Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

A história lhe ouve, presidenta!

Por Ricardo Azambuja

30 de agosto de 2016 : 01h04

(Presidenta Dilma Rousseff. Foto: Moreira Mariz/Agência Senado)

 

 

Por Ricardo Azambuja, correspondente do Cafezinho no Senado

 

Às 9h40 da manhã do dia 29 de agosto de 2016, a presidenta Dilma Rousseff começa a discursar no Senado diante de seus algozes e aliados, transformando uma hora de depoimento em um momento histórico. Suas palavras confirmam o que já foi provado por peritos e pelo MPF (Ministério Público Federal), a injustiça de uma frágil retórica jurídica baseada em provas produzidas que a acusa de um crime que não cometeu.

À semelhança com o passado sujo da história política brasileira, é inevitável a comparação com ex-presidentes que também foram vítimas de golpes.

“O presidente Juscelino Kubitschek, que construiu essa cidade, foi vítima de constantes e fracassadas tentativas de golpe. O presidente João Goulart (…) superou o golpe do parlamentarismo, mas foi deposto e instaurou-se a ditadura militar em 1964. O presidente Getúlio Vargas, que nos legou a CLT e a defesa do patrimônio nacional, sofreu uma implacável perseguição, a hedionda trama orquestrada pela chamada República do Galeão, que o levou ao suicídio”.

Denuncia que o golpe foi planejado pelos mesmos setores da elite do passado, que não medem esforços para remover do poder quem contrarie os seus interesses políticos e econômicos.

“Desde a proclamação dos resultados eleitorais, os partidos que apoiavam o candidato derrotado nas eleições fizeram de tudo para impedir a minha posse e a estabilidade do meu governo. Disseram que as eleições haviam sido fraudadas, pediram auditoria nas urnas, impugnaram minhas contas eleitorais e, após a minha posse, buscaram de forma desmedida quaisquer fatos que pudessem justificar retoricamente um processo de impeachment”. E continua: “Como é próprio das elites conservadoras e autoritárias, não viam na vontade do povo o elemento legitimador de um governo. Queriam o poder a qualquer preço”.

Dilma convence, demonstra honestidade e retidão de caráter em sua fala. Afirma que não enriqueceu, não desviou dinheiro em benefício próprio ou de seus familiares e não tem conta no exterior. Ao contrário do responsável pela abertura do seu pedido de impeachment no Congresso, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Não esquece de sublinhar o apoio escancarado de setores da mídia a sua deposição. “Não há respeito ao devido processo legal quando a opinião condenatória de grande parte dos julgadores é divulgada e registrada pela grande imprensa, antes do exercício final do direito de defesa.”

Relembra o seu triste passado. “Diante das acusações que contra mim são dirigidas, não posso deixar de sentir novamente o gosto amargo da injustiça e do arbítrio. Mas como no passado, quando fui torturada, resisto. Não esperem de mim o obsequioso silêncio dos covardes”, uma crítica explícita ao governo usurpador de Michel Temer, famoso por seus atos de covardia e traição.

Na galeria do plenário, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e o cantor e compositor Chico Buarque mostram-se visivelmente emocionados com o discurso de uma mulher alçada ao mais alto cargo de uma nação por mais de 54 milhões de votos, que com honra e dignidade defende, acima de tudo, a democracia.

“Não luto pelo meu mandato por vaidade ou por apego ao poder, como é próprio dos que não tem caráter, princípios ou utopias a conquistar. Luto pela democracia, pela verdade e pela justiça. Luto pelo povo do meu País, pelo seu bem-estar.”

A presidente julgada exibe a firmeza de uma valente que foi torturada e enfrentou um tribunal militar há mais de 40 anos. A mesma força com que lutou contra um câncer descoberto em 2009.

“Venho para olhar diretamente nos olhos de Vossas Excelências, e dizer, com a serenidade dos que nada tem a esconder, que não cometi nenhum crime de responsabilidade. Não cometi os crimes dos quais sou acusada injusta e arbitrariamente.”

E, por fim, alerta os senadores: “Hoje o Brasil, o mundo e a história nos observam e aguardam o desfecho deste processo de impeachment.”

A presidenta Dilma Rousseff entrará para a história, não por erros cometidos que fez questão de assumir, mas por sua valentia e coragem em defender a democracia e o povo brasileiro.

Aos golpistas, restará apenas a lata de lixo da história.

 

 

Abaixo, discurso histórico do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) (TV Senado)

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Cesar Saldanha

30 de agosto de 2016 às 09h11

Caráter, honestidade, hombridade, estadista, coragem e um coração valente deixará marcas para sempre na história do Brasil. Talvez, esse dia 29 de agosto, será marcado como o ápice mais alto da democracia. Deus esteja contigo Presidenta Dilma.

Responder

Anelise Pinto

30 de agosto de 2016 às 08h51

Dilma Rousseff, uma gigante brasileira. Emocionada.

Responder

Deixe um comentário para Anelise Pinto

O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro