Debate entre presidenciáveis na RedeTV! 22 horas

Crédito: Twitter de Manuela.

O encontro de Manuela com Villa Boas, comandante do Exército

Por Miguel do Rosário

18 de julho de 2018 : 08h18

A pré-candidata pelo PCdoB, Manuela D’Ávila, escreve em suas redes que atendeu ao convite do general Villas Boas, comandante do Exército, e foi conversar com ele. Villas Boas já recebeu Bolsonaro, Haddad, Ciro Gomes e está convidando todos os candidatos.

Um dos erros – talvez um dos piores – do campo progressista foi não ter dado a atenção devida às relações políticas com as Forças Armadas. Melhoramos nossas relações com diversos países, ampliamos o diálogo com movimentos sociais, mas esquecemos que sem força não existe poder. As escolas militares foram entregues à ideologia conservadora mais entreguista e antinacional, e a prova foi a resignação com que as forças armadas reagiram à prisão do Almirante Othon, determinada pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, sem falar em todo o processo de desmonte do nosso sistema de defesa e infra-estrutura, liderado por Sergio Moro.

Uma das maiores qualidades de Leonel Brizola foi nunca ter esquecido da importância de boas relações com as forças armadas. Essas relações, construídas de maneira puramente política, porque Brizola nunca foi militar, ajudaram a derrotar o Brasil de um golpe de Estado e de um massacre, em 1961. E quando eu falo em boas relações, eu quero dizer construção de influência, um conceito que, diante do que se tornou o STF, me parece bem fácil de entender. O Poder Democrático não apenas precisa ser influente junto aos órgãos de poder, como tem obrigação de defendê-los politicamente de influências antidemocráticas externas. Por exemplo, é preciso cortar os cabos de transmissão que permitem à Globo manipular as consciências dos ministros do STF.

Segundo Jorge Ferreira, historiador da Universidade Federal Fluminense, citado na biografia de Brizola escrita por FC Leite Filho, a penetração de ideias nacionalistas e progressistas nas Forças Armadas, no início da década de 60, era enorme: “cálculos sugerem que, dos 40 mil sargentos na ativa, 22 mil eram brizolistas”. Ferreira lembra que, ao falar na tv, Brizola muitas vezes aparecia com dois fuzileiros navais, empunhando seus fuzis, um de cada lado do líder”.

É um fato histórico conhecido que, em 1961, o ministro da guerra, o marechal Odylio Denys, sob pressão do general Orlando Geisel, mandou bombardear o palácio do Piratini, onde o então governador Leonel Brizola, junto com centenas de apoiadores, entre eles muitos jornalistas, resistiam à tentativa de golpe contra a posse do vice-presidente João Goulart. A ordem foi dada para a 5ª Zona Aérea, subordinada ao ministério da Aeronáutica, que estava sob o comando do brigadeiro Aureliano Passos, “fiel à cúpula militar de Brasília” (estou usando as palavras de FC Leite Filho, biógrafo de Brizola).

Entretanto – e esse fato é tão emocionante que mereceria ser explorado em mais detalhes por outros historiadores – houve uma sublevação de sargentos, que depuseram o brigadeiro, após terem esvaziado os pneus dos aviões que lançariam suas bombas sobre a praça da Matriz e o palácio Piratini, onde causariam um massacre sem precedentes, visto que havia milhares de pessoas reunidas nesses locais.

A recente manifestação de Villas Boas, aquele famigerado twitter publicado na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula no STF, em que pediu “fim da impunidade”, foi resultado, naturalmente, de um gigantesco jogo de pressões internas das forças armadas, as quais refletem, por sua vez, as pressões da mídia e da opinião pública construída pela mídia. A resposta não é, obviamente, isolar Villas Boas, mas ao contrário, conversar com ele, dialogar, até porque quem conhece as Forças sabe que o comandante representa, ali dentro, uma consciência bem mais democrática do que a média da instituição.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Cláudio

20 de julho de 2018 às 03h13

Cadê meu comentário que postei aqui ontem (19jul18) às 3:13 da madrugada ? Sumiu, escafedeu-se… Censura, não.

Responder

    Cláudio

    20 de julho de 2018 às 03h29

    Isso não é censura, não : Apenas um evento de conexão Oi Velox podre repercutindo na grampola da parafuseta, certo? Ah, então tá…

    Responder

Nostradamus

18 de julho de 2018 às 17h03

Vejo as nossas fronteiras livres do contrabando, do tráfico de drogas, do tráfico de pessoas, do tráfico de pedras preciosas, plantas e animais, biodiversidade… tráfico de armas…
Ah!… não é no Brasil… a água da bacia está embaçada… me enganei…
Ali… ali.. ali… agora sim… helicóptero alvejando criança de uniforme…

Responder

Aliança Nacional Libertadora

18 de julho de 2018 às 16h24

Esse idoso falou em golpe recentemente não? Beija a mão de quem lhe daria o beijo da morte…

Responder

Mauricio

18 de julho de 2018 às 16h18

A esquerda não aprende. O Jucá, na conversa gravada por Sérgio Machado, disse com todas as letras ter conversado com “generais” e “comandantes” sobre o tal acordão “com supremo, com tudo”. Precisa desenhar? Parece que sim. Os militares fruto de seu processo de formação ideologizado ignoram – e até desprezam – os valores democráticos, continuam preocupados com os comunistas. E que não se iludam, os comunistas são qualquer força que se apresente como minimamente progressista. As FA devem passar por um profundo processo de transformação, coisa que o PT, que ficou 13 anos no poder, não fez. De fora para dentro e de cima para baixo, só assim irão mudar. Como são hoje, as FA brasileiras são um obstáculo ao avanço da Democracia no Brasil. Elas não fazem parte de uma solução, elas são parte do problema.

Responder

Régis

18 de julho de 2018 às 15h10

As Forças Armadas Brasileira perdeu o respeito, junto com o Brasil, internacionalmente. Para que investir no Exército num país completamente de joelhos ao Império Americano? Qual sua serventia? Qual sua função? Países soberanos têm exércitos respeitados e úteis. Proteger sua soberania e riquezas estratégicas. Aqui, o próprio exército combate os nacionalistas, tachando os de comunistas subversivos. Então pra que usar nossos impostos em uma Instituição claramente subserviente aos interesses estrangeiros?

Responder

Ultra Mario

18 de julho de 2018 às 10h35

Alguns blogs estão irresponsávelmente advogando que a Manuela estava errada em tentar o diálogo… como se tratar as forças armadas como inimigo fosse bom a qualquer nação.

Responder

Fabio

18 de julho de 2018 às 09h05

Esquerda no Brasil borra botas, esquerda de mentirinha.

Responder

    , wanderley kusma de faria

    18 de julho de 2018 às 17h02

    Se o exercito americano invadir o brasil, soldados vão enfiar o dedo no FIOFÓ, dos nossos (deles os COXINHAS), generais, e os mesmos vão dizer que é só exame de toque retal, não passam de uns BUNDÕES.

    Responder

Curiosinho

18 de julho de 2018 às 08h30

Será ? Será que é assim na Itália, na França, na Suíça, na Bélgica, nos USA, na Austrália, no Japão ?

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com