Entrevista de Haddad ao SBT

ROBERTO STUCKERT FILHO/PR

Ciro à BBC: “Eu não sou contra o Bolsonaro, eu sou contra o fascismo”

Por Miguel do Rosário

13 de junho de 2018 : 13h05

Na BBC

Ciro: “Eu não sou contra o Bolsonaro, eu sou contra o fascismo”

Por Mariana Sanches e Camilla Veras Mota
Da BBC News Brasil em São Paulo

Sob o olhar de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola, na sede paulista do PDT, o presidenciável Ciro Gomes recebia uma camada de base sobre o rosto para conter o brilho do suor. Embora fizesse um clima ameno em São Paulo na última segunda-feira, Ciro tinha motivos para suar. Em um cenário sem o ex-presidente Lula (PT), ele disputa com Marina Silva (Rede) a vaga para o segundo turno do pleito de 2018, com 10% a 11% dos votos, de acordo com o último Datafolha.

Para garantir a vaga, tenta aglutinar em torno de si os partidos de esquerda, especialmente o PSB, que lhe acrescentaria 1 minuto e 23 segundos diários de exposição televisiva na campanha. Ao mesmo tempo, tem aberto diálogo com partidos de centro e direita, como DEM, PP e Solidariedade. Mas declarações recentes suas criaram mal-estar entre os possíveis aliados, que a equipe de Ciro tentava debelar enquanto ele falava à BBC News Brasil.

Ele disse que, antes de sentar à mesa com essas siglas, se dedicará a garantir a “hegemonia moral e intelectual” da candidatura, o que foi entendido pela centro-direita como um demérito. “O que há nesse momento é uma brutal onda de especulação, muita intriga”, exaltou-se o ex-governador do Ceará, negando conversas com partidos como DEM.

“Aliança é por definição contraditória. O que elimina essa contradição é o propósito com o qual ela é firmada”, explicou-se, em referência ao termo “hegemonia moral e intelectual”. Se nega que as conversas estejam em curso, Ciro não perde oportunidade de elogiar o atual presidente da Câmara e presidenciável do DEM Rodrigo Maia, “por quem tenho estima desde garoto”.

Equacionada a questão política, Rodrigo Maia, deputado com bom trânsito no mercado financeiro, poderá ser um importante aliado para que Ciro consiga reduzir resistência nessa frente.

“Nenhum liberal desses toscos mal lidos chegará perto do meu governo”, dispara o candidato. Questionado sobre a autonomia do Banco Central para conduzir a política de juros, Ciro afirma que a instituição passará a ser orientada a obter “a menor inflação a pleno emprego”.

O pedetista critica duramente o sistema bancário nacional e garante que ampliará a competição entre bancos na sua gestão, a fim de reduzir os juros reais praticados no país. Afirma que fará o ajuste fiscal reduzindo as desonerações a setores da indústria, implantadas sobretudo no governo Dilma Rousseff (PT), e criando impostos sobre heranças e doações e sobre a distribuição de lucros e dividendos a empresários e investidores.

Para a Previdência, defende um modelo de capitalização público, em que o trabalhador resgate como aposentadoria algo proporcional ao que depositou ao longo da carreira.

Ciente do temor do mercado em relação a seu nome, Ciro diz que em “hipótese nenhuma” fará um texto de compromisso como a Carta ao Povo Brasileiro, apresentado por Lula na campanha de 2002 para assegurar contratos e pagamento de dívida. “Olha no que deu. Cadê o Lula e onde estou eu”, diz.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

BBC News Brasil – O senhor tem excluído a possibilidade de aliança com MDB, chama de “ladrões” alguns integrantes do partido. No entanto, o partido com mais condenados pela Lava Jato é o PP, do qual pode sair seu vice, Benjamin Steinbruch. Não é uma contradição?

Ciro Gomes – O que há nesse momento no Brasil é uma brutal onda de especulação, muita intriga, o que também não me assusta, que é muito própria dos tempos.

O que eu tenho buscado fazer é buscar alianças com partidos que não têm candidato a presidente da República. Nesse momento, o único partido desse campo que não tem candidato é o PSB.

Isso dito, o jornalismo me pergunta às vezes, instrumentalizado por fofoca – e o jornalista não é culpado disso: ‘E o PP, você aceita?’ Claro que aceito. ‘E o Democratas, você aceita?’ Claro que aceito. E começam as especulações.

E o que eu digo, e isso elimina possibilidade de contradição, no Brasil nenhum partido político terá mais de 10% da Câmara Federal, se tiver mais do que 10%, será 11%, mas 12% seguramente nenhum partido terá. Mesmo eu ganhando, não tenho a chance de fazer 12% com o meu partido.

BBC News Brasil – Nem o MDB?

Ciro – Nenhum partido. Nenhum. O MDB vai encolher, o PT vai encolher.

BBC News Brasil – É uma novidade o que o senhor está antevendo. Por que até hoje não foi assim…

Ciro – O MDB hoje tem 70 deputados, é um pouco mais de 10% (o MDB elegeu 66 deputados em 2014, mas hoje a bancada tem 51 deputados, o que equivale a 10%), a Câmara tem 513 deputados. Nenhum fará 12%.

O que quer dizer que qualquer presidente responsável que queira traduzir suas promessas em compromisso resgatado com o povo tem que anunciar desde antes que aqueles a quem o povo depositar o voto, será com eles que nós teremos que negociar.

Eu sou um homem muito vivido e sempre disse que o problema não são as contradições da aliança, porque a aliança é por definição contraditória. Se não fosse contraditória, não era aliança.

O que elimina essa contradição é o propósito, no meu caso é claramente a fixação de um programa muito explícito, até julho ficarão muito claras as providências que eu pretendo tomar no ambiente de reformas interativas com o Congresso Nacional.

E, de outra forma, aquilo que eu chamo de hegemonia moral e intelectual, ou seja, o que importa aqui é a qualidade, o cimento da aliança e o propósito com o qual ele é firmado.

Nesse sentido, eu excluo o MDB apenas por isso: porque ele escapuliria claramente de qualquer possibilidade de hegemonia moral e intelectual. O que eles têm feito hoje – o MDB está comandando o poder a partir de um golpe; o que ele fez ontem – traiu e desmontou o projeto de aliança com o PT; o que ele fez anteontem – destruiu o governo Fernando Henrique Cardoso. Sempre com a mesma característica: fisiologia, clientelismo e roubalheira.

BBC News Brasil – O DEM, com quem o senhor estaria tendo conversa, é fiador desse governo Temer.

Ciro – Eu não tive nenhuma conversa com o DEM. O DEM tem candidato à presidência da República, ninguém menos do que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, por quem tenho estima desde garoto.

As pessoas não sabem, mas sou velho amigo do pai de Rodrigo Maia, César Maia. Ajudei o César Maia em campanhas importantes dele no Rio de Janeiro, tenho respeito pelo César Maia e esse respeito imediatamente se transferiu para o Rodrigo, de maneira que eu não cometeria nenhuma indelicadeza porque ele é candidato.

Se ele não for e, não sendo, admitir conversar comigo, a conversa estará aberta.

BBC News Brasil – O senhor já se colocou contra o teto de gastos e a reforma trabalhista. Vai revogar todas as reformas do Temer?

Ciro – Os valores perseguidos por essas reformas são valores corretos: equilíbrio fiscal, modernizar as relações trabalhistas. Só que, a pretexto disso, o Brasil fez coisas selvagens e incongruentes, coisas insustentáveis no campo da aritmética básica.

Por exemplo, você estabelecer, sem qualquer precedente e sem legitimidade, um status constitucional de que o Brasil está proibido de expandir seu gasto em termos reais com educação e saúde, colide com coisas evidentes.

Isso vai constranger o custeio da máquina. Você não vai repor os carros da polícia? A munição da polícia? Se eventualmente a inflação ficar perto de zero, como queremos, em torno de 3%, você vai crescer só 3% as viaturas do Exército e da Polícia?

Isso daqui (o teto de gastos) tem que ser revogado pura e simplesmente. Mas, como o valor é correto, nós admitimos discutir. Mas nunca por status constitucional e nunca pesando sobre educação, saúde e investimento.

BBC News Brasil – Como faria o ajuste fiscal? De um lado, você defende que não haja diminuição do investimento público, mas, mesmo com o ajuste fiscal que a gente tem hoje, com redução de investimentos, há um deficit previsto nas contas públicas até 2021. Como vai dar pra o Estado voltar a investir e ao mesmo tempo sanear as contas públicas?

Ciro – É só a gente raciocinar e sair das interdições ideológicas. O raciocínio é básico e todo mundo está sabendo fazer em casa nesse momento trágico de dificuldade, em que 13,7 milhões de brasileiros estão desempregados.

Como essa gente faz todo dia? Diminui a despesa – às vezes na conta do sacrifício, como é o caso do nosso povo – e procura aumentar a receita. Tem muita gente aí no bico, fazendo hora extra, trabalhando 14, 16 horas.

BBC News Brasil – A diferença é que o governo tem uma série de gastos que não podem ser diminuídos…

Ciro – É só a gente ir em linha com o mundo. Qual é o país do mundo que compromete metade de seu orçamento com despesa financeira? Aqui você tem que cortar custo com juro e rolagem de dívida.

Quem determina a taxa de juros é um conjunto de variáveis práticas. Mas no Brasil essas variáveis práticas têm sido violadas em favor de uma especulação patrocinada pelo governo, claramente. A conta de juro no Brasil não fecha.

Mas a outra grande questão é aumentar a receita e, para isso, considerar criticamente três grandes passos: é razoável um país com esse nível de deficit ter renúncias fiscais da ordem de quase meio trilhão de reais por ano?

No mundo inteiro, cobra-se tributo progressivo sobre as grandes heranças e doações. O Brasil cobra 4% em média.

O mundo inteiro, menos o Brasil e a Estônia, cobram imposto sobre lucros e dividendos empresariais.

Por esse caminho e mais algumas outras providências de combate à corrupção, de garantia da eficiência, tudo isso permite a mim visualizar, dependendo do nível de apoio que eu conseguir granjear na população brasileira, de virar o jogo de deficit em 24 meses.

BBC News Brasil – Está no horizonte criar impostos, então?

Ciro – Acabei de falar em dois, que teriam que ser criados, como o imposto sobre lucros e dividendos, ou mudados em sua orientação, no caso de heranças e doações.

BBC News Brasil – Sim, ambos recaem sobre uma parcela específica da população…

Ciro – Só a maioria rica. Nesse país, cinco pessoas têm renda acumulada equivalente às posses de 100 milhões de brasileiros.

BBC News Brasil – No seu governo haveria interferência sua sobre a política de juros do Banco Central?

Ciro – Minha não, o Banco Central Brasileiro será orientado no meu governo para perseguir a menor inflação a pleno emprego. Portanto, a lógica do mandato do Banco Central mudará e voltará para ser um mandato em linha com as nações mais civilizadas do planeta Terra.

BBC News Brasil – Não haverá independência e autonomia do Banco Central?

Ciro – Não, ele será autônomo para perseguir a menor inflação a pleno emprego.

BBC News Brasil – O mercado financeiro tem sinalizado que prefere Jair Bolsonaro ou Marina Silva ao senhor. O senhor cogita formular uma espécie de Carta ao Povo Brasileiro?

Ciro – Não, em nenhuma hipótese. A minha autoridade para reformar o país depende de que fique muito claro que meu patrão é o povo brasileiro e o interesse nacional.

Isso não quer dizer que eu tenha qualquer tipo de preconceito ou hostilidade contra qualquer grupo de interesse, mas eu não aceito a tutela do autorreferido mercado, que se trata, na verdade, de meia dúzia de especuladores financeiros, sobre a democracia.

Isso é uma perversão absolutamente grave que tem destruído a economia brasileira. Repare bem, veja se é razoável: recebi a prefeitura de Fortaleza com 3 meses de funcionalismo atrasado e toda receita corrente só pagava 80% de uma folha. Não pratiquei um ano de deficit, saí com o superávit maior entre as capitais. Depois fui governador do oitavo Estado brasileiro (Ceará), não tive um único dia de deficit.

Por que o mercado quer me tratar agora como uma pessoa não austera? É por que eu estou dizendo que, nesse país, 26% da dívida pública está vencendo em quatro dias clandestinamente e isso não é nada austero, isso é corrupção.

BBC News Brasil – O senhor se refere às operações compromissadas do BC?

Ciro – Operações compromissadas do Banco Central (títulos vendidos ao mercado financeiro para serem posteriormente recomprados pelo BC), R$ 1,1 trilhão que vencem em quatro dias. Pergunte a qualquer especialista do planeta Terra se isso não cheira a crime, bandalheira, corrupção.

BBC News Brasil – O Lula cometeu um erro ao fazer a Carta ao Povo Brasileiro?

Ciro – Absolutamente, olha no que deu. Cadê o Lula e onde estou eu? Adiantou isso? O Lula foi 8 anos presidente do Brasil com superavit primário ao redor de 3% ao ano, o quê que adiantou?

BBC News Brasil – O senhor considera que foi o mercado financeiro que o colocou na cadeia?

Ciro – Eu não considero nada, eu estou perguntando a você o que adiantou aceitar que 85% das operações de um país como o Brasil sejam concentradas em cinco bancos.

BBC News Brasil – O senhor ativamente mudaria a estrutura bancária do país?

Ciro – Claramente. Vai ter mais banco e, com certeza, a partir do primeiro dia vai ter mais concorrência porque os dois bancos públicos – Banco do Brasil e Caixa Econômica – estão ali cartelizados junto com os três privados.

BBC News Brasil – Outros candidatos, liberais – como João Amoêdo, do Novo -, batem na mesma tecla e defendem privatização dos bancos públicos como parte do processo do aumento de concorrência para poder baixar juros…

Ciro – São engraçadinhas essas pessoas. Eles ganham com a perversão e querem ganhar com a denúncia da perversão. Isso é muito pitoresco no Brasil.

Esses pouco estudados, pouco vividos e agora metidos a estadistas, o Brasil tem dessas coisas, o camarada nunca foi prefeito, nunca foi vereador e agora quer ser o chefe de Estado de uma nação complexa de 207 milhões de habitantes.

Viva a democracia, mas essa é uma peculiaridade bem curiosa do Brasil.

Mas aí veja bem, o que é no Brasil privatização tem significado, com raras exceções, internacionalizar a economia. E eu não quero internacionalizar o sistema financeiro brasileiro.

Então, olhe a contradição: o que o sr. Amoêdo está propondo é que você destrua o sistema financeiro brasileiro porque, ao privatizar o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, nenhuma entidade privada brasileira tem dinheiro para comprar.

O que ele está anunciando é simplesmente desnacionalizar o sistema financeiro do país. O que eu quero fazer: para começar, Banco do Brasil e Caixa, estatais que são, serão orientadas pelo acionista controlador, o povo brasileiro, para competir, tarefa para a qual foram criados originalmente.

BBC News Brasil – Quem seria o seu ministro da Fazenda?

Ciro – Primeiro é hora de ter humildade de pedir ao povo voto.

BBC News Brasil – Mas claramente não seria um (Joaquim) Levy, um Henrique Meirelles?

Ciro – Nenhum neoliberal desses toscos mal lidos chegará perto do meu governo.

BBC News Brasil – A política econômica do senhor é inspirada no nacional desenvolvimentismo do Bresser Pereira. A última vez que isso foi tentado foi no primeiro governo Dilma, e deu no que deu. Por que agora seria diferente?

Ciro – Não houve isso no governo Dilma. Vamos ter clareza. No primeiro governo Dilma fez-se o quê em matéria de nacional desenvolvimentismo? Renúncia fiscal?

BBC News Brasil – Conteúdo nacional.

Ciro – Conteúdo nacional sim, é o elemento básico, importante, central. Se não, não se explicaria a recém-proibição pelo governo americano, pelo presidente Trump pessoalmente, de que os chineses comprassem a Qualcomm (em março, a fabricante chinesa de chips Bradcom fez oferta de aquisição à concorrente americana).

Por quê? Porque os americanos sabem que a política de conteúdo nacional é absolutamente necessária e central.

Agora, o que a Dilma fez foi renúncia fiscal para setores oligopolizados do capital estrangeiro. Não houve verticalização, nem política industrial de comércio exterior no Brasil em nenhum setor.

BBC News Brasil – Houve congelamento de preço de energia, mudança na política de preços da Petrobras, para segurar os preços de combustíveis…

Ciro – Isso daí é incompetência, não tem nada a ver com nacional desenvolvimentismo. E nem eu sou nacional desenvolvimentista, porque o nacional desenvolvimentismo produziu no Brasil um fenômeno muito interessante.

Quando acabou a Segunda Guerra Mundial esse era um país de monocultura de cana-de-açúcar e café. Quando colapsou esse modelo nós éramos a 15ª economia industrial do planeta.

A Coreia do Sul, 30 anos atrás, não sabia fazer um automóvel, e hoje é uma das mais importantes plataformas automobilísticas do planeta. A China, em 1980, tinha um produto industrial que era um sexto do produto industrial do Brasil. Hoje é sete vezes o Brasil. E não consta que eles tenham feito isso inventando a roda.

BBC News Brasil – Mas o nível de poupança interna desses países é bem maior, fator que impulsionou os investimentos.

Ciro – Essa é a questão. Só se sustenta o desenvolvimento baseado em alto nível doméstico de formação de capital, de capital nacional. Mas, ao contrário da mistificação neoliberal, o nível de formação bruta de capital de uma nação é consequência de arranjos institucionais que a política faz ou deixa de fazer.

Por isso eu quero propor, não uma reforma da Previdência, mas uma nova Previdência, ainda que a transição seja complexa.

Essa Previdência vem em linha para construir um bolo de poupança pública de longo prazo, elevando o nível de formação doméstica de capital.

BBC News Brasil – Qual o modelo que vocês propõem? Misto, parte no sistema de partilha e parte no de capitalização?

Ciro – A transição é mista. Minha ideia é fazer um regime de capitalização em que nós todos poupamos, parte compulsoriamente – a contribuição – e parte voluntariamente, se eu quero ter uma aposentadoria um pouco maior.

Eu quero até experimentar no Brasil uma coisa pública, mas não estritamente estatal. Por isso eu falo: pública, sob o controle dos trabalhadores.

Serão grandes fundos, que a gente deve descentralizar pra não correr riscos coletivos – não colocar os ovos todos em uma cesta só -, e os trabalhadores controlarão através de conjuntos de mecanismos modernos de democratização, de poder, e com uma carreira de Estado premiada pelo êxito, com agências de risco vigiando, pelo menos em um primeiro momento, o padrão do investimento.

Durante a transição, estou propondo retirar todos os benefícios que não têm contribuição (aposentadoria rural, por exemplo) e discriminar do orçamento, pra que sejam pagos diretamente pelo Tesouro – como na prática já é, só que agora com transparência. Isso então vai dar clareza do problema real da Previdência.

Nós estamos ensaiando um teto novo (valor máximo do benefício, que hoje é de pouco mais de R$ 5 mil), não pra mexer em ninguém hoje, mas um teto novo de três, quatro e cinco salários mínimos.

Aqui é o seguinte: se for de três salários mínimos esse teto, a transição é mais rápida (porque o valor das aposentadorias será menor), se for quatro é intermediária, e cinco, é uma transição mais longa.

BBC News Brasil – Sem aumento de idade mínima?

Ciro – O acesso a isso você tem que discutir, mas discutir respeitando o Brasil. Não é razoável que um trabalhador intelectual de uma região rica tenha a idade mínima igual à de um trabalhador rural do semiárido.

Tem toda uma sofisticada discussão, que eu proponho que dure 6 meses, de maneira que a gente faça um desenho sólido, democrático, aceito pela maioria do povo brasileiro.

BBC News Brasil – O presidente Lula lançou sua candidatura na última sexta-feira. O senhor considera isso um erro da esquerda…

Ciro – (interrompendo) Não comentarei mais nenhuma vez a estratégia do PT, os dizeres do PT. Apenas repito aquilo que eu digo: o PT, eu compreendo o trauma que está passando, respeito o momento deles, respeito seu tempo e vou cuidar da minha vida sem o PT.

BBC News Brasil – O senhor é signatário do Manifesto do Projeto Brasil Nação, capitaneado pelo professor Bresser Pereira, que é muito próximo de Nelson Marconi, um de seus assessores econômicos. O manifesto defende câmbio desvalorizado como um caminho para estimular exportação e fortalecer a indústria nacional. Ao mesmo tempo, a gente sabe que esse tipo de política achata salários. O que o senhor acha dela?

Ciro – Não se apresse em reproduzir essas manifestações pouco lidas de uma certa elite muito “goeluda” desse país sofrido que é o nosso Brasil. A China trabalha com uma taxa de câmbio consistentemente estimulante da competitividade (moeda depreciada) e os salários reais da economia chinesa só crescem consistentemente, todo ano.

BBC News Brasil – Depois de décadas de muita pobreza, não?

Ciro – Todo dia, todo mês, todo ano ela só cresceu.

BBC News Brasil – O senhor defende câmbio fixo?

Ciro – Não. Eu defendo que a taxa de câmbio seja aquela que reflita a saúde das contas do país com o estrangeiro. E toda e qualquer influência cíclica que possa acontecer seja perseguida pela política do Estado brasileiro de maneira a garantir esta variável como um preço estimulante a quem produz e a quem trabalha.

BBC News Brasil – Com um dólar a R$ 4, uma série de insumos importados da indústria passa a custar mais caro e acaba aumentando os preços no mercado doméstico, diminuindo o poder de compra dos salários, não?

Ciro – Se nós deixarmos assim como está, parece ser verdade, mas é aquilo que a gente chama de falácia. Por quê? Porque o país deixou de ter uma política industrial e de comércio exterior, esse é um fato.

BBC News Brasil – O que o senhor pensa sobre a Lava Jato?

Ciro – Sou completamente a favor, ponto.

BBC News Brasil – E manteria a independência do Ministério Público Federal, da Polícia Federal?

Ciro – Não é tarefa do presidente da República constranger isso.

BBC News Brasil – O ministro da Justiça, que controla a PF, é escolhido pelo presidente.

Ciro – A Polícia Federal é subordinada, sob o ponto de vista de hierarquia e disciplina, ao presidente da República, e como tal será no meu governo.

Quem vai mandar na Polícia Federal sou eu, sem qualquer tipo de contemporização. Isto dito, quando ela exercitar as tarefas de polícia judiciária, ela está sob ordens do Judiciário.

Qual é a diferença? Um mandato de prisão – cumpra-se, seja de quem for, porque quem está mandando é o juiz. Mas uma entrevista de um delegado, um vazamento de uma informação sem ética, que destrua a reputação de um inocente ainda não acusado, será tarefa disciplinar que eu vou tomar.

BBC News Brasil – O senhor tem se colocado como anti-Bolsonaro. O senhor faria uma composição com o MDB e com o PSDB, se necessário, para vencê-lo?

Ciro – Com o MDB eu não quero nenhum tipo de negócio.

BBC News Brasil – Nem para eventualmente ganhar do Bolsonaro?

Ciro – Com o MDB não haverá aliança no meu governo, porque eu escolhi o MDB, pelo mal que ele faz hoje, fez ontem.

Nós precisamos destruir o MDB, pelos caminhos democráticos, tirando o oxigênio da roubalheira que é o que explica esse poder quadrilheiro que sua hegemonia tem.

Lembrando que há outras pessoas respeitabilíssimas lá. Roberto Requião é uma pessoa honrada, que eu respeito, só pra dar um exemplo.

Isto dito, eu não sou contra o Bolsonaro, eu sou contra o fascismo.

Felizmente para nós, o Bolsonaro é um intérprete ridículo de valores muito sérios, muito graves e muito ameaçadores pra humanidade. É um despreparado, uma pessoa cheia de preconceitos, militarista, extremista. Ele representa cada vez mais esses valores toscos do fascismo, da violência, da intolerância, do preconceito contra a mulher, do preconceito contra LGBT, contra religião, contra pobre.

BBC News Brasil – O que o senhor diz para o eleitor que pede por intervenção militar como solução para o país?

Ciro – Eu compreendo. Eles estão pedindo, de uma forma tosca, autoridade. A restauração do Estado de direito, regras que sejam cumpridas, o fim da impunidade, da corrupção.

E aí, o passo seguinte é a ilusão de que o estamento militar algum dia representou isso de verdade. Nunca representou, nem aqui e nem em lugar nenhum do mundo.

Em um país que tem contradição democrática, a gente tem que negociar, tolerar as diferenças e, para essa gente que é vulnerável ao autoritarismo, provavelmente mal amada em casa – provavelmente o pai não beija, não abraça -, tem essa coisa frágil.

Ou provavelmente sexual mesmo. Eu tenho pra mim que parte importante desse discurso homofóbico é de gente que, sendo homossexual, não tem a coragem dos homossexuais de se assumir.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

28 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Vitor

14 de junho de 2018 às 01h43

Legal do Ciro. Eu sou contra Bolsonaro mesmo…

Responder

Curió

13 de junho de 2018 às 17h57

Gosto de analisar fotos e apertos de mão.Tem gente que exagera e quase quebra os ossinhos da mão da gente! Tem outras pessoas que ao apertar a mão da gente dá a impressão que é uma gelatina a cair da compota. E os olhares então… tem gente que não olha no olho do interlocutor. O que me parece nesta foto é que Ciro deixou a Dilma esperando. Tem gente que é assim. Deixou ela de boba e iniciou conversa com outro interlocutor. Para mim é uma foto reveladora. É uma certa falta de educação, uma forma de submeter… É verdade! Basta olhar com atenção.
PS: Se não publicar pode ficar com aquele outro bem escandaloso. O dono do blog manda. Insisto por acreditar ainda na sua conversão. Não que eu goste de ser censurado, podado, bloqueado, moderado, banido… por ideias não por sacanagens…

Responder

    Marcelo Abb

    14 de junho de 2018 às 14h29

    Cara, com todo o respeito, te peço encarecidamente que leia o seu próprio texto.

    O que você acharia do seu texto se ele tivesse sido escrito por outra pessoa?

    É sério que você está julgando uma pessoa e fazendo conjecturas a respeito da sua personalidade e índole baseado em uma FOTO?

    É sério isso, meu amigo?

    Cara, você pode ser contra o Ciro, pode colocar uma foto dele em um saco de pancada, pode pintar o nome dele no fundo da sua privada, tudo bem. Você está no seu direito.

    Mas leia o seu próprio texto e me diga se isso é COERENTE.

    Sem brincadeira, acho até que você deve ser um robô, pois não é possível que isso tenha vindo de uma pessoa comum, muito menos de um frequentador deste blog, que eu imagino ser visitado por pessoas de um nível intelectual um pouco maior, pois buscam outras fontes de informação, enfim…

    Sobre a foto, vou escrever apenas um pequeno parágrafo, pois acho que não merece mais do que isso:

    Você consegue perceber que AS CINCO pessoas que estão próximas da roda de conversa estão olhando para aquele cidadão (não reconheci quem é). A própria Dilma está olhando para o cidadão. Todos que estão olhando para ele estão com um leve sorriso, como se ele tivesse falado algo engraçado ou gentil.

    Sério, você não gosta do Ciro, quer continuar nessa fantasia de Lula candidato, tudo bem. É o seu direito. Mas não faça como os eleitores de bolsonaro. Não fique espalhando bobagens na internet.

    Responder

Cezar R M

13 de junho de 2018 às 16h06

Como disse ontem o Gustavo Castanon, NUNCA HOUVE CHANE REAL DO PT APOIAR O CIRO EM PRIMEIRO TURNO. Então, foda-se o apoio do PT!

Responder

    Alan Cepile

    13 de junho de 2018 às 17h04

    Muita calma nessa hora… O PT é um partido da maior importância, aparentemente não vai ter conversa com o PT no primeiro turno, mas no segundo as alianças vão ter que acontecer, seja o PDT apoiando o candidato do PT ou vice versa.

    Responder

      Marcelo Abb

      14 de junho de 2018 às 14h31

      Não vai ter segundo turno para a esquerda se o PT lançar candidato próprio. Simples assim.

      O jeito vai ser nos unirmos todos em torno de MARINA SILVA, para impedir a eleição de um pseudo-fascistóide despreparado.

      Responder

    Sebastião

    13 de junho de 2018 às 17h27

    Olhe a resposta a isso, de bastidores, que nós não sabemos, mas que podemos já ter ideia. BBC News Brasil – O presidente Lula lançou sua candidatura na última sexta-feira. O senhor considera isso um erro da esquerda… “Ciro – (interrompendo) Não comentarei mais nenhuma vez a estratégia do PT, os dizeres do PT. Apenas repito aquilo que eu digo: o PT, eu compreendo o trauma que está passando, respeito o momento deles, respeito seu tempo e vou cuidar da minha vida sem o PT.
    Já fiquem preparados, caso Lula seja impedido, e um outro candidato não venha a crescer.

    Responder

Valcir Barsanulfo de Aguiar

13 de junho de 2018 às 15h55

Concluindo: O Ciro além de direiTASSo, é um TOSCO.

Responder

João Paulo

13 de junho de 2018 às 15h33

Sempre que Ciro fala um pouco mais , perde-se em hipocrisia. Miguel do Rosário, Ciro e outros têm defendido que ele , Ciro, pode e deve fazer alianças com o “centro”(dem , pp) também… dai o próprio Ciro vem e diz que Lula tá preso por causa da Carta aos Brasileiros…
Ciro diz que o pmdb é uma quadrilha que ele vai combater …mas não foi bem assim aqui no Ceará… Ciro foi do pmdb e mesmo fora do pmdb , andou por muito tempo ao lado do “infame” partido aqui … o rompimento ocorreu porque Eunicio tentou ser governador… antes Ciro tinha desfeito alianca com o PT em Fortaleza pois Luizianne nao escolheu um sucessor do seu agrado … alias , o PT perdeu e Ciro elegeu o atual prefeito tendo um vice do pmdb ..,
Não sou dos que acham que Ciro é de direita … inclusive é até minha 4 opção : Boulos , Manu , PT , Ciro … mas tenho convicção da hipocrisia quanto ao pmdb

Responder

    Alan Cepile

    13 de junho de 2018 às 17h19

    João Paulo, apesar de não concordar na essência com o seu comentário, achei bem interessante por um fator, vc notou que tudo que vc disse do Ciro já aconteceu com o PT??
    Ciro não descarta o centro, o PT tb não descartou nas 4 eleições que ganhou…
    Ciro não combateu o PMDB no CE, mas o PT, apunhalado pelo PMDB na presidência, está fazendo alianças com o próprio em alguns estados… E não é só isso, mesmo após o golpeachmento PT e PMDB se viram juntos algumas vezes, naquela tosca tentativa de anistiar o caixa dois com todos os partidos de esquerda do outro lado, na aprovação do financiamento público de campanha de novo com todos os partidos de esquerda do outro lado, Lula com Renan Calheiros na caravana pelo nordeste, o PT votando no Eunício para presidência do senado. Como vc pode ver, o PT tb andou ao lado do “infame” partido mesmo depois de golpeado por ele…
    Ciro elegeu o prefeito e o vice ficou com o PMDB, qualquer semelhança com o governo Dilma NÃO É mera coincidência…
    Agora me responda: Vc considera Ciro hipócrita em relação ao PMDB, logo, por associação, vc considera o PT hipócrita tb, certo??

    Responder

      João Paulo

      13 de junho de 2018 às 23h42

      Claro que você não concorda com a essência e o problema é que você não atentou para qual é a hipocrisia . O PT foi sim golpeado pelo pmdb e ainda assim não propaga que deve “acabar” com o pmdb pois sabe que enquanto no pmdb tem pessoas progressistas ou no mínimo, desenvolvimentistas ; no psdb não tem nem um nem outro . Todavia , Ciro diz que sentaria pra conversar com os tucanos , partido 100% neoliberal e que é o verdadeiro mentor da Ponte para o Futuro, tanto que tem sido mais fiel a Temer do que o próprio pmdb .
      Ademais , hipocrisia é pregar algo que nunca fez . Nunca combateu o pmdb . Foi do pmdb e o fortaleceu no Ceará, mesmo quando não mais era do 15 … número do pmdb e quase o número de siglas pela qual o candidato passou . É verdade que quase todos de esquerda, mas também significa que ele é extremamente personalista e sempre se acha maior do que qualquer partido

      Responder

Alan Cepile

13 de junho de 2018 às 15h27

Impressão minha ou essa BBC Brasil só fez perguntas maliciosas tentando colocar o Ciro na parede?

Excelente entrevista, o preparo do Ciro é notável e ele vai crescer muito nos debates.

A coligação PDT + PSB + PCdoB é muito promissora.

Responder

Régis

13 de junho de 2018 às 14h45

Ciro não precisa fazer texto de compromisso como a Carta ao Povo Brasileiro porque seu compromisso com os abutres financeiros é secreto. O povo não precisa e nem deve saber.
Enquanto assume uma agenda nacionalista e trabalhista que dá gosto de ouvir e ler, ele articula nas sombras com poderes das Trevas do mercado financeiro Internacional. É por isso que a mídia golpista e o judiciário pró colonialista é tão amável e singela no trato com Cirinho Gomes.
Abre o olho Brasil!

Responder

    Cezar R M

    13 de junho de 2018 às 16h03

    Ah, sei. O que vai dar na mega-sena?

    Responder

Gerson S.

13 de junho de 2018 às 14h03

Depois o Sr. Ciro Gomes quer apoio do PT. “Onde está o Lula agora, e onde estou eu?

Francamente!!!

Responder

    Valcir Barsanulfo de Aguiar

    13 de junho de 2018 às 16h01

    O LULA tem 50% das intenções de voto e o Ciro direiTASSO tem 11%, é onde os dois estão. E o Ciro direiTASSO vai ter que explicar os 300milhões desviados do ministrerio da integração nacional através do epresário Raiumundo Morais Filho.

    Responder

    Miguel do Rosário

    13 de junho de 2018 às 17h18

    Que que tem? Ele quis dizer que o mercado não perdoa ninguém, mesmo fazendo suas vontades.

    Responder

      Gerson S.

      14 de junho de 2018 às 14h57

      É isso mesmo Miguel. A leitura da entrevista dá uma idéia bem ampla. E o repórter faz o trabalho dele, que é jogar muitas cascas de banana pelo caminho. Num momento de respostas imediatas, qualquer um poderá incorrer em falhas insignificantes. Conheço toda a história do Ciro Gomes. Vi uma dezena de vídeos das paestras dele e creio que tem o compromisso firme dos ideais nacionalistas e do interesse nacional. Excelente debatedor. Eu creio que somente depois que esgotarem-se TODAS as fichas do LULALIVRE! e o PT sofrer novo golpe com a proibição de registro de sua candidatura, é que o cenário de apoios poderá mostrar algo diferrente da candidatura de Lula e quem ele vai apoiar. Mas o Ciro tem mesmo que, ns palavras dele mesmo, continuar tocando sua, dele o do PDT, banda.

      Responder

    Vitor

    14 de junho de 2018 às 01h44

    Ué, é pra fingir que Lula não está na cadeia?

    Responder

    Marcelo Abb

    14 de junho de 2018 às 14h36

    Muito boa a sua análise, Gerson.

    Vamos pautar os nossos votos com base no que o candidato fala ou o que deixa de falar sobre o Lula.

    Excelente alternativa! É quase uma ciência. Genial a sua ideia!!!

    Lembro que eu fazia muito isso quando tinha uns 8 anos de idade.

    Quando alguém xingava a minha mãe na escola, eu ia correndo atrás dele, batia, empurrava, brigava… Fazia complô com os amiguinhos para não escolhê-lo no futebol…

    É uma tática infalível e que funciona! É realmente a saída para o nosso país!!

    A partir de agora, meu critério para a escolha do candidato será:

    O QUE ESTE CANDIDATO FALA SOBRE O LULA?!

    GENIAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder

      Gerson S.

      14 de junho de 2018 às 15h02

      Claro que não é assim, Marcelo. Mas pequenas falhas sempre serão usadas pelos do lado de lá para minar as pontes da esquerda. O Ciro Gomes está em plena campanha, com suas palestras e denúncias do golpe em muitos ambientes da sociedade civil. E, creia, vejo a duração integral de muitas de suas palestras. Ele domina bem e convence. Posso não concordar com tudo que ele planeja, mas é a segunda opção de meu voto e de minha família toda. Primeiro é o Lula e o PT. Segundo o Ciro Gomes.

      Responder

        Marcelo Abb

        14 de junho de 2018 às 15h56

        Concordo contigo.

        O que me dá arrepios é enxergar o fogo amigo por parte da esquerda. A forma como os petistas estão tratando Ciro é, NO MÍNIMO, burrice.

        Vejo que você é um eleitor consciente, que sabe que irá votar em Ciro caso Lula seja impedido (e será!).

        O meu medo é a postura do PT. Caso eles lancem outro candidato, por exemplo, o que você e sua família farão?

        Este outro candidato, seja quem for, Haddad, Wagner, etc, é flagrantemente perdedor. As pesquisas indicam isto com clareza. Além disto, não precisa ser um gênio para perceber a doença do anti-petismo que foi disseminada pela mídia nos últimos anos. O PT corre sérios riscos de, caso lancem um candidato que não seja Lula, de chegar ao segundo turno, e corre um risco maior ainda de entregar de bandeja a eleição para a direita, no segundo turno, por conta da rejeição enorme que o partido tem.

        Para piorar, mesmo que ganhe as eleições, o PT enfrentaria seríssimas barreiras midiáticas, jurídicas e parlamentares para poder governar com um mínimo de autonomia e qualidade.

        A realidade hoje é clara: o PT não é mais um bom partido para comandar o país, pelo menos nas eleições de 2018. Talvez em 2022 o cenário mude, não sei. Mas hoje, é nítido que o PT deve se retirar dessas eleições. Se não o fizer, será por projeto de poder e birra infantil, além do pouco compromisso com o povo e com o país.

        Responder

          João Paulo

          14 de junho de 2018 às 18h17

          “Mas hoje, é nítido que o PT deve se retirar dessas eleições. ” Marcelo Abb .

          Marcelo deve estar sugerindo algum novo tipo de ditadura … do tipo em que o próprio partido abre mão de participar das eleições em benefício de adversários… tudo em prol do bem nacional…

          Aproveitemos o embalo e nos declaremos, nós petistas, culpados . Não importa do que , mas se a Justiça e os meios de comunicação tanto nos acusam é pq devemos os petistas ser todos culpados mesmo

          Responder

            Marcelo Abb

            15 de junho de 2018 às 08h29

            Ditadura?

            Companheiro, sou petista, assim como você.

            A diferença é que eu não sou cego.

            O PT não tem condições de vencer as eleições de 2018, a não ser que o candidato fosse o Lula.
            Infelizmente, o nosso querido ex-presidente NÃO SERÁ CANDIDATO. Isto é óbvio.

            Não resta dúvidas de que estamos vivendo um golpe de estado jurídico-midiático. Ora, se é um golpe jurídico, NÃO HÁ INSTRUMENTO LEGAL que tenha o mínimo de condições de ajudar o Lula. Ele pode recorrer até à Deus, que os seus recursos serão negados. Você discorda disso? Ou ainda alimenta a ilusão de que a justiça irá analisar o caso do Lula de maneira imparcial e legalista?

            Se você tem um mínimo de bom senso, perceberá que o Lula não tem a menor chance de se candidatar.

            Então eu te pergunto: E aí?

            É LULA OU NULO?

            É LULA OU NADA?

            É isso?

            O “Nulo” não resolve os nossos problemas. O “Nada” não governa.

            Nós, petistas, temos que entender que agora o inimigo é outro e muito mais perigoso. Qualquer projeto do PT de voltar ao governo será um PROJETO DE PODER, e não PROJETO DE PAÍS. Um candidato inexpressivo, como Wagner (enrolado na justiça e pouco conhecido no sul/sudeste), Haddad (denúncia de caixa 2, nada conhecido no nordeste) ou Gleisi (ré em diversos processos e pouco conhecida no norte/nordeste) não terá a menor condição de se eleger no segundo turno. Some isto à doença disseminada do anti-petismo, ao ataque midiático brutal que este candidato sofreria, aos ataques da parcela burra da classe média, aos possíveis ataques jurídicos à esta candidatura…

            Bata tudo isto no liquidificador e me diga. O PT tem chance de se eleger?

            Quais os riscos do projeto de poder do PT dar errado?

            Bolsonaro assumir? Alckmin? Marina?

            É isso mesmo que você quer?

            Por causa de uma birra infantil, de “nós contra eles”, que prioriza apenas o PARTIDO e não o PAÍS, o PT está disposto a entregar o país nas mãos da direita (ou até mesmo de um FASCISTA) com a legitimação do VOTO???????
            Tudo isto por que não pode recuar e apoiar um candidato de outro partido, com quem tenha ideias e afinidades programáticas, históricas e ideológicas?

            Acorde, meu amigo. Não é questão de se declarar culpado. A questão são os riscos dessa valentia exacerbada do PT, que pode afundar o país de vez!

            Responder

              João Paulo

              16 de junho de 2018 às 10h29

              Por tudo que você tem escrito, desde o começo de nosso diálogo, não tenho receio em cravar que você é tão petista quanto o governador Camilo , do Ceará.

              Você sabe muito pouco de Wagner, ao ponto de o considerar inexpressivo por não pontuar bem nas pesquisas, justamente por ser desconhecido nacionalmente. Algumas informações básicas sobre W : derrotou ACM e tem derrotado o neto também nas disputas estaduais, desde 2006; e ainda elege todas as vagas de senador em disputa. Criou algo que não sei se existe em outro Estado do Brasil : todo partido deve decidir se apoia o PT ou o DEM na Bahia ; portanto , o partido que apoia Rui no governo do Estado não pode apoiar ACM neto na prefeitura ( algo bastante coerente e que nunca ví ser implementado em outro Estado) . Nem vou falar que ACM neto desistíu de concorrer com Rui pois sabia da derrota certa . Daí o PT vai engatar a 4 vitoria consecutiva na Bahia , e todas logo no 1 turno ; além de eleger todos os senadores de sua coligação novamente . Você deve saber que a família ACM é dona dos grandes meios de comunicação da Bahia e mesmo assim tem levado sova atrás de sova para Wagner, a nível estadual .

              Haddad e Gleisi são também desconhecidos . Assim como Dilma era em 2010 e sabemos o resultado daquela eleição .Mas concordo em um ponto com você : escolheria alguém que não esteja vulnerável . Vulnerável não por ser culpado , mas por ter tido papel importante no poder executivo recentemente , daí ser fácil pescar um delator, associar com alguma irregularidade e culpar a pessoa desejada. Eu escolheria Paim , por exemplo , que seria nosso primeiro presidente negro e do RGS . Ou Patrus , o pai do Bolsa Família e grande prefeito de BH. Um da região Sul e o outro da Sudeste, o quê poderia diminuir a rejeição ao PT nas regiões citadas.

              Agora falemos de afinidade . Temos mais afinidade com Boulos e Manu . E também somos gratos por ambos terem estado ao lado de Lula na resistência em São Bernardo . Não sei que tipo de cálculo Ciro fez pra não estar lá , mas o resultado é que aquilo nunca será esquecido.

              Ciro pode ser o candidato do PT ? Claro que sim . Mas será uma decisão a ser tomada posteriormente. Você , como suposto petista , esqueceu algo que dificilmente um petista esqueceria : o PT tem o maior estrategista da atualidade e talvez o maior de todos os tempos ; o nome dele é Lula . Até quem não é petista sabe disso. Portanto ,há 99% de chance de a estratégia ideal já está montada em uma masmorra no PR.

              Responder

            Marcelo Abb

            15 de junho de 2018 às 08h31

            Apenas para complementar:

            DITADURA será o que você irá viver caso o PT lance um candidato perdedor, divida a esquerda e legitime a vitória da direita pelo voto!!!!!!!!!!!

            Boa sorte!

            Responder

              João Paulo

              15 de junho de 2018 às 15h39

              Você é um iluminado e também um profeta . Você consegue antever o melhor pro PT e pro Brasil de uma tacada só . Sempre gratificante discutir com gente tão modesta .

              Nós petistas agredecemos encarecidamente pelos conselhos desinteressados e ficamos até comovidos com tamanha preocupação . Mas continuaremos com Lula até que a Injustiça haja ; e só depois decidiremos nosso rumo , ouvindo nosso líder maior que é Lula .

              Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com