Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

A foto que simboliza a aprovação da PEC 55

Por Pedro Breier

30 de novembro de 2016 : 10h49

(Coquetel do lado de dentro da “casa do povo” e sangue do lado de fora. Foto: Gisele Arthur)

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

A foto acima é simbólica do que está acontecendo no Brasil.

Do lado de dentro da Câmara, parlamentares desfrutam de um aprazível coquetel.

Do lado de fora, estudantes, trabalhadores e integrantes de movimentos sociais são covardemente atacados pela PM de Brasília.

A PEC 55, aprovada ontem em primeiro turno de votação pelos nossos bem alimentados senadores, vai fazer mais ou menos isso: drenar os recursos do Estado para o pagamento dos juros da dívida pública, alimentando insaciáveis banqueiros, enquanto estudantes e trabalhadores sofrerão na pele os efeitos do congelamento dos investimentos públicos pelos próximos 20 anos, mesmo que a receita do Estado brasileiro aumente.

Caso haja revolta (e vai haver), o Estado oferecerá o serviço premium destinado aos manifestantes de esquerda, um coquetel luxuoso de bombas, gás lacrimogêneo e spray de pimenta.

O ‘aparelhamento do Estado pelo lulopetismo’ foi um mantra repetido à exaustão pela mídia corporativa durante os governos petistas.

O STF era usado como exemplo desse aparelhamento, acreditem. A presença de movimentos sociais em atos no Planalto também.

Mas quando a PM é absurdamente seletiva na escolha dos alvos de seus ataques covardes, o som do silêncio desta mesma mídia sobre o aparelhamento do Estado pela direita é ensurdecedor.

Algo em torno de 50 insanos manifestantes de extrema-direita pedindo intervenção militar conseguiram, sem maiores dificuldades, tomar de assalto a mesa diretora da Câmara, aos gritos de ‘viva Sérgio Moro’:

36fb95b5-03da-4702-ae98-d3b45d405d81

(Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados)

Ontem, 10 mil pessoas protestando pacificamente contra a PEC 55, do lado de fora do Congresso, foram atacadas brutalmente, sob a velha desculpa de que foi um grupo dos manifestantes que iniciou o quebra-quebra. Alguns parlamentares tentaram parar o massacre, mas ouviram dos policiais que a ordem era atacar.

A diferença entre os dois protestos? Um era da direita, o outro da esquerda.

A PEC 55 apenas transpõe esse aparelhamento do Estado pela direita, uma constante quando tratamos das ações das PMs estaduais, para todas as áreas.

‘Não tem outro jeito’, diziam os nossos apalermados senadores, ontem, durante a votação.

Nossos parlamentares fingem não saber que a PEC 55 é nada mais nada menos que a teoria econômica da direita, a austeridade, enfiada goela abaixo dos próximos 5 presidentes eleitos.

Depois de afundar a Grécia e não dar certo em lugar nenhum da Europa, a austeridade chega ao Brasil como a única solução possível. Não é maravilhoso o consenso que uma mídia concentrada e canalha pode produzir?

A teoria econômica desenvolvimentista, segundo a qual nos momentos de crise o Estado deve aumentar o investimento público para aquecer a economia, defendida por muitos economistas, dentre eles o ganhador do nobel Paul Krugman, simplesmente não existe para o oligopólio midiático.

Consequentemente, não existe também para os senhores de cabelo acaju que, em tese, representam o povo brasileiro.

Ficamos assim, portanto.

Aos deputados e banqueiros, coquetéis e recursos públicos.

Aos estudantes e trabalhadores, nada. Se protestarem, tiro porrada e bomba.

A direita é que sabe como aparelhar o Estado.

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve n'O Cafezinho desde 2016, sendo atualmente um dos editores do blog.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

nair pereira da silva

17 de março de 2017 às 23h40

que vergonha um pais tão rico o povo morrendo de fome não dexiste povo corajoso este temer ja era sumiuedodos
aben22222222222222222222222222222222222222222222222222ççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççççç

Responder

Rafaela Pc

02 de dezembro de 2016 às 02h49

Na verdade quem começou mesmo os ataques foi um grupo de poucas pessoas que quebraram um carro da polícia e o viraram várias e várias vezes, eles acenderam algo e jogaram em direção ao carro e consequentemente à polícia, mas o carro não pegou fogo, aí a polícia partiu pra cima!! Não quero de forma alguma justificar a abusividade policial, mas dessa vez infelizmente quem começou foi um pequeno grupo que estava junto à um partido político que quebrou esse carro daí foi um inferno!!! Estava a poucos metros e foi lindo todos os outros manifestantes gritando “NÃO VIOLÊNCIA” para esses poucos sujeitos que conseguiram acabar com o movimento e/ou adiantar a brutalidade policial para cima dos estudantes e trabalhadores!!

Responder

    Alvaro Filho

    03 de dezembro de 2016 às 09h40

    A questão é saber se esse grupo de pessoas eram manifestantes contrários à aprovação da PEC do capeta, ou se eram emissários de Satanás travestidos de cidadãos de bem.

    Responder

Cristiano

01 de dezembro de 2016 às 14h45

A culpa é do PT, não por ter tido um governo em favor dos menos favorecidos, mas por ter se aliado com essas cobras. Passarinho que acompanha morcego dorme de cabeça para baixo.

Responder

Lori

30 de novembro de 2016 às 17h53

Vi num filme sobre a revolução na Russia cenas semelhantes, espero que não se repita por aqui.

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

30 de novembro de 2016 às 12h09

por coisas semelhantes algumas cabeças foram apartadas dos respectivos pescoços em 1789. Mas nossa pequena (em mais de um sentido) burguesia acha que está no coquetel.

Responder

Milton

30 de novembro de 2016 às 11h12

Bono já dizia nos anos 80: we eat and drink while tomorrow they die.

Responder

Jetther Bineli

30 de novembro de 2016 às 11h08

estou buscando acesso à foto em alta para imprimir.
Se alguém encontrar, por gentileza me marcaria?

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina