenas os crimes fiscais, de descaminho e financeiros, evasão de divisas, vai favorecer todo tipo de criminoso; vai ser difícil descobrir a origem do dinheiro (que pode ser de corrupção). Tratamento privilegiado para corruptos. Isso viola a moralidade. Por mais que a intenção seja a de atrair recursos para investimentos, creio que os prejuízos à moralidade e o incentivo à sonegação não compensam (diz o juiz Ivo Höhn Junior).

    Responder

    Tiago Mansur

    16 de setembro de 2015 às 16h44

    Morro de rir de um analfabeto politico usando a expressão “pessoas de direita”… Nada mais de direita que bancos batendo recorde atrás de recorde de lucros como vem acontecendo nos governos Lula e Dilma..

    Responder

Ron Valencia

16 de setembro de 2015 às 03h20

Quem lembra??
Olha a foto 2 tao presos!

Responder

Ron Valencia

16 de setembro de 2015 às 03h19

O golpe…
O imposto
o rombo no ajuste fiscal!
A presidenta honesta
Os bandidos
O povo sem saude ou Escola
A reforma do PORTO de Cuba
O povo comendo mortadela
Os ninja da dilma na internet vão perder o emprego
A mortadela
O petrolao
O Mensalao
O POBRE Mais pobre
O rico politico
O FIM da LOUCURA!

Responder

Chênia Castilho Reis

16 de setembro de 2015 às 03h09

Responder

Chênia Castilho Reis

16 de setembro de 2015 às 03h08

A oposição não tem moral nem p derrubar síndico!!!

Responder

Jairo Costa

16 de setembro de 2015 às 03h03

Responder

Ana Carla Alves

16 de setembro de 2015 às 02h53

O artigo dos apoios que te falei Glenda Ferreira

Responder

Maria De Fatima Cabral

16 de setembro de 2015 às 02h51

#GolpeNuncaMais! #ElesNãoPassarão!

Responder

Roberto Oliveira

16 de setembro de 2015 às 02h14

Mas será que não se percebe que é exatamente este o objetivo: O simples e puro caos?… Líbia, Venezuela, Egito, Síria, Ucrânia… É exatamente esta a agenda. Instalar o caos. O que estamos a ver no mundo é uma “guerra não convencional”. É exatamente este o plano e ele vai muito bem. O que se deseja é colocar fogo no País. O caos pelo caos. Arruina se a economia e então o big brother vai as compras.

Responder

    Luiggi

    17 de setembro de 2015 às 16h54

    Com maçons e sionistas liderando a lambança.

    Responder

Gisela Malvezzi

16 de setembro de 2015 às 01h52

Perfeito o texto

Responder

Da Silva Marcos

16 de setembro de 2015 às 00h53

Não aceitamos golpe!

Responder

Eugenio P. Lustosa da Costa

16 de setembro de 2015 às 00h16

A EQUAÇÃO ESTÁ MONTADA… Com golpe o país ficaria INGONVERNAVEL.

Responder

Antonio Ávila

16 de setembro de 2015 às 00h13

será que os golpistas não estão visando isto mesmo, a conflagração?

Responder

Frederico Freder

15 de setembro de 2015 às 22h58

Bandidos querendo tirar uma presidente honesta? nunca!

Responder

Cosme Motta

15 de setembro de 2015 às 22h32

Claudinha Claudiinha Gonzalez

Responder

Andre Lima

15 de setembro de 2015 às 22h20

Se tiver golpe, direita não reclame se o caldo engrossar nas ruas !

Responder

Deixe um comentário para Antonio Ávila

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?