Live com Miguel do Rosário (convidado especial: Luiz Moreira)

A nova delação contra Temer e a ditadura da Lava Jato

Por Miguel do Rosário

09 de dezembro de 2016 : 19h21

A notícia é do Buzzfeed (!) e foi em seguida confirmada pela Globo, de onde tirei o texto abaixo.

Diretor da Odebrecht delata entrega de dinheiro vivo em escritório de amigo de Temer

Presidente teria negociado repasse de R$ 10 milhões com Marcelo Odebrecht no Jaburu

BRASÍLIA — O ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho denunciou a entrega de dinheiro em espécie no escritório do advogado José Yunes, um dos conselheiros mais próximos do presidente Michel Temer, durante a campanha eleitoral de 2014. As cifras fariam parte de um repasse de R$ 10 milhões que Temer teria negociado com ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht, numa reunião no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, dois meses depois depois do início da Operação Lava-Jato.

Não vou entrar na onda da esquerda burra, que abana o rabinho a cada vez que sai uma delação contra o adversário político.

Acho tudo isso uma palhaçada, e todos esses procuradores e juízes que estão embarcando nessa loucura é que deveriam estar presos.

Sou absolutamente contra a delação premiada. É uma excrescência completa, porque confere aos meganhas responsáveis por conduzir a delação um inconcebível poder de chantagem, distorção e manipulação.

Para a mídia aliada ao judiciário, a delação premiada é mais uma ferramenta de chantagem e manipulação da agenda política.

O grande erro de Dilma foi a companhia de José Eduardo Cardozo e ceder à agenda da corrupção. O resultado foi um aumento desmesurado da corrupção, transferida agora para o judiciário, e do autoritarismo.

A lei da delação premiada jamais poderia ter sido proposta ou sancionada, sem uma discussão ampla com os juristas do campo progressista.

Se o Brasil quiser voltar a se desenvolver, tem de instituir punição a procuradores e juízes que abusam de seu poder, cancelar a lei de delação premiada e ampliar a proteção a gestores públicos.

Não será possível a ninguém governar, em nenhum município, estado ou união dessa maneira.

Enquanto o Brasil se liquefaz, os empregos desaparecem, e a fome volta ao assolar as famílias mais pobres, a agenda única da mídia continua sendo a última delação da Lava Jato ou as últimas violências do Judiciário.

Ninguém mais discute infra-estrutura, combate à pobreza, retomada do desenvolvimento.

Os rentistas ficam mais ricos, a Globo ganha mais dinheiro do governo, Michel Temer recebe prêmio da Istoé, enquanto procuradores e juízes posam de herois prendendo prefeitos, governadores, empreiteiros.

Qualquer função privada ou pública que tenha qualquer relação com o desenvolvimento, a política ou o emprego é criminalizada.

Donos de banco, barões da mídia, juízes justiceiros e procuradores bandidos seguem intocáveis.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

39 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Miguel Biegai Jr.

12 de dezembro de 2016 às 14h59

“Se o Brasil quiser voltar a se desenvolver, tem de instituir punição a procuradores e juízes que abusam de seu poder, cancelar a lei de delação premiada e ampliar a proteção a gestores públicos.”

Se não fosse a delação premiada, Paulo Roberto Costa nunca teria falado, e os corruptos ainda estariam sugando a Petrobras.

Responder

C.Poivre

10 de dezembro de 2016 às 19h04

Aragão: sistema judicial se “ameganhou”:

http://jornalggn.com.br/noticia/sinais-de-ameganhamento-do-ministerio-publico-e-do-judiciario#comment-1028308

Responder

João Luiz Brandão Costa

10 de dezembro de 2016 às 18h29

Agora mesmo, intempestivamente, bloqueiam recursos de Paes, por não pagamento da taxa para compensação de danos ambientais, ou coisa assim, no campo de golfe dos J.O. Lembro bem do fato, na época. O TCE ou M , ou U, ou o que valha, não queria liberar a obra, e embargou uma semana antes. Atitude irresponsável, por certeza, não abrindo a mínima possibilidade de negociação. Era Deus que dixit. Ponto. Paes disse que pagava com dinheiro da prefeitura e depois veriam, mas que o campo tinha de ficar pronto. Liquidou com dinheiro do município e cobrou dos empresários. Esses entraram em cessação de pagamentos, e não pagaram. A dívida está registrada no cadastro da dívida fiscal, O porquê do bloqueio? Sua viagem aos EUA para compromisso universitário. É por certo um mafioso perigoso, que iria se escafeder na Sicília por causa de 200.00 reais. E esse caras seguem impávidos e ninguém pode intentar contra um processo de danos morias e materiais. Poder, pode, mas não dá em nada.

Responder

Antonio Marcos Carvalho

10 de dezembro de 2016 às 15h07

https://www.youtube.com/watch?v=crK5dJfTC84&feature=youtu.be

Responder

C.Poivre

10 de dezembro de 2016 às 12h17

Perguntas sobre a palestra do juiz da vara da Guantánamo brasileira, na Alemanha:

Questionamentos possíveis sobre este “juiz” surgem ao se reler matéria publicada no DCM,
sobre a recusa da Universidade Estadual de Maringá, onde, supostamente,o juizeco se formou, em lhe conceder o título de doutor “honoris causa” e de também não concordar com a condição imposta pelo mesmo para dar uma palestra para eventuais incautos na UEM:

http://www.diariodocentrodomun

1ª)
Como uma pessoa com “parcos conhecimentos de lingua estrangeira” pode dar palestras no Exterior ou mesmo frequentar cursinhos, como os tais treinamentos da CIA?

http://jornalggn.com.br/notici

2ª)
Por quê que a própria UEM, onde supostamente este energúmeno teria se diplomado, fala em “graduação desconhecida”. Como uma universidade pode não saber quem se formou com um diploma dela? E por quê este misterioso curso de Direito no qual teria se diplomado é omitido em seu paupérrimo Curriculum Lattes?

3ª) Como se pode dar uma palestra num ambiente acadêmico, no caso a UEM, sem que sejam permitidas perguntas? Ou ele não estaria familiarizado com o que é um ambiente acadêmico, apesar de ter feito um doutorado-relâmpado (2 anos!) sobre o qual também pouco se sabe?

Não é muito mistério sobre a trajetória de um “juiz” federal?
Aliás como ele conseguiu passar no concurso de juiz? Alguém já averiguou isso?

Responder

Antonio Marcos Carvalho

10 de dezembro de 2016 às 11h34

https://www.youtube.com/watch?v=dblkukLO4nc

Responder

Maria Thereza G. de Freitas

10 de dezembro de 2016 às 11h11

Ontem, postei isso no face book. “se a gente não sair da armadilha da moral & bons costumes em que fomos colocados (com nosso consentimento), vamos ficar aqui e em todo canto comparando o tratamento dado ao PT e aos tucanos. No meu ponto de vista, precisamos mostrar e mostrar e mostrar que tudo isso foi um golpe para o entreguismo e destruição de direitos, pra nos vender em melhores condições de mercado. Vender/entregar não só o patrimônio, mas um povo alquebrado, sem auto-estima, mão de obra barata no custo direto e nos indiretos. Golpistas são golpistas, não veem direitos, não tem senso de humanidade, nem solidariedade, nem ética. Só querem mais e mais $ nos próprios bolsos. Não vamos esquecer que, em 2006, Serra já tinha prometido à chevron a mudança na partilha do pré sal.” Então, esse é o roteiro, desde o começo. colocar um tucano na presidência, sem voto, claro. Afinal, tem larga experiência em entreguismo, em governar para 1/5 da população e, além do mais, qq um deles sabe tirar o sapato em aeroporto com a maior elegância. Estamos no estado policial puro, com executivo e legislativo nas mãos do MP, da PGR, da PF e, pra nós, sobra o guarda da esquina, cheio de poder.

Responder

    Dante Alighieri

    10 de dezembro de 2016 às 18h23

    Olha, a senhora tem até razão em criticar as atitudes dos que assumiram o poder, pois assim como a senhora, não concordo com as medidas adotadas e defendo as devidas punições a estes cidadãos, e infelizmente estamos em uma situação semelhante a um Estado Policial em razão de termos chegado aos tempos de punições aos malfeitores que desviaram recursos públicos de todas as formas durante anos, e conforme todos sabemos, a Justiça brasileira é LENTA e por isso só agora estão aparecendo resultados… Mas dizer que o impeachment foi golpe ae é brincadeira, a senhora está usando o argumento de quem roubou e não deve ser punido pq os q estão julgando de alguma forma estão envolvidos… Ae é brincadeira né? Se fosse sério e tal governo (PT, Dilma, Lula e cia…) fosse inocente simplesmente delatariam os malfeitores e seus atos, mas não fizeram, sabe por que? Estão todos no mesmo barco, cada um com sua parcela de culpa (e ganhos…)…

    Responder

      Maria Thereza G. de Freitas

      10 de dezembro de 2016 às 18h53

      Caro sr. Dante. O impeachment foi golpe porque não havia crime que embasasse o pedido. Qualquer pessoa que roube, sonegue, desvie recursos públicos deve ser punida, mas na forma da lei. A lava jato tinha todos os instrumentos legais e legítimos (diga-se de passagem implantados nos governos do PT), além de total autonomia, para ter feito um grande bem ao país. Entretanto, optou pelo caminho do espetáculo, da partidarização e nos levou, não sozinha evidentemente, ao caos que vivemos hoje. Não há nem nunca houve real intenção de combater a corrupção. Tanto é que a operação zelotes sumiu sem deixar vestígios ou resultados. Foi sim, uma armadilha pra afastar do comando do país quem não permitiria o entreguismo descarado do nosso patrimônio, a extinção das pequenas conquistas sociais, da incipiente redução da desigualdade, da inclusão do Brasil como país soberano e pacífico.

      Responder

      Ciência

      10 de dezembro de 2016 às 20h37

      Foi GOLPE! Pelas razões delineadas claramente por Jucá em gravação. Pela sede de poder do PSDB. Golpe reconhecido até mesmo pelo Joaquim Barbosa. Nos jogaram na aventura de um impeachment sem crime de responsabilidade (=golpe) e agora estranham o caos institucional depois de cortarem a cabeça do presidencialismo. Golpe, golpe, golpe!

      Responder

      Renata Lucas

      11 de dezembro de 2016 às 09h55

      Para colocar a cereja no bolo no GOLPE, o próprio Temer, com aquele senso de propriedade que lhe é peculiar, teve o desplante de admitir em encontro com empresários americanos que o impeachment ocorreu porque Dilma não quis implementar o Ponte para o Futuro, projeto idealizado pelo PSDB, que não foi eleito. E aqui estamos, sendo expropriados de nosso país.

      Responder

Pedro Tietê

10 de dezembro de 2016 às 10h37

O mais difícil foi eu saber, que eu era o ator principal desse reality show .

Responder

Marcus Padilha

10 de dezembro de 2016 às 10h26

ou seja, so temos duas saidas: convulsao social ou intervencao militar, ambas com resultados inimaginaveis!

Responder

    LL Vanderlei

    10 de dezembro de 2016 às 14h47

    Intervençao militar não é saída pra nada. Pelo contrário. é entrada para o inferno.

    Responder

LL Vanderlei

10 de dezembro de 2016 às 10h11

Excelente análise. Finalmente alguém disse algo absolutamente indispensável e urgente. Delação premiada é excrescência jurídica que está matando o país e criminalizando a política. Agora palavra de bandido é suficiente para prender agente público imediatamente, desde que este seja meu adversário, é claro. Investigação, prova, acareação, direito de defesa…nada disso importa mais.

Responder

ANA ALVES

10 de dezembro de 2016 às 09h50

A imagem que tenho é de que a justiçamídia joga permanentemente um boi no riobrasil para piranhas que, famintas de sangue, se atiram sobre o boi, enquanto os malfeitores-mor riem, engordam os bolsos e as barrigas e atravessam o rio sem que as tolaspiranhasávidas de sangue percebam e o que realmente importa, como a desigualdade social, por exemplo, fica à margem.

Responder

ANA ALVES

10 de dezembro de 2016 às 09h35

Parabéns pela lucidez do texto que contraria a visão hegemônica da manada

Responder

    Dante Alighieri

    10 de dezembro de 2016 às 18h25

    Só por achar que a sua opinião é diversa da maioria n quer dizer que haja lucidez… Talvez a Ilusão (ou alienação) seja pior do que todo o restante…

    Responder

Alexandro Cardoso Tenorio

10 de dezembro de 2016 às 08h24

Neste momento, não temos muitas opções. Na verdade estamos sem saída visível. Em tese, concordo com sua visão. Mas no momento, a crise politica institucional, tendo o MPF a frente e agora o retorno da escravidão, com a deforma da previdência, tem uma chance, pequena mas uma chance, de embolar o meio de campo do acordão entre judiciário, executivo e legislativo, para estancar a sangria. Não podemos perder a esperança!! A qualquer momento, uma fagulha pode por a baixo o acordão, permitindo a volta da democracia. E no futuro, com a democracia estabelecida, podemos julgar e condenar os inimigos da soberania nacional, do estado democrático de direito, por crimes conta os direitos humanos.

Responder

    Maria Thereza G. de Freitas

    10 de dezembro de 2016 às 11h12

    oxalá!

    Responder

Eduardo Albuquerque

10 de dezembro de 2016 às 01h54

Morte aos Fascistas.

Responder

Sagayogashun Campi

10 de dezembro de 2016 às 01h52

Nunca li tanta merda na minha vida,essa pagina deve ser de algum deputado ficha suja ou algum vagabundo sem noção

Responder

    Paulo Guedes

    11 de dezembro de 2016 às 08h16

    Leu porque quiz. Não precisa voltar. Adeus!

    Responder

andre

10 de dezembro de 2016 às 01h28

Esse miguel rosario e um deonte mental, meu deua do ceu, cada dia fico mais espantado com o poder de distorcer tudo. Triste q tem gente q concorda com ele… e o pior q eu sou da esquerda…

Responder

    felipe vicente

    10 de dezembro de 2016 às 16h19

    Lamento que o texto culpe Dilma e Lula por toda a merda que estamos vivendo.

    Responder

    Paulo Guedes

    11 de dezembro de 2016 às 08h17

    Vc deve estar a esquerda de algum coxinha desmemoriado. Só pode.

    Responder

    migueldorosario

    11 de dezembro de 2016 às 15h33

    ei, ~pior que eu sou de esquerda~ em que eu distorci tudo? ótima maneira de discordar, hein, chamando o outro de “doente mental”

    Responder

Messias Franca de Macedo

10 de dezembro de 2016 às 00h12

Outa leitura imperdível!
E de modo análogo ao texto do egrégio e intrépido jornalista Miguel do Rosário, o eminente e impávido Luis Nassif ajuda ainda mais a elucidar o golpe jurídico-midiático vagabundíssimo.

$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Xadrez do assassinato político e o papel do MPF

O XADREZ DO GOLPE
09/12/2016 – 23:25
Luis Nassif

(…)
Com essas ferramentas à mão, monta-se o “lawfare”, visando exclusivamente os adversários do sistema. E, no bojo das operações, o conjunto de ideias econômicas que, no caso brasileiro, foi batizado de “Ponte para o Futuro”: desmonte do Estado social, livre fluxo de capitais, privatização selvagem.
No futuro, assim que se sair do estado de exceção atual, não haverá como não denunciar o Procurador Geral Janot, o juiz Moro e os procuradores da Lava Jato por crime contra o país. E, aí, haverá ampla documentação devidamente registrada e que possivelmente será requisitada pelo primeiro governo democrático brasileiro, pós-golpe, junto à cooperação internacional.

FONTE [LÍMPIDA!]: http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-do-assassinato-politico-e-o-papel-do-mpf

Responder

Evaldo Sierge

09 de dezembro de 2016 às 23h57

A Equação da Manipulação é:
Juros da Dívida + Sonegação de Imposto = 100 x Corrupção da Lava-jato

Responder

C.Poivre

09 de dezembro de 2016 às 23h42

Tenho defendido esta mesma ideia nos demais blogs “sujos”, ou seja, para de seguir a pauta da globo que empunha a bandeira da corrupção (logo ela!) para evitar que os verdadeiros problemas do país venham à discussão: a desigualdade, os privilégios do poder econômico, os juros altíssimos que só interessam aos rentistas, a falta de uma auditoria na tal “dívida pública” (que deve ser no máximo dez por cento do que cobram), o desvio de recursos da Previdência para pagar essa mesma falsa “dívida pública” gerando a lenda do “deficit da Previdência” que não existe, a não cobrança da sonegação de tributos federais que chegam a quase dois trilhões, etc.

Responder

Torres

09 de dezembro de 2016 às 23h10

Pois eu sou totalmente a favor da delação premiada.
É assim que se descobre muita coisa.

Responder

Evangelista de Santana

09 de dezembro de 2016 às 22h17

Governo corrupto se apresenta como salvador da pátria ele é seus ministros não tem moral, ética para impor nada são todos vendidos querem que o assalariados sejam escravos da burguesia eles querem acabar com os direitos previdênciarios e trabalhistas de quem levanta cedo, bate cartão e pega busão. Agora é hora da massa ir pra rua e pedir o impeachment de todos. Vamos pra rua….

Responder

Antonio Marcos Carvalho

09 de dezembro de 2016 às 21h26

https://www.youtube.com/watch?v=dblkukLO4nc

Responder

Antonio Marcos Carvalho

09 de dezembro de 2016 às 21h07

https://www.youtube.com/watch?v=dblkukLO4nc (Nova Versão)

Responder

Marcos Silva

09 de dezembro de 2016 às 20h55

Mas isso é o óbvio … a esquerda está perdida. Tenho a convicção que o PT tenta uma saída negociada sem se preocupar com Dilma, Lula, com a formação política da juventude. A juventude petista é hoje quarentona.

A Lava Jato tem de acabar, a lei do abuso de autoridade deveria ser votada, uma auditoria séria deveria ser aplicada aos salários de marajás de todos que compõem o Judiciário, TCU, o MP etc.

O STF deve ser dissolvido por incapacidade, prevaricação, formação de quadrilha etc. Moro, Dallagnol devem ser julgados por alta traição. O Congresso e o Executivo devem ser recompostos com novas eleições com o que sobrar.

Não há sossego, pois a luta é desigual e anti-nacional.

Responder

    Adma Viegas

    10 de dezembro de 2016 às 11h37

    Mas como fazer isso tudo sem ser por força das armas? Os militares não estão do lado do povo.

    Responder

Roberto

09 de dezembro de 2016 às 20h49

Tentar acabar com a delação para “Proteger empregos” parece tão inteligente quanto gastar dinheiro para cavar e tapar buracos

Responder

    Miguel do Rosário

    11 de dezembro de 2016 às 15h35

    ã? eu sou a favor de investigação e nem sou contra um bandido delatar outros bandidos. sou contra delação “premiada”, não contra delação em si. Premiar bandido é o fim da picada.

    Responder

Luís

09 de dezembro de 2016 às 20h37

Dedução corretíssima!

Responder

Deixe uma resposta