A entrevista de Haddad à Globonews

Justiça quebra sigilo de Flavio Bolsonaro e Queiroz

Por Redação

14 de maio de 2019 : 05h43

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro acatou pedido do Ministério Público do Estado e determinou a quebra dos sigilos bancários do senador Flavio Bolsonaro, filho do presidente da república, e de seu ex-assessor, Fabrício Queiroz. Os parentes mais próximos de Queiroz, e 88 ex-funcionários do gabinete de Bolsonaro e parentes ligados a cada um, também tiveram seu sigilo quebrado.

Entre esses assessores há vários ligados a grupos de milícia, como
Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, irmã e mãe do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, tido pelo Ministério Público do Rio como o homem-forte do Escritório do Crime, organização de milicianos suspeita de envolvimento no assassinato de Marielle Franco.

Magistrados e políticos ouvidos pela imprensa hoje dizem que o potencial para Flavio Bolsonaro é “devastador”.

No portal do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), há uma nota bastante dura de protesto contra acusações levianas feitas pelo senador contra a instituição, que reproduzimos abaixo.

MPRJ repudia acusações relativas ao caso COAF
Publicado em 13/05/2019 16:41 – Atualizado em 13/05/2019 16:55

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) repudia com veemência as declarações de Flavio Bolsonaro, proferidas em entrevista divulgada pelos meios de comunicação social, no dia 12/05/2019. O MPRJ reafirma que sua atuação é isenta e apartidária, pautada nas normas e princípios constitucionais, nos tratados internacionais de regência, na legislação vigente, nas resoluções e recomendações do Conselho Nacional do Ministério Público e na jurisprudência dos tribunais superiores.

A infundada representação em face do Procurador-Geral de Justiça, imputando a divulgação de informações sigilosas, foi sumariamente arquivada pela Corregedoria Nacional do Ministério Público.

O relatório de inteligência financeira encaminhado pelo COAF, em janeiro de 2018, contendo diversas movimentações atípicas envolvendo assessores de parlamentares da ALERJ, foi mantido em absoluto sigilo no âmbito do MPRJ, sendo prova maior de sua neutralidade política a sua não malversação junto aos meios de comunicação como forma de interferir no processo eleitoral que teve curso no mês de outubro último. As investigações sigilosas somente ganharam notoriedade após a deflagração da Operação “Furna da Onça”, pelo Ministério Público Federal, em novembro de 2018, com a consequente juntada do relatório do COAF aos autos da respectiva ação penal.

O Senador Flavio Bolsonaro tem direcionado seus esforços para invocar o foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal ou mesmo tentar interromper as investigações, como o fez junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, fato amplamente noticiado nos meios de comunicação. O referido parlamentar não adota postura similar à de outros parlamentares, prestando esclarecimentos formais sobre os fatos que lhe tocam e, se for o caso, fulminando qualquer suspeita contra si. O Senador é presença constante na imprensa, mas jamais esteve no MPRJ, apesar de convidado.

As diligências permanecem em sigilo, sendo que o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro seguirá altivo e determinado no cumprimento de sua missão constitucional, tendo por objetivo esgotar todos os recursos investigativos disponíveis para o esclarecimento dos fatos, independente de quem seja o investigado.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sergio Araujo

14 de maio de 2019 às 18h55

88 ex-funcionarios pagos com meus dinheiro para fazer merda nenhuma ou para fazer merda quando fazem alguma coisa.

Nào tà na hora de dar uma cortada ao numero de deputados e senadores inuteis e cortar ainda mais esses assesores mais inuteis ainda…?

Responder

    Paulo

    14 de maio de 2019 às 19h55

    Passou da hora. Os EUA tem um Congresso mais enxuto que o nosso, e, certamente, com menos mordomias. E tenho a impressão de que isso vale também para as câmaras locais e estaduais…

    Responder

Paulo

14 de maio de 2019 às 18h45

O Bolsonarinho vai no mesmo caminho de vitimização de Lula, e ataca as instituições, em vez de explicar os fatos…

Responder

    Sergio Araujo

    14 de maio de 2019 às 18h56

    Os 3 ou 4 sào um mais cretino que o outro.

    Responder

Deixe uma resposta

x