Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Em SP, músicos se unem contra o golpe

Por Miguel do Rosário

15 de abril de 2016 : 20h13

Foto: Mídia NINJA

Em SP, impeachment catalisa músicos em nome da democracia

Na Brasileiros

Desde o último domingo (10), o Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo, tem sido palco do festival Música Pela Democracia. O evento, que será encerrado no próximo domingo (17), dia da votação do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff na Câmera dos Deputados, tem grade diária variável de 8 a 12 horas e reúne apresentações de mais de 70 artistas.

Sem a defesa explícita de Dilma, mas idealizado a partir do consenso de que o processo de impedimento de seu mandato fere o Estado Democrático de Direito, o festival foi criado pelos grupos Coletivo Arrua e Produtores SP, em parceria com Audiovisual Pela Democracia SP, Arte Pela Democracia, Recheio Digital, Via TV, MTST e Coletivo A Batata Precisa de Você, com apoio da Frente Brasil Popular, Povo Sem Medo, Hostel Garoa e Bar Tiquim.

Entre os artistas que aderiram ao Música Pela Democracia, estão representantes de diversas regiões do País, como Anelis Assumpção, Chico César, Tulipa Ruiz, Lucas Santtana, Meno Del Picchia, BNegão, Maurício Pereira, Curumin, Saulo Duarte e a Unidade, Rafael Castro, Bixiga 70, Bárbara Eugênia, Tiê, Márcia Castro, Edgard Scandurra e Silvia Tape, Guizado, Naná Rizzini, Felipe Cordeiro, Banda Eddie, Aláfia, Rashid, Lirinha, Guilherme Kastrup, DJ Craca e MC Dani Nega e o rapper Black Alien, que apresentou-se na última terça-feira (13) ao lado de KL Jay, DJ do Racionais MCs.

Além dos shows, o evento também oferece atrações de dança, discotecagens, nos intervalos das apresentações, oficinas, picnics e debates, como o que reuniu a cantora Anelis Assumpção, a atriz Letícia Sabatella, os jornalistas Juca Kfouri e Leonardo Sakamoto e Guilherme Boulos, coordenador nacional do MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto.

“O ódio, a intolerância, o preconceito e o golpismo não nos representam. Queremos uma democracia com mais amor e pluralidade. Nossa luta é pela defesa dos direitos de ir e vir, de livre expressão, de livre manifestação, de livre organização; pelo direito à diferença e à pluralidade; pelo direito à cidade e à participação, contra todas as formas de racismo, machismo, xenofobia, contra todas as formas de opressão e preconceito”, diz o comunicado divulgado no lançamento do festival que, em paralelo à sua realização, também deu início ao Ocupa a Democracia, ação inspirada nos movimentos mundiais que tiveram início com a Primavera Árabe e tornaram-se notórios após o Occupy Wall Street. “Das muitas mobilizações e revoltas que estouraram no mundo a partir de 2011, nasceu uma grande manifestação mundial por uma Democracia Real. Agora é a nossa vez! A democracia no Brasil ainda é muito jovem e precisa amadurecer”, afirmam os organizadores.

Para o compositor e poeta pernambucano Lirinha, por trás da ofensiva oposicionista há o interesse oligárquico de estancar os avanços sociais e democráticos da última década. “Estou vindo do sertão, da beira do rio São Francisco, passando por esse momento dos mais difíceis e o que sinto é a caminhada em uma vereda de injustiças baseada em devolver o poder para grupos que sempre oprimiram a força dessa nação. Por trás da raiva de um partido político, por trás do ódio a um ex-presidente também está o ódio às conquistas das liberdades, a raiva dos movimentos de periferia, dos movimentos negros e certo asco pela discussão da diversidade sexual, da diversidade intelectual e musical. Sinto que o momento é muito delicado, que é preciso força para passar dele e saber que algumas coisas, que nos deixarão tristes, acontecerão, mas por esse amor ao País vamos seguir em frente, denunciando o golpe que está sendo engendrado, articulado nas altas torres, nas coberturas de nosso querido Brasil”, disse Lirinha em entrevista ao coletivo de mídia independente Jornalistas Livres, antes de se apresentar no Largo da Batata na noite de ontem (14).

Produtor de dezenas de trabalhos fonográficos, entre eles o celebrado A Mulher do Fim do Mundo, mais recente álbum da cantora Elza Soares, o percussionista Guilherme Kastrup observa interesses manipulados por atores que estão além das fronteiras do País.  “Esse golpe tem uma conta simples. Reduz os direitos dos trabalhadores e vende-se o Pré-Sal e a soberania brasileira às multinacionais e ao poder financeiro. O ‘troquinho’ (de alguns milhões de dólares) vai para as contas dos deputados e senadores na Suíça. Depois calam o povo na base da porrada! Esse é o plano”, diz Kastrup.

Na noite de ontem (14), a big-band paulistana Bixiga 70 encerrou as apresentações do quinto dia do festival Música Pela Democracia. Tecladista, guitarrista e um dos compositores do grupo, Maurício Fleury manifestou opinião análoga à de Lirinha. “É triste termos que lutar contra o retrocesso e não por um verdadeiro progresso, mas não dá pra ficar ao lado de corruptos que têm como intenção revogar direitos adquiridos com muita luta e que ainda não estão nem perto do ideal de uma sociedade sadia. Estaremos do lado do povo sempre, independentemente de partidos ou instituições, acreditando apenas na liberdade, no respeito e na coletividade! Não vai ter golpe!”

 

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Soukita Vivacqua

16 de abril de 2016 às 10h24

GOLPISTAS, VAMOS TIRAR UM A UM DA CASA DA DEMOCRACIA!

Responder

Baron de Lorraine

16 de abril de 2016 às 08h21

Vão perder a boquinha ! Estão todos indóceis…a começar do Luiz Fernando Veríssimo…

Responder

YorkshireTea

15 de abril de 2016 às 22h49

O Sakamoto lá é uma contradição. O cara não se cansa de ficar em cima do muro. Não se cansa de insinuar que “os dois lados são iguais”.

Responder

    Bruno

    15 de abril de 2016 às 23h20

    Vamos mandá-lo para o Gulag já!

    Responder

Rachel

15 de abril de 2016 às 21h40

Sabe o que é melhor nos dias de internet? Não é necessário um partido político ou sindicato para nos mobilizar. Nós agora o fazemos em coletivos. Para bom entendedor….

Responder

Deixe um comentário para Baron de Lorraine