A audiência pública sobre a reforma tributária

A queda no número de homicídios no país

Por Redação

14 de maio de 2019 : 05h26

O “Monitor da Violência“, um projeto em parceria com o G1, registra que houve queda de 24% no número de homicídios cometidos no país no primeiro trimestre, na comparação com o mesmo período de 2018.

Ao todo, foram registrados 10.324 mortes violentas em Jan/Mar 2019, contra 13.552 no ano anterior.

A única reação séria, por parte de autoridades, especialistas e imprensa, diante desse número é um questionamento sobre a sua qualidade e transparência.

Recentemente, fizemos entrevista com a professora Jacqueline Muniz, especialista em Segurança Pública da UFF, em que ela faz justamente essa observação: qual a qualidade dos registros policiais que embasam essas informações?

Quais os tipos de homicídios que caíram?  Qual a confiabilidade de cada um deles?

Só é possível qualificar o tipo de homicídio após um mínimo de investigação, e se a investigação no Brasil é tão deficiente, então os números relacionados serão também pouco confiáveis.

Só será possível saber se a queda ou aumento no número de homicídios está relacionado a alguma causa específica, a alguma política pública de segurança, ou mesmo a alguma dinâmica do próprio crime organizado, se a “caixa preta” das delegacias forem abertas, e a sociedade puder olhar para os crimes mais de perto.

Além do mais, há um outro fator ainda mais cruel: há um limite natural no número de mortos, porque chega um momento em que não há mais quem matar, nem mais quem mate, porque o ato de matar também implica um custo pesado para o homicida. Se a quantidade de homicídios em determinada região se eleva muito durante alguns anos, isso implicará em “esgotamento” da “matéria-prima” (vítimas em potencial) nos anos seguintes, até que o “estoque” se renove.

O presidente Jair Bolsonaro, irresponsável como ele é, saiu logo festejando os números, atacando a imprensa e a todos, sem fazer uma mísera sinalização de que o governo se empenhará em dar mais transparência aos dados. Até porque os números do G1 tem um vício grave: são do… G1. Um dado dessa natureza deveria ser apurado e divulgado exclusivamente pelo Estado, que é o único ente que, afinal, detêm os números primários.

Tanto o presidente como seu ministro da Segurança Pública, Sergio Moro, vem aprovando medidas que facilitar o acesso a armas de fogo à população, ou seja, medidas que implicarão em aumento no número de armas e tiros registrados no país, o que não é, obviamente, uma sinalização positiva para quem deseja reduzir o número de vítimas com armas de fogo.

 

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

14 de maio de 2019 às 18h42

A Rede Globo é mesmo difícil de entender: repercutem queda de homicídios (não sei com que intenção, ainda que os dados sejam verdadeiros), mas insistem diuturnamente numa suposta “eclosão brutal do ‘feminicídio’ ” (mesmo que os nºs sejam, em massa, inexpressivos). Meu filho falou até em possível “efeito imitação”. Eu não descartaria…

Responder

J Fernando

14 de maio de 2019 às 12h13

“Até porque os números do G1 tem um vício grave: são do… G1. Um dado dessa natureza deveria ser apurado e divulgado exclusivamente pelo Estado, que é o único ente que, afinal, detêm os números primários.”

E eu, crente que os dados eram oficiais. Obrigado pelo esclarecimento.
Meu argumento quando estiver debatendo com outras pessoas a respeito deste assunto:
– Não são dados oficiais. É um projeto da globo, com o levantamento de homicídios feito por repórteres globais.

Responder

Alan C

14 de maio de 2019 às 10h11

E cadê a novidade? No Tucanistão paulista essa taxa “cai” a pelo menos duas décadas.

Não preciso dizer mais nada, né?

Responder

    lucio

    14 de maio de 2019 às 12h17

    3 decadas, e no rio tambem. depois nestas cidades votaram bolsoneuro porqué “ta amentando a violentttia”… pense o quanto estes do sudest sao mais inteligentes que aqueles do nordest, que consideram seres inferiores, kkkk

    Responder

Sergio Araujo

14 de maio de 2019 às 09h43

De novo essa cretina patètica que nào sabe do que fala…?

Responder

lucio

14 de maio de 2019 às 06h54

durante o governo dilma “alguem” mandou bagunçar o pais:
– ordens para as facçoes de aumentar a produçao de homicidios
– greves a todo vapor
para deslocar o eleitorado á direita.
explicam-me porqué com temer, apesar da “reforma trabalhista”, as greves pararam!
teve até greves de policia com verdadeiros atos de terrorismo, tipo assassinatos em massa de moradores de rua…

Responder

Deixe uma resposta para lucio