Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Antena do 1º satélite de comunicações e defesa do governo é instalada em Brasília

Por Redação

18 de janeiro de 2016 : 08h59

no portal do Ministério da Defesa

Foi concluída com sucesso esta semana a instalação da antena que fará o controle remoto do Satélite Geoestacionário de Comunicações e Defesa (SGCD), primeiro equipamento do tipo totalmente controlado pelo governo brasileiro. O projeto é uma parceria entre os ministérios da Defesa (MD) e das Comunicações (MC) e envolve investimentos da ordem de R$ 1,7 bilhão, com previsão de lançamento em órbita em 2017.

Instalada dentro do 6º Comando Aéreo Regional (COMAR) da Aeronáutica, em Brasília, a antena – que tem 18 metros de altura e 13m de diâmetro – será utilizada para controlar remotamente o SGDC. O satélite ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo o território brasileiro. Uma segunda antena auxiliar no comando do satélite também será montada em outro centro de operações, no Rio de Janeiro.

O satélite vai operar na chamada banda X, uma faixa de frequência destinada exclusivamente ao uso militar, correspondendo a 25% da capacidade total do satélite – que também será utilizado pelo governo para levar internet banda larga a regiões remotas do País, como a Amazônia.

Hoje, as comunicações militares brasileiras são realizadas por meio do aluguel da banda X em dois satélites privados, ao custo anual de R$ 13 milhões. Quando o satélite SGDC já estiver operando, o MD vai manter apenas um desses contratos com operadores privados, apenas como garantia em caso de possíveis falhas no SGDC.

Além da economia de recursos, o lançamento do satélite vai possibilitar ao Ministério da Defesa reforçar seu Sistema de Comunicações Militares por Satélite (SISCOMIS) com mais 288 MHz de largura de banda, além do aumento de cobertura e potência de transmissão.

O SGDC

O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas está sendo fabricado em Cannes, na França, e começou a ser construído em janeiro de 2014. O lançamento está previsto para ocorrer no começo de 2017, pela empresa Arianespace, da base de lançamento de Kourou, na Guiana Francesa.

A construção do equipamento está sendo feita pela Visiona, uma joint venture entre a Telebras – estatal federal do setor de telecomunicações – e a Embraer – empresa privada líder nos setores aeroespacial e de defesa. A criação da Visiona, em 2012, corresponde a uma das ações selecionadas como prioritárias no Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE) para atender aos objetivos e às diretrizes da Política Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais (PNDAE) e da Estratégia Nacional de Defesa (END).

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

jose lourenco dos santos

29 de abril de 2017 às 09h37

muito bom para nosso pais ter o seu satelite propio para as comunicacaos e a defesa do pais brasileiro

Responder

Luiz Guilherme De Lemos Martins

19 de janeiro de 2016 às 21h06

O Brasil que queremos se escreve com s e não com z.

Responder

Roberto Gadioli

18 de janeiro de 2016 às 23h55

Agora sim, teremos mais segurança nas nossas comunicações.

Responder

Néya Pedroso

18 de janeiro de 2016 às 15h32

muito bem Parabéns, quanto mais independência, melhor!

Responder

Luiz Fernando Soares De Souza Lima

18 de janeiro de 2016 às 14h52

O Brasil não tem o seus proprios foguetes e satélites e Ancantara não explodiu a toa. É vedado ao pais. Isso se chama Teoria da Dependencia, aquela que o FHC traiu. Para o pais só resta exxportar soja. Não exporta tecnologia e aí é o pulo do gato.

Responder

Paulo Roberto S. Ferreira

18 de janeiro de 2016 às 14h07

Ronaldo Luiz

Responder

Hell Back

18 de janeiro de 2016 às 11h34

“TUCANO rouba há tanto tempo que os crimes – estão todos – prescritos”. – José Simão.

Responder

Roberto Da Silva Moraes

18 de janeiro de 2016 às 13h32

Ê tecnologia nacional?

Responder

Jorge Espindula

18 de janeiro de 2016 às 13h25

Que horror…
Não a necessidade disso.
Nosso “príncipe” e sua teoria da dependência afirmam que basta terceirizar nossa segurança.

Responder

Steiger

18 de janeiro de 2016 às 10h50

Como de praxe, vai dar problema e não vai funcionar. Quem viver verá.

Responder

    Anônimo

    18 de janeiro de 2016 às 11h41

    Que interessante! Um vira-lata misturado com urubu!

    Responder

    Hell Back

    18 de janeiro de 2016 às 13h23

    Assim como não funcionou a Petrobras?

    Responder

Luís CPPrudente

18 de janeiro de 2016 às 09h56

O Brasil tinha um satélite todo seu e não precisava alugar satélite de nenhuma empresa estrangeira, pois o Brasilsat pertencia à Embratel, mas pilantras, traíras e privateiros do governo do finado FHC deram de bandeja aos estrangeiros a Embratel e o satélite brasileiro.

Responder

Deixe um comentário