Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

02/06/2016; Rio de Janeiro; O governador em exercício Francisco Dornelles participa da cerimônia de transmissão de cargo ao novo presidente da Petrobras, Pedro Parente; Foto: Shana Reis

Mais perdido do que cusco em dia de procissão, Pedro Parente acumula erros no comando da Petrobrás

Por Redação

03 de dezembro de 2016 : 11h56

A analogia entre Pedro Parente, presidente da Petrobrás, e a personagem de Alice no País das Maravilhas faz total sentido na atual conjuntura da estatal: independentemente do caminho que tomar, ambos continuarão perdidos.

Na FUP

E agora, Pedro?

O aumento do preço do barril do petróleo, em função do corte de produção anunciado pela Opep, aliado à valorização do dólar, coloca em xeque a gestão da Petrobrás. Será que a diretoria vai cumprir a paridade com os preços internacionais, como prometeu ao mercado? Ou vai dar o golpe e sair pela tangente, para preservar o governo de mais uma medida impopular?

Não faz nem um mês, Pedro Parente anunciou com estardalhaço o corte de 3,2% no preço da gasolina nas refinarias, criando uma expectativa nacional de que os preços também cairiam nas bombas dos postos, quando na verdade o que aconteceu foi um movimento inverso.

Quem se deu bem com a redução dos preços da Petrobrás foram o mercado, que aumentou seus lucros, e o governo golpista, que ganhou manchetes elogiosas nas TVs e jornais. Para o consumidor, sobrou uma conta ainda mais salgada na hora de abastecer.

Agora, os analistas já estimam que os preços da Petrobrás precisariam ser reajustados entre 3,5% a 17% para evitar prejuízos com a defasagem em relação aos preços internacionais. Isso elevaria em pelo menos 7% o preço final da gasolina, segundo consultoria ouvida pelo jornal Valor.

Quando alterou em outubro a política de preços, a diretoria da petrolífera enfatizou que a paridade com o mercado externo seria a principal premissa do novo modelo. Os gestores, portanto, estarão desmoralizados se não fizerem o alinhamento de preços.

O fato é que, com o mercado marcando em cima e um governo impopular e cambaleante, a diretoria da empresa está que nem o personagem Alice no País da Maravilha, que, ao chegar diante de uma encruzilhada com direções opostas, se dá conta de que, independentemente do caminho que tomar, continuará perdida.

Quando assumiu a presidência da Petrobrás, Pedro Parente fez questão de anunciar que sob a sua gestão a empresa estaria livre da ingerência política. Depois, afirmou que a companhia não sofreria mais com a defasagem dos preços em relação ao mercado internacional.

E agora Pedro está mais perdido do que Alice.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

ELAINE

03 de dezembro de 2016 às 20h24

Estão sabendo sobre demissão de diretores da PETROBRAS?

Responder

Rafael Carvalho e Lima

03 de dezembro de 2016 às 19h51

Logo a justiça brasileiro terá de acompanhar a americana tendo de fazer sua própria investigação a respeito desta gestão, mas a pergunta é quem se responsabilizará pelas irresponsabilidades deste incompetente Parente?

Responder

Torres

03 de dezembro de 2016 às 12h29

Paridade é o melhor caminho.

Responder

Deixe um comentário para ELAINE