Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Membro da Comissão de Ética da Presidência viola a ética e favorece Geddel

Por Bajonas Teixeira

22 de novembro de 2016 : 10h06

(Foto: Beto Barata)

Por Bajonas Teixeira, colunista de política do Cafezinho

Um membro da Comissão de Ética Pública da Presidência, esquecendo o princípio da impessoalidade, aceitou interferência do ministro que está sendo julgado. Geddel Vieira solicitou a ele que abrisse mão do pedido de vistas que atrasaria a decisão sobre seu processo.  O presidente da comissão procurou justificar a situação falando em gesto de “boa vontade”, como se obséquios e salamaleques pudessem ser aceitos numa comissão de ética.

No mínimo, estamos diante de uma situação em que o conselheiro se curva ao encaminhamento que o ministro concluiu ser-lhe o mais favorável. Difícil não ser tomado por certa vertigem de espanto ao ler o que se passou na comissão ontem. Diz a reportagem do G1:

Dos sete integrantes da comissão, cinco votaram na reunião pela manhã a favor de abrir o processo. À tarde, com a continuidade da reunião, o conselheiro que havia solicitado vista abriu mão do pedido e se posicionou a favor da abertura do processo.

A assessoria de Geddel informou que o cancelamento da vista foi pedido à comissão pelo próprio ministro e que, por enquanto, ele não voltará a se pronunciar sobre o assunto.

Segundo o presidente da comissão, Mauro Menezes, objetivo da decisão foi não atrasar o processo. “O conselheiro José Leite Saraiva Filho, em um gesto de boa vontade, trouxe a reflexão de que não gostaria de atrasar o processo. Ele portanto alterou seu posicionamento e passou a acatar a abertura imediata do processo”, afirmou.

O que há de estanho aqui? Quase tudo. A começar pelo fato de que o ministro, que está sendo investigado e julgado na comissão, interfere diretamente nela, fazendo um apelo que atinge a qualidade da votação. Que motivos tem um relator para pedir vistas? O de estudar o processo para fundamentar sua decisão e julgar da forma mais esclarecida possível.

Esse é um direito do conselheiro. Ele é exercido para qualificar as decisões. Nenhuma interferência exterior, apelo emocional ou solicitação amical, poderia ter lugar ou sequer ser cogitada. Mas isso ocorreu. Tivemos o mesmo tipo de interferência personalista que foi denunciada pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, ao deixar o ministério. Em nome dos seus interesses, o ministro Geddel Vieira Lima tentou interferir no julgamento técnico do Iphan sobre empreendimento imobiliário na Bahia.

E agora, de novo em defesa de seus interesses, o ministro interferiu na decisão de um membro da Comissão de Ética que o está julgando.

Por “interferência externa” se deve entender justamente essa imposição de um interesse particular sobre o interesse público. No caso, o interesse público do pedido de vistas era esclarecer a decisão do conselheiro, não importando que isso atrasasse o processo, já o interesse privado de Geddel era o de, para reduzir seu desgaste, acelerar o julgamento.

Se dirá que isso não teve importância, já que a comissão decidiu por unanimidade pela abertura do processo. Ledo engano. A comissão teve sua autonomia violada pela interferência direta do ministro. E o presidente da comissão, talvez por não estar ainda informado de que o conselheiro abriu mão do pedido de vistas por interferência direta do ministro, errou ao considerar o episódio um “gesto de boa vontade”. É o que aparece na defesa que fez do conselheiro:

“Nós temos plena confiança de que todos os conselheiros agem com absoluta isenção. Nossa confiança no conselheiro Saraiva é absoluta. Não há qualquer elemento de interferência externa”.

Como é que “não há nenhum elemento de interferência externa” se um membro da comissão, justamente o único nomeado por Temer, recua à pedido do investigado, Geddel Vieira, ministro de Temer?

Aqui já se quebrou, junto com a autonomia, a isenção de um membro da comissão. Basta observar o seguinte: os maiores inimigos da ética pública no Brasil são as formas derivadas dos privilégios pessoais: o favor, o apadrinhamento, o nepotismo, o compadrio, etc. Essas relações atuam desfazendo o princípio de isonomia, que determina o tratamento igual. Em seu lugar, são impostos os interesses pessoais, os privilégios, as exceções e os favorecimentos.

Observem o que decorre do fato de a Comissão de Ética ter tido boa vontade com o ministro. São inúmeros os investigados pela comissão e em relação a qualquer um deles um conselheiro pode pedir vistas. Todos os investigados terão suas solicitações atendidas se, como fez Geddel, pegarem o telefone e ligarem para os conselheiros? Ou o caso será um quando se tratar de um ministro poderoso e outro quando se tratar de um servidor de patente inferior?

A ética que a comissão de ética pública deve obedecer é a que deriva dos princípios (de legalidade, publicidade, eficiência, etc.) que regem a administração pública e o estado brasileiro de acordo com a Constituição. Entre esses princípios fundamentais da administração pública brasileira está o princípio da impessoalidade. Ele se vincula à isonomia, ou seja, ao imperativo de tratar situações idênticas de um mesmo modo. Se é um ministro ou é um contínuo que está sendo investigado, não importa. Ambos devem, como investigados, receber o mesmo tratamento.

A exigência do concurso público ou das licitações públicas deriva disso: não favorecer A ou B por suas relações pessoais ou suas posições de poder. O princípio da impessoalidade é uma garantia contra o privilégio e o favorecimento. Dele decorre que não existe interesse pessoal prioritário ou que mereça tratamento especial. Só cabe prioridade a um interesse, o interesse público.

O que aconteceu na Comissão de Ética pública é preocupante o suficiente para recomendar maior atenção da opinião pública.

Visite e curta a MÁQUINA CRÍTICA.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo Cezar Nogueira

22 de novembro de 2016 às 11h28

Essa é mais um motivo de vergonha para o vasto rol dos golpistas.

Responder

Hermes

22 de novembro de 2016 às 11h21

Aff…quanta discussão tola, a grande mídia inventa “crise” do nada.

Responder

    carpev

    22 de novembro de 2016 às 12h06

    Discussão tola???

    Responder

    Marcelinho Air

    22 de novembro de 2016 às 13h46

    Discussão tola? Grande mídia?! Aqui?! VOLTA PRO MBL MENINO!

    Responder

Deixe um comentário para Hermes