Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Proibir professores de abordar temas políticos em sala de aula é inconstitucional, mas já faz primeiras vítimas

Por Redação

23 de junho de 2016 : 14h43

por Redação

A constituição brasileira garante a liberdade de expressão e a liberdade de ensino. Por este motivo muitos juristas respeitados estão se opondo ao Projeto de Lei 867/2015, que pretende impor nacionalmente o “Programa Escola sem Partido”, proibindo professores de abordarem temas políticos e sociais em sala de aula. A medida, é claro, tem o intuito de coibir apenas as manifestações de viés progressista e acusadas de “esquerda” pelos idealizadores do projeto.

A lei ainda não foi aprovada no Congresso Nacional, mas já ganhou similares em estados e municípios. O Rio Grande do Sul é um deles e é de lá que vem a denúncia de um leitor do Cafezinho, por e-mail.

Um leitor do blog nos contou que Eduardo Mattos Cardoso, professor de história do Instituto de Educação Angelina Maggi, em Três Cachoeiras, Rio Grande do Sul, foi afastado do cargo recentemente, sem aviso prévio, acusado “de falar demais em política dentro de sala de aula”.

Segundo este leitor, o MP-RS investigou o caso, conversou com diretores, docentes e alunos do colégio, mas não encontrou elementos que pudessem justificar sua demissão sumária. Mesmo assim a direção informou em nota que “não queria mais o professor na escola, colocando-o a disposição”.

De acordo com seu currículo lattes, Eduardo Mattos Cardoso é graduado em história, com licenciatura plena, pela Universidade do Vale dos Sinos, com mestrado em história na mesma instituição, concluído em 2008. Qualificação ele tem.

As suspeitas que levaram a sua demissão seriam uma coluna que o professor mantém em um jornal local, na cidade de Torres-RS, chamado “O Fato em Foco”, além de um blog que o mesmo manteve entre 2012 e 2015, com opiniões progressistas, questionando alguns setores conservadores da sociedade gaúcha.

Coincidência ou não, o Consultor Jurídico publicou nesta quinta-feira (23) uma excelente reportagem sobre a perseguição ideológica contra professores que tentam abordar temas políticos e sociais, com viés progressista, em sala de aula. A matéria entrevista os juristas Lenio Streck, Pedro Serrano e Marcus Coêlho.

Vale a leitura.

***

Proibir professor de abordar temas em sala de aula contraria Constituição

por Marcos de Vasconcellos, no Consultor Jurídico

Um projeto de lei que proíbe professores de veicular conteúdo ou promover atividades “que possam estar em conflito com as convicções religiosas ou morais dos pais ou responsáveis pelos estudantes” tem chamado a atenção. Apelidado de “escola sem partido”, o Projeto de Lei 867/2015 ganhou similares em estados e municípios. E críticas entre constitucionalistas.

O problema apontado é que o artigo 5º da Constituição Federal garante a liberdade de expressão, enquanto o artigo 206 garante a liberdade de ensino. Assim, vedar, previamente, que professores falem sobre algo que “possa estar em conflito” com a convicção alheia contraria a Constituição.

Um dos sites em apoio ao projeto (programaescolasempartido.org) responde a tal crítica dizendo que não se trata de censura, pois o professor não desfruta de liberdade de expressão em sala de aula. O texto afirma que a Constituição “não garante aos professores a liberdade de expressão, mas, sim, a liberdade de ensinar, também conhecida como liberdade de cátedra”, fazendo referência ao artigo 206 da Carta Magna.

O site diz ainda que se o professor tivesse liberdade de expressão “sequer poderia ser obrigado (como é) a transmitir aos alunos o conteúdo da sua disciplina, pois quem exerce liberdade de expressão fala sobre qualquer assunto do jeito que bem entende”.

Para quem estuda o Direito Constitucional, no entanto, a interpretação está equivocada, pois o artigo 206 não substitui o artigo 5º, mas se soma a ele. Ou seja, por ter liberdade de ensino garantida, o professor não perde o direito à liberdade de expressão, que não pode ser suprimido de nenhum brasileiro.

Criminalização do pensamento

“Isso é tentar controlar os professores por intermédio da criminalização do pensamento”, afirma o jurista Lenio Streck, que coordenou o livro Comentários à Constituição do Brasil. Na mesma obra, o constitucionalista Daniel Sarmento explica que a censura, em sua concepção mais tradicional, envolve o controle preventivo das mensagens cuja comunicação se pretende fazer. “Trata-se do mais grave atentado à liberdade de expressão que se pode conceber”, afirma Samento.

Streck se diz completamente contrário ao projeto: “Quem quer fazer escola desse modo deve ir para o canto da sala e ficar de castigo e depois ir para a lousa e escrever cem vezes: a escola deve ser pluralista. E nisso está incluído o ‘risco’ de ter um professor de esquerda… Ou de direita”.

O professor de Direito Constitucional da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Pedro Estevam Serrano aponta que, ao usar termos vagos como “preferência política”, o projeto pode levar à interdição do próprio conhecimento. “Não se pode falar de racionalidade sem ampla liberdade de formulação dos pressupostos do pensamento. Em essência, a proposta obriga a adoção de uma linhagem de pensamento político-religioso”, afirma Serrano.

Ele exemplifica: “Falar de marxismo em sala de aula, por exemplo, pode ser tido como preferência política, mas como falar do mundo contemporâneo e suas formações políticas e culturais sem falar de marxismo?”.

Presidente da Comissão de Estudos Constitucionais do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e ex-presidente do Conselho Federal da entidade, Marcus Vinícius Furtado Coêlho aponta que tão problemático quanto um professor impor sua opinião a alunos é ele ser obrigado a não ter uma opinião. “Assim, além de inconstitucional, é desumano exigir que o professor seja um autômato dentro da sala de aula.”

Furtado Coêlho diz que a solução precisa ser o equilíbrio: “Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Assegurar a liberdade de opinião do professor desde que tal seja exercida sem impor ao aluno determinada ideologia. Cautela, ponderação e razoabilidade não fazem mal a ninguém”.

Enxurrada de projetos

Atualmente, o site escolasempartido.org contabiliza que projetos de lei com base no anteprojeto disponível no site já foram apresentados em seis estados (Rio de Janeiro, Goiás, São Paulo, Espírito Santo, Ceará e Rio Grande do Sul) e no Distrito Federal. Além disso, aponta que já há propostas semelhantes tramitando em oito câmaras municipais.

Na Câmara de Santa Cruz do Monte Castelo (PR), a proposta já foi aprovada. Em Alagoas, desde o dia 9 de maio, os professores das escolas estaduais são obrigados a manter a “neutralidade” em sala de aula, em questões políticas, ideológicas e religiosas.

O movimento ganhou destaque depois que o ministro da Educação, Mendonça Filho, em um de seus primeiros atos após tomar posse, recebeu o ator Alexandre Frota e um dos líderes do movimento pelo impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff para discutir o projeto “escola sem partido”.

Na Câmara dos Deputados, caminham o PL 867/2015 e o PL 7.180/2014, que seguem a linha do “escola sem partido”, e o PL 1.411/2015, que tipifica o crime de “assédio ideológico”. Este prevê detenção de 3 meses a 1 ano para quem expuser aluno a assédio ideológico, “condicionando o aluno a adotar determinado posicionamento político, partidário, ideológico ou constranger o aluno por adotar posicionamento diverso do seu, independente de quem seja o agente”.

Para justificar os projetos de lei, seus autores afirmam que professores e autores de livros didáticos usam aulas e obras para tentar obter a adesão dos estudantes a determinadas correntes políticas e ideológicas.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

cidadã cabreira

24 de junho de 2016 às 11h23

Isso é muito sério. Estranho o silêncio das entidades de classe até agora, mas acredito que seja por causa da situação como um todo. Liberdade de expressão é cláusula pétrea. Daria no mínimo uma ADI.

Responder

Canhoto de esquerda

24 de junho de 2016 às 01h33

Os mais inteligentes brasileiros foram, D Pedro II, Barão do Rio Branco, Delfim Neto, Santos Dumont, Silvio Santos, Jango, Simonsem, parte da família Buarque de Holanda, e alguns outros desconhecidos. O que os difere e a posição em relação à política de defender ou negar nossas raízes e valores. O mais recente exemplo é o ex ministro deputado e crítico Delfim. Assistam uma entrevista dele, sabe tudo de política e economia. E o que ele deixou de positivo ao país? Se fosse do bem, poderia ter sido um grande estadista. Mas no Brasil o interesse pessoal e de grupos sempre supera o interesse do povo.

Responder

Canhoto de esquerda

24 de junho de 2016 às 01h19

Tem tanta coisa rolando, mas porque ninguém cita Jango e Brizola.? Os que realmente defenderam o Brasil?

Responder

Marivane

23 de junho de 2016 às 22h09

A política faz parte da nossa vida.

Responder

Conceição Carneiro

23 de junho de 2016 às 21h45

Quando vejo estas aberrações fico imaginando como Darcy Ribeiro e Brizola reagiriam a este Golpe, que eles teimam em dizer que não é golpe.

Responder

renato andretti

23 de junho de 2016 às 20h18

PSDB DO PARANÁ.
PESQUISEM!!!
PARECE QUE ANDARAM DIMINUINDO AULAS DE HISTÓRIA
NAS ESCOLAS..
PROFESSORES DE HISTÓRIA ESTARIAM SENDO PREJUDICADOS
E MIGRANDO PARA OUTRAS MATÉRIA.
DIMINUIRAM ACESSO A POLITICA AOS ALUNOS.
MAS SÓ ALUNO PUBLICO..

Responder

James Stewart

23 de junho de 2016 às 21h16

https://goo.gl/KihGy2

Responder

Robinson Pimentel

23 de junho de 2016 às 19h38

O que estranho muito é que cidadãos desses locais onde essas leis absurdas são aprovadas não providenciam entrar no Supremo contestando-as.

Responder

    renato andretti

    23 de junho de 2016 às 20h07

    O Capital, formou uma lamina por cima da cabeça das pessoas.
    Não as julgo, pois seria impróprio.
    Ela colocou todo dia, as doses homeopáticas do abandono pessoal
    e espiritual das pessoas e familias inteiras, comprou até mesmo
    aqueles que sabem que foram comprados.
    É uma manta invisivel..
    Matam um aqui, outro ali e espalham medo.
    Reprovam um aqui outro ali e espalham insegurança
    Prendem um aqui e outro ali, e espalham pavor.
    Atacam, entram nas casas, destroem lares, advogados
    um a um, jornalistas, um a um, blogueiros, um a um.
    ENTENDE..
    Separam da massa e matam..
    Existe um Grupo no Brasil, que já aprendeu isto a muito tempo…
    E por ISTO, são também marginalizados..
    MAS são uma COMUNIDADE de extrema FORÇA de nossa sociedade.
    Nossa sociedade, esta amedrontada..quando pensamo sem nos reunir..
    A GLOBO diz que a H1N1, é contagiosa.
    Quando conseguimos conquistar alguma coisa..
    A DENGUE vem no verão e nos interna nos apartamentos e nos separa.
    Quando nos unimos de novo..lá vem a AIDS..
    Somos MORTOS VIVOS, nesta sociedade..
    SÒ não entendo porque les nos querem VIVOS ainda.
    E QUEM são eles..de VERDADE, com nome e CPF..

    Responder

Maria Thereza G. de Freitas

23 de junho de 2016 às 17h55

quando começarão a queimar livros?

Responder

    renato andretti

    23 de junho de 2016 às 20h10

    VAMOS NOS JUNTAR..
    Estão querendo nos apartar..
    Urgente…gente..

    Responder

SeiQueNadaSei

23 de junho de 2016 às 17h42

Isso não se deve minimizar ou achar que é impossível acontecer. Pesadelo.

Responder

Junior

23 de junho de 2016 às 17h31

Sou favorável ao projeto e acredito na escola sem partido: a escola deveria ensinar o estudante a PENSAR e ser capaz de, sem doutrinação do professor a qualquer um dos lados, ESCOLHER sozinho, sem ser massa de manobra (seja de coxinha ou petralha). O projeto não proíbe o professor de falar de política, mas sim de se posicionar ao abordar tal tema. Por uma sociedade mais crítica! Por um ensino menos doutrinador e que construa o indivíduo.

Responder

Messias Franca de Macedo

23 de junho de 2016 às 16h38

Da Série “Selva ‘braZ$&lis’ &$ a nossa pré-idade média festivamente criminosa”!

###

Promotor do Rio chama penetração “a melhor parte” do estupro em prova oral. Ouça
POR FERNANDO BRITO · 23/06/2016

Depois dizem que a cultura do estupro não existe.
Marcelo Auler mostra em seu blog – com gravação para prová-lo – que, durante a propositura de um questão na prova oral do Ministério Público do Rio de Janeiro, o promotor Alexandre Joppert, ao narrar a dinâmica de um crime de estupro relaizado coletivamente diz que:
“Um segura a mulher, o outro aponta a arma; outro guarnece a porta da casa. o outro FICA COM A MELHOR PARTE, dependendo da vítima. Faz a conjunção carnal”.
(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.tijolaco.com.br/blog/promotor-do-rio-chama-penetracao-melhor-parte-do-estupro-em-prova-oral/

e aqui
http://www.marceloauler.com.br/a-conjuncao-carnal-e-a-melhor-parte-do-estupro-para-o-promotor-alexandre-joppert/

Responder

Leopoldo Pereira

23 de junho de 2016 às 14h56

KKKKKKKKK amo muito toda essa ignorância dessa manada da Globo. Bem que um amigo do Chipre que tive, em Tessalônica, disse que os ocidentais são muito influenciados pelos EUA. Tem razão KKKKKKKK

Responder

Deixe um comentário para Maria Thereza G. de Freitas

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?