Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Quem ainda acredita na isenção da Lava Jato?

Por Pedro Breier

23 de setembro de 2016 : 11h22

(Charge: Vitor Teixeira)

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

O exército de zumbis midiáticos comemora mais uma prisão como se fosse um gol.

Onyx Lorenzoni, deputado do DEM, fala que as críticas são ‘mimimi’, numa atitude incrivelmente madura para um parlamentar.

Mas as evidências de que a prisão de Mantega é mais uma ação política da Lava Jato, visando prejudicar o PT e junto com ele toda a esquerda nas eleições municipais que acontecem em poucos dias, estão escancaradas.

Vejamos.

A ordem de prisão temporária foi dada por Moro em 16 de agosto. A desculpa para o seu cumprimento só agora, mais de um mês depois, é que a PF estava envolvida nas Olímpiadas e não teria efetivo para realizar a prisão antes.

Ora, a prisão temporária é autorizada pela lei quando for ‘imprescindível para as investigações do inquérito policial’, ou seja, para que o investigado não possa atrapalhar as investigações (as outras hipóteses autorizadoras não se enquadram no caso de Mantega nem mesmo em tese).

Qual o sentido de cumprir a ordem de prisão temporária mais de um mês depois, quando o investigado já teve mais de 30 dias para destruir provas e atrapalhar as investigações?

Logicamente, nenhum.

Mas as eleições estão aí, e sem a ajuda do aparato midiático e das ações políticas da ‘Justiça’ a direita não sobrevive às urnas.

Mantega foi preso por causa de um depoimento de Eike Batista.

Mas Eike Batista não acusou o ex-ministro no seu depoimento, conforme apurou o jornalista Fernando Molica.

Moro distorceu o depoimento para prender Mantega.

Eike tentou entregar uma lista com doações feitas a vários partidos, de cunho ‘oficial e privado’, mas os procuradores apenas ignoraram (a semelhança com o vídeo do Porta dos Fundos é incrível).

Já Aécio Neves, citado por vários delatores diretamente como integrante de esquemas de desvios de dinheiro público, simplesmente não é incomodado.

Cunha, que está sob a jurisdição de Moro após a cassação do seu mandato de deputado, envolvido em inúmeros crimes, permanece tranquilamente solto também.

A revogação da ordem de prisão de Mantega, feita por Moro depois da enxurrada de críticas que recebeu, é mais uma evidência de que a prisão é política: como os requisitos que autorizam a prisão estavam presentes pela manhã e sumiram ao meio-dia?

O timing da Lava Jato sempre coincide perfeitamente com a agenda política da direita.

Ontem, dia em que foi cumprido o mandado de prisão de Mantega, foi o dia da paralisação nacional convocada pelas centrais sindicais contra o governo golpista, mas ninguém viu isso no noticiário porque ele estava todo ocupado com mais uma ‘prisão manchete’ de Moro.

Às vésperas das eleições virou padrão um ataque pesado ao PT vindo da Lava Jato e amplificado histericamente pela mídia cartelizada.

A ‘Justiça’ e a mídia interferem no processo eleitoral e deturpam a democracia sem que haja maiores consequências.

Mas o seu amigo coxinha acha que tudo isso é ‘mimimi’.

Guilherme Boulos definiu bem a situação: ‘já foi o tempo em que acreditar na isenção da Lava Jato era caso de ingenuidade. Agora é pura má-fé.’

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve sobre política n'O Cafezinho desde 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Italo Rosa

23 de setembro de 2016 às 12h19

a respeito da relevantes perguntas do Adilon, a resposta para todas é “não vem ao caso”! As questões abordadas não interessam ao golpe, nem à mídia fascista, nem ao arremedo de justiça que se fabrica na mente daqueles procuradorezinhos de má-fé e daquele juizinho cínico. Cadê a OAB, o CNJ e o órgão controlador do MP para apontar o que todos sabemos, que esse circo é uma palhaçada trágica para seqüestrar o voto de 54 milhões de brasileiros, impor o retrocesso e o atraso, vender o Pré-Sal? Cadê os juízes do Ínfimo? Todos cúmplices na conspiração contra o povo e o país. Tempo de nojo e asco contra esses canalhas.

Responder

    Adilson s

    23 de setembro de 2016 às 12h51

    “Não vem ao caso” seria uma resposta no minimo leviana, embora não podemos esperar nada além disso.A questão é o que fazer para por freio em um sistema judiciário midiático corrupto?
    Que há corrupção no PT todos sabemos, o que não dá mais para aceitar é a canonização dos outros partidos.Poderia falar da Alstom, de Furnas, do Rodoanel, do chequinho da Prefeitura de Santos e muito mais.Não seria a hora do povo deixar suas predileções partidárias de lado e exigir que se cumpra a Constituição?
    Afinal o coletivo, é ou não mais importante que o individual?

    Responder

Adilson s

23 de setembro de 2016 às 11h42

Algumas questões.
1) Por que ninguém prende a mulher do Cunha?
2) Cadê a lista da Odebrecht ? Nessa lista, todas doações foram legais ?
3) Mossak Fonseca = Triplex Parati ?
4) Por que agora pedalar é legal, se antes era crime ?
5) Por que querem anistiar o caixa 2 ?

Responder

    Atreio

    23 de setembro de 2016 às 12h10

    os “meninos deles” não tem convicção pra tal….sua vontade foi diluida numa piscina de champanhe e dinheiro cercada de ratos.

    o bom é q do lado deles só esvazia e ao lado dos justos a massa só cresce.

    Sigamos atentos e fortes até a vitória, sempre!

    OS bravos permanecem ao lado dos justos, aos canalhas restarão apenas os covardes.

    Responder

Deixe um comentário