Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

CORRECTION - Brazilian acting President Michel Temer (R) gestures during the inauguration ceremony of the new ministers at Planalto Palace, in Brasilia, on May 12, 2016. Brazilian President Dilma Rousseff was suspended Thursday to face an impeachment trial, ceding power to her vice president-turned-enemy Michel Temer, who quickly pivoted toward a more business-friendly government, naming a cabinet chosen to calm the markets after a paralyzing impeachment battle and steer the country out of its worst recession in decades. / AFP PHOTO / EVARISTO SA / ?The erroneous mention[s] appearing in the metadata of this photo by MARCOS CORREA has been modified in AFP systems in the following manner: [EVARISOT SA] instead of [MARCOS CORREA] on byline. And Source AFP instead of BRAZILIAN VICE PRESIDENCY. Please immediately remove the erroneous mention[s] from all your online services and delete it (them) from your servers. If you have been authorized by AFP to distribute it (them) to third parties, please ensure that the same actions are carried out by them. Failure to promptly comply with these instructions will entail liability on your part for any continued or post notification usage. Therefore we thank you very much for all your attention and prompt action. We are sorry for the inconvenience this notification may cause and remain at your disposal for any further information you may require.?

As últimas horas da loucura política brasileira nas sessões ‘inacreditável’ e ‘escárnio’

Por Pedro Breier

07 de dezembro de 2016 : 11h08

(O brasileiro do ano, segundo a IstoÉ)

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

A ópera bufa que se tornou a política nacional nos brinda com uma quantidade absurda de cenas inacreditáveis. Outras são puro escárnio.

Primeiro a sessão ‘inacreditável’.

Após o afastamento de Renan Calheiros da presidência do senado por decisão monocrática de Marco Aurélio Mello, ministro do STF, o seu colega Gilmar Mendes chutou o balde e disse que a decisão de Marco Aurélio é caso de inimputabilidade ou impeachment. Pesado até para o padrão Gilmar.

Depois disso a mesa do senado decidiu não cumprir a decisão de Marco Aurélio, alegando interferência desmedida de um poder sobre outro.

O primeiro vice do senado é Jorge Viana, do PT. É ele quem assumiria a presidência da casa no afastamento de Renan.

Depois de notícias no sentido de que Viana teria avisado ao PMDB que não se comprometeria com a colocação em pauta da PEC 55, as últimas informações, vindas da coluna Painel e da Mônica Bergamo, da Folha, são de que Viana poderia renunciar à vice-presidência do senado caso confirmado o afastamento de Calheiros, o que tornaria Romero Jucá presidente da casa. Trecho da coluna de Bergamo:

“Não tenho condições de assumir”, chegou a dizer o petista, segundo relatos de magistrados, num apelo dramático para que a Corte (STF) encontre uma saída que mantenha Renan no cargo. Viana alegou que não terá condições de governabilidade já que sofrerá violentas pressões tanto do governo, para votar medidas de contenção de gastos, quando da oposição, campo ao qual pertence, para protelá-las, agravando a crise política.

A oportunidade de barrar ou ao menos atrapalhar os ataques brutais aos direitos dos trabalhadores que não param de vir do governo golpista cai no colo de um senador petista e a reação é essa? Covardia é muito pouco para descrever a atitude de Viana.

Agora vamos à sessão ‘escárnio’.

O ministro Luís Roberto Barroso entrou em cena para comentar o descumprimento da decisão do STF pelo senado:

Eu não participo desse julgamento por estar impedido e portanto não quero fazer comentário sobre ele. Porém, falando em tese, diante da decisão judicial é possível protestar e apresentar recurso. Mas deixar de cumpri-la é crime de desobediência ou golpe de Estado.

Derrubar uma presidenta eleita sem que haja crime de responsabilidade tudo bem, a gente chancela aqui no STF, mas descumprir decisão absurda de um dos ministros aí já é golpe de Estado!

É difícil até comentar uma declaração dessas.

Carmem Lúcia, presidenta do Supremo, teve a desfaçatez de dizer que não vê conflito algum entre as instituições: ‘os poderes atuam de forma harmônica’. A prova seria uma reunião entre os chefes dos três poderes ocorrida há um mês atrás para tratar da segurança pública. Não é brincadeira, ela disse isso mesmo.

Mas o grande escárnio das últimas horas não poderia deixar de ser a premiação ‘Brasileiros do Ano’, da revista IstoÉ.

Além das fotos (que viralizaram) da conversa ao pé do ouvido, com direito a risadinhas, entre o julgador imparcial Moro e o citadíssimo em delações Aécio Neves, o prêmio ‘Brasileiro do Ano’ foi para Michel Temer.

Não se sabe se foi pela montagem de um ministério altamente qualificado e ético, pela recuperação econômica ou pela pacificação do país que Temer nos proporcionou.

Deve ter sido pelo ‘conjunto da obra’, como foi o impeachment da Dilma…

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve sobre política n'O Cafezinho desde 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EDVALDO

08 de dezembro de 2016 às 19h36

Escarnio e lamaçal, tem relação próxima na questão que causa perplexidade em quem é sensato.

Responder

tomas

08 de dezembro de 2016 às 00h13

o cafezinho deveria ter vergonha de publicar algo desse jeito, monica bergamo disse que um magistrado anonimo disse que o jorge viana disse….. , esse tipo de jornalismo é cara da folha, como o cidadão que perdeu o nome pra ser conhecido como “amigo do lula” e um desastre para o cafezinho que parecia imune as manipulações corriqueiras, triste com a decadencia desse bog

Responder

M Watris

07 de dezembro de 2016 às 22h15

Brasileiro do ano…os 12 milhões de desempregados que o digam…

Responder

DARCY SALES

07 de dezembro de 2016 às 21h37

O Viana é um cagão. Não honra as calças que vestem José Dirceu, José Genoino, Vacari.

Responder

DARCY SALES

07 de dezembro de 2016 às 21h35

Que falta faz um Erdogam no Brasil!

Responder

fausto

07 de dezembro de 2016 às 20h40

Que vão todos para o inferno.
O mais rápido possível.

Responder

Jorge Leite

07 de dezembro de 2016 às 16h09

Como assim “não tenho condições de assumir”??? Mais um bunda mole do PT pipocando???
Imagine se um Brizola da vida assume o senado? Será que ele não iria partir pra cima dos golpistas e arrumar um “tranca-puta” radical e acabar com a alegria desses energúmenos? Cada uma…

Responder

    Jorge Leite

    07 de dezembro de 2016 às 16h41

    “tranca-pauta”…

    Responder

José Ruiz

07 de dezembro de 2016 às 13h32

Seria o ministro Marcos Aurélio Mello um doido varrido, como disse o Gilmar, ou um grande estrategista?

Me parece claro que o ministro conhece muito bem seus poderes e suas limitações..

Considerando que a república acabou, o país se arrasta por um pântano lodoso e sem leis, acabou o estado de direito, considerando que o congresso está às vésperas de tomar medidas catastróficas para o povo brasileiro, como a PEC 55, considerando ainda que os ratos golpistas estão dilapidando o país, destruindo o futuro da nação, temos que reconhecer que o ministro fez uma jogada de mestre..

Os retardados “tele-guiados” não pediram “fora Renan”? Então.. ele atendeu..

Além disso, ele paralisou o senado.. matou.. não há clima para votar nada..

Ele também colocou os golpistas do judiciário numa sinuca de bico.. (que danado)..

Vejam só, com a reação do senado, que formalmente rejeitou o cutucão que o Marco Aurélio lhes deu, das duas uma:

* ou o STF enfia o rabinho no meio das pernas (aliás, porque não mandou prender o Renan?), e aí virá uma onda a partir do congresso que vai enterrar a ditadura do judiciário – fim da lavajato, provavelmente uma caça à bruxas (do lado de lá)..

* ou o STF banca a decisão e, em plenário, decide o afastamento de Renan, mas aí, além de escancarar a intervenção de um poder em outro, e adeus harmonia, abre a presidência da casa para um petista que não vai votar a PEC 55, entre outras insanidades produzidas pela direita..

O jogo, todos sabemos, era levar em banho-maria, o objetivo do judiciário sempre foi tutelar o legislativo através de ameaças de processos.. por isso temos tanta corrupção no Brasil..

Mas o ilustre Marco Aurélio chutou o balde, fez os ratos saírem das tocas.. sacudiu a roseira..

A guerra de quadrilhas está escancarada..

Ontem, 07/12/16, tivemos um princípio de guerra civil no Rio de Janeiro, uma tropa de choque se uniu ao povo e marchou prá cima da PM.. (bota gravíssimo nisso).. tem vídeo aí na internet para quem quiser ver.. inclusive deram 1 tiro para o lado de lá..

Falta um cabelo para o caldeirão explodir.. talvez com a medida do ministro, não falte mais..

É assustador.. mas não deixa de ser um alento..

A mudança não vai ocorrer sem dor.. então que venha logo..
https://www.facebook.com/setimarepublica/posts/356428814720445:0

Responder

edygar rosa santos

07 de dezembro de 2016 às 13h05

Que escárnio! Vem logo meteoro e acaba com tudo.Receberei vos-ei de braços abertos!

Responder

Marcvs Antonivs

07 de dezembro de 2016 às 12h49

Queima cabaré!!

Responder

José Marcelo

07 de dezembro de 2016 às 12h21

Tacaram fogo no bananal enquanto a casa grande briga entre si, e ninguém resolve nada,na senzala os escravos morrem queimados.

Responder

    EDVALDO

    08 de dezembro de 2016 às 19h41

    Como já observou um pensador, articulador de coisas de nefasto: quando o escravo quer ser escravo, não adianta defender o escravo. Mas felizmente, temos guerreiros que sempre lutaram pelo fim da escravidão…A luta continua.

    Responder

Rutilene Rocha

07 de dezembro de 2016 às 12h03

Vergonha e indignação!

Responder

Deixe um comentário