Genial/Quaest: Veja os números da corrida pelo governo da Bahia

Barril de petróleo supera os 60 dólares, mostrando a força do acordo da OPEP

Por Tulio Ribeiro

31 de outubro de 2017 : 01h05

(crédito imagem: New Straits Time)

A OPEP e os produtores independentes, em 10 de dezembro de 2016, lograram êxito de fechar um acordo que reduziu a produção de petróleo e valorizou o preço do barril. Foi o primeiro acordo efetivado desde 2001 e significou um corte de 1,8 milhão de barris por dia. Necessitou o preço chegar a US$ 26 (fevereiro/16), para construir um novo pacto que remunerasse a atividade que é maior do mundo em produção, valor agregado e margem de lucro.

Neste 30 de outubro de 2017, o barril superou um novo patamar de US$ 60,52 (alta de 0,65%), mostrando a força do acordo de cotas chancelada pelos países da OPEP e não-OPEP capitaneado pelo maiores produtores: Rússia e Arábia Saudita.

Mais que formadores do acordo, estas duas nações tem manifestado apoio a possibilidade de sua extensão, retirando o excesso de produção, estabilizando o mercado e impulsionando um preço justo que aumentasse a rentabilidade desta atividade.

Mesmo que o pacto já esteja estabelecido até março próximo, uma nova fase desta resolução estimularia suplantar novos patamares de preço.

Moscou e Riad poderão em Viena na Áustria, sede da OPEP, em 30 novembro sinalizar ao mercado a intensão de perdurar estas tratativas para todo ano de 2018, é o que espera o secretário-geral da organização Mohammad Barkindo. Definitivamente manter as reservas de petróleo cada vez mais é um ativo inalienável para nações que buscam o desenvolvimento.

Tulio Ribeiro

Túlio Ribeiro é graduado em Ciências econômicas pela UFBA,pós graduado em História Contemporânea pela IUPERJ,Mestre em História Social pela USS-RJ e doutorando em ¨Ciências para Desarrollo Estrategico¨ pela UBV de Caracas -Venezuela

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

JOÃO CARLOS AGDM

31 de outubro de 2017 às 13h34

Eu só queria saber quem arcou com o lucro cessante, quando os preços baixaram de mais de $ 100,00 para menos de $ 30,00.
E GANHOU O NOSSO PRÉ SAL A PREÇO VENDIDODADO??????????????????????????????.
Quanto a Globandida (e outros) levaram???????????????????????

Responder

Miguel

31 de outubro de 2017 às 02h12

De tempos em tempos, os principais países produtores precisam se reunir para reduzir a produção e devolver niveis minimamente remuneratórios para a produção de petróleo.

Isso faz com que as fontes alternativas ganhem novo impulso e continuem crescendo (solar, eólica, nuclear, combustíveis renováveis como etanol e biodiesel, etc). O aumento das fontes alternativas faz com que os preços do petróleo caiam novamente, o que faz com que… ˜De tempos em tempos, os principais países produtores precisam se reunir para reduzir a produção e devolver niveis minimamente remuneratórios para a produção de petróleo.˜

A OPEP está cavando a própria sepultura quando reduz produção. Chegará uma hora que não adianta mais reduzir produção, pois ninguém mais estará consumindo petróleo.

Responder

    Camila

    31 de outubro de 2017 às 04h11

    Raciocínio errado , não leu o texto que o último acordo foi em 2001?
    Além do que o barril saiu de 26 para 60
    Petróleo não é só energia.
    É fertilizante, plástico, remédio….
    As energias alternativas ainda são décimos em relação ao petróleo

    Responder

      Miguel

      31 de outubro de 2017 às 21h07

      Camila, vc acha que a Era do Petróleo vai durar para sempre?

      A Era da Pedra não acabou por falta de pedras, mas sim porque a tecnologia evoluiu.

      No máximo em 30 anos, o consumo de petróleo será algo como usar máquinas de escrever. A tecnologia de produção de energia solar, eólica e logo logo hidrogênio estarão substituindo o petróleo, como o motor a combustão substituiu o motor a vapor. É só ver a quantidade de carros elétricos que estão tomando conta do mercado nos EUA e Europa.

      A OPEP deveria manter os preços baixos do petróleo, para inibir a busca por fontes alternativas. Mantendo os preços altos, vai só incentivar cada vez mais fontes alternativas.

      Responder

        Miguel

        31 de outubro de 2017 às 21h08

        O que estou querendo dizer é que as economias que se baseiam em petróleo precisam achar meios para a Era pós-Petróleo, porque essa vai acabar.

        Responder

Elmer

31 de outubro de 2017 às 01h52

Obvio! por isso a pressa dos golpistas em vender o pré-sal a preço de banana.
Se as previsões se confirmarem em 2018 é possível que o preço do petróleo retornem a 100. https://oilprice.com/Energy/Oil-Prices/Traders-Are-Betting-On-100-Oil-In-2018.html

Veja que o golpe foi dado nesta janela onde o preço do petróleo foi manipulado para
causar os enormes caos. Tudo o que esta acontecendo não é coincidência e nem por acaso.

Responder

Deixe um comentário para Miguel

Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes Os Principais Eleitores de Bolsonaro Janela Partidária 2022: Quem ganhou, quem perdeu? Caro? Gasolina, Gás e Diesel: A atual política de preços da Petrobrás As Maiores Enchentes do Brasil