CPI da Fake News ouve Rogério Marinho

Patacoada militar

Por Pedro Breier

25 de fevereiro de 2019 : 11h45

É seguro afirmar, por sua maciça votação final e por inúmeras declarações de voto, que Bolsonaro foi o escolhido de muitas pessoas cujas categorias profissionais eram frontalmente atacadas no discurso do então candidato. Dois exemplos: professores, ameaçados em sua liberdade de cátedra por conta de uma suposta – e delirante – doutrinação marxista nas escolas, e servidores públicos, atingidos em cheio pela linha econômica de Paulo Guedes, a qual tem como princípio basilar uma drástica redução do tamanho do Estado.

A que se deve este estranho fenômeno?

Uma boa pista está em uma palavra muito em voga: ideologia, aqui considerada como um conjunto de ideias, pensamentos, doutrinas ou visões de mundo de um indivíduo ou grupo.

Se o ego pode ser definido como a concepção que o indivíduo faz de si mesmo e de sua própria personalidade, a ideologia parece reproduzir o mesmo mecanismo no âmbito coletivo. Acaba tornando-se, assim, uma espécie de identidade coletiva.

Por conta de sua própria natureza, o ego apresenta um notável efeito colateral: uma dificuldade exacerbada de admitir estar errado. Seu impulso é o de sempre tentar sustentar a ideia que faz de si mesmo.

Se a ideologia emula o mecanismo básico de funcionamento do ego, reproduz também seu efeito colateral. Eis uma boa explicação para o tanto de pessoas com posições e opiniões políticas flagrantemente contrárias aos próprios interesses: o ego coletivo, digamos assim, tenta a todo custo manter sua identidade de grupo.

Estas reflexões me vieram à mente após a leitura de alguns comentários em notícias sobre as movimentações militares que rondam a Venezuela. Muito embora aparentemente estejam diminuindo, não são poucas as manifestações de brasileiros favoráveis à linha intervencionista que Donald Trump está claramente disposto a adotar.

Linha que vem contando, aliás, com o auxílio bovino de Bolsonaro. O presidente vem fazendo exatamente o oposto de sua estapafúrdia promessa de “acabar com o viés ideológico” nas ações do governo – como se isso fosse possível. O que mudou é que agora a ideologia passa por cima de qualquer razoabilidade nas tomadas de decisões.

Bolsonaro resolveu meter o bedelho no conflito que se desenha, a despeito do alerta dos militares e até do Rodrigo Maia de que a empreitada de mandar “ajuda humanitária” serviria apenas como forma de elevar os conflitos na fronteira e, assim, fornecer justificativas para uma invasão dos EUA. Se os militares não bancarem uma posição sensata, corremos o risco de entrarmos em uma bela furada.

Ainda mais quando são evidentes as motivações imperialistas dos Estados Unidos, que reconheceram de imediato um curioso “presidente autodeclarado” que agora sugere não descartar um pedido de intervenção militar estrangeira para depor Maduro. E a Venezuela é rica em petróleo… Já vimos esse filme, não? O roteiro está ficando manjado.

Diante dos fatos, basta um pouco de lógica – acompanhada de uma singela pitada de bom senso – para perceber que apoiar uma guerra em um país vizinho é insanidade. Ser consorte dos EUA no plano de, se necessário, transformar a América Latina em um novo Oriente Médio é positivamente estúpido.

A não ser para quem é controlado pela própria ideologia. Nesses casos, Trump é o capitalista de sucesso, Maduro é o ditador esquerdista. Trump só pode estar certo e Maduro, como sempre, errado. Guerra à Venezuela, portanto.

Se acontecer de nos metermos em uma impensável guerra, que os militares tenham o bom senso de instituir um filtro ideológico nas convocações. Algo como “Só é obrigado a se apresentar quem foi favorável a esta patacoada”.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

25 de fevereiro de 2019 às 19h22

Não haverá guerra. O Brasil tem enfatizado ser contrário a uma intervenção militar. Quem tem que acordar e ficar ao lado do povo venezuelano são os militares, aliciados com benesses pelo ditador…

Responder

    Octavio

    25 de fevereiro de 2019 às 23h03

    Como é que vc sabe que não haverá guerra? Vc acha que todo mundo é vira-lata? Que o militar venezuelano não defenderia a sua própria pátria? Se vc não entendeu ainda que tudo o que os EUA menos deseja é democracia, então será difícil te explicar o que está acontecendo!!

    Responder

      Paulo

      25 de fevereiro de 2019 às 23h14

      Realmente, será difícil…

      Responder

Marcos Tavares.

25 de fevereiro de 2019 às 18h41

Talvez o Bolsonaro não acabe com a corrupção tão frequente na era “molusco”, é certo que a terra não é plana e sim o nazismo nasceu na esquerda e sim vc é um esquerdopata idiota!!!

Responder

Zé Maconha

25 de fevereiro de 2019 às 12h35

Todo mundo sabe que só haverá guerra se os EUA quiserem e a Russia deixar.
Duvido muito dos dois.
Os milicos derrubariam Bolsonaro antes que ele cometesse tal insanidade.
Bolsonaro já não tem poder de fato e só ele seria burro o bastante para invadir um país com enorme superioridade militar.

Responder

Geraldo

25 de fevereiro de 2019 às 12h28

Patacoada é achar que vai ter guerra contra a Venezuela. Pode se preparar, até fim de março, este projeto de ditador vai ser enxotado pelo povo com apoio dos militares. Não vai ser necessário uma bala para colocar este bandido para correr com o rabo entre as pernas.

Responder

    Zé Maconha

    25 de fevereiro de 2019 às 12h45

    Claro vai acontecer extamente isso.
    E o Bolsonaro vai acabar com a corrupção , a Terra é plana , o Nazismo é de esquerda e você é uma pessoa muito inteligente.

    Responder

      geraldo

      25 de fevereiro de 2019 às 13h02

      Perfeito!!! Até que enfim vc acertou uma. Pra quem só posta sandices e baboseiras, desta vez vc se superou. Só faço uma correção, a terra não é plana viu militonto…

      Responder

      Aliança Nacional Libertadora

      25 de fevereiro de 2019 às 13h33

      KKKKKK esse eh o cafezinho desde o golpe……

      Responder

Roque

25 de fevereiro de 2019 às 12h14

Enquanto o maduro continuar a fazer maldades contra o povo venezuelano e prendendo opositores, tudo que for feito para tirar este ditador safado, terá apoio da maioria do mundo. Só mesmo os esquerdopatas pixulequentos ainda insistem em apoiar este bandido covarde. Ver o povo venezuelano passar fome e sofrer com a falta de remédios, nós mostra que estamos do lado certo.

Responder

    cabra retado

    26 de fevereiro de 2019 às 18h36

    mas o povão brazuca já passa fome e falta remédio seu zé ruela kkkkk

    Responder

    Dimas

    27 de fevereiro de 2019 às 17h09

    Parabens pela sua coragem. É preciso muita coragem para dizer tais sandices publicamente. E isso depois de sabermos o que houve no Iraque, na Siria, na Libia etc, etc, etc.

    Responder

Deixe uma resposta para geraldo