Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Russos de fora

Por Luis Edmundo

17 de junho de 2016 : 15h40

Por Luis Edmundo Araujo, editor de esporte do Cafezinho

Boicote, propriamente dito, parece que não haverá, não seremos mais uma superpotência nisso, felizmente, mas o atletismo da Rússia está fora dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que começam daqui a menos de dois meses. O Conselho da Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf) decidiu hoje manter a suspensão da equipe russa em torneios internacionais, devido a irregularidades no sistema de antidoping no país, inclusive com acusações de conivência das autoridades locais com o uso de substâncias proibidas. Apesar do tchau da foto aí de cima, há esperanças para atletas que treinam fora da Rússia, como Yelena Isinbayeva, recordista mundial e bicampeã olímpica do salto com vara, e para quem colaborou com as investigações, como a maratonista Yulia Stepanova, que denunciou parte do esquema.

Nesta terça-feira, em Lausanne, na Suíça, autoridades do Comitê Olímpico Internacional (COI) vão discutir a situação dos atletas russos que nunca testaram positivo para substâncias irregulares ao longo da carreira. Esses atletas devem recorrer e podem, quem sabe, competir no Rio sob a bandeira olímpica, já que o banimento da bandeira russa das pistas de atletismo parece definitivo. Nos últimos Jogos, em Londres, em 2012, a Rússia ganhou 17 medalhas de ouro no atletismo.

O anúncio da manutenção da suspensão foi feito pelo secretário-geral da Federação Russa de Atletismo, Mikhail Boutov, ao deixar a reunião do Conselho do Iaaf, que ainda não havia terminado, em Viena. Em São Petersburgo, o presidente russo, Vladimir Putin, tinha acabado de afirmar, antes de saber da decisão da Iaaf, que na Rússia não havia qualquer tipo de programa estatal de incentivo ao doping.

“Não há e não pode haver qualquer apoio a nível governamental a violações no desporto, especialmente em questões de doping. Somos categoricamente contra o doping (…). Combatemo-lo e assim vamos continuar, ao mais alto nível”.

O Ministério do Esporte se pronunciou por meio de comunicado em que afirma que “a votação do conselho da IAAF criou uma situação sem precedentes, impossibilitando os atletas russos da participação dos Jogos Olímpicos de 2016. O sonho de muitos atletas do nosso país foi arruinado pelo comportamento errado de esportistas, treinadores e especialistas específicos”. 

Isinbayeva, por sua vez, definiu a suspensão como discriminação e avisou que apelará à Corte de Direitos Humanos. Ela lembrou casos de dopings em equipes como a Jamaica e na América, questionou por que nenhum outro país sofreu esse banimento de toda a equipe e afirmou, categórica, que o caso é uma violação dos Direitos Humanos.

Campeã olímpica em 2004, na Grécia, e em 2008, na China, a mais famosa entre os integrantes da equipe russa de atletismo revelou também que não pensa em competir sob a bandeira olímpica, acredita na reversão da suspensão e quer tentar seu terceiro ouro vestindo, como sempre, as cores da Rússia. A conquista, se vier, terá um sabor todo especial para Isinbayeva, que voltou a competir no ano passado após ficar um ano parada, para o nascimento de sua filha.

 

luis.edmundo@terra.com.br

 

 

 

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jáder Barroso Neto

04 de agosto de 2016 às 00h26

Nas Olimpíadas de Seul em 1988, o meio-fundista Joaquim Cruz declarou que o doping era generalizado. Deu como exemplo atletas que pareciam gorilas. A então estrela Florence Griffith-Joyner-EUA ficou “p”. Sua morte em 1988 levantou suspeitas de sucessos por doping.
A questão é que o atletismo é usado politicamente, então há disputas sobre o que se pode flagrar ou não: como na Leva Jato!

Responder

Mauro Pinto

18 de junho de 2016 às 19h03

Por que será que eu não vejo atleta americano pego em antidoping?

Responder

renato andretti

18 de junho de 2016 às 11h32

EU QUERO A RUSSIA AQUI.
QUEREMOS!!!!!!
COMPETIR COM OS FORTES.
E QUEREMOS AVERMELHAR A ARENA!!!!

Responder

Conceição Soares Beltrão

18 de junho de 2016 às 06h22

Espero que a Rússia participe das Olimpíadas no Rio;

Espero que nossa Presidenta Dilma Rousseff abra os jogos;
Espero que, se presente o golpista que usurpou a presidência escute FORA TEMER;

Espero que possíveis ataques do IE, à serviço do Império, seja desmontado pela inteligência Russa;

Responder

    Nelson Hermes

    18 de junho de 2016 às 09h26

    Dilma irá assistir pela televisão, pois se tentar se aproximar dos estádios será tão vaiada que atrapalhará os atletas. Se hoje comemoramos a extinção do patrocínio a blogs sujos controlados por pseudo-jornalistas pixulequeiros, amanhã comemoraremos a privatização da Petrobras e da Eletrobras. No futuro, a prisão de Dilma, de Lula e de toda a sua família de ladrões. #AVANTETEMER

    Responder

Aurelio, e não orelha!

17 de junho de 2016 às 22h00

O IMPÉRIO BOMBARDEIA O.BRICS DE TODAS AS FORMAS!

Responder

Antonio Passos

17 de junho de 2016 às 21h36

Como sempre, estas coisas acontecem para denegrir o esporte de outros países, jamais os EUA. De vez em quando eles pegam um ou outro americano, sempre DEPOIS de suas trajetórias “maravilhosas” em que desfilaram com a bandeira americana e fizeram a propaganda que lhes cabia. Como se todos nós não estivéssemos cansados de saber que TODO atleta de agora performance usa estes recursos. A questão é apenas de utilizar os que não são detectáveis.

Responder

    Djino

    18 de junho de 2016 às 01h27

    Enquanto isso Justin Gatlin corre solto… apesar de comprovado os efeitos posteriores do doping mesmo depois de anos.

    Responder

Jojo The Man

17 de junho de 2016 às 19h30

A Russia deveria excluir toda a equipe Olimpica destes jogos em protesto contra o Golpe . Claro que seria péssimo para os atletas . Na verdade falo de um desejo meu .

Responder

    waldomiropereiradasilva

    17 de junho de 2016 às 20h05

    Pode ser que isto aconteça, e a China acompanhe, afinal são BRICS.

    Responder

Mairton Barros

17 de junho de 2016 às 18h47

Faz parte da GUERRA HÍBRIDA do império Anglozionista contra os BRICS…
Infelizmente acredito que isso não para por aí… A Copa do Mundo de 2018 ba Rússia só sairá intacta por milagre…é só vermos o que aconteceu na Euro Copa com os torcedores ingleses que pisaram na Bandeira da Rússia e provocaram brigas contra a torcida Russa e não houve nada para os torcedores ingleses enquanto para a Federação Russa houve multas e ainda ameaçaram tirar a seleção Russa da Copa da Europa…
House of Cards…são Cartas Marcadas de uma Guerra TOTAL do império contra os Russos e is BRICS

Responder

Deixe um comentário para waldomiropereiradasilva