Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

O populismo judicial de Mário Sérgio Conti

Por Redação

19 de janeiro de 2016 : 12h28

por Luís Nassif, no GGN

Desde os anos 90, com o fim da ditadura, criou-se no país uma visão primária e maniqueísta de direitos civis. Como há diferenças óbvias entre o excesso de direitos dos influentes e a falta de direitos dos despossuídos, ambos precisam ter o mesmo tratamento. Como é impossível, no quadro processual, e do próprio modelo jurídico das democracias de mercado, dar ao pobre o mesmo tratamento do rico, que sejam igualados na falta de direitos.

Trata-se de um primarismo acachapante, uma ignorância ampla em relação a princípios básicos de direito. É desconhecimento de conceitos que, desde o Iluminismo, passaram a diferenciar sociedades civilizadas das comunidades bárbaras.

Lembro-me da comemoração dos 80 anos da Folha, no Teatro Folha do Shopping Higienópolis. Fiz parte de uma mesa com outros colunistas do jornal. Foi um festival de loas ao papel da imprensa.

Na mesa, uma colunista do senso comum comemorava o fato de que no dia anterior a Polícia Federal algemou o senador Jader Barbalho para conduzi-lo em um avião. E tudo isso graças ao trabalho exemplar da mídia.

Falei depois dela, lamentando a celebração da barbárie, da Lei de Talião, e ponderando que, quando a imprensa endossa um ato desses contra um senador da República, na prática está avalizando o pau-de-arara em qualquer delegacia de periferia.

Na saída do teatro, cruzei com Otávio Frias Filho e o advogado Luiz Francisco Carvalho, criminalista. Ambos me cumprimentaram pela defesa de princípios fundamentais, por ter investido contra a onda punitiva. Ficou só no cumprimento. Na prática, a história da mídia de massa mostra que a maneira mais fácil de conseguir leitores (quantidade, não qualidade) são os chamamentos ao fígado.

Não é por outro motivo que o maior massacre da história moderna do país, os 650 assassinatos de maio de 2006 pela Polícia Militar de São  Paulo, tenha sido varrido da história do estado.

Hoje, na Folha, o neo-colunista Mário Sergio Conti – intelectualmente melhor aparelhado que a ex-colunista – recorre a esse populismo judicial. Por quê os advogados que criticaram a Lava Jato não se posicionam contra a prisão preventiva de milhares de prisioneiros anônimos? Chama a carta de “hipocrisia seletiva dos homens de bens”.

Conti incorre em três pecados contra a originalidade.

O primeiro, de enveredar por esse populismo de araque, de pretender que a maneira de igualar ricos e pobres é na falta de direitos. É de uma pobreza intelectual que depõe contra o autor.

O segundo, recorrendo a um recurso primário de retórica, mais propício a comentários de trolls do que a jornalistas experientes. É o sofisma das afirmações infinitas. Tipo “porque você escreveu isso e deixou de escrever aquilo?”. Ao que se sucede: “Porque você escreveu aquilo é deixou de escrever aquilo outro”, em uma progressão que tende ao infinito.

Segundo ele, a carta revela a “hipocrisia da defesa seletiva dos homens de bens”, porque se refere especificamente aos presos da Lava Jato. Ora, muitos daqueles advogados são defensores de direitos humanos e as próprias OABs têm movido campanhas contra os abusos contra a população carcerária. A carta fala só sobre os tais “homens de bens” da Lava Jato porque se refere à Lava Jato, ora.

Se falasse também da população carcerária brasileira, o brilhante Conti cobraria uma crítica a Guantánamo, ou às prisões de Cuba, ou à população carcerária dos Estados Unidos. E o Iraque? E o África? É o padrão Facebook na mídia.

O terceiro é a tal imagem dos “homens de bens”. O uso da ironia exige, ao menos, a companhia da originalidade.

Há uma crítica consistente a ser feita contra a infinidade dos recursos judiciais que impede a punição dos que podem recorrer aos grandes advogados. Daí a se pretender igualar a todos na exposição abusiva às prisões preventivas vai uma distância enorme, a mesma que separa a civilização da barbárie, ou a discussão séria dos vícios processuais brasileiros do uso primário do populismo judicial.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

34 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Enio

21 de janeiro de 2016 às 10h53

Essa elite criminosa tem MEDO do povo brasileiro.

Responder

Francisco Das Chagas Lemos

21 de janeiro de 2016 às 00h01

Rapaz, é muita exposição para um Juiz, o CNJ não diz nada…..

Responder

Francisco Das Chagas Lemos

21 de janeiro de 2016 às 00h01

Rapaz, é muita exposição para um Juiz, o CNJ não diz nada…..

Responder

Lon Martin Wagner

20 de janeiro de 2016 às 10h36

É preciso muito cuidado com a tucanalhada, OS REIS DA CORRUPÇÃO, SAQUEARAM O PAÍS, 1995-2002 tudo escondido pela mídia a peso de ouro.

Responder

Cláudio Vieira Vieira

20 de janeiro de 2016 às 04h15

#ExplicaMoroPorqueSóPT.

Responder

Renato Lira

20 de janeiro de 2016 às 03h28

Essa coxinhada é m bando de lunático. kkkkkkkkkkk

Responder

Amarildo Inacio

20 de janeiro de 2016 às 01h12

Anotem…. veremos este populismo se transformar em um candidato a um cargo político de grande destaque. Ilusão! !@

Responder

Edmundo Camargo

19 de janeiro de 2016 às 23h46

Militonto petralha só tem um argumento, acusar os outros para justificar seus crimes. Não estamos nem aí, se é tucano ou petista, cana para todos os ladrões.

Responder

Farias Furtado

19 de janeiro de 2016 às 23h30

Isso não é populismo ! É reconhecimento !

Responder

Nilton Medines

19 de janeiro de 2016 às 23h03

E porque do aecim
do fhc boca de sovaco já se sabe tudo mas não se faz nada né tolinho

Responder

Joao De Lima Filho Lima

19 de janeiro de 2016 às 22h47

Antigamente o poder judiciário só punia uma pessoa se tivesse provas. Hoje, o poder judiciário ratifica a punição dada pela imprensa brasileira. Não interessa as provas.

Responder

Edmundo Camargo

19 de janeiro de 2016 às 21h22

Com certeza.

Responder

Alexandre Salles

19 de janeiro de 2016 às 19h59

Moro se sentindo assim

Responder

Recruta Zero

19 de janeiro de 2016 às 16h33

Presidente Dilma Rousseff, comandante em chefe das forças armadas, convoque os militares para moralizar essa justiça que envergonha a CF e verás como irá melhorar o combate à corrupção que desde há muito tempo tem sido seletiva e partidarizada. Sabe que os militares podem ajudar e muito. Vamos democratizar a justiça.

Responder

Rose Andrade

19 de janeiro de 2016 às 18h17

FICO ABESTADO EM VER COMO TEM COXINHA RETARDADO….EITA POVO CORTA A CORDINHA QUE A MÍDIA. TÁ TE MANIPULANDO…..

Responder

Sergio de Toledo

19 de janeiro de 2016 às 18h16

Ah, as delícias da fama!

Responder

Petralha Zuero

19 de janeiro de 2016 às 18h02

Responder

Mila Porto

19 de janeiro de 2016 às 17h40

O que fazer com essa tal seletividade..

Responder

Flávio Levi Moura

19 de janeiro de 2016 às 16h53

O punitivismo espetaculoso direcionado contra o governo do PT, descortina, por completo, a neutralidade sacralizada do direito. São processos políticos que utilizam o judiciário como fachada formal para uma disputa pelo controle do aparelho estatal. A constituição e a tradição jurisdicional garantista são solenemente ignoradas em favor de uma versão brasileira do macartismo. Os princípios e garantias processuais do direito são substituídos por um discurso ideológico claramente conservador, cujo principal objetivo é exterminar com o patrimônio político do PT.

Responder

    Joel Araujo

    19 de janeiro de 2016 às 17h11

    Muito bom! Parabéns e permita-me utilizar suas palavras como argumento no futuro!

    Responder

    Edmundo Camargo

    19 de janeiro de 2016 às 18h09

    Durante anos a esquerda, com razão, reclamou da impunidade dos poderosos. Agora o discurso muda, passa a ser perseguição judicial ideológica. Como diria o grande Millor, ou responsabilizamos os culpados, ou nos locupletamos todos.

    Responder

    Renato Lira

    19 de janeiro de 2016 às 20h00

    Falaste e disseste, Flávio Levi Moura.

    Responder

    Valter

    19 de janeiro de 2016 às 23h17

    Excelente comentario.

    Responder

Paulo Fernandes

19 de janeiro de 2016 às 16h51

O ministo joaquim barbosa começou assim e depois sumiu

Responder

Edmundo Camargo

19 de janeiro de 2016 às 16h48

É incrível ver jornalista de esquerda defendendo corrupto milionário. O mesmo artigo revela que a população carcerária no Brasil é de 600000 presos, 240000 sem condenação definitiva. Lenin deve estar se reverirando no túmulo.

Responder

Pedro Rodrigues

19 de janeiro de 2016 às 16h42

Vida longa à corrupção!!!!

Responder

Ronaldo Junior

19 de janeiro de 2016 às 16h41

Vida longa ao Rei.

Responder

Deixe um comentário para Nilton Medines

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?