Ato em defesa da imprensa

O poder e a manipulação dos institutos de pesquisa

Por Miguel do Rosário

30 de novembro de 2015 : 10h34

Mais um erro crônico do campo progressista e da academia.

A ausência de crítica a questão dos institutos de pesquisa.

Numa sociedade ultramidiatizada, o instituto de pesquisa está substituindo o sufrágio universal.

Com uma diferença básica: o sufrágio obedece a regras e critério democráticos.

O instituto de pesquisa faz o que quiser.

Os dois principais institutos de pesquisa são controlados pela grande mídia: Ibope, pela Globo; Datafolha, pela Folha.

O Datafolha escolhe rigorosamente o momento em que vai a campo: sempre no pior momento possível para o governo e para o PT, por razões políticas óbvias.

O PT nunca exercitou uma crítica inteligente aos institutos. Ao contrário, esbaldou-se, ingenuamente, durante anos, com a popularidade campeã do ex-presidente Lula, como que agradecendo aos institutos pela “generosidade”.

A avaliação periódica do humor da população é importante, diria mesmo essencial, para o sistema funcionar a contento, e por isso mesmo deveria ser objeto de discussão e ser regulada por critérios mais democráticos.

As pesquisas de avaliação de governo, intenção de voto, deveriam ser avaliadas com periodicidade imparcial, por órgãos de pesquisa independentes do jogo partidário entre mídia e governo, de preferência por universidades ou pool de universidades.

Nas democracias avançadas, temos institutos independentes, como o Pew Research Center, nos EUA, que fazem pesquisas variadas, e não caem no proselitismo partidário de um Datafolha, em que o timing e a maneira como a pesquisa é feita reflete sempre o viés notório do grupo Folha.

A manipulação dos institutos se dá sobretudo pelas circunstâncias acumuladas: na campanha eleitoral, as diferentes partes tem algum espaço para apresentar suas propostas e se defender de ataques.

Fora da campanha, não. A mídia mais concentrada do planeta impera absoluta.

Ou seja, há manipulação da pesquisa e há manipulação da informação. Por isso o sistema político oligárquico tem trabalhado para reduzir cada vez mais o tempo da campanha eleitoral. Para ampliar o poder de manipulação do poder midiático, que é o porta-voz dos setores econômicos mais reacionários, mais agressivos, mais dependentes do Estado.

É uma lástima ainda que a academia não exerça uma crítica inteligente à questão do instituto de pesquisa, que exerce uma influência determinante sobre o processo democrático.

É como uma eleição virtual, mas sem regra nenhuma, sem espaço nenhum para o contraditório, tocada penas por grupos de mídia e seus braços institucionais.

Não estou dizendo que as pesquisas mentem.

Manipular não é mentir. Manipular é dizer uma meia verdade. Manipular não é mentir sobre a temperatura da água: ela está fria ou quente. Manipular é não dizer à população que, antes de medir a água, a própria empresa responsável pela medição interferiu em sua temperatura.

Também não vou culpar a Folha por fazer o que lhe apetece. A culpa aqui é a ausência de um debate político sobre a importância da informação e da pesquisa para a formação da opinião pública.

Os debates sobre democracia na mídia são tratados como “subversivos” pela mídia, e, por consequência, pelo próprio governo, que parece ter medo do assunto. Os partidos, por sua vez, abordam o assunto apenas com paixão, contra ou a favor, sem jamais procurar debatê-lo em profundidade. Há tanta literatura, cinema, sobre o tema!

Dito isto, não vou entrar no mérito se Lula ainda é um candidato forte.

Claro que é.

O que as pesquisas mostram, porém, não é a candidatura de Lula. O que elas ilustram é antes a campanha midiática para desconstruir a imagem de Lula. E sequer escondem isso.

De qualquer forma, é interessante observar que a própria Folha admite que o PSDB não está se beneficiando do processo de descontrução de Lula e PT.

Na campanha eleitoral, constatou-se que os institutos de pesquisa tem muitas dificuldades para captar a complexidade de um público tão grande e diverso. Eles erram para todos os lados, inclusive contra o PSDB.

Aliás, chama a atenção a diferença entre os números do Datafolha e o do Ibope (este último enfrenta a concorrência perigosa de um instituto alemão, que acaba de chegar ao Brasil).

No Ibope, Lula aparecia, há algumas semanas, com 23% de votos “seguros”, contra apenas 15% de Aécio.

***

Na Folha.

47% do eleitorado não votaria em Lula em 2018, aponta Datafolha

RICARDO MENDONÇA
EDITOR-ADJUNTO DE “PODER”

28/11/2015 17h00

Do ponto de vista eleitoral, o maior beneficiado com a combinação de crise política e econômica não parece ser o PSDB, principal opositor da presidente Dilma Rousseff, mas a hoje reclusa Marina Silva (Rede), ex-senadora que ficou em terceiro na disputa pela Presidência em 2014.

É o que mostra a pesquisa Datafolha nos dias 25 e 26 com 3.541 entrevistas e margem de erro de dois pontos.

Na simulação que coloca o senador Aécio Neves como candidato do PSDB, Marina avançou três pontos (de 18% para 21%) e agora aparece tecnicamente empatada com o ex-presidente Lula (22%) na segunda posição. O tucano lidera com 31%, mas tinha 35% na pesquisa anterior.

ScreenHunter_191 Nov. 30 10.21

Quando o candidato do PSDB é o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Marina lidera isolada com 28%, seis pontos a mais que Lula (que caiu quatro desde junho) e dez a mais que o tucano (que oscilou dois para baixo).

Um dado que chama a atenção no levantamento é a taxa de rejeição do ex-presidente Lula. Quase metade dos eleitores (47%) dizem que não votariam nele de jeito nenhum. É uma taxa inferior apenas a atribuída a Ulysses Guimarães (1916-1992) em pesquisas feitas em 1989, quando disputou a Presidência pelo PMDB. Em agosto daquele ano, Ulysses amargou 52% de rejeição, recorde até hoje.

Aécio é rejeitado por 24% atualmente; o vice Michel Temer (PMDB), por 22%. Alckmin e Marina, por 17%.

O Datafolha mostra ainda que a imagem de Lula como ex-presidente perde força com velocidade. Em 2010, ele era visto como o melhor presidente que o Brasil já teve por 71%. Caiu para 56% no fim de 2014; 50% em abril; 39% agora. Apesar disso, segue líder.

ScreenHunter_193 Nov. 30 10.26

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alfredo

22 de agosto de 2018 às 10h25

Parei de ler no “O instituto de pesquisa faz o que quiser.

Os dois principais institutos de pesquisa são controlados pela grande mídia: Ibope, pela Globo; Datafolha, pela Folha.”

O fato de um instituto de pesquisa pertencer a um conglomerado de midia não passa de um fato que muito sabem (ou deveriam saber) e que esses grupos, realizam e encomendam pesquisas aos institutos “rivais” ou “opostos” sempre com o intuito de mostrar que não estão “controlando” a opinião pública com seus próprios institutos.

Consulte o site do TSE: http://www.tse.jus.br/eleitor-e-eleicoes/eleicoes/eleicoes-suplementares/consulta-as-pesquisas-registradas

Nesse site, pesquise pelo código: BR-04023/2018

Esse é o protocolo de uma pesquisa encomendada pelo Grupo Globo ao Instituto Datafolha, no valor de quase 400 mil reais, semana passada. Então me diga senhor da teoria da conspiração: Porque a Globo pagaria 400 mil reais para o Datafolha realizar uma pesquisa eleitoral, registrada no TSE?

Responder

Leon Leona

01 de dezembro de 2015 às 19h53

Verdade, nunca colocam Bolsonaro ou Caiado.

Responder

Osmar Felix

01 de dezembro de 2015 às 11h09

eles não manipulam mais ninguem….

Responder

Sudoeste Lato Sensu

01 de dezembro de 2015 às 09h19

Muito interessante, e merece profunda reflexão:

“Manipular não é mentir. Manipular é dizer uma meia verdade. Manipular não é mentir sobre a temperatura da água: ela está fria ou quente. Manipular é não dizer à população que, antes de medir a água, a própria empresa responsável pela medição interferiu em sua temperatura.”

Responder

Nelson Carvalho

01 de dezembro de 2015 às 00h15

Lula é o maior ladrão de todos os tempos.

Responder

Sérgio Gomes

30 de novembro de 2015 às 22h59

Carlos Damião

Responder

Miguel F Gouveia

30 de novembro de 2015 às 21h39

Datafolha não é confiavel

Responder

walker botelho

30 de novembro de 2015 às 16h15

Então é manipulação da mídia? também deve ser manipulação da mídia o aumento da inflação, o aumento de impostos, o aumento do desemprego, da gasolina, da energia, da queda do PIB, do prejuízo da Petrobras, dos petistas presos, do mensalão, do petrolão….
Então por que os políticos saíram do PT e fundaram o PSOL? então por que o pessoal está desfiliando do PT? coisa da mídia ou o PT fez uma campanha que iludiu o povo, no qual até o próprio Lula reconheceu isso?
Coisa da mídia também levar milhares de pessoas pra rua, pedindo a saída da DILMA?

Responder

Paulo Machado

30 de novembro de 2015 às 17h21

Cabe endossar a reflexão do texto com outras reflexões :

De que vale ter aprovação dessas agências de risco que são manipuladas pelo grande capital internacional?
E elogios de revistas internacionais conservadoras?

E por aí vai….

Responder

Petralha Zuero

30 de novembro de 2015 às 16h39

Responder

Deixe uma resposta