Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Íntegra da 133ª pesquisa CNT/MDA

Por Miguel do Rosário

15 de fevereiro de 2017 : 12h56

Reproduzimos abaixo a íntegra da pesquisa divulgada hoje.

RESULTADOS DA 133ª PESQUISA CNT/MDA

A 133ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 8 a 11 de fevereiro de 2017 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos índices de popularidade do governo e pessoal do presidente Michel Temer. Mede ainda a expectativa da população em relação ao emprego, à renda, à saúde, à educação e à segurança pública.

Esta edição aborda também alguns cenários para a eleição presidencial de 2018 e traz a opinião dos entrevistados sobre questões relativas à corrupção, internet e redes sociais. Foram ouvidas 2.002 pessoas, em 138 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

Avaliação do governo

Desempenho pessoal do presidente

Federal: A avaliação do governo do presidente Michel Temer é positiva para 10,3% dos entrevistados, contra 44,1% de avaliação negativa. Para 38,9%, a avaliação é regular e 6,7% não souberam opinar. A aprovação do desempenho pessoal do presidente atinge 24,4% contra 62,4% de desaprovação, além de 13,2% que não souberam opinar.

Estadual: 3,4% avaliam o governador de seu Estado como ótimo. 24,4% como bom, 35,1% como regular, 13,2% como ruim e 19,3% como péssimo.

Municipal: 8,5% avaliam o prefeito de sua cidade como ótimo. 33,9% como bom, 22,6% como regular, 6,9% como ruim e 9,4% como péssimo.

Expectativa (para os próximos 6 meses)

Emprego: vai melhorar: 31,3%, vai piorar: 30,6%, vai ficar igual: 35,9%

Renda mensal: vai aumentar: 23,6%, vai diminuir: 19,1%, vai ficar igual: 53,7%

Saúde: vai melhorar: 25,7%, vai piorar: 34,8%, vai ficar igual: 38,0%

Educação: vai melhorar: 28,9%, vai piorar: 28,0%, vai ficar igual: 40,8%

Segurança pública: vai melhorar: 20,4%, vai piorar: 46,6%, vai ficar igual: 31,6%

CONJUNTURAIS

Eleição presidencial 2018

1º turno: Intenção de voto espontânea

Lula: 16,6%

Jair Bolsonaro: 6,5%

Aécio Neves: 2,2%

Marina Silva: 1,8%

Michel Temer: 1,1%

Dilma Rousseff: 0,9%

Geraldo Alckmin: 0,7%

Ciro Gomes: 0,4%

Outros: 2,0%

Branco/Nulo: 10,7%

Indecisos: 57,1%

1º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 30,5%, Marina Silva 11,8%, Jair Bolsonaro 11,3%, Aécio Neves 10,1%, Ciro Gomes 5,0%, Michel Temer 3,7%, Branco/Nulo 16,3%, Indecisos 11,3%

CENÁRIO 2: Lula 31,8%, Marina Silva 12,1%, Jair Bolsonaro 11,7%, Geraldo Alckmin 9,1%, Ciro Gomes 5,3%, Josué Alencar 1,0%, Branco/Nulo 17,1%, Indecisos 11,9%

CENÁRIO 3: Lula 32,8%, Marina Silva 13,9%, Aécio Neves 12,1%, Jair Bolsonaro 12,0%, Branco/Nulo 18,6%, Indecisos 10,6%

2º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 39,7%, Aécio Neves 27,5%, Branco/Nulo: 25,5%,

Indecisos: 7,3%

CENÁRIO 2: Aécio Neves 34,1%, Michel Temer 13,1%, Branco/Nulo: 39,9%,

Indecisos: 12,9%

CENÁRIO 3: Aécio Neves 28,6%, Marina Silva, 28,3%, Branco/Nulo: 31,9%,

Indecisos: 11,2%

CENÁRIO 4: Lula 42,9%, Michel Temer 19,0%, Branco/Nulo: 29,3%,

Indecisos: 8,8%

CENÁRIO 5: Marina Silva 34,4%, Michel Temer 16,8%, Branco/Nulo: 35,2%,

Indecisos: 13,6%

CENÁRIO 6: Lula 38,9%, Marina Silva 27,4%, Branco/Nulo: 25,9%,

Indecisos: 7,8%

Corrupção

Ao comparar a ocorrência de corrupção no governo de Michel Temer com o de Dilma Rousseff, 48,8% consideram que o nível de corrupção é igual nos dois governos. Para 31,5%, havia mais corrupção no governo de Dilma, e 16,1% acham que há mais corrupção no governo de Michel Temer.

40,1% dos entrevistados avaliam que o combate à corrupção é igual nos governos Michel Temer e Dilma Rousseff. 27,3% consideram que o combate é maior no governo Temer, e 24,2% apontam que esse combate era maior no governo Dilma. Nos últimos cinco anos, o combate à corrupção no Brasil aumentou, na avaliação de 71,8% dos entrevistados. Para 22,4%, permaneceu igual.

Para 46,8%, a corrupção no Brasil está maior agora do que no passado. 39,9% acham que está igual ao que sempre foi, e 11,1% consideram que está menor.

Sobre o registro de corrupção nos três níveis de Poder, a maior parte dos entrevistados (33,3%) considera que é igual. Para 23,7%, a maior ocorrência se dá Legislativo, seguido do Executivo (19,4%) e do Judiciário (10,2%).

Em relação aos níveis de governo, 47,4% consideram que há mais corrupção no Federal. Para 30,9%, é igual nos três níveis. Já 7,9% acham que é maior no estadual e 6,9%, no municipal.

Para 54,7%, a maioria dos brasileiros pratica corrupção. 37,9% consideram que somente algumas pessoas praticam e 6,1% acham que o brasileiro não pratica corrupção.

A corrupção no Brasil está relacionada, principalmente, aos políticos, na avaliação de 58,6% dos entrevistados. Já 25,1% citam a população e 4,2%, os empresários.

Sobre as formas de se acabar ou diminuir com a corrupção, os entrevistados consideram: denunciar práticas de corrupção (41,2%), votar em políticos que não sejam corruptos (36,9%), deixar de praticar pequenos atos de corrupção (25,8%), apoiar manifestações contra corrupção (20,4%).

Para 91,0%, não existe partido político brasileiro livre de corrupção. Outros 5,7% consideram que existe partido político sem corrupção. Nesse grupo, eles citam: PSOL (7,8%), PMDB (7,8%), PT (7,0%), PV (6,1%), PSDB (4,3%), REDE (2,6%), Novo (2,6%), PC do B (1,7%).

Sobre as investigações que estão ocorrendo no âmbito da operação Lava Jato, 89,3% têm acompanhado ou já ouviram falar. Entre eles, 39,6% acham que vai diminuir pouco a corrupção e 28,5% avaliam que a Lava Jato vai diminuir muito a corrupção. Para 23,6%, vai ficar igual e 4,9% consideram que a Lava Jato vai acabar com a corrupção.

Internet, redes sociais

73,9% dos entrevistados utilizam computador, notebook, tablet ou smartphone. Entre eles, a maioria (92,0%) usa celulares/smartphones.

70,8% disseram usar a Internet. Entre eles, 78,8% acessam diariamente e 17,2% somente alguns dias da semana. Em relação à finalidade do uso, 64,9% acessam as redes sociais e 51,2% buscam notícias.

Entre os tipos de equipamentos utilizados para o acesso à internet, os entrevistados citaram: celulares (85,6%), computadores/desktop (28,9%), notebooks (21,3%) e tablets (5,9%). 76,6% costumam acessar a internet em casa e 27,4% no trabalho.

Entre as redes que mais utilizam para acessar a Internet, foram citadas: rede fixa (assinatura via internet fixa / WiFi) 69,7% / rede móvel (via pacote de dados) 52,5% / redes públicas (restaurantes, lojas, etc.) 6,4%

49,5% não prestam atenção nas propagandas veiculadas na Internet. Já 29,2% prestam atenção, embora considerem que não sejam melhores que as da TV, rádio, revistas e jornais. E 19,7% disseram prestar atenção e consideram as propagandas melhores.

Sobre as redes sociais que utilizam, os entrevistados citaram: Whatsapp (87,1%), Facebook (78,3%), YouTube (33,7%), Twitter (11,6%), Instagram (2,6%).

80,2% acreditam apenas algumas vezes nas informações que leem ou veem na Internet, e 78,5% acreditam algumas vezes no que leem e veem nas redes sociais.

O Google é citado por 56,5% dos entrevistados como o meio em que mais confiam nas informações. Em seguida, aparecem Whatsapp (17,2%) e Facebook (12,4%). Quando querem conferir alguma informação, 50,5% utilizam a Internet e 41,3% conversam com as pessoas.

Em relação a crianças usarem Internet e redes sociais, 50,1% são contra e 25,3% são a favor, enquanto que 21,1% se consideram indiferentes. A maioria (58,0%) acha que a Internet tem má influência na formação de crianças e 17,6% avaliam que não interfere. Entre os entrevistados com filhos ou dependentes, 37,8% sempre monitoram as ações deles.

Em relação à opinião sobre o uso da Internet nos estudos/trabalho/formação pessoal/profissional, 65,9% afirmam que ajuda, mas é preciso saber usar.

50,4% já acessaram algum site de governo. Para 80,2%, os governos deveriam usar mais a Internet para auxiliar a população no acesso a serviços e 80,6% consideram que os governos deveriam usar mais as mídias sociais para interagir com a população.

CONCLUSÃO

Os resultados da 133ª Pesquisa CNT/MDA mostram percepção negativa sobre o Governo Michel Temer. A intenção de voto para a eleição presidencial em 2018 indica liderança do ex-presidente Lula nos cenários de primeiro e segundo turnos. Nota-se, ainda, aumento nos percentuais para Jair Bolsonaro.

A pesquisa mostra que o cenário eleitoral ainda permanece indefinido, com elevado percentual de eleitores indecisos ou que votariam em branco ou nulo, o que favorece o surgimento de novas lideranças políticas e de propostas.

O nível de conhecimento da população sobre a operação Lava Jato permanece elevado, com crença de que ela será capaz de reduzir a corrupção no país. Percebe-se também que o combate a esse problema vem avançando nos últimos anos. Grande parte da população associa a corrupção aos políticos, embora haja percepção de que a maioria dos brasileiros, em geral, também a pratica.

A maioria da população utiliza fortemente a internet, sendo mais da metade, todos os dias, especialmente para o acesso a redes sociais e para se informar de notícias. Há, ainda, preocupação em relação ao uso e benefício da internet por crianças. O dispositivo mais utilizado para acesso à internet é o celular/smartphone.

Clique aqui para acessar a íntegra.

Clique aqui para acessa os resultados detalhados.

Agência CNT de Notícias

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Hermógenes Pereira oliveira

18 de fevereiro de 2017 às 01h06

Lula com certeza 2018

Responder

Luiz Francisco Fernandes

15 de fevereiro de 2017 às 20h34

Já era esperado o resultado da pesquisa CNT/MDA. e somente por causa dele a operação lava jato ainda não fechou as portas. Curioso é o precedente histórico. Vargas volta em 50 após renúncia em 45. Lula abdicou de um terceiro mandato que teria obtido facilmente no Congresso.

Responder

Alegria

15 de fevereiro de 2017 às 17h10

Será lindo o ditador entregar a faixa presidencial para um Petista (Ponte para o Futuro kkkkkkk)

Responder

Claudio

15 de fevereiro de 2017 às 14h54

Pois é!
Eis a dura realidade, para quem apoiou o GOLPE.
Ou virá (voltará) o LULA, se deixarem, ou então vcs. terão de engolir o Bolsonaro

Responder

Vitor

15 de fevereiro de 2017 às 13h13

Bolsonaro > PSDB
Hahahaha

Responder

Deixe um comentário