Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

A “retomada” da economia e os ciclos do capitalismo

Por Pedro Breier

01 de junho de 2017 : 15h12

Por Pedro Breier, colunista do Cafezinho

Os jornalões estampam em seus sites manchetes animadas com a alta do PIB, que foi de 1% no primeiro trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior (O Fernando Brito demonstra, no Tijolaço, não haver muitos motivos para comemoração).

Como você pode ver acima, o Globo dá espaço para o exagero desesperado de Temer acompanhado de uma foto do (ainda) presidente parecendo confiante, como que vislumbrando um futuro melhor para a nação.

Temer comemora de forma hiperbólica o aumento do PIB porque só resta para ele, neste momento, agarrar-se a qualquer coisa que possa ajudá-lo a manter-se mais um pouco no cargo.

Quanto à Globo, vejo duas hipóteses para o seu estranho movimento, já que pedia a cabeça de Temer inapelavelmente há poucos dias. A mais provável é que esteja tentando ganhar tempo para encontrar o melhor caminho e o melhor nome para a transição antidemocrática que pretende impor ao país. A menos provável é a de que já considere a hipótese de Temer permanecer no cargo mesmo soterrado por provas acachapantes de bandidagens.

Mas estou tergiversando. Quero, neste post, focar na questão econômica de fundo.

A Teoria dos Ciclos Longos, ou Teoria dos Ciclos de Kondratiev, criada pelo economista russo Nikolai Kondratiev, afirma que o capitalismo, depois da Revolução Industrial, passou a ser constituído de ciclos, onde períodos de expansão econômica são seguidos invariavelmente por períodos de recessão.

A teoria econômica neoliberal é baseada nesta proposição. O raciocínio é o seguinte: se a dinâmica da economia passa necessariamente por fases de recessão e de expansão, a solução para sair de um momento de recessão é acelerar o processo para que rapidamente se chegue a um ponto limite onde não há mais como a economia se deprimir. Quando os índices chegam ao fundo do poço, não há outra alternativa senão voltar a subir.

As políticas de austeridade, ou seja, de corte brutal dos investimentos públicos, são aplicadas com o objetivo de aprofundar a crise, portanto – e neste quesito são sempre muito bem-sucedidas – para que os números voltem a crescer o mais rapidamente possível.

(Claro que ninguém fala a verdade para o respeitável público. A balela é a de que os investimentos privados, que  nunca chegam e não se interessam em obras essenciais ao país, como as de infraestrutura, vão resolver o problema).

O crescimento inevitável se dá, entretanto, “em cima de uma base bastante deprimida”, como consta na própria matéria do Globo sobre o ~fim da recessão~ proclamado por Temer.

O termo técnico e frio “base deprimida” significa, na prática, milhões de pessoas desempregadas e outras milhões com salários achatados. Significa mais miséria, mais moradores de rua. Significa gente, ser humano, passando fome.

A alternativa ao neoliberalismo que está posta, hoje, é a aplicação de políticas anticíclicas. Em vez de aprofundar a recessão para chegar mais rápido à expansão a ideia é impedir ou minimizar os efeitos dos ciclos econômicos.

Ao invés de diminuição deve haver, isso sim, um forte aumento dos investimentos do Estado nos momentos de crise, para que a economia não precise despencar no abismo, bater violentamente contra o chão para só depois retomar o crescimento.

Obras de infraestrutura são um belo exemplo: criam condições materiais para que a economia se desenvolva e ainda geram empregos, os quais propiciam ganho de renda para os trabalhadores, que por sua vez reflete positivamente nos setores comercial e de serviços.

Mas quem manda na política é o mercado, como Rodrigo Maia falou recente e desavergonhadamente, e o mercado é adepto fervoroso do neoliberalismo.

Vidas, para “O Mercado”, este ente que controla os políticos que nós elegemos, são apenas técnicos e frios números.

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve sobre política n'O Cafezinho desde 2016.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz Hortencio Ferreira

02 de junho de 2017 às 11h53

No meu entender a economia é muito complexa e depende de muitas variáveis para sua estabilidade, mas o que gira qualquer economia é renda distribuída entre os economicamente ativos , gerador de consumo e no caso do Brasil é o consumo interno que gira nossa economia. E por consumo interno entendemos: consumir e comprar produtos nacionais, fazer turismo dentro do território nacional, estudar em escolas nacionais, manter seu dinheiro em bancos brasileiros ou em território nacional e principalmente pagar os impostos obrigatórios do país, os quais para mortais trabalhadores é obrigatório e descontado na fonte, ou seja no holerite, sem alternativa. E pagar os impostos significa pagar a estrutura de governo e estado público que temos, incluindo aí os políticos, juízes, procuradores, presidentes, etc…
Portanto, se não distribuir renda não haverá crescimento nem estabilidade!!

Responder

Atreio

02 de junho de 2017 às 10h06

avisa o rodrigo-“quebra-firma”-maia q o Mercado não elege ninguem, mercado não vota. Políticos eleitos não fazem juramento de atender ao mercado.

O povo. este sim, deve ser atentido e favorecido SEMPRE e de forma sustentável.

se liga, filho-do-césar-quebra-firma.

OBS: e para com esse tic nervoso, pq fica tácito q tu está tenso e perdidaço…. veja seus vídeos falando e se mexendo na câmara com seus migos golpistas, vc é uma piada de mal gosto ambulante.
bjão, meninão!

Responder

Johne Wayne COliveira

01 de junho de 2017 às 18h13

O cara parecia Galvão Bueno ao final da Copa de 94 -Acabou, acabouu, acabaouuu!! O que vai acabar é o seu desgoverno.

Responder

Deixe um comentário