31.03 Coletiva com o ministro da Saúde

Dique golpista começa a rachar

Por Miguel do Rosário

11 de janeiro de 2016 : 16h20

Análise Diária de Conjuntura – Tarde – 11/01/2016

O povo não é bobo. Ou não é tão bobo quanto a mídia pensa.

Comentário que pesquei no site do Globo, abaixo da matéria sobre Jaques Wagner, novo alvo da pistolagem política:

ScreenHunter_292 Jan. 11 15.48

Quando entrei na notícia, era o comentário mais recente, aparecendo, portanto, em destaque.

Esse tipo de reação tem crescido. Sabe-se que a grande mídia, em especial o grupo Abril, contratam empresas especializadas em produzir comentários para os portais.

Os blogs da Veja e mesmo o Antagonista são usuários mais conhecidos dessas técnicas de iludir o leitor e o anunciante, para dar a impressão de uma audiência que não existe.

No caso dos blogs da Veja, os serviços são inclusive de péssima qualidade, e muitos comentários são produzidos quiçá eletrônicamente, por robôs, como se pode constatar pela quantidade bizarra de comentários assinados com nicknames, seguidos de textos repetitivos e redundantes, além da recusa destes mesmos serviços de instalar sistemas de comentários via Facebook, que dificultam o controle e a censura.

Quando aparecem comentários críticos às conspirações midiático-judiciais, é porque o sistema de controle rachou.

O dique da manipulação está começando a se romper.

A grande imprensa iniciou a semana com a nota apocalíptica de sempre, o que ajuda a criar um clima de pessimismo, que o mercado reflete no boletim Focus, o qual por sua vez abastece a mídia, num sistema de retroalimentação desgraceiro e doentio.

A grande imprensa continua a demitir em massa, criando nas redações um clima de terrorismo que resulta numa obediência cega do profissional aos ditames editoriais.

Os jornalistas passam a ter medo até mesmo de pensar diferente. De olho na sobrevivência, os profissionais não apenas vendem sua força de trabalho. Vendem também suas ideias, seus sonhos. Isso é o que o sistema atual pode fazer de mais cruel com a juventude disposta a trabalhar nas redações.

Com o recesso parlamentar, o sistema de pistolagem política depende da Lava Jato para vender conteúdo aos jornalões. De posse de um conjunto gigantesco de informações, um punhado de bandidos travestido de autoridades vende seletivamente vazamentos para uma imprensa interessada especialmente num determinado tipo de informação.

Os vazamentos da delação de Cerveró sobre o governo FHC servem para legitimar uma farsa. E digo farsa não porque desacredite da existência de atos de corrupção, tanto no governo FHC quanto nos governos posteriores. Refiro-me ao método de investigação, baseado em delações, de um lado, e num jogo calculado de vazamentos.

Daí que a agenda política nacional continua estreita. Os brasileiros não conhecem o Brasil. A quantas anda a economia brasileira real?

Por que a imprensa esconde que o Brasil tem o monopólio absoluto da produção mundial de nióbio, minério estratégico e essencial na produção de armas, satélites e produtos tecnológicos? Será porque não interessa à família Itaú, detentora deste monopólio?

Por que a imprensa parou de divulgar amplas reportagens-denúncia (se é que fez alguma vez) sobre a tragédia de Mariana?

A quantas anda a questão fundiária no país?

A nossa imprensa vive presa a uma agenda política incrivelmente curta, e repetitiva. Todos os jornais e revistas só falam de dois ou três assuntos, sob a mesma ótica.

A sociedade brasileira tornou-se muito mais complexa do que seu noticiário. Evidentemente, o monopólio cria essas distorções.

A ameaça de um novo delator de oferecer cem nomes de pessoas, envolvidas em algum esquema, transforma a Lava Jato numa grande pantomina. A delação premiada, definitivamente, vulgarizou-se.

Os réus entenderam que podem falar qualquer coisa, e serão premiados. Se não houver provas, não tem importância: a PF se encarregará de inventá-las, através de suposições as mais esdrúxulas possíveis. Os relatórios da PF tornaram-se peças de ficção, em que o policial, de posse de um conjunto volumoso de vazamentos, constrói uma teoria qualquer, a qual, desde que dentro da linha da mídia, será chancelada e defendida por esta custe o que custar.

As previsões econômicas para este ano ainda são bastante ruins: o boletim Focus, que colhe previsões da iniciativa privada, estimou que o PIB deve cair 3% este ano. Para o ano que vem, contudo, espera-se crescimento. Todos os fundamentos sinalizam que o ciclo negativo se esgota este ano. Aliás, já no segundo semestre deste ano, as luzes devem começar a surgir ao fim do túnel.

Politicamente, inclusive, este ano pode ser bem melhor, em virtude da realização das Olimpíadas e das eleições municipais. Melhor no sentido de possuir uma agenda política um pouco mais abrangente. O golpismo tende a se encolher, constrangido, diante do espetáculo de novas eleições livres e democráticas.

As Olimpíadas servem para erguer o astral, além de atrair, para o país, a atenção global, abrindo excelentes oportunidades para trocas culturais, políticas e comerciais.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

25 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Joao Batista Cabral de Oliveira

12 de janeiro de 2016 às 21h39

Ta tudo parecido com o do Cafezinho. Kkkkk……. Tudo igual.

Responder

Maurilio Gadelha

11 de janeiro de 2016 às 21h20

O PT plantou e cultivou uma unanimidade inexistente as alianças tipicamente patrimonialistas deitaram e rolaram. Calaram os militantes, trocaram encontros, congressos, por convenções eleitorais, Onde inexistia o debate. Trocaram as ideias por personalidades. E teimam em resistor com este modelo, tal e qual aos partidos de direita.

Responder

Leandro

11 de janeiro de 2016 às 20h16

Eu ia adorar se o vazamento sobre a corrupção no governo FHC fosse porque o Alckimin vai mudar de partido e quisesse detonar o PSDB.

Responder

Messias Franca de Macedo

11 de janeiro de 2016 às 19h52

Jessé põe o dedo no câncer do PT: o PiG!

Tem que existir o contraditório, a opinião alternativa. Se não, não é Democracia!

publicado 11/01/2016

Enfim, um intelectual do lado de cá, o progressista, enfrenta a moléstia degenerativa que intelectuais, militantes, pragmáticos e ativistas do PT fingem não ver.

Para Jessé Souza, presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e doutor em sociologia pela Universidade de Heidelberg (Alemanha), criou-se no Brasil, à esquerda e à direita, um legado de equívocos a partir do pensamento de Sérgio Buarque de Holanda (1902-82), que merece ser classificado como um verdadeiro “complexo de vira-lata”.

(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.conversaafiada.com.br/pig/jesse-poe-o-dedo-no-cancer-do-pt-o-pig

Responder

Andre Aquino

11 de janeiro de 2016 às 20h45

O Cafezinho foi infeliz na analogia. Estamos passando pelo pior desastre ambiental. Poderiam usar a página para cobrar a punição dos responsáveis pela tragédia de Mariana

Responder

Ricardo Carvalho Vaz

11 de janeiro de 2016 às 20h35

Ja dizia o Sergio Porto, “Ou bem se instaure a moralidade ou nos locupletemos todos” . No caso da Lava a Jato está ocorrendo a lógica reversa.

Responder

Roberto Oliveira

11 de janeiro de 2016 às 20h24

É perca de tempo querer “se informar lendo isso”. A globo, e todo o derivado da globo é ruim como ela. Ninguém pode se informar lendo isso, não é possível. Só muda o nome, a qualidade é a mesma….

Responder

Kelly Christine Lopes

11 de janeiro de 2016 às 20h00

Barragem, só falta a blindagem. Vamos ver o que quebra primeiro, a grande mídia ou a blindagem da oposição golpista.

Responder

O Cafezinho

11 de janeiro de 2016 às 19h45

Troquei o título para dique golpista

Responder

O Cafezinho

11 de janeiro de 2016 às 19h45

Troquei o título para dique golpista

Responder

    Célia Nadir Anselmi

    12 de janeiro de 2016 às 02h07

    Golpista são vocês que defendem um governo corrupto em troca de quirelinhas a la propina.

    Responder

    Lurdes Azeve

    12 de janeiro de 2016 às 04h16

    Esses são os maiores golpistas contra a populacao !

    Responder

Cleusa Faria

11 de janeiro de 2016 às 19h43

Tem que ter uma visão astronômica para entender esta rede de manipulações!!

Responder

Cleusa Faria

11 de janeiro de 2016 às 19h43

Tem que ter uma visão astronômica para entender esta rede de manipulações!!

Responder

walker botelho

11 de janeiro de 2016 às 17h37

Então o problema do Brasil é a mídia? é a VEJA? é a Globo?
O valor exacerbado da gasolina é por causa deles? a volta da inflação é por causa deles?
A queda do PIB? a recessão? o aumento da cesta básica? o valor da carne? o desemprego? a falência de várias empresas?
Pasmem! A culpa é de quem está governando o Brasil e tem nome PT.

Responder

    Wellington

    12 de janeiro de 2016 às 21h46

    Como eram todos esses índices antes do governo do PT?

    Responder

Vicente

11 de janeiro de 2016 às 17h37

A nossa sorte é que o PSDB e toda a oposição são tão ruins que nem com toda essa distorção da mídia a favor deles, nem com todo vazamento seletivo a favor, nem com toda ajuda de tudo que é lado não consegue deslanchar e perde quatro eleições seguidas. É como se em um hipotético jogo de futebol o psdb entrasse com 16 jogadores, sendo dois goleiros, contra o PT com 3 jogadores e sem goleiro e ainda perdesse. Quem sabe trocam de profissão?

Responder

Lemos

11 de janeiro de 2016 às 17h32

Tá vendo só Miguel… depois do comentário do Luis Paulo, os comentaristas esportivos estão proibidos de usar a expressão, ” Montar a barreira”.

Responder

Luís CPPrudente

11 de janeiro de 2016 às 17h19

Se o Governo Dilma cortasse a Bolsa PIG enfraqueceria mais rapidamente a barragem golpista.

Responder

Josue Pereira

11 de janeiro de 2016 às 19h09

Ari::::::::::

Responder

Tiago Morais

11 de janeiro de 2016 às 18h59

entao vem muita merda por aí…

Responder

Petralha Zuero

11 de janeiro de 2016 às 18h50

Responder

Deixe uma resposta