Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

A teoria de conspiração de Marilena Chauí (à luz de Parmenides)

Por Miguel do Rosário

07 de julho de 2016 : 00h19


Análise Diária de Conjuntura – 06/07/2016

Por Miguel do Rosário, editor-chefe do Cafezinho

O problema da esquerda, desde seus primórdios, há milhares de anos, quando algum bando de pobres se rebelou, numa aldeia do Egito Antigo, contra a opressão, e conseguiu formular suas demandas de maneira minimamente política, sempre foi a comunicação.

A razão é simples: a comunicação precisa de instrução para ganhar substância, e instrução é um luxo dos ricos. Os pobres sempre precisaram pegar no pesado, de manhã à noite, para obter o seu alimento e sustentar sua família.

Até hoje é assim.

O trabalhador que gasta oito horas diárias em seu emprego, e outras duas, três horas, no trânsito caótico de nossas cidades terceiro-mundistas, como terá tempo para assistir séries da Netflix ou estudar clássicos da filosofia?

A análise de hoje versará, como sempre faz, sobre comunicação.

E já que mencionaremos Chauí, uma das maiores especialistas do mundo em Baruch Espinoza, façamos antes uma homenagem à ela e à filosofia iniciando nosso post com uma frase de um antigo pensador grego.

?? ??? ???? ????? ????? ?? ??? ?????

A frase é de Parmênides de Eléia, um dos principais filósofos gregos do período pré-socrático, e que eu traduziria assim:

pois igual é o pensar e o ser

Façamos uma tradução palavra a palavra, para dar ao internauta o gostinho de ler no original.

?? = artigo definido neutro. “o”.

??? = conjunção, pois, então, etc.

???? = “o mesmo”, “igual”.

????? = pensar, imaginar, criar.

????? = verbo ser, terceira pessoa singular, “é”.

?? ??? = “e também”.

????? = infinitivo do verbo ser.

A frase pode ser pronunciada assim: tô gar auto nôein éstin, tê kai einai.

?? ??? ???? ????? ????? ?? ??? ?????

pois igual é o pensar e o ser

Marilena Chauí causou frisson entre os bem pensantes do Brasil ao falar que o juiz Sergio Moro foi treinado nos Estados Unidos, dando a entender que ele é um agente americano a serviço do golpe.

Um jornalista da grande imprensa que eu acompanho no twitter, pessoa elegantérrima, vem há tempos fazendo uma campanha contra as teorias de conspiração envolvendo a participação dos Estados Unidos na política brasileira.

Serra aliado de petroleiras americanas contra o interesse nacional? Delírio! Ele só trocou ideias com a Chevron, e até a criticou!

Temer informante do governo americano? Ridículo! Ele só ia no consulado bater um papo: falar mal do governo do qual se participa e do partido aliado, para um governo estrangeiro, é normal!

A história de Sergio Moro recebendo instruções do governo americano, então, aí estamos diante da teoria da conspiração mais ridícula de todas!

Eu sou uma pessoa profundamente compreensiva. Um jornalista hoje, se quiser manter o emprego, precisa sambar miudinho.

Além do mais, eu concordo com ele. A teoria de Marina Chauí soou ridícula mesmo. Sergio Moro treinado pelo FBI?

Ora, o FBI é voltado à repressão doméstica  e, de qualquer forma, seria ridículo pensar que Moro fizesse um curso nos Estados Unidos voltado a construir um golpe que iria acontecer muitos anos depois.

Eu sempre evitei dar essa informação, para não produzir confusão, mas agora lá vai: Dilma Rousseff também fez curso de “liderança política” nos Estados Unidos: o famigerado International Visitor Leadership Program (IVLP), que já contou com bons alunos como Margaret Thatcher, Felipe Calderon, Tony Blair…

Ora, não é um tanto esquisito que uma ex-guerrilheira comunista ganhe uma bolsa para estudar política nos Estados Unidos?

O único brasileiro, além de Dilma, que ganhou bolsa similar foi… José Sarney.

Então se é para alimentar teorias de conspiração, então a gente pode botar Dilma no meio. Afinal, não foi ela que ajudou a desestruturar a esquerda brasileira?

Por outro lado, a teoria de conspiração da Chauí faz muito sentido, embora não da forma (desastrada, concordo) como ela colocou.

Eu acabei de assistir o volume 1 do premiadíssimo documentário de Patricio Guzmán, A Batalha do Chile, sobre o golpe de Estado naquele país.

Incrível: é a mesma coisa que aconteceu aqui e acontece agora em toda América Latina.

Salvador Allende era o presidente, mas a direita conseguiu maioria na Câmara dos Deputados (embora não os 2/3 que aspirava) e iniciou uma campanha de sabotagem da economia, criminalização da esquerda, instrumentalização do judiciário.

Tudo igual.

E a mídia privada, como sempre, exerceu um papel protagonista no golpe chileno.

O ódio fascista, como agora no Brasil, foi instrumentalizado para criar uma vanguarda política, com apoio maciço da classe média, disposta a qualquer violência.

Até mesmo as “guarimbas” venezuelanas e os estranhos protestos de direita de 2013, no Brasil, ambos com um perfil muito forte de violência anárquica, experimentaram seus primórdios no Chile dos anos 70, com manifestações estudantis violentas contra o governo.

A participação dos Estados Unidos no golpe do Chile ganha ares épicos com o bombardeio, por caças americanos, do Palácio de la Moneda, e o consequente assassinato de Salvador Allende. Ali não tem o que esconder.

Na verdade, a historiografia sabe hoje, documentalmente, que os Estados Unidos interferem na política da América Latina desde o século XIX.

No caso do Brasil, a desclassificação de uma série de documentos oficiais do governo americano permitiu a Flavio Tavares e Camilo Tavares, pai e filho, produzirem o filme O Dia que Durou 21 anos: está provada a participação da Casa Branca no golpe de Estado brasileiro de 1964.

A pergunta que devemos fazer agora, portanto, não é sobre o papel de Sergio Moro numa conspiração patrocinada pelo governo norte-americano, e sim a seguinte: a troco de quê os Estados Unidos não iriam interferir na política brasileira?

E a troco de quê não jogariam muito mais sujo agora, que temos uma economia dez ou vinte vezes maior do que a de 1964?

Os EUA não torraram trilhões de dólares em guerras no oriente médio, não mataram um milhão de iraquianos, além de alguns milhares de cidadãos americanos, em busca de petróleo e ampliação de sua hegemonia política no mundo?

Ora, o Brasil tem 95% das reservas mundiais de nióbio, a maior reserva global de água potável, energia abundante (fóssil, solar, eólica, hidro), minério de ferro, além de um mercado consumidor de 206 milhões de habitantes.

Por que os EUA não iriam interferir no Brasil, sobretudo após descobrirmos grandes reservas de petróleo no pré-sal?

O Estadão divulgou há pouco uma reportagem segundo a qual uma ação coletiva judicial nos EUA pode arrancar uns 15 bilhões de dólares da Petrobrás. É incrível testemunhar, mais uma vez, que a imprensa brasileira torce contra o Brasil.

E a gente sabe que procuradores da Lava Jato foram aos EUA, no ano passado, entregar ao Departamento de Estado americano, informações contra a Petrobrás.

Sergio Moro é talvez apenas um boneco de uma articulação política para submeter o Brasil à hegemonia do imperialismo americano.

O erro da esquerda é a forma como ela denuncia isso, em especial a introdução de um elemento moral no debate: o maniqueísmo político é a mancha de toda teoria de conspiração.

O imperialismo não existe porque os americanos são maus; e sim porque é um fenômeno inevitável do grande capital, e que deve ser combatido com sangue frio e inteligência.

É claro que os Estados Unidos estão por trás do golpe de 2016. Sergio Moro, porém, assim como as castas burocráticas brasileiras, não precisam, necessariamente, ter recebido instruções normativas de como se portar no golpe; eles se alinham aos interesses americanos de maneira orgânica, instintiva, ideológica, porque os EUA tem hoje, mais que nunca na história, instrumentos poderosos para seduzir a “comprador elite” das novas repúblicas de banana.

E hoje, quarta-feira, amanhecemos com uma operação da Polícia Federal voltada para o desmantelamento dos nossos projetos de energia nuclear, levando ao presídio, pela segunda vez, o almirante Othon Ribeiro (e ele já estava preso, em regime domiciliar). Semana passada, uma outra operação foi desencadeada para destruir o centro de pesquisas de tecnologia de exploração em águas profundas da Petrobrás.

Ah, mas eu devo estar paranoico. Os EUA é a terra da liberdade, nunca teria a malícia de usar as contradições brasileiras para destruir nossos projetos mais estratégicos, mais importantes para nossa soberania!

Operações da PF para desmantelar todos os grandes projetos estratégicos, com ênfase naqueles de energia, como os da Petrobrás, da Eletronuclear, e o centro de pesquisa, são apenas etapas da luta contra a corrupção!

A quebra generalizada de sigilos, a delação premiada, a prisão como método de tortura e intimidação política, são instrumentos necessários!

Cuidado com as teorias de conspiração desses esquerdistas!

Mais uma vez homenageando a profesora Chauí, citamos o poderoso teorema VII (no capítulo sobre as Afeições) da Ética de Espinoza:

Conatus, quo unaquaeque res in suo esse perseverare conatur, nihil est praeter ipsius rei actualem essentiam.

O esforço, que toda coisa faz, de perseverar em si mesma, nada mais é do que a essência da própria coisa.

Isso vale para o império, que não tem culpa de se esforçar em permanecer um império, e vale também para a resistência contra o golpe.

A nossa resistência contra o golpe é, portanto, a essência do que somos.

O grito “não vai ter golpe – e vai ter luta” não é apenas um slogan vazio. É uma afirmação profunda de resistência, porque, para repetir Parmênides, o pensar e o ser são a mesma coisa.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

49 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Renecéya de Mello

09 de julho de 2020 às 15h45

Agora com o vazamento do The Intercept sabemos que a filósofa Marilena Chaui tinha razão.

Responder

Jair vieira

04 de janeiro de 2019 às 12h49

A participação subterrânea dos EUA no golpe de 64 teve os documentos e áudios para comprovação somente agora revelados. Antes, era coisa de aloprados (teoria da conspiração)???

Responder

alemdanuvem.com

04 de outubro de 2016 às 15h45

Amigo, você até me parece um pouquinho inteligente (um pouquinho só). Por isso, pare de chamar a direita de Fascista… pois histórica e ideologicamente falando, a única experiência assumidamente Fascista de relativo sucesso foi justamente aquela do PT Alemão: o Partido Nacional Socialista “dos Trabalhadores” Alemães, de Adolf Hitler; um governo de esquerda, com discurso racista, socialista e nacionalista, onde o nacionalismo era o único ponto positivo.
Seu ódio enrustido pela direita se apóia, como para praticamente todo esquerdista, em desinformação histórica, quando se esquece (ou finge) de que aqueles que que mais abusaram descaradamente do poder, foram justamente os líderes que portavam uma bandeira vermelha de cunho leninista. A direita rouba e é corrupta sim, mas pelo menos sempre nos deu alguma ilusão de liberdade, ao contrário dos governos de extrema esquerda já instituídos.
Não confundir conservadorismo com neo-liberalismo. O primeiro prima pelo respeito às leis instituídas, em detrimento das ambições daqueles que estão sempre querendo afrouxar um pouco as coisas, seja pelos direitos excessivos almejados pelos trabalhadores (sindicatos), ou pelo anseio do lucro à todo custo objetivado pelos neo-liberais (bancos e corporações).
O Neo-liberalismo é o lado que busca afrouxar as coisas para os corporativistas, em detrimento das leis do Estado ou dos direitos já conquistados pelos trabalhadores.
Logo, ser conservador de direita e ser neo-liberal são coisas bem diferentes. O neo-liberalismo não passa de uma ramificação; uma extensão corrompida da direita conservadora, do mesmo modo que comunismo e socialismo não são exatamente a mesma coisa. E a esquerda… bem, a esquerda é o contra-peso necessário para que as coisas se equilibrem, embora tenha se mostrado incapaz de governar sem quebrar a economia (uma vez que líderes utópicos não são bons administradores), e também não tem limite quanto aos benefícios questionáveis conquistados em favor daqueles que não fazem nada da vida. A Europa está quebrando pelo excesso de “seguro desemprego”. Lá é comum o pessoal entrar na fila pra ficar desempregado, pois sabe que o governo irá financiar suas despesas com o dinheiro daqueles que trabalham e pagam impostos. Os países que enfraqueceram o conservadorismo político em virtude de discursos demagogos esquerdistas e populistas (vide Espanha e Portugal), são os que enfrentam mais problemas econômicos nesse momento.
Matar o conservadorismo é um tiro no pé.

Imperialismo Americano existe e é coisa dos bancos. Você acertou quando falou que a Dilma foi preparada pelos EUA para assassinar a esquerda no Brasil (merecido!). Espera pra ver o próximo levantamento da Petrobrás, onde a Dilma operou internamente para desvalorizar a empresa.
Em 2013, 40% da Petrobrás já estava nas mãos de estrangeiros. Agora que os recentes escândalos de corrupção desvalorizaram as ações, adivinha quem entrou comprando forte? Acertou quem disse Wall Street.
To esperando pra ver o próximo levantamento… meu palpite é que agora passa de 50%.
Chega de teatro e de esquerdistas de coffe shop.
Uma nação soberana, conservadora e nacionalista é o único caminho possível. Podemos até ser um pouquinho liberais para sermos inclusivos… mas jamais libertários hardcore e muito menos neo-liberais. A realidade não comporta isso no momento.

Responder

    alemdanuvem.com

    04 de outubro de 2016 às 16h08

    a propósito, acabei de ver o anúncio do Sindicato dos Bancários ali patrocinando o site. Pergunta pra qualquer bancário (em greve no momento a exatos 29 dias), se eles não sabiam o quanto iam ganhar quando entraram em seus empregos, para trabalhar justamente para aqueles “banqueiros opressores”. Fizeram greve e ganharam aumento em 2015. Os bancos já ofereceram ajuste da inflação + 0,5% de aumento real. O que mais esses caras querem??? voltem a trabalhar, sindicalistas. O tempo de vocês morreu junto com o PT. Apenas ilustrando o que eu disse acima, o conservadorismo não admitiria esse tipo de coisa e tomaria medidas legais para acabar com essa palhaçada. Já o neo-liberalismo colocaria vocês todos no olho da rua e contrataria novos empregados pela metade do preço.

    Responder

      Jair vieira

      04 de janeiro de 2019 às 12h44

      Arroz com pequi
      Descasque 3 a 4 pequis (tire a casca e deixe a parte amarela, que é o que serve para cozinhar). Reserve.
      Lave e escorra o arroz. Coloque 1 litro e meio de agua para ferver;
      Faça um tempero para fritar com 01 colher de óleo, usando alho, cebola branca, cebola vermelha, comin. Use uma colher de chá para o alho e para o sal. Demais ingredientes, a gosto. Apos fritura dos ingredientes, acrescente o arroz e mexa, para que o tempero fique bem misturado. Acrescente a água quente. Aguarde secar a água. Pronto para servir.
      Que outra maneira seria mais plausível para responder um jumento direitista?

      Responder

    Renecéya de Mello

    09 de julho de 2020 às 15h56

    Na linguagem dos tradutores este erro é chamado de “falso amigo”. Palavras iguais com significado diferentes. Por exemplo, o significa de “comida esquisita” em Português é um e, em Espanhol é outro, completamente diferente.
    Traduzir o nome de Partido dos Trabalhadores da Alemanha de forma literal é como dizer que o partido “Podemos” do Brasil é o mesmo que o “Podemos” da Espanha.
    Dizer que o Nazismo Alemão era de esquerda é um erro que só alguns “eruditos ignorantes” brasileiros cometem. Aqueles referidos num artigo que fala sobre a “ignorancia aprendida”.
    Hoje graças ao The Intercept sabemos que a filósofa Marilena Chauí tinha razão. A Lava-Jato recebeu instruções dos EEUU.

    Responder

Paulo Fradinho

18 de julho de 2016 às 02h44

HISTÓRIA DO SIONISMO! #fica_a_dica!
https://www.youtube.com/watch?v=3jNYlUj2gMU

Responder

Isso Mesmo

14 de julho de 2016 às 22h17

Divulgue isso nas redes sociais, mesmo que for em publicidade paga. Divulgue ao máximo de pessoas que puder. Seria interessante um documentário tbm. Já estão preparando um para desconstruir a imagem do Lula lá fora. Vc pode tentar o financiamento por crowdfunding. Muita gente está disposta a ajudar. Parabéns pelo trabalho.

Responder

Vinícius

09 de julho de 2016 às 20h02

Deu até vontade de chorar de raiva…

Responder

Eduardo Albuquerque

08 de julho de 2016 às 13h04

Longe de concordar ou não com a Professora Chauí, umas das poucas que nao tem lhe amarre as chuteiras, lembro que alguns contemporâneos de Faculdade que até faziam movimento estudantil, na epoca sob influência do partidão, anos 80 – hoje nao tem mais movimento significativo – foram estudar nos EUA. Voltaram outras pessoas. E sem dúvida, compará-los aos Moros da vida nao seria nenhum exagero. Já chegavam cuspindo fogo no PT nos anos 90….A professora sabe do que está falando.

Responder

Adrian Schultz

08 de julho de 2016 às 10h36

Isto está me soando como baboseira com verniz filosófico comprado no Saara, a avenida 25 de março ai do Rio. Meu amigo, um filósofo precisa de um grau muito requintado de reflexão, não pode sair colhendo cacos de citações para se exibir. Presta atenção. Nós queremos perseverar no nosso ser? Na merda de república de bananas, com um almirante cleptomaníaco, o que vai ser o ganho que teremos? Só se for uma fulminante explosão nuclear no Rio de Janeiro igual a explosão lá em Natal que acabou com a equipe toda do “1o satélite genuinamente nacional”. Othon Ribeiro é um ladrãozinho fajuto. A bomba atômica pode ser o melhor remédio para sanear o Brasil mas nos poupe de besteiradas filosóficas. Olha meu, se o pensar e o ser são a mesma coisa, nosso ser esculpido com essas mazelas do dia a dia brasileiro tanta roubalheira, carteirada, vontade de aparecer e má fé, nosso pensamento não vai ultrapassar a falsa filosofia. Pensar besteira e falar asneira. Ser e pensar. Você só pode chegar ao bê a bá da filosofia quando conseguir juntar lé com cré. Marilena não bate bem dá bola mas dá lá as suas cabeçadas.

Responder

Marcelo Lima

07 de julho de 2016 às 17h51

Pois é, “teoria da conspiração” soa mal, tipo assim, simplificação das coisas, paranoia, etc, etc. Mas talvez, quem sabe, acreditar que ninguém nunca conspira de fato, que tudo acontece “por necessidade intrínsica”, etc e tal, seja a “ingenuidade” (leia-se, burrice) maior. Conspiração quer dizer ocultação de motivos e ações para se chegar a um fim determinado em favor dos conspiradores. Segundo o PIG não há golpe, segundo o juiz menor de Curitiba ele está cumprindo a lei. Quem acredita nisto acredita em Papai Noel, Mula-Sem- Cabeça, mas decididamente não acredita em cons-pi-ra-ções, de modo algum. Ah, a esperteza dos tolos ! Tem horas que comove a gente… O analista político Paul Craig Roberts escreveu um livro chamado “A Tirania das Boas Intenções: Como Procuradores e Agentes da Lei estão violando a Constituição em nome da Justiça”: não, o livro não é sobre o Brasil mas sobre os EUA hoje, pátria da liberdade e justiça ! O modelo vem sim de lá, e o Moro segue à risca o modelo.

Responder

Gabriel Moreno

07 de julho de 2016 às 17h10

Chauí sabe que é julgada aos olhos da história e marcou um golaço, pois a história vai provar no futuro as patas norte-americanas nesse golpe. É simples assim. A maior potência do mundo não está dormindo e acompanhando tudo “neutramente”. Isso não existe.

Responder

Roberto Saeger

07 de julho de 2016 às 14h41

Não é apenas o petróleo, tem principalmente a cobiça do nióbio.

Responder

    Ernesto Lemos

    07 de julho de 2016 às 16h02

    Água, meu amigo, água doce. Numa abundância de dar medo, com uma qualidade invejável. A tal “fresh water” que a nossa brilhante imprensa muitas vezes traduz por água fresca. Falar nisso fiquei curioso de saber quem é o elegantérrimo que acha que a geopolítica americana é invenção de esquerdista intrigueiro. É imbecil ou tá vendido também?

    Responder

Nonato Menezes

07 de julho de 2016 às 14h18

Miguel,
Você é um cabra abusado. Citou a frase em grego, traduziu e ainda fez questão de mostrar o significado de cada palavra. Mostrou que domina o grego e a nossa língua. Esforço, dedicação e apreço pela política e pelo que é nosso, merece toda consideração. E parabéns, por isso! Agora, algumas questões precisam ser consideradas, a partir do seu ponto de vista. Uma delas é a forma como o tema foi abordado, enquanto arte ou poder de se comunicar. Achou um estardalhaço? Pois bem! Os EUA desde que se sentiram império, sempre se utilizaram da comunicação, não para difundir a verdade, mas para convencer através dos instrumentos da mentira. Convencer a população interna e externa com seus poderosos meios econômicos e ideológicos da comunicação. Essa estratégia já não se pode esconder mais, porque a História não perdoa. Alguns eventos. O ataque a Pearl Harbor aconteceu com o conhecimento e consentimento do governo dos EUA, mas até hoje, nas nossas escolas, a palavra surpresa é enfatizada. Não é teoria da conspiração, mas mentira. E mentiras foram as causas divulgadas pelos EUA sobre a Guerra da Coréia, do Vietnam, do Afeganistão, do Iraque, de vários golpes mundo afora, todos em benefício do Império. E a mais espetacular de todas as mentiras: a ida à lua. E com fortes evidências que o ataque às torres foi perpetrado pela elite bélica americana com envolvimento da Arábia Saudita. Além disso, centenas de golpes ou tentativas já fazem parte da História do Império. Assassinatos são milhares em sua contabilidade. Tentativas de assassinatos são centenas de milhares, inclusive dezenas delas foram para matar Fidel Castro. São tantos casos que o espaço não comporta. Mas têm outras questões. O fato de o FBI cuidar de questões internas, não significa que contrarie ou não contribuía com a CIA, o braço do Império encarregado dos golpes. Quem acha que uma coisa é uma coisa e a outra coisa é outra coisa, pode procurar, pois encontrará cabelo em ovo. E mais ainda. A embaixadora americana que planejou o golpe no Paraguai foi a mesma que planejou o que hora ocorre aqui no Brasil. É só ver aqui e aqui. Por último Miguel, digo a você o seguinte: a elite brasileira é a pior do mundo. É a mais entreguista, a mais antidemocrática e mais antipovo. E não duvido nada que José Serra, FHC, Moro e Temer não sejam agentes que trabalho em prol do Império. Finalmente, uma pergunta. O que esses já fizeram em benefício do Brasil, da nossa gente, dos nossos interesses, em Miguel?

Responder

Isso Mesmo

07 de julho de 2016 às 13h45

Ok, mas se as mesmas coisas aconteceram há mais de 30 anos, porque elas
estão se repetindo exatamente igual no passado e ninguém oferece reação
alguma?
SIMPLES
Os políticos e as forças populares estão perdidas
no jogo de poder. Igual aos reinos de Westeros brigando entre si
enquanto os Caminhantes Brancos vão ganhando força para invadir o
continente. Os políticos, principalmente os do pt e pcdob estão mais
preocupados com os cargos e com as suas mamatas políticas. Com o próprio
rabo. Eles tiveram na vanguarda por cerca de 10 anos, mas cometeram
erros estratégicos quando ignoraram:

1 – Investir em comunicação e esclarecimento para a sociedade geral.
2 – Pensar em um Brasil autônomo e pleno deixando de lado a famosa hipocrisia esquerdista

hipocrisia esquerdista?

Sim

Por
mais que os eua possam ser, alguém já imaginou o poder que eles possuem
na mão de países russia, china ou coreia do norte? As sociedades
comunistas e defendidas tão hipocritamente por muitos esquerdistas aqui
em BR. Fala-se em liberdade sexual, mas ignora-se o que os “aliados” da
siberia fazem contra os homossexuais. Pura politicagem (e olha que corro
o risco de ser censurado aqui no cafezinho por dizer isso). Então o que
queremos? um pais livre e pleno, ou um pais livre e pleno dentro da
filosofia esquerdista. Uma URSS ou um Uruguai com países Nórdicos. A
plenitude sempre exige equilibro, inclusive de ideias e posicionamentos.
Foi ai que surgiu o erro. Deu-se espaço para que os golpistas
carimbassem em nossas testas as palavras vagabundo, corrupto,
ineficientes, imorais, bolivarianistas e mais um monte de asneiras. Isso
graças a, em muitas situações, o governo evitou uma decisão equilibrada
para ceder diante os chantagistas e moralistas sem moral. Serviu de
testa de ferro pra muito vagabundo de dentro e fora da base. Mas e a
governabilidade, não foi dito que era necessário o equilíbrio? Sim, mas
se você aceita criticas, deve expor as qualidades também. E o governo
errou miseravelmente na área de comunicação ao não dialogar e focar no
desenvolvimento político e intelectual da população. Pensou apenas no
poder de consumo e assim que ele caiu junto com a economia… Chegamos
neste estágio.
Tudo isso abre o flanco do pais e mina a união, permitindo o hipotético (ou não) avanço dos eua sobre nossas terras.

Deixando
de lado as análises e partindo para o que deve ser feito, pois o tempo
não é de conversa e sim de atitude. Como medidas de defesa devem ser
realizadas:

1) O golpe aconteceu e a força comunicação pende
exageradamente para o lado dos golpistas, mas eles estão sendo
rechaçados lá fora. Para evitar problemas diplomáticos e de imagem, os
eua e golpistas estão tomando cuidado em seus movimentos arriscados.
Isso enquanto as coisas nos territórios “além mar” não estiverem
tranquilas e favoráveis. Por isso, devemos fortalecer a unidade da
Brigada Herzog e denunciar as estranhas do golpe sujo fora do pais, mas
sempre mostrando que o Brasil é um pais que merece respeito. O quanto
maior for a força da BZ e lutas dos brasileiros pró democracia lá fora,
maior será a cautela dos eua e golpistas. Todos os grandes avanços do
Imperium sempre foram precedidos de uma devassa em comunicação que foi
desde ou “governo iraquiano que não respeita os direitos humanos e
possui armas químicas” até “o povo ucraniano e líbio que luta pela
liberdade e tem sido atacado por um governo autoritário”. A ideia de que
“o governo brasileiro do pt é corrupto e aliena a população promovendo
desigualdades e destruindo o pais” não colou e agora eles tentarão de
outra forma dizendo outra coisa. Enfim. Devemos denunciar a malvadeza do
golpe, o respeito aos brasileiros a nível mundial antes que as
“protestardes” do Imperium desaguem a contra informação.

2)
Chegar no centro da questão e envolver nossas respeitosas forças
armadas. Afinal, o debate deve ir as ruas e a boca do povo. Cadê os
militares? Eles vão tolerar o governo entreguista? São patriotas ou
paga-pautriotas? O que eles pensam sobre a entrega dos nossos recursos? A
resposta eu não sei, mas isso tem que ser debatido.

Ou seja.
Para manter a águia longe, devemos desnudar o golpe fora do pais e
cobrar o posicionamento dos militares contra o governo entreguista.

Responder

Neo

07 de julho de 2016 às 12h14

Ações de mudanças de regimes patrocinadas pela CIA:

https://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7%C3%B5es_de_mudan%C3%A7as_de_regimes_patrocinadas_pela_CIA

Responder

Panino, o Manino

07 de julho de 2016 às 11h14

Também me dói ouvir essas informações comentadas nesse tom conspiratório, é muito exagero por mais que haja algo de relevante na informação.
Não é “só” o Moro quem faz esses cursos, eles são corriqueiros, e sim, o país estrangeiro que oferece o curso (não só o EUA) quer passar um discurso meio ideológico que pode acabar influenciado os participantes. Quanta gente não no MP e PF não faz discurso hoje alinhado aos interesses do EUA, muitas vezes contra interesses nacionais? Só que isso é diferente de pegar um cara e levar para uma sala escura fazer lavagem cerebral como as vezes dá a entender quando fazem essas denúncias. O que aliais, a realidade é mais perigosa que a ficção.

Responder

Neo

07 de julho de 2016 às 10h55

Programas estratégicos sabotados pelo golpe: Submarino nuclear brasileiro. Desenvolvimento de caças Gripen de última geração. Veículo lançador de satélite. Tecnologia de exploração de petróleo em águas profundas, Ferrovia transpacífica, refinarias de petróleo, hidrelétricas, usinas de energia eólica. Nunca irão ver tudo isso na Globo ou na Veja. Só as reservas de petróleo de alta qualidade do Pre-sal são avaliadas em mais de 8 trilhões de dólares. Por muito menos que isso os norte-americanos invadiram o Iraque!

Responder

    Rita Candeu

    07 de julho de 2016 às 12h04

    verdade

    Responder

Neo

07 de julho de 2016 às 10h55

O que uma comitiva do ministério público foi fazer em Washington? Porque enviaram para lá os projetos do submarino nuclear brasileiro e documentos sigilosos da Petrobras? Porque espionaram a Cia e a NSA grampearam o telefone da Dilma e espionaram a Petrobrás? Não sou eu que estou dizendo, foi Edward Snowden EX-AGENTE DA CIA.

Responder

    Rita Candeu

    07 de julho de 2016 às 12h04

    engraçado como tudo isso se perde – se esquece – rapidinho não?

    é tão óbvio quando se lembra de todas essas coisas assim em conjunto

    Responder

      Brazilian Citizen

      08 de julho de 2016 às 15h08

      Teoria? Snowden? Não tem nada de teoria: é fato. E não precisa nem apelar para as revelações de um perseguido…

      Wesley Clark, Comandante Supremo da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) declara publicamente: “Usamos o terrorismo para criar terroristas e derrubar governos.”

      No seguinte vídeo de dois minutos, narra que em 2001 os EUA planejaram a derrubada de governos de sete países: Iraque, Síria, Líbano, Líbia, Somália, Sudão e Irã:

      https://www.youtube.com/watch?v=RVLJ7MqGCAg

      Responder

Neo

07 de julho de 2016 às 10h54

Washington tem medo de que os membros do grupo BRICS, de qual fazem parte a Rússia, China e o Brasil, fortaleçam a sua política econômica independente e começarão a realizar pagamentos em moeda nacional, acabando com a hegemonia do Dólar, que pode causar muitas perdas para a globalização americana e reforçar o desejo de muitos países saírem do controle dos EUA.
O golpe de Estado no Brasil, é obra de Washington. Os EUA realizaram uma ação forte de desestabilização no Brasil e uma “revolução colorida”. Esta revolução foi precedida por uma forte ação de desestabilização da situação política e econômica no Brasil. Ao invés de “matar o inimigo” eles os convertem em favor de seus interesses. As pessoas que foram para a rua com a camisa da CBF são produto de uma intensa programação mental diária, como uma matrix. São ingênuos e não percebem que estão se auto-sabotando.
Vivemos uma nova guerra fria onde as armas são o dinheiro e a mídia.

Responder

    Rita Candeu

    07 de julho de 2016 às 12h06

    eu nem sei se são tão ingênuos assim
    tinha muito imbecil com roupas com a bandeira dos EUA
    coxinha adora tudo que vem de lá – até golpes de estado

    Responder

    Pedro Paulo Dionizio

    09 de julho de 2016 às 08h32

    Tudo bem, concordo com você Neo, e já ouvi falar disso várias vezes vindo de diferentes fontes de informação. Observem que o tema central desse artigo é “comunicação”, assunto que foi levantado por outro artigo da Marilena, uma das fundadoras do PT, na década de 70, em pleno “milagre econômico”.
    Mas, por quê, os EUA dominam o “mundo” e não apenas o Brasil? Como eles conseguem fazer isto?
    Para começar, em minha humilde opinião, acho que, os EUA não estão sozinhos, não são apenas o tio SAM, que devemos odiar. Devemos lembrar ainda que EUA é composto de Negros, pobres, comunistas, dentre muitos. O fato é que não conhecemos devidamente ainda, o verdadeiro inimigo, mas sem dúvidas ele nos conhece muito bem, sabe das nossas fraquezas e de nossas divisões internas familiares, conhece nossos comportamentos e psicologia.
    Será que somos dominados, mais por nossas fraquezas e menos pela força do inimigo?
    Porém, não poderia deixar de dar uma pitada na, tentativa de iniciar uma solução do “problema”, Existe uma frase clássica que diz: “o importante é não chorar e nem se desesperar, mas entender”, possivelmente de Baruch Spinosa.

    Responder

      Neo

      11 de julho de 2016 às 15h15

      Perfeito! Existem “forças ocultas” agindo no Brasil.

      Responder

Neo

07 de julho de 2016 às 10h53

Os americanos sustentam seu país inviável imprimindo dólares e endividando países pobres. Basta digitar o número 1 ao lado de 10 zeros em uma conta do Federal Reserve que está “criado” 10 bilhões de dólares sem sequer gastar papel moeda. Daí usam esse dinheiro fictício para endividar países via FMI, cujo governo foi derrubado pela mídia devidamente financiada para desestabilizar governos democráticos com a ajuda de políticos corruptos que sonham se aposentar ricos e viver em Miami. Desde a década de 70 que os americanos imprimem dólares sem lastro em ouro, o que na prática é como se falsificassem o próprio dinheiro que imprimem. Acabaram de financiar um golpe na Ucrânia e estão fazendo o mesmo na Argentina e Brasil.

Responder

    Rita Candeu

    07 de julho de 2016 às 12h07

    logo Temer estará pedindo $ ao FMI

    Responder

Albert Fanon

07 de julho de 2016 às 10h26

Ótimo texto. Só uma pequena correção: os Hawker Hunter que bombardearam o Palácio La Moneda eram britânicos.

Responder

Andre_Gotha

07 de julho de 2016 às 10h18

Para quem se interessar:
A base da CIA no Brasil era conhecida como “bridge”
Houve um seminário chamado “Projeto Pontes”…a agora temos a “Ponte para o Futuro”…pode até ser coincidência…

Responder

maria silzi mossato

07 de julho de 2016 às 10h01

Vamos olhar no mapa e juntar as coisas: 2009 – golpe em Honduras, coração da América Central; 2012 – golpe no Paraguai, coração da Ameéca do Sul, vizinho do Brasil, sócio da Itaipu; Venezuela, que sofreu tentativa de golpe, continua pressionada; Macri abre espaço para duas bases militares do EUA em território argentino, uma próximo à tríplice fronteira, onde está Itaipu e em alinhamento com o Pré-Sal.
Quem viu o filme Jogo de Poder, baseado nas memórias de Valerie Plame, ex-agente da CIA que atuou no caso do Iraque sabe que a invasão ocorreu com Estados Unidos cientes de que não havia risco de bomba nuclear. O padrão de destruição moral pela mídia, ao qual o marido da agente foi submetido lá, é o mesmo que vemos todos os dias aqui.
Corremos riscos. Se este processo não parar, a América do Sul substituirá o Oriente Médio, agora destruído.

Responder

Garru João Luiz Garrucino

07 de julho de 2016 às 09h49

É otário quem ainda duvida que os EUA através da CIA mais as velhas oligarquias corruptas de sempre no Brasil e suas mídias amestradas e partidos bonecos ou fantoches e um judiciário podre ou vendido, e inclusive os militares que sempre foram capachos das oligarquias, não tenham orquestrado o golpe e sim o Moro é agente da CIA sim.

Ele fez o serviço sujo para as empreiteiras americanas quebrando as brasileiras que vinham tomando o lugar na América Latina e Africa.

E fez o serviço sujo sim para sangrar e deter o ritmo da Petrobas e do pré sal preparando o terreno para agora o governo golpista do Temer e serra privatizar tudo ou entregar aos americanos.

E a CIA agiu no Brasil como fez no Afeganistão soltando dinheiro e armas para os fundamentalistas religiosos enfrentarem os russos mas dando o tiro pela culatra pois dai nasceu a ditadura do Talibam e ao atentado de 11/09 e a Alkaida e até hoje não conseguiram resolver o terrorismo internacional que brotou desta guerrra.

Sem falar que derrubaram o Sadan no Iraque e tentam derrubar o Asad na Siria e deram corda ao EI e derrubaram o Kadaf na Libia a troco nem sei do que mas com tudo isto gerando a atual invasão muçulmana da Europa podendo detonar a UE.

No Brasil agora parece claro que bancaram inclusive com lavagem de dinheiro o crescimento de tais igrejas evangélicas para terem acesso a rádios e tvs., e se venderem ideologicamente como se fosse um partido, afora empresas, partidos e governos, mesmo violando a constituição atual que garante a liberdade de culto o crenças somente dentro dos templos e nada mais, como forma de combater o PT e as esquerdas e impedir o avanço da democracia.

Como acabaram conseguindo ao menos até este momento do pós golpe.

Somente estamos vendo reações no face, da classe média, dividida em duas igrejas, de um lado a extrema direita golpista e fascista, e de outro as esquerdas….mas o povão na rua que não tem internet e face ou redes sociais e somente ouve a tv aberta ou Globo e Silvio Santos, Datena, etc., continuam alienados e indiferentes a tudo, e não se ouve a mínima conversa política sobre o golpe ou sobre nada.

Mas tem muitos pedindo a intervenção militar.

No momento parece que o psdb tenta comer pela beirada e queimar o governo Temer para tomar conta do governo inteiro e eles somente conseguem chegar ao governo após algum golpe como foi da outra vez após o golpe contra Collor somente para impedir que Brizola fosse o próximo presidente o que as oligarquias tinham pavor ou medo, enfim não queriam que algum líder de antes do golpe de 64 voltasse ao cenário nacional e reaglutinasse o povo novamente em torno de uma bandeira nacionalista e de soberania nacional.

E para este golpe contaram com apoio da nova esquerda brotada no asfalto do ABC ou dos sociais democratas do PT e cia que agora pagam pela traição ao trabalhismo e Brizola, picados pelo mesmo veneno.

Quem não percebeu ainda que as oligarquias afastaram os militares por estarem atrapalhando devido ao nacionalismo e respeitarem mais a legislação trabalhista já que eram peões ou funcionários púbicos?

E orquestraram a suposta entrada na democracia mas com os mesmos de sempre no poder desde o golpe de 64 ou desde sempre.

Colocaram a cláusula do golpe na constituição congressual atual rascunhada por deputados e senadores eleitos na esteira do sucesso popular do plano cruzado do governo Sarney, CONGELANDO os preços mas que durou somente mais sete dias após as eleições em claro golpe ou fraúde.

E para ser usada contra Brizola e o PT ou as esquerdas porque era apenas para fazer de conta que após os militares entramos na democracia….de faz de conta como sempre foi no Brasil.

Nosso povo nunca lutou por nada como nos EUA e aqui tudo foram arranjos das oligarquias de cima para baixo, a independencia, a libertação dos escravos, a república foi um golpe militar, etc.,

O que ocorre de fato é que logo após os militares começaram a farra ou zona, as rotatividades da mão de obra e depois as terceirizações rebaixando salários e comendo a classe média pela borda, mas ainda vieram as privatizações selvagens de FHC,.

E como o PT estava travando ou segurando o que pretendiam de fato deram o golpe e agora irão regularizar de vez as terceirizações e não apenas para as atividades meios mas até para as atividades fins detonando de vez com todas as categorias que sobraram.

E não contentes com isto querem também flexibilizar a legislação trabalhista através de acordos coletivos, enfim querem detonar ou acabar de vez com o legado de 60 anos da CLT de Getúlio, Jango e Brizola….voltando a semi escravidão….

Hoje todas as categorias tem apenas 1/3 dos trabalhadores que tinham em 85, mesmo com 12 anos do PT social democrata. .

Se depois de tudo isto o povo não acordar e sair as ruas nem sei mais o que pensar….Cairemos na selvageria e barbárie ou para as tiranias da Africa e oriente médio….E com o fundamentalismo recuaremos também a idade média… Me da calafrios só de imaginar no que estamos entrando….parece que voltando ao século IXX e não entrando no século XXI….

Responder

    Rita Candeu

    07 de julho de 2016 às 12h13

    excelente explanação
    me dá calafrios tbm – é assustador

    Responder

Moacir Führ

07 de julho de 2016 às 09h32

Todos sabemos que o Brasil é um país corrupto. Há corrupção em todos os lugares, desde secretárias de saúde, delegacias de polícia, empresas de energia, recolhimento de lixo, onde você imaginar… a corrupção está lá. Daí de repente o Brasil descobre uma gigantesca reserva de pétroleo e a sua empresa estatal mais importante tem planos de lucrar muito. Algum tempo depois surge a Lava Jato, uma operação de caça à corruptos que, consegue retirar do poder um governo que é contra a privatização da Petrobras, e que consegue convencer o Brasil e o mundo de que os casos de corrupção da Petrobras, são o maior escandâlo de corrupção da história do mundo.
Ao mesmo tempo ocorre uma caça as bruxas dentro das grandes empresas de construção civil do país.
Possível resultado de tudo isso: inevitável convencimento da população de que a privatização da Petrobras é algo desejável. Venda da maior empresa estatal do país a preso de banana e vinda de empresas de construção civil americana para cobrir o espaço deixado pelas empresas brasileiras.
Parece que os EUA finalmente percebeu que a forma mais inteligente de conquistar as riquezas de um país não é com bombas, mas com ações mídiaticas e jurídicas.
Acredito que pensar que Moro age apenas por convicção é uma extrema ilusão e inocência. A história deixa muito claro que os EUA lutam sim pelos seus interesses, e comprar um juizinho desses não seria algo nem um pouco dificil.

Responder

    Rita Candeu

    07 de julho de 2016 às 12h14

    em 64 tbm aconteceu esse mesmo discurso contra a corrupção
    a história se repete
    nada de novo, nada de criativo

    Responder

Pinheiro CFC

07 de julho de 2016 às 08h35

A Marilena Chauí é tão MALUCA, que chegou ao ponto de dizer que o Moro foi trinado pela CIA nos EUA pra roubar o Pré sal………….. Que ponto chegamos…. uma pessoa que sabe que seu grupo perdeu chegar a este ponto….sem noção nenhuma, pode até ter sido boa no passado mas atualmente esta gagá a coitada.(ou cega)

Responder

    Frederico Jannuzzi

    07 de julho de 2016 às 08h57

    Não sei se você acompanha o processo histórico contemporâneo desde a “primavera árabe”, passando pela ruptura ucraniana e chegando à Venezuela, entre outras “experiências democráticas” financiadas por agentes especulativos norte-americanos (basta lembrarmos da Invasão ao Iraque e o beneplácito com a Arábia Saudita).
    O objetivo real é a quebra da economia brasileira em sua espinha dorsal e a entrega das riquezas do país aos interesses do grande capital internacional.
    Com todo o respeito, não enxergar isto é preocupante.
    P.S. Por favor, não apele para a crítica à leitura comunista ou bolivariana, uma vez que precisaremos, ainda em profundidade, discutirmos tais conceitos.

    Responder

    Albert Fanon

    07 de julho de 2016 às 10h35

    Acho que quem está completamente sem noção e sem conhecimento é você… Leia o livro “Por dentro da CIA, do falecido ex-agente Phillip Agee, e verá que isso é prática corrente há muito tempo.

    Responder

      Pinheiro CFC

      07 de julho de 2016 às 16h26

      Você achou interessante o Livro? Conheceu a Biografia do autor? Vou dar um breve resumo : “Após a abertura dos Arquivos de Moscou, o ex-agente Philip Agee, badaladíssimo pela mídia popular pelas denúncias escabrosas que fez contra a CIA, esteve sempre na folha de pagamentos do serviço secreto soviético e hoje é um agente full time do governo cubano.” Antes de citar um Livro, tente entender a Biografia do autor. Não acredite em tudo que ve por ai.

      Responder

        Madex

        08 de julho de 2016 às 14h17

        Isso aí é o clássico dos sem-argumento: ao invés de atacar o argumento, ataca a pessoa. rs

        Responder

          Eduardo Pinha

          08 de julho de 2016 às 17h45

          Ele atacou o argumento. Falou que o tal agente não é confiável. Você tem problemas cognitivos.

          Madex

          12 de julho de 2016 às 15h34

          Releia o que você escreveu: “ele atacou o argumento pq atacou a pessoa”. Quem tem problemas cognitivos?

Antonio Passos

07 de julho de 2016 às 02h59

Marilena Chauí também tem o direito de um lapso em que troca CIA por FBI. Ainda mais falando de um assunto que simplesmente transtorna, quem não teve a mente lavada pela Globo. O Brasil está sendo destruído como nação diante dos olhares de todos. Não há tanques nas ruas, não há censura instituída, não há a desculpa de uma ditadura militar. O que há é um povo, a maioria dele, completamente idiotizado. É de chorar, a constatação do nível de ignorância e estupidez de nossa sociedade, de nossa juventude especialmente, diante do que está acontecendo. E mais, o que dizer daqueles que têm consciência ? É só isso o que têm para opor ao golpe ? É só isso a resistência ? Mesmo a Chauí, porque ela não disse isto há muito tempo atrás ? Para concluir, ao que parece quase todos já estão convencidos de que não há mais chance no senado. Ah, mas tem os “espertos”, que estão achando que em 2018 é barbada pro LULA. Então tá né, dizer o quê ?

Responder

    Daniel

    07 de julho de 2016 às 04h36

    Pois é, faço minhas as suas palavras. Só tenho a acrescentar o seguinte: não existe ninguém de estatura popular e culhões para se levantar e peitar este estado de coisas?
    Não existe ninguém que vá fazer nada, tudo vai transcorrer assim mesmo, “na maior”?
    Lá fora todos estão vendo o que está acontecendo. Estão acusando, denunciando.
    Aqui todos estão embasbacados, imobilizados, com medo? Foi isso que os anos de governos progressistas trouxeram, a covardia e o comodismo? O medo de perder o pouco que tem, ou de ser preso?
    Se é isso que temos pra hoje, então talvez esse povo mereça mesmo voltar a ser escravo e capacho dos EUA.
    Basta então continuar trabalhando, chegando em casa, ligando na GLOBO, assistindo JN e novela, dormindo, e repetindo tudo de novo, só para pagar contas e impostos, e esperar morrer por conta de um empreguinho e um smart fone para poder zapear.
    Foi tudo que se aprendeu de FHC pra cá?
    Minha nossa.

    Responder

Deixe um comentário