Ato em defesa da imprensa

A demonstrator sits in front of a street fire during a demonstration following the grand jury decision in the Ferguson, Missouri shooting of Michael Brown, in Oakland, California November 25, 2014. The grand jury decided on Monday not to indict a white police officer over the fatal August shooting of an unarmed black teenager. REUTERS/Stephen Lam (UNITED STATES - Tags: CIVIL UNREST POLITICS CRIME LAW TPX IMAGES OF THE DAY) - RTR4FHJ2

A tragédia racial nos EUA deve servir de lição para o Brasil

Por Pedro Breier

11 de julho de 2016 : 10h10

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

Os Estados Unidos vivem mais uma vez um drama decorrente da morte de negros pela polícia. No último dia 5 dois policiais dispararam contra Alton Sterling e o mataram, enquanto tentavam detê-lo em Louisiana. No dia 6, um policial atirou contra Philando Castile e matou-o. Ele havia sido parado em uma blitz e estava com a namorada e sua filha pequena no carro. O governador de Minnesota afirmou sobre a morte de Castile: “Isso teria acontecido se passageiro ou motorista fossem brancos? Não creio”.

As duas mortes foram filmadas (esta última pela própria namorada da vítima, que transmitiu ao vivo o vídeo) e geraram uma onda de protestos. No dia 7, durante protesto em Dallas, cinco policiais que faziam a escolta foram mortos por Micah X. Johnson. Na madrugada do dia 8 o atirador foi morto em confronto com policiais.

A diferença de tratamento da polícia a negros e brancos é evidente. Em um levantamento realizado pelo Pew Research Center, nos Estados Unidos, 71% dos negros entrevistados disseram que já sofreram discriminação. 85% dos negros entrevistados afirmaram que o país tem de mudar na questão da discriminação racial, enquanto 55% dos brancos disseram o mesmo. Em 2015, três em cada dez pessoas mortas pela polícia nos Estados Unidos eram negras, enquanto a população negra no país é de 13%.

A tragédia americana deveria servir de exemplo para o Brasil. A polícia atua de uma maneira em bairros ricos/brancos e de outra em bairros pobres/negros. A perversa e inútil guerra às drogas é empreendida na favela, e não em condomínios de luxo. O delegado da polícia civil do Rio de Janeiro Olando Zaccone demonstra, em seu livro Acionistas do nada: Quem são os traficantes de drogas, a seletividade social e consequentemente racial na aplicação das penas: bandidos pobres são presos e estigmatizados, enquanto os bandidos de classe média ou ricos são autuados como consumidores e não ficam detidos.

Virou quase rotina vermos notícias de adultos, jovens e até crianças negras inocentes mortos pela polícia. Mesmo que tenham cometido algum crime, qualquer morte que não se enquadre nas hipóteses legais de legítima defesa é absurda. Não há, ao menos por enquanto, previsão legal de pena de morte no Brasil.

Com duas das maiores populações carcerárias do mundo – ambas com uma porcentagem de negros maior que a da população em geral -, Brasil e Estados Unidos têm muito em comum na questão do racismo. O verdadeiro racismo de Estado propiciado pelos sistemas penais dos dois países só prospera porque encontra respaldo em uma sociedade ainda racista, em pleno 2016. Na semana passada o estudante David Castro relatou ter sido vítima de racismo em uma lanchonete de Fortaleza. “Lembrei de todas as vezes em que abri minha boca pra dizer que o racismo não existia e sei agora o quanto eu estava enganado”, ele escreveu. Casos como esse são comuns no Brasil, e para que a situação não chegue ao extremo de violência que acontece nos EUA, a ação deve ser imediata, a começar por uma mudança radical no tratamento que a polícia dá à população negra.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

João Luiz Brandão Costa

11 de julho de 2016 às 17h54

Muito cuidado com comparações. Aqui não tem “bairro branco” e “bairro negro”. Na favela tem predominância de negros, mas ainda assim, onde acaba o negro e começa o “não negro” Ainda assim, tem favelas com predominância de brancos pobres, como os nordestinos, p.ex. Falemos´portanto em condições sociais.Mas aí também complica. Pois fora da favela há muitos desfavorecidos. Imagina se um negro desequilibrado sair matando policiais., Metade das vítimas serão também negras.

Responder

    Alberto Monteiro de Castro

    12 de julho de 2016 às 03h28

    Esse é o discurso tipico que visa negar a existência do racismo no Brasil. Aqui não tem racismo. Tem democracia racial! Tudo é uma questão de desigualdade social! I’m fed up!

    Responder

C.Pimenta

11 de julho de 2016 às 17h07

Leisha Evans, o novo símbolo da luta anti-racial dos EUA:

http://mundo.sputniknews.com/europa/20160506/1059371726/mujer-sueca-contra-neonazis.html

Responder

Creuza Pires

11 de julho de 2016 às 12h11

Se não houver mudança no Judiciário não vejo que o Brasil esteja muito distante de trajédias como as que estão acontecendo nos EUA, apesar de sermos um país passivo. A discriminação racista, cultural, ideológica, econômica etc está ficando muito evidente e já vejo reações advindas desse preconceito. O pior que não acredito nesse Ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, PSDB-SP, indicado por Temer que tem um passado nebuloso e que chegou ao cargo após conchavos políticos.

Responder

Deixe uma resposta