História: Brizola na Unicamp em 1987

Salvini e Araújo. Foto: Twitter de Ernesto Araújo

Araújo diz que Brasil “acordou” e está pronto para “luta decisiva”

Por Redação

13 de maio de 2019 : 09h15

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, logo após voltar de uma viagem aos Estados Unidos, onde foi articular a fracassada tentativa de golpe de Estado na Venezuela, iniciou outro périplo internacional.

Mais uma vez, o ministro não está preocupado com viagens e ações que possam ajudar a reerguer a combalida economia brasileira. Seus objetivos são puramente ideológicos.

Araújo deixa isso claro através da escolha das lideranças que irá visitar: o ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, o presidente húngaro Victor Orbán, e os chefes de governo da Polônia.

No twitter, Araújo fez comentários bastante estranhos sobre seu encontro com Salvini:

O governo italiano, parlamentarista, é fruto de um acordo entre o “movimento cinco stelle”, que tem algumas posições de esquerda, e a Lega Norte, de extrema-direita.

O primeiro ministro da Itália é Giuseppe Conte, sem partido.

Salvini, com quem Araújo se encontrou, é vice-primeiro ministro e, repetindo, ministro do Interior.

Ou seja, foi um encontro de fundo puramente ideológico.

E tem ainda alguns fatos curiosos. Salvini, classificado como “extrema-direita” é extremamente crítico à União Europeia e a favor de maior protecionismo econômico para a Itália. Ou seja, é contrário ao neoliberalismo da economia de Bolsonaro.

O twitter de Araújo cita um trecho do hino italiano de 1946: “a Itália acordou, colocou o elmo de Cipião”. O ministro ainda acrescenta a informação histórica de que Cipião teria sido o “vencedor de Cartago”.

Em seguida, Araújo diz que o Brasil também acordou, também cingiu o elmo e “estamos prontos para a luta decisiva”.

A maneira de pensar de Araújo é intrigante. A que luta decisiva se refere Araújo? Se for pela luta pelo desenvolvimento econômico, seus encontros não deveriam se pautar por fatores econômicos? É uma luta puramente ideológica, num país com 13 milhões de desempregados, e sem nenhuma medida que vise gerar postos de trabalho?

Araújo tem uma agenda extremamente ideológica na cabeça, mas, à diferença de seus “companheiros” de extrema-direita europeus, que ao menos tem o compromisso de proteger e desenvolver suas indústrias domésticas, isso não parece ser uma preocupação para o nosso chanceler.

Algumas informações sobre os governos da Hungria e Polônia, colhidas de uma reportagem no Estadão:

(…) Defensor do que chama de “democracia não liberal”, o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, conseguiu em abril do ano passado sua terceira vitória consecutiva nas urnas, unindo nacionalistas e ultraconservadores. Sua vitória consolidou o país como líder na aliança regional anti-Europa.
(…)

O primeiro-ministro húngaro, que se apresenta como o grande defensor e o salvador dos valores cristãos tradicionais, continua sendo um modelo para seus vizinhos. Ele foi o pioneiro nas reformas das instituições para manutenção do seu partido no poder, como o sistema eleitoral, a Constituição e o sistema de Justiça. Também foi um dos primeiros a rejeitar a política migratória. A vitória do Fidesz também reforça o chamado Grupo de Visegrad (V4), formado por Polônia, Hungria e Eslováquia, além da República Checa, países que defendem este modelo “não liberal”.

Desde sua chegada ao poder, em 2010, Orban promoveu uma uma série de reformas para consolidar seu poder, valendo-se da supremacia que tinha no Congresso. Modificações que modelaram o Estado húngaro para transformá-lo numa nação que promove a primazia dos valores cristãos e o nacionalismo.

As principais reformas foram no sistema eleitoral, que facilitaram as vitórias do Fidesz, e no Judiciário. Sua reforma da Justiça viveu seu último capítulo no ano passado, com a aposentadoria forçada de 30 juízes do Supremo que pavimentaram o caminho para indicações de Orbán. Dentro de seu novo esquema social, o Governo limitou os subsídios a organizações de direitos civis e eliminou do currículo escolar qualquer menção à educação sexual, além de retirar o financiamento para tratamentos de reprodução assistida.

(…)

O Governo do partido Lei e Justiça (PiS) empreendeu na Polônia uma profunda guinada à direita. O partido ultraconservador chegou ao poder em dezembro de 2015, o ano da crise migratória. Seu programa combinava ataques às elites sociais e políticas − de Varsóvia e da União Europeia − e mensagens contra a imigração. Os nacionalistas obtiveram maioria absoluta. Depois de quase cinco anos sob a batuta do nacionalista PiS, a sexta economia da UE deu um considerável giro para um autoritarismo disfarçado de democracia.

O PiS promoveu uma série de medidas para controlar o Judiciário, atacando a Corte Constitucional pela cooptação ou pela nomeação legalmente contestável de juízes, e o Ministério da Justiça polonês tentou fazer o mesmo com relação aos juízes de direito comum. O sistema educacional é aparelhado, de maneira a veicular um ensino patriótico, de exaltação à identidade nacional.

Os serviços de informação, sob o controle do partido, gozam de um poder crescente, e, prescindindo de censura formal, o Executivo tenta a todo custo controlar os jornalistas, expostos a uma rotina de intimidações. O partido Lei e Justiça (PiS) continuará a implementar políticas nacionalistas controversas pelo menos até a eleição parlamentar de 2019 – onde ainda é favorito para ganhar. Seu fracasso em lidar com questões de estado de direito pode levar a UE a tentar impor sanções à Polônia.

O Banco Mundial estima um crescimento do PIB de 5,1% em 2019, impulsionado pelo crescimento do consumo privado e pela recuperação do investimento.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alan C

13 de maio de 2019 às 12h44

Ernesto Araújo, coitado, dá pena.

Responder

    Paulo

    13 de maio de 2019 às 20h05

    Leia a entrevista dele à Revista Piauí! Talvez mude de ideia. Eu confesso que me surpreendeu positivamente…

    Responder

Sergio Araujo

13 de maio de 2019 às 12h08

Nào sei quem escreveu esse texto…mas extrema-direita è outra coisa na Italia e na Europa em geràl (sào alguns grupos de 2 ou 3 pequenos partidos nostalgicos do fascismo que juntos nào chegam nem a 3% de votos e nem estào no parlamento).

Responder

Sergio Araujo

13 de maio de 2019 às 11h32

Esse coitado tenta pedir ajuda de alguem mas o Brasile nào interessa a ninguem e nào vejo motivos pelos quais deveria.

O pai da minha sobrinha è o dono de uma multinacional europea do setor de produtos quimicos para tratamento de pisos de madeira, deck, ecc…

Esteve no Brasil em 2018 para uma feira do setor pois tinha o interesse de abrir uma filial (trabalham em 40 Paises do Mundo…), eu o acompanhei para ajudas com a as tradujçoes, logistica, ecc…

Apòs varios incontros e reunioes desistiu da idèia devido aos altissimos impostos para importaçào dos produtos (que podem passar tranquilamente de 100% do valor do produto + frète), custos de transportes, altos investimentos iniciais, ecc…

A industria brasileira (que nem existe) està mais que protegida….ninguem quer saber do Brasil, podem dormir sossegados.

Responder

Paulo

13 de maio de 2019 às 10h06

Conservadorismo nos costumes seria a recuperação moral do Brasil, contra ideologia de gênero, apologia de movimentos gays e relatividade moral. Mas não me afino com o neoliberalismo econômico, muito menos com o privatismo desenfreado e sem critério seletivo. Um país em crescimento precisa de suas estatais, pelo menos as mais importantes, economicamente. Esse desserviço prestado pelos governos petistas, em relação, especialmente, à Petrobrás (loteamento de cargos e uso político da empresa), poderia ser neutralizado com gestões probas e competentes. Taí uma coisa contraditória neste Governo: Se dizem promover o fim do “toma-lá-dá-cá” petista (e de outros Governos, também, ainda que em escala menos promíscua), por que utilizam o argumento da corrupção e uso político das estatais como pretexto para privatizá-las?

Responder

Deixe uma resposta

x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com