Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Pela manutenção do artigo 1º. Simples assim

Por Denise Assis

09 de maio de 2018 : 19h05

Denise Assis*

“Todo poder emana do povo e em seu nome será exercido”. A adaptação livre do artigo 1º da Constituição Cidadã, de 1988, feita pelo advogado Heráclito Sobral Pinto, no dia 10 de abril, de 1984, no comício por eleições diretas, ecoou nos corações de todos os presentes no Centro do Rio, naquele início de noite. Sua fala o levou a ser aclamado por longos minutos. O país vinha da ressaca moral de uma ditadura cruel e tudo o que aquela massa comprimida nas ruas queria era votar para presidente.

Hoje, passados 34 anos, com um golpe a morder insistentemente os nossos calcanhares, o sentimento de urgência é o mesmo.

Queremos muito votar e escolher o novo presidente, posto que o atual entrou pela porta dos fundos e surrupiou o mandato da presidenta eleita, Dilma Rousseff, conforme agora é percebido por 47,9% da população, segundo pesquisa do Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, braço do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia. Para este percentual, não há mais dúvida de que sofremos um golpe.

No entanto, a cinco meses da data da eleição, marcada para o dia 7 de outubro, ainda não temos na mesa todas as cartas postas. Enquanto a direita oscila entre nomes pálidos e portadores de números anêmicos, a esquerda apresenta nomes consistentes com plataformas elaboradas e em condições de serem defendidas, como foi o que demonstrou Guilherme Boulos (PSOL), no programa Roda Viva, desta semana.

Quanto ao PT, segue de posse do que diz o Artigo 1º da Constituição que, mesmo enxovalhada e pisoteada, é a que vigora. Ora, se todo o poder emana do povo e é exercido para ele, que escolhe quem estará na condução do país, o que nos parece, hoje, embaralhado, a julgar pelos questionamentos dos “especializados”, pode ficar mais claro se tomarmos este princípio por norte.

Durante todos esses meses o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vigora no topo das pesquisas de opinião pública. Como sabemos, elas são (ou não são pra valer?), o reflexo do que o povo quer. Mesmo preso há um mês, depois de uma condenação pra lá de questionável, Lula é o mais lembrado em todos os levantamentos. Assim sendo, não há muito o que discutir. É colocar o seu nome na cédula e esperar que se confirme a tendência das pesquisas.

Qualquer outro rumo a ser tomado evidenciará o aprofundamento do golpe sofrido em 2016, além de ter reflexos perniciosos mundo afora e Brasil adentro. Ao impedi-lo de concorrer, o país estará rasgando definitivamente o que reza a carta magna. Estaremos ignorando a vontade máxima da população, e oferecendo ao povo apenas o que ele, em sua maioria, já demonstrou até aqui, que não quer.

Os maiores de 50 hão de se lembrar da brincadeira entre dois garotos, reproduzida num comercial de doces na TV da época. É o que estará acontecendo na eleição do faz de contas. A distribuição de doces na base do: “dois delicados para mim, um delicado para você”. E tirar do povo o seu poder de decisão é tão feio e antiético quanto a trapaça refletida no comercial de TV.

*Jornalista

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

henrique de oliveira

10 de maio de 2018 às 10h57

De qual constituição estamos falando? daquela que é usada como papel higiênico pelo judiciário que deveria protege-la e a seguir rigorosamente? ou aquela inventada pelos corruptos juízes?

Responder

Sergio Sete

10 de maio de 2018 às 10h22

Vamos colocar as coisas nos trilhos.
Este é o texto REAL do Art. 1º, Parágrafo único da nossa Constituição:

Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Agora pergunto: qual parte do “por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição” não dá para entender?

“Povo” assumir o poder não é Estado, não é Governo, é anarquia. A nossa Constituição (tão pisoteada pela esquerda atual) prevê regras para a formação de governo, dos representantes do povo.

Para ser diferente, a Constituição deverá ser mudada.
Constituição essa que foi reprovada pelo PT, que votou contra na década de 1980.

O debate é fundamental, mas por favor, vamos estudar mais, não importa a cor do seu partido.

Responder

Lucca

09 de maio de 2018 às 21h49

Todo poder emana do PIG e em seu nome será exercido.

ELEIÇÃO SEM LULA É FRAUDE.

Responder

    Sergio Sete

    10 de maio de 2018 às 10h23

    Não é o que diz a Lei da Ficha Limpa.

    Responder

Roberto de Araujo

09 de maio de 2018 às 21h30

Eleição sem Lula é fraude, se ele não estiver na cédula eletrônica, não vou referendar esta farsa, votando em plano B, ou C. É Lula ou 00.

Responder

Deixe um comentário para henrique de oliveira