A audiência pública sobre a reforma tributária

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

Jaques Wagner: “Não vou repetir o que fizeram com Dilma”

Por Redação

17 de janeiro de 2019 : 13h37

Oposição responsável e propositiva*

Por Jaques Wagner, senador (PT-BA)

O ano iniciou sob expectativa dos rumos do Brasil com o novo governo. À população interessa a retomada do desenvolvimento da economia e a geração de empregos, além das medidas para a educação, saúde e segurança.

O que vimos nos primeiros dias é a falta de projeto, desencontros e desmentidos. Parece que alguns ministros falam como diretores do clube de bairro e não os mais altos dirigentes do País. O cenário confuso tira a atenção do principal: os planos para a economia, politicas sociais e meio ambiente.

Assumirei o mandato de senador e me questionam sobre o papel da oposição. Minha atuação será para cumprir aquilo que me comprometi na campanha: trabalhar pelo desenvolvimento e pelos empregos. Seguirei lutando para encontrar o caminho, porque se o Brasil vai mal, o povo vai mal.

Serei senador de oposição porque foi este o papel delegado pela população. Meu partido, o PT, disputou a eleição e não venceu. Mesmo em uma eleição atípica, onde Lula liderava as pesquisas e foi impedido de disputar. Mas o pleito ocorreu e seu resultado deve ser respeitado. A oposição pode ser de várias formas. Não vou repetir o que fizeram com Dilma quando perderam.

Isso é um desserviço ao País. Colhemos hoje o que os derrotados de 2014 irracionalmente fizeram, com pautas-bomba que desequilibraram a economia e com a criminalização da política.

Não acredito em oposição destrutiva. Devemos defender nosso ponto de vista de forma enfática e propositiva. E na conjuntura atual, cabe à oposição minimizar danos. Aquilo que for política do governo capaz de causar estragos, trabalharemos com racionalidade para amenizar retrocessos. Na economia, precisamos defender nosso patrimônio. Um País dessa dimensão e com tal fosso social precisa de ferramentas para alavancar o crescimento. Não podemos abrir mão das nossas empresas e riquezas.

Também temos o desafio de defender de forma contundente nossa democracia. Não podemos permitir retrocessos nas liberdades conquistadas, como de imprensa, de expressão, religiosa e de filiação partidária.

Quem ganhou tem legitimidade para estar no cargo. E a oposição tem legitimidade de ocupar espaços democráticos e exercer a política. E assim faremos, defendendo o que acreditamos e os direitos da população.

* Publicado na edição de 16/01/2019, do jornal O POVO Online.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

29 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Anonimous

20 de janeiro de 2019 às 02h21

Pessoal não se preocupem com esses comentários a favor dos bolsoNAZIS, devem ser ROBÔS da época da campanha do meliante pai (o bozo), e que foram financiados pela SHELL e ESSO, Havan etc. .
Falando sobre o Wagner, eu espero que isso seja da boca para fora.
Tem que detonar esses entreguista, eles trabalham para as Multis e para governos estrangeiros que sabemos e conhecemos muito bem (só os robozinhos é que estão por fora )

Responder

Pacheco

18 de janeiro de 2019 às 14h23

Por que o Passivo (codinome na lista da Odebrecht) resolveu dar as caras agora?:

Responder

Volmar

18 de janeiro de 2019 às 09h26

Papo furado do senador. O BRASIL está a pique e ele vem com essa conversa na pra boi dormir

Responder

Molusco Metralha

18 de janeiro de 2019 às 02h34

“Não podemos abrir mão das nossas empresas e riquezas.” leia-se: nao podemos abrir mao dos cargos pelos quais barganhamos apoio parlamentar e dos contratos milionários por meio dos quais irrigamos nossos caixa 2…

Responder

Paulo

17 de janeiro de 2019 às 19h23

Sempre a mesma conversinha. Aff! Esse é outro que deveria ser melhor investigado!

Responder

Olinto

17 de janeiro de 2019 às 18h50

Dá a impressão que a eleição transcorreu com absoluta lisura e com as “instituições funcionando normalmente”! Aaafff

Responder

    Justiceiro

    17 de janeiro de 2019 às 18h59

    E a eleição não transcorreu dentro da normalidade?
    Jaques Wagner foi eleito Senador, Rui Costa foi reeleito governador na Bahia…
    Aliás, os partidos de esquerda venceram no nordeste para governador. Somente Renan Filho em alagoas que é do MDB. Mas é fiel escudeiro de Lula.

    Mas você viu fraude na eleição..

    conte pra nós qual fraude.

    Responder

      GERALDO GALVÃO

      27 de janeiro de 2019 às 20h35

      Que tal Caixa Dois? Tá bom pra você? O TSE fez vista grossa, como os demais tribunais superiores estão todos na mão da NSA.

      Responder

Miguel Graziottin

17 de janeiro de 2019 às 16h31

Papo de consevador. Eleição fraudulenta. Oposição tem que detonar o governo. O resto é papo de coxinha

Responder

    ari

    17 de janeiro de 2019 às 17h41

    O PT está profundamente dividido. Wagner é da sua ala direita, como o é o Haddad e os governadores, exceto talvez a Fátima Bezerra. Por eles, o Lula continua preso, querem esquecer o golpe, como disse Humberto Costa, e formarão a tal frente democrática para discursos, entrevistas e notinhas. Repare que nas palavras dele, não existe povo, ao contrário da mensagem de ontem (ou hoje?) do Lula para o Boulos no sentido de que precisamos organizar o povo para a Luta. Ou ainda alguém acredita que vivemos um estado de direito? Se acredita, olhe para as últimas atitudes do Toffoli em relação do Lula, à Petrobrás e do Fux hoje mandando suspender as investigações sobre o laranjal da família Bolsonaro

    Responder

      Justiceiro

      17 de janeiro de 2019 às 19h02

      É meu caro…rei posto, rei morto. Ou rei preso, rei esquecido.

      Então é Boulos que vai organizar o povo nas ruas?

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKk

      quando vai ser??

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Responder

      Alan Cepile

      17 de janeiro de 2019 às 19h23

      Esquece Lula, ele aceitou o rito, quis se defender pras hienas, logo, aceitou ser julgado com toda a “ajuda” dos traidores do partido.
      De lá ele não sai tão cedo, se sair.

      Responder

    Renato r

    17 de janeiro de 2019 às 22h08

    Ainda esse mimimi de eleições fraudadas ?

    Responder

Valmo

17 de janeiro de 2019 às 16h14

Todos tem uma opinião, achar a certa para agradar a todos
NemJesus Cristo conseguiu

Responder

Alan Cepile

17 de janeiro de 2019 às 16h10

“o pleito ocorreu e seu resultado deve ser respeitado”, ah se é o Cirão a dizer isso.. rsrsrs

E o senhor não vai fazer como fizeram com a Dilma simplesmente pq o PT não tem quórum pra isso, pq senão estavam pedindo um impeachment por dia como faziam no passado.

Jogar pra torcida só cola se for com a torcida do PT, senador…

Responder

Guimarães Roberto

17 de janeiro de 2019 às 14h56

Que me desculpe o senador, mas deveriam começar uma articulação para a derrubada o governo. Pautas bombas, rejeitar qualquer reforma e obstruir as votações para provocar pânico já seria um bom começo. Estivesse o PT no governo, seria esse o receituário. Deveríamos pagar com a mesma moeda.

Responder

    Cláudio

    17 de janeiro de 2019 às 15h34

    Amigo tu és um imbecil, perdedor nato, ser oposição é necessário em uma democracia, mas uma oposição realista , que defenda os direitos do povo e que se vote contra tudo o que for ruim para o povo, e não ser oposição somente para ser contra tudo o que vir do governo, independente se for bom ou ruim, cresça otario

    Responder

      Marola

      17 de janeiro de 2019 às 20h31

      Por mais otimista que se queira ser, acho difícil vir alguma coisa boa desse governo de nulidades.

      Responder

      Guimarães Roberto

      18 de janeiro de 2019 às 12h46

      Cláudio, se o governo fosse democrata valeria uma oposição séria, mas como não é, o ideal é o boicote. Se optarem por praticar oposição democrática provavelmente ela será atropelada. Parece que você ainda não sabe quem assumiu o poder.

      Responder

    Justiceiro

    17 de janeiro de 2019 às 16h52

    O PT esteve no governo por 13 anos, já esqueceu? E me diga: quais foram os atropelos que Lula enfrentou nos dois mandatos? O PSDB era uma oposição anêmica e só que ainda fazia algum ruido era o DEM.

    Dilma, no primeiro mandato também teve vida boa da oposição, só no segundo é que sofreu ataques, pois se não sofresse o impixi teria destruído por completo o Brasil

    o que você quer pagar na mesma moeda?

    Responder

      Guimarães Roberto

      17 de janeiro de 2019 às 18h34

      Justiceiro, o Lula não enfrentou atropelos porque foram governos direcionados para o bem do país e seu povo. Mesmo assim, a oposição encomendou um golpe para retirar o PT do poder. Levaram alguns anos preparando e colocaram em prática durante o governo Dilma. Para os golpistas deu certo, mas para a população, desde a entrada do MiShell, não foi nada bom. E, o pior, tudo indica que vai piorar.

      Responder

        Renato

        17 de janeiro de 2019 às 18h52

        Criaturinha inocente, Lula não enfrentou atropelos porque comprou parte do Congresso. Ou você, criaturinha ingênua e inocente , não acredita nos saques aos cofres públicos praticados pelo Petê e aliados ?

        Responder

          Guimarães Roberto

          18 de janeiro de 2019 às 12h48

          Renato, se você acredita nisso, você, por certo, acreditou no Mentirão. Provavelmente você acredita em qualquer coisa.

        Justiceiro

        17 de janeiro de 2019 às 19h07

        Não seja ingrato. Mishell consertou as cacas da Dilmona.

        O vampirão pegou o país com inflação de 10,7% e deixou com 3,5%. O marido da linda Marcela recebeu uma país com crescimento negativo de 3%; deixou com crescimento de 1% positivo.

        Se não fosse as encrencas que Mishell se meteu com o açougueiro, deveria ser considerado um ótimo governo.

        Responder

        Luiz Carlos

        18 de janeiro de 2019 às 09h58

        caro petista o Jaques e todo seu partido tá mais perdido que kkkkk aceita que doi menos ter uma presidenta como Gleise um ex presidente na cadeia por tudo o que vc pensar de ruim ele fez pra saquear nosso Brasil tudo tipo de gasto com ONGs auxílio ditadura auxílio não sei das quantas foi dado e para o povo que trabalha o Pt seu partido esqueceu de ajudar lei Rouanet auxilio pra presos o filho do lula sai do zoológico e vira bilionário da noite pro dia ajuda do bnds a países Cuba Venezuela dinheiro que nunca mais vamos ver lula o maior ladrão da história do país sócio da jbs sócio da oi da Odebrecht dono de várias fazendas e vc protendo um partido mergulhado em coisas que destruíram nosso país….vê se acorda …..agora vem criticar um governo que mau começou….vai demorar bastante pra por a casa em ordem das cagadas que vcs fizeram …deixa o homem trabalhar …vai acabar a farra do dinheiro fácil…agora os vagabundos vão ter que trabalhar…

        Responder

Renato

17 de janeiro de 2019 às 14h02

“Aquilo que for política do governo capaz de causar estragos, trabalharemos com racionalidade para amenizar retrocessos. “. Por que o Sr. Jaques Wagner não trabalhou com racionalidade quando Lula e Dilma adotaram políticas que causaram os estragos que aí estão ?

Responder

Renato

17 de janeiro de 2019 às 13h54

“Não vou repetir o que fizeram com Dilma quando perderam.” . Jaques Wagner , você não tem condições de fazer com Bolsonaro o que fizeram com Dilma, pois Bolsonaro não é Dilma . Dilma era um poste plantado por Lula e que devia sua eleição, única e exclusivamente, aos votos de Lula . Bolsonaro ganhou as eleições por méritos próprios e com os próprios votos. Há uma enorme diferença entre Dilma, o poste, e Bolsonaro.

Responder

    Walter Monteiro

    17 de janeiro de 2019 às 18h25

    É verdade, Dilma era um poste, o bolzo e um bosta

    Responder

      Renato

      17 de janeiro de 2019 às 18h47

      É uma bosta , mas uma bosta com votos próprios. Já Dilma não merece nem ser chamada de bosta; seria uma ofensa às bostas , que são úteis e ao menos servem para adubo, coisa que nem para isso Dilma serve !

      Responder

Deixe uma resposta