Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Promotor recorre a rede social para chamar jovem morto de ‘vagabundo’

Por Redação

19 de novembro de 2016 : 12h41

Conhecido pelas declarações polêmicas, o promotor Jorge Alberto de Oliveira Marum atacou de novo. Desta vez o escolhido foi Guilherme da Silva Neto, de 20 anos, assassinado na terça-feira, 15, pelo pai, que discordava do apoio a ocupações em escolas.

No Estadão

Promotor volta a causar polêmica ao chamar jovem morto de ‘vagabundo’

Jorge Alberto de Oliveira Marum comentou nas redes sociais a notícia do estudante assassinado pelo pai em Goiânia

Por José Maria Tomazela

SÃO PAULO – O promotor de Justiça e professor da Faculdade de Direito de Sorocaba Jorge Alberto de Oliveira Marum voltou a causar polêmica nas redes sociais nesta quarta-feira, 16, depois de chamar um jovem morto pelo pai em Goiânia de “vagabundo”. Guilherme da Silva Neto, de 20 anos, foi assassinado na terça-feira, 15, pelo pai, que discordava do apoio a ocupações em escolas.

Marum compartilhou uma notícia sobre o caso no Facebook e acrescentou o seguinte comentário: “Não precisava tanto. Era só cortar a mesada do vagabundo e chorar no banho”.

Promotor volta a causar polêmica ao chamar jovem morto pelo pai de

Desculpas. Procurado, Marum considerou “infeliz” o comentário que ele fez. Na noite desta quarta-feira, ele afirmou que não falou como promotor e pediu desculpas aos familiares que se sentiram ofendidos.

“Foi um comentário infeliz, feito de improviso, no calor da leitura. Não quis ofender ninguém, apenas expressar que sou contra as invasões de escolas”, afirmou Marum. “A educação é um serviço público essencial, assim como a saúde. Existem outras formas de se expressar sem impedir as aulas.”

Ele disse que se expressa no Facebook como cidadão no uso de sua liberdade de expressão, mas já retirou o comentário. “Não era intenção ofender, por isso peço desculpas.”

Repercussão. O presidente da subsecção de Sorocaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Márcio Rogério Dias, disse que manifestações como ocupação de escolas, como forma de reivindicar e marcar posição sobre temas oportunos, são direitos de livre manifestação previstos na Constituição. “Se a mobilização é feita sem arruaça e baderna, dentro da ordem, é constitucional. Se formos impedir a livre manifestação, vamos acabar com a democracia.”

Ele disse não poder julgar o comentário feito pelo promotor de Justiça e professor da Faculdade de Direito de Sorocaba por não conhecer o contexto da frase.

Para o presidente seccional da OAB, participar de movimentos sociais e ocupações não torna a pessoa um criminoso ou vagabundo. “Não sei o contexto em que foi feito o comentário, mas nosso pensamento é de que as ocupações, sem obstruir o direito de outros e sem menosprezo ao trabalho policial, são lícitas. O que não se pode aceitar é depredação e baderna.”

Outro caso. O promotor já havia causado polêmica quando comentou o tema da Redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano passado. O exame pedia que os candidatos escrevessem um texto sobre a violência contra a mulher no Brasil.

À época, ele disse que “mulher nasce uma baranga francesa que não toma banho, não usa sutiã e não se depila” e que “só depois é pervertida pelo capitalismo opressor e se torna mulher”. Sobre este caso, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) chegou a lançar uma nota em repúdio à declaração do promotor.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Gilberto Alves

21 de novembro de 2016 às 18h46

Vagabundo e’ esse juiz de merda , que por causa do salario absurdo que ele e outros tantos juizes iguais a elerecebem , muita gente nao tem o que comer. Vai se puder e usa a tua toga para limpar a porra….

Responder

Albert Fanon

19 de novembro de 2016 às 16h00

Outro troglodita togado…e pior que o energúmeno é professor. Coitados de seus alunos!

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina