Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

foto-Uol

Com que echarpe eu vou

Por Denise Assis

22 de outubro de 2018 : 15h39

Denise Assis – jornalista –

Exma. ministra Rosa Weber,

Estranhei o fato de, em tempos em que as notícias atravessam o planeta com a rapidez de um raio, a senhora precisasse de quatro dias para se pronunciar sobre uma denúncia grave, a do derrame de notícias falsas, feita pela mídia tradicional, ( a Folha de São Paulo, na pessoa da brilhante repórter Patrícia Campos Mello).

Com o país lambido em chamas, natural seria que a senhora quisesse colocar logo água na fervura e, honrando a luta feminina, que conquistou espaços importantes como a presidência do TSE, por exemplo, quisesse chamar a si, e de forma ágil, a fiscalização das eleições. Ok. Vá lá. Digamos que a senhora passe por um momento de fragilidade e por isto lançou mão do respaldo de todas as instituições – acho que a senhora só esqueceu do Michel, mas quem se lembra dele, não é mesmo? – para compor a mesa em resposta à denúncia.

Evidente que a resposta era para a denúncia veiculada e replicada na imprensa, sobre as fake news, e não à ação impetrada pelo candidato Fernando Haddad, como o Jornal Nacional fez parecer e, na “coletiva” também não ficou muito claro. Talvez fosse interessante dirimir essas dúvidas.

Mas, no fundo eu entendo a sua necessidade de prazo. Afinal, é muito difícil escolher entre uma echarpe vistosa, – espalhafatosa mesmo – da Victor Hugo, e uma outra mais discreta e própria para a gravidade da ocasião. (E ficou patente o seu nervosismo, ao optar pela mais gritante). Outro ponto difícil de definir era se usava os óculos de armação clara, combinando com o tom de pele, ou se as escuras, que chamam a atenção para os olhos e não para as olheiras. Nisto a senhora acertou.

Contornado o ponto estético, ficaram muito cansativos aqueles intermináveis discursos ocos, cantando loas à “retidão e lisura” de um pleito que vocês têm obrigação de entregar assim: correto e limpinho. Até onde pude contar, foi uma hora e quarenta minutos de “exposição” das ações do TSE.

O melhor seria que este balanço fosse feito no dia 28 à noite, ou mesmo no dia 29, vá lá. Do seu ponto de vista foi bom, pois a senhora ganhou tempo para elaborar aquela resposta exemplar, à questão colocada em pauta pelo ainda não diplomado (convém que se diga) deputado federal Eduardo Bolsonaro, o fechamento do STF. A instituição máxima de um dos três poderes que compõem a República. E ao qual a senhora pertence, como sabemos.

Mas não naquele momento, não é mesmo? Ali, como a senhora fez bem questão de frisar, “o seu lugar de fala” – para usar uma expressão da moda – era como presidente do TSE. Então, com voz pausada e solene, a senhora declarou: “Embora não sendo presidente do STF, e sim do TSE, no Brasil as instituições estão funcionando normalmente. Juiz algum no Brasil se deixa abalar por qualquer manifestação que possa ser compreendida como inadequada”. Inadequada?…

Confesso que fiquei em estado de perplexidade diante da TV. Primeiro, porque não sendo da área jurídica, bateu aquela dúvida. Um deputado recém-eleito, ainda não diplomado, e que dê uma declaração desta (mesmo “de brincadeirinha”, como o rapaz depois explicou), com o processo eleitoral ainda em curso, pode ser diplomado no cargo? Não sofrerá nenhuma sanção, por parte do TSE? Desculpe a ignorância… E, tendo ele menosprezado o Supremo a ponto de dizer que pode fechá-lo como quem fecha a birosca da esquina, não provocou na senhora, membro do tribunal, uma ponta de indignação?

Invejei o seu autocontrole. E me lembrei que o último que “brincou” com os poderes e os rumos do país, “só para encher o saco” – a expressão vulgar não é minha, e sim, de um então senador da República, o senhor Aécio Neves – colocou este país de pernas para o ar.

Enfim, num balanço de perdas e danos, acho que perdi a minha tarde de domingo. Em vez de terminar aquela série de TV sobre os horrores do fascismo, que escolhi para ver (estou vendo para não esquecer). Dediquei o meu tempo a acompanhar o merchandising das urnas eletrônicas, o beija-mão, e a não explicação, para o respeitável público do que, afinal, está acontecendo nos bastidores da eleição.

Ao fim e ao cabo ficamos sabendo, como numa espécie de “plus”, que repousam na Polícia Federal 469 inquéritos sobre fake news, a serem apurados. Sem que ninguém especificasse quantos estão ou não ligados à eleição. Tal como em sua coletiva, a expressão “fake news” que motivou a convocação dos jornalistas ao TSE, aqui também o tema principal, que deveria ser o lead (abertura) do artigo, ficou no pé. Fiz de propósito. Para deixar patente o quanto exige paciência não entrar logo no assunto principal. Louvo a dos colegas, que foram até lá. Só não entendi o porquê dos aplausos no final. No meu tempo jornalistas só agradeciam e corriam para as suas redações para extrair das falas a sua essência. E, neste caso, eles saíram de mãos abanando.

AH! A propósito do “milagre” que a senhora espera para a solução das fake news, pena, foi em dia 15 de outubro, data da homenagem aos professores, o dia de Santa Edwirges, a que se dedica a causas impossíveis. Como ainda estamos dentro do mês, pode ser que ela lhe atenda. Peça com fé.

 

Denise Assis

Denise Assis é jornalista e autora dos livros: "Propaganda e cinema a Serviço do Golpe" e "Imaculada". É colunista do blog O Cafezinho desde 2015.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

15 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Renan Gonçalves

06 de novembro de 2018 às 04h12

Como faço para entrar em contato com a Denise Assis?

Responder

henrique de oliveira

24 de outubro de 2018 às 08h42

Lindo texto , mas só para lembrar , conheci prostitutas com muito mais caráter e coragem do que as senhoras do nosso judiciário , alias essas “doutoras” de merda não representam a mulher brasileira que são batalhadoras e corajosas.

Responder

José Paulo Silva

23 de outubro de 2018 às 22h52

Muito bem represrntas estão as jornalistas na pessoa da Denise.
Seu artigo é um primor!

Responder

José Paulo Silva

23 de outubro de 2018 às 22h47

Essa senhora é de dar pena.
O sistema de representação é falho.
As mulheres estão mal representadas na alta cúpula judiciária!

Responder

Henrique Oliveira

23 de outubro de 2018 às 11h07

Primor de matéria, texto e idéia. Parabéns à jornalista. Aí dá gosto do jornalismo, no mais…

Responder

baltazar pedrosa

22 de outubro de 2018 às 18h50

Um supremo desmoralizado por um escrivão de polícia,a que estado, nos chegamos,diante de tamanha petulância desse filhote de nazifascista,a presidente do TSE pegou o seu general de estimação a tiracolo e concedeu o um grande pronunciamento,onde não disse absolutamente nada,usou a arte de dizer, eu não sei o que fazer, não é mesmo general,pergunte ao general do temer quem sabe ele, abra o jogo e fale, que desde o golpe quem manda mesmo, são os generais,até mesmo no STF,donde quem decide lá é o general do Dias Toffoli,que penúria do meu brasil.

Responder

    CAR-POA

    22 de outubro de 2018 às 19h26

    Eles não mandam faz tempo ,até antes do golpe ,o abandono de cobertura legal no impeachment foi notório.
    Mas ,qual o tipo de pressão dos cães??? dossié vale,mas não para todos ,ameaça física ?,Teori o exemplo? não duvido.Será que ele se negou ou protestou???
    Saberemos com o passar do tempo,mas que os cães mandam,eles mandam.
    Pobre Brasil !,o mesmo filme aberrante de novo.

    Responder

Alice

22 de outubro de 2018 às 17h55

Os monstros fascistas estão batendo até na porta do çupremo tribinal federal.
Muitas milicias bolsonaristas estão causando terror no brasil inteiro.

Responder

Juscelino G. Garcia

22 de outubro de 2018 às 17h29

Já pensou se fosse alguém conhecido do PT que tivesse dito tal barbaridade? A ação dos ministros seria na velocidade da luz! E quando a Folha denunciou os envios de mensagens fraudulentas. Se fosse contra o PT, antes das 12h daquele dia a chapa já estaria cassada. Entrem em blog de evangélicos para levar o contraditório, pois muitos podem ainda abrir os olhos quanto as mentiras e violências por parte de Bolsonaro e seus seguidores.

Responder

Alan Cepile

22 de outubro de 2018 às 17h08

Victor Hugo lucrando bem…

Responder

Schell

22 de outubro de 2018 às 16h27

Assim: pelo sim, pelo não, a rosinha-echarpenta não podia simplesmente dizer: meus filhotes (da ditadura) sou sócia do negócio, então, fica como está que o bolsonauro é batuta e o general aqui ao meu lado tem força pra caramba. Além do mais, o temerista-golpista-ladrão mandou convite pra jantar na garagem do belzebu.

Responder

Ricardo

22 de outubro de 2018 às 16h18

O que a Presidente do TSE deveria ter rfeito a essa altura do pleito !? Impugnar a campanha do Bolsonaro com uma denuncia fake de uma jornalista que se declara de esquerda e cuja prova se lastreia em um whatzap da campanha do PSDB que negava pagar para reproduzir noticias falsas !?

Responder

CAR-POA

22 de outubro de 2018 às 16h06

Ela levou todo o time (só faltou ,michel o vampiro galhado e o porteito do stf) porque a moça estava borrada perna abaixo.
A imagem é uma mensagem que diz “não sou só eu têm esses outros também,..tá?”
O fardado que vigila e coordena ,tomou nota da mensagem.

Responder

CAR-POA

22 de outubro de 2018 às 16h02

O texto irónico é mais uma paulada para esse grupo inútil de funcionários públicos com salários pornográficos.
O delinquente ,filho do deliquente maior ,ofendeu eles ,não a instituição.
Chamou esses bostas pelo seu nome —-bostas inúteis—,e ele só fez aquilo porque o comportamento dessa corja togada não merece respeito nenhum.

Responder

    Serg1o Se7e

    22 de outubro de 2018 às 16h39

    …. grande texto! E inócuo.

    Responder

Deixe um comentário para José Paulo Silva