Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A hipocrisia da Globo ao tratar do sistema carcerário

Por Miguel do Rosário

26 de janeiro de 2016 : 13h51

O Globo decidiu, oportunisticamente, fazer uma série de pequenas reportagens sobre as arbitrariedades do nosso sistema carcerário. Como sempre, as matérias não abordam as causas do problema: um sistema judiciário baseado em prisões preventivas, e que não combate o desleixo e o arbítrio policial.

Na verdade, o formato das matérias, curtas, superficiais, rasas, anedóticas, sugere uma iniciativa realizada às pressas, para tentar corroborar a narrativa midiática de que os advogados dos réus de algumas das conspirações em andamento estão reclamando de barriga cheia: eles poderiam estar frequentando círculos mais sombrios do inferno.

É uma forma astuta, por exemplo, de se omitir diante da denúncia, feita pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos do Congresso Nacional, Paulo Pimenta, de que a mulher de Mauro Marcondes, uma senhora de 53 anos, está sendo torturada nas dependências da Polícia Federal, numa tentativa desumana de forçar seu marido a delatar o ex-presidente Lula.

Na verdade, ao aferrar-se apenas aos casos extremos, ao trágico, a mídia põe de lado a crítica ponderada, racional, a toda a lógica que sustenta a situação penal no país: uma moralidade fascista, patrocinada pela própria mídia, que incita a população ao linchamento – sobretudo na medida em que jamais aponta as razões sociais por trás da criminalidade.

Pior: a matéria fala que não há dados sobre as injustiça do sistema prisional. Se consultasse o Google, veria que o Cafezinho publicou, há um ano, um estudo atualizadíssimo, patrocinado pelo Ministério da Justiça (quem foi patrocinado foi o estudo, não o blog, viu coxinha?), sobre a questão da prisão preventiva. É uma denúncia gravíssima que jamais chegou à grande imprensa.

Hipócritas! Não adianta publicar, de cinco em cinco anos, uma matéria sobre o tema. É preciso abordá-lo todas as semanas, entrevistar especialistas, mostrar ao leitor como é o sistema em outros países. E, sobretudo, fazer análises profundas, que toquem as causas do problema, apontando soluções definitivas.

Claro, nada disso interessa à Globo, obcecada pela pauta única de bater no PT e dar solidez narrativa às conspirações judiciais.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Hell Back

19 de abril de 2018 às 11h27

A elite do atraso não tem mas argumentos para se defender.

Responder

Enio

29 de janeiro de 2016 às 11h26

Essa elite criminosa tem MEEEEDO do povo brasileiro.

Responder

Silvio Guedes

28 de janeiro de 2016 às 15h45

É a prepotência e a certeza da impunidade que separa a elite da grande maioria do povo brasileiro. A justiça no Brasil tem a marca da impunidade seletiva porque é elitista com herança escravagista. Existem dois tipos de execuções penais no país, uma para a pequena parcela dos ricos e outra para a grande maioria do povo, com variações de penas menos desconfortáveis para quem tem curso superior e penas desumanas para quem não o tem. Uma jabuticaba. A justiça está elitizada e privatizada na propina, todos reclamam da falta de punição, mas ninguém, nem a mídia, quando não se trata de seus próprios interesses, se interessa a questionar quem está por trás, nos bastidores da lei, que atuam para mantê-la tão antidemocrática, ninguém investiga o motivo do caos da impunidade e nem o aparente comércio milionário de vendas de sentenças e vazamento de investigações, todos os agentes policiais, com os salários, armas, viaturas sucateados, como a grande maioria do povo brasileiro, sucateados em sua cidadania por essa justiça seletiva, já se cansaram e estão impacientes com tanto prende e solta somados as quatro lentas instâncias de tribunais que os criminosos endinheirados recorrem e podem permanecer livres até o fim da vida. Juízes querem ter o domínio das investigações e condenar ao mesmo tempo. Os políticos mafiosos tentam fechar escolas públicas e não querem gastar com manutenção de presos. Quem paga somos todos nós, na forma de danos causados em nossa saúde pela convivência diária com a insegurança, com a violência, gerando um povo com mudanças de hábitos antes saudáveis, para um povo estressado, doente, refém de bandidos, políticos mafiosos e mídia oportunista, isso por fim, acaba também criando enormes problemas econômicos.

Responder

Vicente

26 de janeiro de 2016 às 15h35

É, mas com a internet os buracos da peneira são a cada dia mais e maiores. Vai ser difícil da mídia patronal segurar. E isso no mundo todo, não apenas no Brasil.
Obrigado, Miguel!

Responder

Deixe um comentário