Análise da reunião ministerial de Bolsonaro

Mais informações sobre os gastos do governo Temer com publicidade

Por Miguel do Rosário

17 de outubro de 2016 : 13h23

Arpeggio – Coluna política diária

Por Miguel do Rosário

Vou fazer um compilado aqui do que já publicamos sobre o aumento da publicidade federal nesses primeiros meses de governo Temer. E fazer alguns apontamentos que ainda não fiz antes.

Eu publiquei uma série de 3 posts. Os dois primeiros foram muito divulgados. O terceiro, circulou pouco, mas por culpa minha, que fiz um texto muito prolixo, com laudas e laudas de opinião.

Vou dar o link dos dois primeiros.

Post 1: Temer inicia trem da alegria: repasses federais a Folha crescem 78%

Post 2: Trem da alegria 2: verbas federais para revista Época crescem 900%

O terceiro da série ficou também muito bom, em termos de dados, mas, como eu disse, perdeu um pouco a força porque eu acrescentei carradas de crítica à política de comunicação dos governos petistas. Se quiser ler, clique aqui.

Entretanto, vou republicar abaixo os gráficos que publiquei no post 3 da série. São dois gráfico muito interessantes e que me custaram alguns dias de trabalho duro.

É preciso destacar, na primeira tabela, a explosão dos gastos com mídia exterior, que são aquelas tvs em ônibus, etc, além de outdoors.

É sintomático que o governo Temer tenha aumentado gastos com esse tipo de mídia exatamente às vésperas das eleições municipais, visto que é a única mídia que dá  para você fazer um recorte municipal.

Detalhe: a lei eleitoral foi alterada ao final de 2015, para liberar totalmente o uso da publicidade federal nas eleições municipais, sem nenhum tipo de restrição. Até parece que eles tinham tudo planejado.

Na segunda tabela, eu separei os gastos por veículo de mídia, mas divididos pelas categorias: jornal, internet, rádio, tv, mídia exterior.

Observe que os jornais praticamente não receberam publicidade federal em 2015.

Em 2016, as despesas federais em jornais impressos explodiram. Em apenas 4 meses, cresceram 934%.

O percentual de publicidade federal destinado a jornais impressos cresceu de 1% para 7% de maio a agosto deste ano, na comparação com o mesmo período de 2015.

Enquanto isso, a participação da internet, que era de 17% em 2015, caiu para 13% em 2016.

Mas a análise do mês de agosto (ver primeira tabela), quando o governo Temer parece já ter uma nova estratégia para a comunicação na internet, nos permite entender que a intenção do governo não é deixar de investir na rede, mas sim investir de maneira a não deixar que haja concorrentes aos grandes meios de comunicação. É uma política abertamente antipluralidade.

Entre maio e agosto, Temer aumentou as verbas para a internet, mas tudo fortemente concentrado em Facebook e Twitter, como se vê na segunda tabela. Apenas o Facebook absorveu 36% das verbas federais destinadas à internet entre maio e agosto, além de aumentar 93% sobre o ano anterior. Os recursos federal investidos no Twitter cresceram 320% entre maio e agosto deste ano, na comparação com 2015.

A segunda tabela, por veículo e setor, mostra ainda um aumento brutal para tvs ligadas a instituições religiosas, o que me pareceu também uma maneira astuta e desonesta de esvaziar possíveis críticas desses setores.

A concentração dos recursos públicos aplicados em TV em mãos da Globo continua indecente, mas isso não mudou em relação aos governos do PT, que até o fim financiaram os seus algozes. Mesmo assim, com crise e tudo,  os recursos para TV Globo cresceram 23% este ano.

O que impressiona mais, porém, é o aumento de quase 500% para os recursos destinados a Fundação Nossa Senhora Aparecida, e de 337% para Fundação João Paulo II. Isso para os católicos. Os evangélicos, via Record, tiveram assegurados R$ 2,94 milhões apenas nesses quatro meses, sem nenhuma queda sobre o ano anterior, apesar do aprofundamento do déficit fiscal.

***

secom_mai_ago2016_b

***

secom_mai_ago2016

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sergio De Moraes Paulo

23 de outubro de 2016 às 07h33

Diante desses dados proponho um título

“MENSALÃO DA MÍDIA”

O que acha?

Obrigado pelo trabalho de informação.

Grande abraço.

Responder

Messias Franca de Macedo

18 de outubro de 2016 às 01h55

Artistas gravam vídeo contra PEC do teto de gastos públicos
https://www.facebook.com/cutbrasil/videos/898221893610629/

Responder

Messias Franca de Macedo

17 de outubro de 2016 às 22h01

“Canalhas, canalhas, canalhas!”
Pilantras depravados lesa-pátria!
Sim, está faltando é ‘cabra macho’ nesta “Republiqueta do ‘CU(nha) TEMERário/TEMERo$$$o’ do Mundo”!

É assim que estes BANDIDOS pretendem conter os gastos públicos!
VAGABUNDOS IMORAIS!
Perdão aos vagabundos imorais!
Protótipo mal-ajambrado de ditadorzinho de merda do século XVIII!

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

17 de outubro de 2016 às 15h00

daqui a pouco estaremos todos a concordar que o mundo foi feito em 6 dias, que o sol gira em torno da terra, que a crise acabou, que o governo vai bem, etc… etc…

Responder

Ricardo Porto

17 de outubro de 2016 às 14h36

E Miguel, seria interessante relacionar estes dados por grupo de mídia também, Afinal, no nível de concentração da mídia em nosso país, vale mostrar o peso de cada um deles para o Governo. Por exemplo, o grupo Globo – TV, internet, jornais O Globo e Valor, editora – recebeu sozinho, só em 2016, 15,7 milhões. O que significa 25,24% do total da verba da Secom. O grupo Record – internet, TV aberta e fechada – recebeu 3,23 milhões, praticamente cinco vezes menos. Não adicionei a mídia Rádio, porque não foi discriminada. abraços.

Responder

Deixe uma resposta