Coletiva de Rodrigo Maia (ao vivo) sobre medidas contra a crise

Moro em palestra nos EUA. Imagem pega do Youtube

Do Wikileaks 2009 para Moro 2016: “vamos prejudicar os fornecedores americanos?”

Por Tadeu Porto

23 de novembro de 2016 : 15h47

Por Tadeu Porto*, colunista do Cafezinho

A excelente matéria da repórter Cíntia Alves do GGN pode trazer a tona uma questão que intriga qualquer brasileiro ou brasileira que se debruça sobre os efeitos colaterais da Lava-jato: como pode a justiça do país deixar quebrar a indústria nacional tão facilmente.

Os impactos da operação anticorrupção mais famosa da nossa história – com o espetáculo midiático tão pesado seria difícil não sê-la – causaram, no mínimo, um déficit de 140 bilhões de reais, ou 2,5% do PIB, segundo estudo do “insuspeitíssimo” tucano Gesner Oliveira.

E a resposta para o porquê da Força Tarefa da Operação não ter ligado muito para a quebra da indústria nacional, desde empreiteiras até micro e pequenas empresas indiretamente com tamanha queda do PIB, estábem clara no documento (oficial!) que o Wikileaks revelou aos brasileiros em 2009.

Segundo a então diretora relações internacionais da Exxon Mobile, Carla Lacerda: “Petrobrás terá todo controle sobre a compra de equipamentos, tecnologia e a contratação de pessoal, o que poderia prejudicar os fornecedores americanos.”

Repetindo: poderia prejudicar os fornecedores americanos!

Ou seja, com o Pré-Sal e a Lei da Partilha original – que o entreguista do Temer conseguiu alterar na câmara – os fornecedores americanos se sentiram ameaçados e implementaram um Lobby pesado no Senado para acompanhar os trâmites sobre as regras da exploração de águas ultra-profundas. O consulado americano, inclusive, definiu a estratégia de “recrutar novos parceiros para trabalhar no Senado, buscando aprovar emendas essenciais na lei, assim como empurrar a decisão para depois das eleições de outubro” [na época, a esperança era a vitória do Serra em 2010 para mudar a lei].

Pois bem, qual o primeiro projeto do José Serra, citado no telegrama, quando virou senador pelo estado de São Paulo em 2014? Mudar, justamente, as regras da Lei da Partilha que contrariavam as petrolíferas internacionais no telegrama.

Bom, Carla Lacerda, da Chevron, disse em 2009 que “Eles [governo Lula] são os profissionais e nós [lobistas das empresas de petróleo] somos os amadores”.

Parece que as empresas aprenderam direitinho que a jóia rara do lobby estava mesmo era no judiciário, pois o legislativo não tem muita credibilidade para trabalhar temas escancaradamente entreguistas contra uma figura da popularidade do ex-presidente Lula.

Assim, Moro e o Ministério Público quebraram a indústria nacional e abrram caminho para que os fornecedores americanos pudessem lucrar com o mercado nacional (tem dúvidas? Então veja com carinho que a GE Oil & Gas comprou a Baker Hughes numa operação bilionária em plena crise).

O Tio-Sam usou o Serra enquanto pode, mas se “proficionalizou”  e apostou as fichas mesmo em Moro e Dallagnol para destruir o capital produtivo do país e abrir as portas para as multinacionais estrangeiras continuarem a abusar  do Brasil e impedir que nossa soberania nacional nos fizesse protagonistas no mercado mundial para que continuemos como uma mera colônia a ser explorada pela elite mundial.

A Chrevon de Lacerda aprendeu, afinal, que não deveria ser amadora, pois não há espaço no Brasil para tais pessoas.

*Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ivan Kauffman

24 de novembro de 2016 às 14h29

Meu povo, não há mais espaço para tais atos de traição à nossa Soberania Nacional e Pátria Mãe. Não é uma questão só de patriotismo mas, de sobrevivência desse povo brasileiro sofrido e angustiado. Está mais que comprovado esse intreguismo por esses políticos corruptos manipulados pelo governo e indústrias americanas. Eu choro de raiva, em vê-los nas mídias, com suas caras de pau e fala “fina” tentando distorcer o óbvio. Basta! Agora é “morte (deles) para a nossa Independência”. Se for preciso de guerra, terão guerra!
Kadima!

Responder

Terceira Onda ?

24 de novembro de 2016 às 09h33

A Defesa do Lula, muito qualificada partiu para a destruição do Juizinho desqualificado, e vai vencê-lo ! ^^

Responder

Octavio Filho

24 de novembro de 2016 às 09h11

O Moro atua como acusador. E as escolhas das testemunhas foi um critério bizarro. Eu acho que a república do Paraná deveria virar filme para criança. Existe uma série infantil chamada ESQUADRÃO BIZARRO!! Este
nome se enquadra bem na organização Moro-Procuradores-PF do Paraná! Reparem que todas as testemunhas de ACUSAÇÃO dizem que não sabem de nada sobre o caso do imóvel do Guarujá. Afinal, se elas nunca souberam coisa alguma a respeito, por que foram chamadas como testemunhas de acusação?
Qual foi o critério para escolhê-las? Obviamente, o critério lógico em qualquer processo seria primeiramente saber o que a testemunha em potencial tem a dizer, para posteriormente qualificá-la como de defesa ou de acusação. Está mais do que provado que a intenção destas acusações é tentar criar uma propaganda negativa contra o Lula. E daí todo a extrema-direita propagar as acusações contra o Lula. Já que poucas pessoas verão as gravações dos depoimentos.Duvido que, abririam algum processo contra o Aécio ou qualquer outro tucano baseado nestas testemunhas!!!!!

Responder

Henrique Brito

24 de novembro de 2016 às 01h16

Adorei a matéria, mas corrijam alguns erros de português, abraços

Responder

ari

23 de novembro de 2016 às 22h24

Há já algum tempo que eu me pergunto de estaria exagerando ao dizer que parte do judiciário não estaria se transformando num covil de bandidos? Estaria?

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

23 de novembro de 2016 às 20h49

as “motivações” do moro iam aparecer, mais cedo ou mias tarde. com toda a pose, não passa de um títerizinho traidor, de baixa categoria.

Responder

Natty

23 de novembro de 2016 às 19h10

mano, q nojo, soltaram os paneleiros nas ruas, nem precisaram d armas para colonizar o país.

Responder

17Abril2016

23 de novembro de 2016 às 18h38

Pena de morte aos traidores Moro e Deltan. Intervencao militar e fuzilamento dos traidores, vendilhoes da Patria.

Responder

    Hermes

    23 de novembro de 2016 às 22h02

    Vai se tratar, procura um psiquiatra

    Responder

    Hilario Muylaert

    23 de novembro de 2016 às 23h54

    Isso.
    Traidor Moro na forca !!!

    Responder

    Marcelo

    24 de novembro de 2016 às 11h15

    Calma! Cadeia basta.

    Responder

Guanabara

23 de novembro de 2016 às 18h24

Sim, existem muitas coisas entre o céu e a terra.

Responder

Deixe uma resposta