Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Brasília - Eduardo Cunha concede entrevista sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal de manter seu afastamento do mandato de deputado federal e da presidência da Câmara (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Estaria Eduardo Cunha arrependido do golpe contra Dilma Rousseff?

Por Redação

12 de setembro de 2016 : 11h53

O ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse em entrevista à Folha que cometeu “dois grandes erros” durante seu mandato: romper com o governo Dilma Rousseff e atacar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, autor das denúncias contra ele, aceitas pelo STF, que resultaram no seu pedido de afastamento.

“O confronto exagerado que estabeleci [com Rodrigo Janot] acabou chamando uma reação corporativa do Ministério Público. E, talvez, eu devesse ter ignorado o governo, não ter partido para o rompimento. Estava convencido que havia articulações para me constranger. O problema é que eu poderia ter continuado com a minha certeza e não ter reagido como reagi”, declarou o peemedebista.

Segundo Cunha, sua eventual cassação vai fortalecer o discurso de que Dilma foi vítima de um ‘golpe parlamentar’ e impulsionar o PT nas eleições de 2018.

Na entrevista, Cunha ainda pede aos colegas parlamentares que seu destino seja decidido pelo Supremo Tribunal Federal e lembra que cerca de 160 deputados — como revelou o Congresso em Foco — são alvos de investigações na mais alta corte do país.

“Falam que fiz ameaça quando disse que mais de 160 parlamentares estão sob investigação, com inquérito, processo. Se eles forem julgados pelo texto da acusação, não vai sobrar ninguém.”, disse.

Abaixo reportagem do portal Congresso em Foco.

***

Romper com Dilma foi um grande erro, diz Cunha

Em entrevista à Folha, deputado afastado diz que cometeu dois “grandes erros”: além de romper com a petista, partir para o confronto com Janot. Peemedebista critica Temer e afirma que sua eventual cassação fortalece o discurso do golpe

no Congresso em Foco

Na última entrevista concedida antes do julgamento de seu processo de cassação, prevista para esta segunda-feira (12), o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz que cometeu “dois grandes erros”: romper com o governo Dilma e atacar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, autor das denúncias contra ele aceitas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e de seu pedido de afastamento do mandato.

“O confronto exagerado que estabeleci [com Rodrigo Janot] acabou chamando uma reação corporativa do Ministério Público. E, talvez, eu devesse ter ignorado o governo, não ter partido para o rompimento. Estava convencido que havia articulações para me constranger. O problema é que eu poderia ter continuado com a minha certeza e não ter reagido como reagi”, declarou o peemedebista em entrevista à repórter Daniela Lima, da Folha de S.Paulo. Segundo ele, sua eventual cassação vai fortalecer o discurso encabeçado por petistas de que Dilma foi vítima de um golpe e “turbinar” o PT na disputa eleitoral de 2018.

Na entrevista, Cunha pede aos colegas que seu destino seja decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e lembra que cerca de 160 deputados, como revelou o Congresso em Foco, são alvos de investigações na mais alta corte do país. “Falam que fiz ameaça quando disse que mais de 160 parlamentares estão sob investigação, com inquérito, processo. Se eles forem julgados pelo texto da acusação, não vai sobrar ninguém.” Para ele, os deputados precisam “julgar sabendo que amanhã serão julgados”.

O ex-presidente da Câmara afirma que é um “absurdo” ter o mandato cassado sob a acusação de mentir. “Ser cassado sob acusação de mentir? Como se todo mundo só falasse a verdade? Se menti ou não menti, será resolvido quando o Supremo decidir [o caso]. Se for condenado, terei mentido. Se não for, não terei”, disse.

Cunha também faz análise pessimista do presidente interino, Michel Temer (PMDB). Para o peemedebista, Temer virou “refém” do PSDB e do DEM e poderá ser arrastado pela mesma crise de representatividade que encerrou precocemente o segundo mandato de Dilma. O deputado afastado conta, ainda, que vai escrever um livro sobre o impeachment. “Não espero perder o mandato mas, se acontecer, o livro vai sair mais rápido. Vou ter mais tempo.”

O deputado afastado afirma, ainda, não se preocupar com sua eventual morte política pouco mais de um ano e meio após assumir a presidência da Câmara. “Quem lida bem com política sabe que, já dizia Murilo Badaró, ela é a única atividade que você pode morrer e ressuscitar várias vezes. Já vi muita gente morrer e ressuscitar. Isso não me preocupa. Já vivi muitas coisas, já vi muita coisa acontecer. É como uma gangorra. Isso não me preocupa.”

Julgamento

Aliados de Cunha tentam esvaziar a sessão e empurrar o julgamento para depois das eleições. Outra estratégia, caso a primeira falhe, é tentar trocar a cassação por uma pena mais branda: a suspensão do mandato. Mas, ao todo, 336 deputados já confirmaram ao Congresso em Focoque estarão presentes à sessão que julgará o deputado peemedebista, réu da Operação Lava Jato em duas ações penais e acusado de quebra de decoro parlamentar. Dois parlamentares afirmaram que não poderão estar presentes por razões de saúde: Francisco Francischini (SD-PR), que acompanha o filho em um tratamento médico, e Toninho Wandscheer (Pros-PR), que se licenciou por motivo de saúde.

São necessários 257 votos (metade mais um) para cassar o parlamentar. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), só pretende colocar o parecer do Conselho de Ética em votação se estiverem em plenário pelo menos 420 deputados. Líderes de diversos partidos acreditam que esse quórum será atingido, seja pela pressão que os deputados estão recebendo nos estados para encerrar uma controvérsia que se arrasta desde o ano passado, seja em razão da ameaça – feita por Maia – de cortar os salários de quem não comparecer.

Na consulta feita pelo Congresso em Foco, os 512 parlamentares da Câmara, à exceção óbvia de Cunha, foram confrontados com  a seguinte pergunta:

“Senhor(a) Deputado(a),

O Congresso em Foco pode confirmar o seu comparecimento na sessão deliberativa da Câmara dos Deputados marcada para as 12 horas do próximo dia 12 de setembro, na qual será julgado o processo de cassação do deputado Eduardo Cunha?”

Em poucos segundos, o deputado responde se confirma ou não sua presença na sessão do dia 12. Todos os gabinetes serão procurados também por telefone. O leitor pode acompanhar aqui a resposta de cada parlamentar.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Cesar Weinmann

12 de setembro de 2016 às 22h31

Pinguins tem joelho? Vamos supor que o Cunha fosse o Clodovil….

Responder

Marcelo Coutinho

12 de setembro de 2016 às 20h11

Cagão!

Responder

label vargas

12 de setembro de 2016 às 19h16

Este bandido NÃO SERÁ CASSADO.Não interessa ao GOLPE,INCLUA-SE AÍ TODA A TURMA.
Ele viraria uma bomba,o juizinho PARCIAL seria obrigado a investiga-lo,e é óbvio,”Cunha? não vem ao caso”.
Acabaria o GOLPE,…e isso está fora de questão.

Responder

Marcos Brito

12 de setembro de 2016 às 18h07

CHORA MANÉ., KKKK, SERVIU DE PAPEL HIGIENICO PARA A BURGUESIA KKKK

Responder

Zeketi

12 de setembro de 2016 às 18h02

eu acho que será cassado e foi usado, inclusive tá se dando conta disso só agora.

Responder

Itaguary Poranga

12 de setembro de 2016 às 18h02

Esse CUnha é muito cínico mesmo. O cara ainda está fazendo chantagens, mas isso somente ocorre por que ele sabe muito bem, quem e por que chantageia. Quanto ao livro, claro que será apenas de ameaças… na verdade ele deveria somente reunir os BO’s e o livro estaria pronto.
Já estou de saco cheio desse bando de evangélicos pilantras. Usam o nome de Jesus para enganarem os otários e ganharem dinheiro.

Responder

Rachel

12 de setembro de 2016 às 16h36

https://www.youtube.com/watch?v=wSjelkRuK8U

Chora de Beth Carvalho

Responder

Marcvs Antonivs

12 de setembro de 2016 às 13h50

Ele pode dizer o que bem entender. Ninguém vai dar confiança pra ele agora. Ele se superestima demais quando não passou de uma simples marionete do PSDBosta para dar início o golpe, coitado. Se pensa esperto, mas não é. Pensava ter todos nas mãos mas é ele que está nas mãos do Satanás do golpe.

Responder

Jose X.

12 de setembro de 2016 às 13h13

me admira que ainda tenha alguém que pense em levar a sério o cunha….é muita ingenuidade mesmo, ou burrice, sei lá

Responder

    ddiego

    19 de setembro de 2016 às 00h09

    AGORA EU QUERO LEVAR ELE MUITO A SÉRIO. QUE ELE CONTE TUDO KKKK

    Responder

hc.coelho

12 de setembro de 2016 às 13h05

não será cassado. É o herói “deles” e não será cassado.
Se for, não será denuncia do e preso.Se preso sai logo e será esquecido.em alguma gaveta.
Eles não prenderão seu herói.

Responder

    Torres

    12 de setembro de 2016 às 13h29

    eu creio que será cassado.
    mas preso, duvido.

    Responder

Luigi Millano

12 de setembro de 2016 às 12h59

Cunha tera tempo suficiente para se arrepender na penitenciaria a que sera condenado tao logo seja cassado. Caso precise de mais tempo, isso nao deve ser problema. Tera a eternidade para expiar por seus pecados no inferno que, onde o diabo ja preparou um ambiente apropriado para recebe-lo.

Responder

Henrique Dias

12 de setembro de 2016 às 12h44

De ter roubado tanto ele não se arrependeu?

Responder

carlos

12 de setembro de 2016 às 12h42

Queria ver os zóio arregalado da mulher dele quando conhecer a companheira de cela e ver que é a Richtofenn kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

    Octavio Filho

    12 de setembro de 2016 às 16h36

    Ficar o dia todo olhando para aqueles olhos arregalados não deve ser fácil.

    Responder

Torres

12 de setembro de 2016 às 12h36

Dilma tb se arrependeu de ter decidido romper com Cunha quando apoiou o Chinaglia para a presidencia da Câmara.
vão se abraçar e pedir perdão um ao outro.
chorarão juntos e se perguntarão:
“porque???
porque brigamos tanto???”

Responder

    Marcio

    12 de setembro de 2016 às 13h45

    Sim, os dois manipuladores deveriam ter permanecido juntos!

    Responder

      label vargas

      12 de setembro de 2016 às 19h20

      Tu e o Torres dois imbecis juntos.Comparar Dilma com Cunha é caso de demência.Se ela fosse sacana só 1% do que esse bandido é ,o golpe não teria acontecido,e provavelmente ,vcs não estariam aqui expondo a sua miséria intelectual.

      Responder

        Marcio

        12 de setembro de 2016 às 23h08

        Hahahaha!Eu não tenho bandido s de estimação.

        Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?