Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Alta da produção de petróleo no Brasil será uma das maiores do mundo neste ano

Por Miguel do Rosário

14 de abril de 2016 : 10h45

Brasil terá uma das maiores altas da produção de petróleo em 2016

Na Época Negócios

O Brasil será um dos países com maior aumento da produção de petróleo em 2016, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Em meio às discussões sobre eventual congelamento dos volumes entre os grandes exportadores globais, como Arábia Saudita, Irã e Rússia, a entidade prevê que a produção média do Brasil deve alcançar 3,1 milhões de barris diários (BDP), acima dos 3,06 milhões de barris diários de 2015. O aumento vem especialmente do pré-sal. Após o Brasil ter registrado aumento de 210 mil barris na produção de petróleo no ano passado, o ano começou com queda dos volumes para 3 milhões de barris diários no primeiro trimestre. A retração é explicada pelo declínio dos volumes extraídos em áreas maduras de produção da Bacia de Campos, diz a Opep. Ao todo, essa área tradicional de produção deve reduzir os volumes em cerca de 250 mil barris na comparação com o ano passado.

Apesar disso, o aumento da produção nas plataformas do pré-sal deverá compensar o declínio de Campos, diz o cartel dos exportadores. Assim, a Opep prevê que a produção média do Brasil se recuperará com 3,1 milhões de barris no segundo trimestre, 3,2 milhões de barris no terceiro trimestre e 3,3 milhões de barris nos últimos três meses do ano. Na média de 2016, a entidade estima em 3,1 milhões de barris diários produzidos pelo Brasil.

“Em 2016, há expectativa de que Estados Unidos, México, Reino Unido, Casaquistão, Azerbaijão, China, Iêmen e Colômbia tenham os maiores declínios, enquanto Brasil, Canadá, Malásia, Omã e Austrália verão os maiores crescimentos”, diz a entidade no relatório de abril.

De acordo com a entidade, a produção mundial deve alcançar média de 62,7 milhões de barris diários em 2016, volume 600 mil barris menor que os 63,3 milhões de barris do ano passado. Individualmente, EUA (queda de 400 mil barris ante 2015), México, Reino Unido e China (todos com retração de 100 mil barris) darão as maiores contribuições para a queda da produção global neste ano.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Antonio Passos

14 de abril de 2016 às 12h18

Que beleza, a Chevron fará bom uso se a bandidagem sequestrar o país.

Responder

    Octavio Filho

    14 de abril de 2016 às 12h37

    Os Cunxinhas (Cunha + Coxinhas) vão adorar ver o país perder divisas, enquanto eles próprios ficam sem dinheiro para iviajar para a Meca dos coxinhas (MIAMI).

    Responder

Deixe um comentário para Octavio Filho

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina