Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Damous: Lava Jato tem instrumentos de Estado de exceção

Por Miguel do Rosário

17 de janeiro de 2016 : 12h48

Dá um alívio tremendo saber que o PT tem ao menos um parlamentar disposto a enfrentar a narrativa golpista, a denunciar essa conspiração vagabunda, patrocinada por interesses mais que obscuros, que pretende enganar o povo brasileiro lhe dizendo que, para acabar com a corrupção, é preciso criminalizar a política, destruir a economia e trazer de volta os tucanos ao poder.

Grande Wadih!

***

No Conversa Afiada e Globo.

Damous: PF sempre pergunta – e o Lula?

Ele explica por que indicou Nilo Batista ao Lula: pela Democracia

Saiu no Globo, sede dos vazamentos mais torpes, entrevista de Fernanda Krakovics com Wadih Damous, deputado federal pelo PT do Rio:

O senhor sugeriu ao ex-presidente Lula a contratação do criminalista Nilo Batista. Por quê?

Por conta dessa criminalização geral da política, o presidente Lula tem sido alvo de atenções persecutórias e, nesse sentido, tem que estar muito bem assistido juridicamente. É, na verdade, uma defesa da democracia. Foi assim que conversamos com o Nilo e foi assim que ele se posicionou: “Eu estou aqui em defesa da democracia, mais do que na defesa de uma pessoa física”.

O senhor considera que há risco de o ex-presidente ser preso?

Não acredito nisso, mas como a Operação Lava-Jato tem muitos elementos de um Estado de exceção, de desrespeito à ordem jurídica, qualquer atitude preventiva é salutar, embora não haja nada contra o presidente Lula. E, sinceramente, seria a ousadia das ousadias criminalizar um ex-presidente da República com base em delações de delinquentes. Aliás, nem esses delinquentes têm feito qualquer tipo de acusação frontal contra o presidente Lula. Mas, já que há um cenário de criminalização ampla, geral e irrestrita da política, é importante que alguém da estatura do presidente Lula tenha uma assessoria jurídica à altura.

O ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró disse que foi indicado para a BR Distribuidora pelo ex-presidente por gratidão.

O relato de advogados de defesa é que sempre se pergunta acerca do Lula, como se houvesse um direcionamento. Isso é um lixo jurídico. E por que a palavra desse delinquente de nome Cerveró vale mais do que a palavra do presidente, que já disse que isso não é verdade?

Dizem que a maior preocupação do ex-presidente é com o filho Luís Cláudio na Operação Zelotes.

A nossa preocupação é com o desvio que a Zelotes tomou. Ela foi instaurada para investigar grandes sonegadores, parou de investigar grandes sonegadores e enveredou para a esfera política, como tem se tornado praxe no Brasil. De repente, a Zelotes se torna uma operação para investigar parentes do presidente Lula, o que é um absurdo.

Mas, se a Zelotes esbarra em algo considerado suspeito, não tem que investigar?

Ninguém está acima da lei. Nem o juiz Sérgio Moro, nem os procuradores da Lava-Jato, nem a Polícia Federal podem se considerar acima da lei. Tem que investigar qualquer indício de irregularidade. Agora, a Operação Zelotes parece que está se resumindo a isso.

O senhor tem sido um crítico da Lava-Jato e agora da Zelotes.

É um absurdo a instrumentalização e a transformação de órgãos de Estado, como o Ministério Público e a Polícia Federal, em órgãos de exceção, em polícia política, fora os vazamentos seletivos. Quando se trata de alguém ligado ao governo ou ao PT, a escandalização é imediata. Quando se trata de outras personalidades, como (o ex-presidente) Fernando Henrique Cardoso e (o senador) Aécio Neves (PSDB), é nota de rodapé, as investigações não vão à frente.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

27 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sandro Almeida

18 de janeiro de 2016 às 09h40

Tem que ter uma limpa…cansamos de ver as classes mais privilegiadas se safarem utilizando esses advogados canalhas.

Responder

Vanderlei Wittckind Wittckind

18 de janeiro de 2016 às 08h57

O obvio ululante (Nelson rodrigues)

Responder

Valério Igor Victorino

18 de janeiro de 2016 às 08h32

Em um país onde só pobres vão para a cadeia, o que está acontecendo é uma excessão.

Responder

Valério Igor Victorino

18 de janeiro de 2016 às 08h30

Por quê prendeu empreiteiros, banqueiro, senador, altos funcionários…..?

Responder

Claudio.sj

18 de janeiro de 2016 às 06h18

Damous Wadih é um ótimo nome para por ordem no Ministério da Justiça

Responder

Pedro Salgado Junior Junior

18 de janeiro de 2016 às 04h11

este estava em, marte

Responder

Sílvia Eugênia Galli

18 de janeiro de 2016 às 02h53

#ForaGolpistas

Responder

Jose Ricardo Botelho Brandão

17 de janeiro de 2016 às 21h53

kkkkkkkkkk

Responder

Messias Franca de Macedo

17 de janeiro de 2016 às 16h06

Moro é o “Teólogo da Vazação” ! Ele não está acima da Lei !

Está na hora de processar os vazadores

publicado 17/01/2016

Chega !
A Carta Aberta dos Advogados foi o documento que mudou o ambiente político de forma irreversível.
Chega de contemporizar com os vazamentos e o “sistema Moro” instalado em Curitiba.
O Governo tem a responsabilidade de investigar os vazamentos.
Descoberto o vazador, processá-lo pelo crime cometido !
É preciso perseguir o crime dos vazamentos como se persegue um crime de pedofilia, de terrorismo, um sequestrador !
Os vazamentos em curso são criminosos !
Como um sequestro !
Quem vaza esses documento comete um crime !
(…)
Até hoje, a Polícia Federal, a sede da sedição, não descobriu a origem de nenhum vazamento.
(…)
Destituir o diretor-geral, o Daiello, que tentou impedir o corajoso Juiz De Sanctis de deflagrar a Operação Satiagraha.
A investigação e punição dos vazamentos permitirá chegar ao “Teólogo da Vazação”, o Juiz Moro, de Guantánamo.
Porque é ele quem prega a suposta “transparência” como instrumento da Justiça.
A “transparência” seletiva, entregue na bandeja do PiG, para que o PiG faça, a seu modo, a seleçao da seleção.
É a “transparência” do Não Vem ao Caso !
Moro não está acima da Lei !
Paulo Henrique Amorim
.
FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/esta-na-hora-de-processar-os-vazadores

Responder

Fabrício Mito

17 de janeiro de 2016 às 17h05

Estado de exceção é? Kkkkkkkkk dessa vez vcs se superaram

Responder

    Waldecy Carlos Dionisio

    17 de janeiro de 2016 às 19h07

    Coxinha não sabe o que é Estado de Exceção!

    Responder

    Luiz Gonzaga Meziara

    17 de janeiro de 2016 às 19h58

    Com todo respeito, ilustrar a postagem com fotografia do Bolsanaro?

    Responder

    Marcelo Drumstick

    17 de janeiro de 2016 às 21h51

    Os advogados de Beira-Mar, do casal Nardoni e da Richtofen, a muito tempo reclamam do rigor da Justiça Brasileira…. Tadinha dessa gente boa que sofre com o autoritarismo de nossa Justiça.

    Responder

    Marta Fagundes Galvão

    18 de janeiro de 2016 às 00h42

    Waldecy Carlos Dionisio Não sabe mesmo!

    Responder

Adriano Santos Adriano

17 de janeiro de 2016 às 16h43

Viva a Lava jato, canalhas na cadeia

Responder

Álvaro Junior

17 de janeiro de 2016 às 16h41

Grande Wadih Damous! Voto bem dado.

Responder

Raimundo Freitas Freitas

17 de janeiro de 2016 às 16h28

“Jus sperniandi”!

Responder

Marcelo Drumstick

17 de janeiro de 2016 às 16h08

Os advogados de Beira-Mar, do casal Nardoni e da Richtofen, há muito reclamam da Justiça Brasileira….

Responder

    Jose Ricardo Botelho Brandão

    17 de janeiro de 2016 às 21h56

    Coitadinhos, tres casos de pessoas exemplares que foram injustiçados pela justiça brasileira. Eles deveriam estar no planalto agora. Cairiam como uma luva na equipe de governo. Casal Nardoni no ministério da Família, Richtofen no ministério dos idosos e o Beira Mar no departamento ati drogas.

    Responder

    Vicente

    17 de janeiro de 2016 às 21h13

    Já o Aécio Neves nem advogado precisa: já soma três delações contra ele na lava jato e ninguém se interessa.

    Responder

    Marta Fagundes Galvão

    18 de janeiro de 2016 às 00h41

    Que comparação ridícula!

    Responder

    Lana Adib

    18 de janeiro de 2016 às 01h34

    Vocês são ridículos!

    Responder

    Marcelo Drumstick

    18 de janeiro de 2016 às 09h39

    Pra quem não comete crimes, o rigor da Justiça não incomoda nem um pouco….

    Responder

Petralha Zuero

17 de janeiro de 2016 às 15h53

Responder

    Marcelo Drumstick

    17 de janeiro de 2016 às 16h09

    Os advogados de Beira-Mar, do casal Nardoni e da Richtofen, há muito reclamam da Justiça Brasileira….

    Responder

Sérgio Luiz De Carvalho Medrado Medrado

17 de janeiro de 2016 às 14h54

Que bom!!!

Responder

Deixe um comentário para Marta Fagundes Galvão

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?