Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Crise? Cortes? Não para garantir Temer e as reformas…

Por Luis Edmundo

28 de maio de 2017 : 09h02

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Do Poder 360

Para se garantir na Presidência, Michel Temer gasta, gasta e gasta, mas só com os ricos.

Governo abre os cofres para salvar mandato de Michel Temer

Por Tales Faria

O governo abriu os cofres para convencer os congressistas arredios a votar a favor das reformas. Agora, depois do caso FriboiGate, vai abrir novamente os cofres para outra rodada de “bondades”. Desta vez para garantir a permanência de Michel Temer no Planalto.

O presidente pode ser cassado em julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que será retomado no dia 6 de junho. Também houve especulações, quando o escândalo estourou, de que Temer renunciaria. Ainda, há pedidos de impeachment pipocando na Câmara –mas esses só andam com o aval do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado de Temer.

Pressão sobre a Fazenda

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é dos maiores fiadores do ajuste fiscal do governo, e tem boa interlocução com operadores do mercado. Está sendo pressionado pelo Planalto para ceder às reivindicações da bancada governista no Congresso em duas MPs (medidas provisórias): a do novo Refis e a do Funrural.

Novo Refis: parcelas a perder de vista

A MP que permite a empresas parcelar débitos tributários está em votação no Congresso. Perde a validade em 1º de junho. O texto substitutivo dos deputados sofre resistências da área econômica. Mas o Planalto cobra de Meirelles acordo para edição de nova MP. Hoje, haverá mais uma rodada de negociações da Fazenda com os deputados.

Congressistas querem o parcelamento em prazo mínimo de 200 meses, contra os 150 propostos pelo governo. Também reivindicam que a entrada –de 7,5% sobre a dívida total– seja repartida em 24 prestações. A Receita Federal propõe que seja até o fim de 2017.

Funrural

Na semana que vem, deve ser editada uma MP para regularizar as dívida dos produtores rurais com a Previdência. A alíquota de contribuição deve ser diminuída de 2% para 1,5% do faturamento. Os débitos devem ser divididos em parcelas de 0,8% do faturamento. O texto seria divulgado nesta semana, mas os ruralistas apresentaram novas reivindicações. A Fazenda está estudando.

O presidente Michel Temer pretende anunciar pessoalmente , também na semana que vem, o novo Plano Safra do Agronegócio. Principal item: redução da taxa de juros dos financiamentos para os produtores, que hoje varia entre 8,5% e 9,5%. O governo deve baixar 1 ponto percentual. Também pode ser anunciado o Plano Safra da Agricultura Familiar, que beneficia sobretudo Estados do Sul do país.

Em pronunciamento nas redes sociais, Michel Temer adiantou mais uma bondade para os próximos dias: a distribuição de milhares de escrituras a famílias carentes.

Luis Edmundo

Luis Edmundo Araujo é jornalista e mora no Rio de Janeiro desde que nasceu, em 1972. Foi repórter do jornal O Fluminense, do Jornal do Brasil e das finadas revistas Incrível e Istoé Gente. No Jornal do Commercio, foi editor por 11 anos, até o fim do jornal, em maio de 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Katinha Ladeira

29 de maio de 2017 às 00h03

Pura responsabilidade dos CXOXINHAS

Responder

Raul Celso Ramos

28 de maio de 2017 às 20h58

Dia 6 será dado o tiro de bala de prata, no vampiro

http://uol.com/bykb8j

Responder

Raul Celso Ramos

28 de maio de 2017 às 14h59

Até quando vamos aceitar isso? onde está a guerra civil?, já está mais do que na hora

Responder

Beba Monteiro

28 de maio de 2017 às 13h36

Como pode o cara saber que é um morto vivo, que a cadeia o espera, que a lata do lixo da história lhe tem um lugar reservado, que seu governo está moribundo em estado avançado de putrefação, que o barco do golpe está afundando e os ratos pulando fora, e mesmo assim, insistir até o fim com o seu pacote de maldades (Reformas trabalhista e previdenciária), parecendo vingança contra o povo que lhe odeia?? Portanto, vá se lascar pra lá, rapa, e deixa o país em paz para retomar a democracia, com eleições diretas já. Fora Temer!!

Responder

    Gloria Ferreira

    29 de maio de 2017 às 01h36

    Não se deve esquecer do apoio total do PSDB e DEM e PMDB. Esse era o programa do aecin.. Temer é apenas o fantoche.

    Responder

Mari P S Miranda

28 de maio de 2017 às 13h33

Canalha usurpador

Responder

Marilourdes Castro

28 de maio de 2017 às 12h34

Gasta, Gasta, Gasta e aumenta cada dia mais o rombo nas contas públicas .

Responder

Marilene Flores

28 de maio de 2017 às 12h13

Responder

Deixe um comentário