Live com Miguel do Rosário (convidado especial: Luiz Moreira)

O manchetômetro do Maranhão

Por Miguel do Rosário

28 de agosto de 2017 : 09h10

O pessoal da comunicação do governo do Maranhão, onde o blogueiro passou o final de semana, participando de um seminário organizado pelo Barão de Itararé, nos enviou um estudo sobre o tratamento que o principal jornal do Maranhão, pertencente ao grupo Mirante, da família Sarney, dá ao governo do estado.

É importante lembrar que o grupo Mirante é o retransmissor da Globo no Maranhão.

Confira o comparativo dos últimos anos, no texto e gráfico abaixo. Mais que um retrato da mídia tradicional maranhense, é um retrato da imprensa brasileira: oligárquica, medíocre e partidária.

Folha de São Paulo, Globo, Estadão, Correio Braziliense, Zero Hora, Estado do Maranhão, são todos filhos do meu pai, farinha do mesmo saco, herdeiros da ditadura militar e de anos e anos de mamata estatal e sonegação fiscal.

***

Estudo estatístico mostra que família Sarney usa jornal como instrumento político

Um estudo estatístico sobre o principal jornal da família Sarney no Maranhão mostra que a cobertura varia de extremamente positiva a extremamente negativa dependendo de quem está no poder. O levantamento dá força à tese de que existe perseguição política feita contra os adversários do grupo Sarney.

A pesquisa examinou três anos e meio de cobertura do jornal O Estado do Maranhão, pegando dois grandes momentos políticos distintos: o governo de Roseana Sarney (PMDB) e a gestão de Flávio Dino (PCdoB), ambos pertencentes a grupos rivais.

A metodologia adotada por este blog consistiu em atribuir valores positivos e negativos em relação à presença do governo na capa do jornal. Ou seja, se a capa era favorável ao governo, a mensuração era positiva. Se era desfavorável ao governo, era negativa. A análise levou em conta a manchete e os outros elementos da capa. É uma metodologia amplamente usada em pesquisas sobre veículos de comunicação.

A análise de todas as capas feitas em 2014, durante o último ano do governo Roseana Sarney, mostra que 66% da cobertura foi favorável à filha de José Sarney. Houve apenas 5% de menções negativas, mesmo se tratando de um ano eleitoral, em que a disputa política expõe as fragilidades do governo. As demais 29% menções foram neutras – ou seja, nem contra e nem a favor.

Além disso, 2014 foi marcado pelo ano das decapitações em Pedrinhas, o que naturalmente elevaria a fatia negativa. A cobertura sobre o caso de fato foi inicialmente desfavorável ao governo, mas depois o jornal passou a disseminar a mensagem de um governo atuante no combate ao crime.

Muda o governo e muda a curva

Já em 2015, a partir do governo Flávio Dino, a situação se inverte. De todas as capas naquele ano, 53% foram negativas ao governo. Apenas 8% foram positivas. E 39%, neutras. As menções positivas se concentraram nas notícias sobre a Lei Seca.

Em 2016, ainda na gestão Flávio Dino, o índice negativo diminui e chega a 38%. Mas essa redução não foi reflexo de uma mudança de postura do jornal, já que o índice positivo também caiu, indo para 5%. O que cresce bastante é o índice de neutro: 57%.

Isso se explica pela menor exposição do governo estadual no jornal O Estado do Maranhão, uma vez que se tratou de um ano de eleições municipais e de grande turbulência no cenário nacional, com a crise econômica e política que incluiu o impeachment da então presidente Dilma Rousseff. Ou seja, o jornal teve menos espaço para falar do governo estadual.

Em 2017, as atenções voltam a estar concentradas no governo Flávio Dino, o que resulta, nos seis primeiros meses do ano, no maior índice negativo de todo o período analisado: 62%. O positivo cai ainda mais, chegando a 3%. E o neutro fica em 35%.

O aumento da curva negativa acompanha também a ampliação dos temas pré-eleitorais de 2018.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Hgj

29 de agosto de 2017 às 11h16

Sarney bosta.

Responder

Lj

29 de agosto de 2017 às 08h14

Perseguição politica mesmo, pois Sarney quase foi preso, que era pra está mesmo e nada falaram. Não fizeram nada além de roubar, no governo e agora não mostram que ta fazendo. O nome SARNEY me da náusea. F**da -se todos.

Responder

Ricardo JC

29 de agosto de 2017 às 08h12

Não é preciso estudo estatístico para saber disto. Basta ter ouvido e alguns neurônios.

Responder

Deixe uma resposta