História: Brizola na Unicamp em 1987

Maia: reforma da previdência não garante crescimento

Por Redação

14 de maio de 2019 : 21h42

Maia: só reforma da Previdência não garante crescimento econômico necessário

Em palestra a investidores, o presidente da Câmara defendeu reestruturação do Estado e investimentos públicos para evitar retrocesso social

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, defendeu a reestruturação do Estado e a retomada dos investimentos públicos como complementos da reforma da Previdência para impedir que o Brasil sofra retrocessos sociais.

Durante palestra a investidores em Nova York, Rodrigo Maia afirmou que a reforma sozinha não será suficiente para promover o crescimento econômico e a geração de empregos necessários ao País. “A Previdência é uma agenda que organiza o nosso passado, para termos tranquilidade para construir o futuro, mas o Brasil tem outros problemas muito sérios que a gente até agora não foi capaz de organizar”, declarou.

“A gente vai ter que pensar uma solução para, de alguma forma, depois da reforma da Previdência, ter capacidade de ampliar gastos no Brasil. Não tem muita saída, porque vivemos 5 anos em uma recessão”, acrescentou.

Para evitar que o Brasil entre “em um colapso social muito rápido”, Rodrigo Maia cobrou a interação entre os governos federal, estaduais e municipais. “A PEC do Teto veio com o objetivo de ser a primeira de algumas reformas com [a votação da] reforma da Previdência em 2017. Como a Previdência não veio em 2017, o que veio foi a queda da inflação, por causa da recessão, estamos em uma situação um pouco difícil”, disse.

“Nós voltamos a fazer campanha contra a fome no final do ano passado, ninguém deu bola para isso, mas o Brasil tinha saído dessa agenda há alguns anos”, declarou o presidente. “A gente está com o risco de voltar, segundo um organismo da ONU, a participar de ambientes que o nosso país havia saído”, acrescentou.

Para ele, um importante passo para garantir avanços é superar a polarização política, que dificulta a deliberação de propostas e poderia ser amenizada no Legislativo. “Isso significa que, além desse ambiente mais radical, nós temos uma sociedade que está mais sofrida e está precisando que a gente consiga acelerar um pouquinho o ambiente de diálogo para que as soluções apareçam no Parlamento e no governo brasileiros”.

Publicado na Agência Câmara Notícias

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

17 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

LUPE

15 de maio de 2019 às 13h38

Caros leitores

Nesta eu concordo com ele.

E tem mais.

Ouso dizer
(e me corrijam os que são mais letrados na Macro)
que esta “Reforma ”
vai levar o Brasil
à falência.

Seguinte:

Uma estimativa pessimista
é de que mais de 40.000.000.000 (quarenta Bilhões de reais )

serão encaminhados aos bancos pelos trabalhadores.

A cada mês, TODOS os meses.

Os bancos precisam fazer render esta dinheirama toda,
para poder entregar ao trabalhador ,

aos 65 (sessenta e cinco) anos de vida.

Para que este possa sobreviver até à morte.

Quarenta bilhões por mês
é muita grana.

Será que os bancos vão ter condições
de aplicá-lo e fazer render,
para pelo menos não deixar a inflação corroê-lo??

Acho que não.
E nesse caso ,
os bancos depositarão no Banco Central
o dinheiro que não conseguirão aplicar, fazer render.

O Banco Central vai ter condições de remunerar com juros os bancos
por esse dinheiro nele depositado.?????

Será que o Banco Central terá dinheiro
para remunerar os bancos/banqueiros?

Não é preciso ser economista para ver
que é quase certo que não………………

Em suma >>>>>>>>>>

Vislumbra-se um calote para os trabalhadores,
que deverão receber uma banana ,
no final de suas vidas.

E suicídio econômico para o Brasil,
pois o Banco Central/governo
vai tirar dinheiro de tudo quanto é canto
para remunerar os bancos/banqueiros,

e…………………….. parar a economia……….

Depois essa direita vai dizer >>>>>>> A culpa é das esquerdas, a culpa é do PT ! ! !

Beleza……………..

Responder

    LUPE

    15 de maio de 2019 às 13h41

    Ficamos combinados assim >>>>>>>>>>

    “Reforma/Destruição/Calote da Previdência”

    Responder

    Paulo

    15 de maio de 2019 às 19h00

    Lúmpen, com exceção do último parágrafo assino embaixo…e digo mais, os supostos fundos de trabalhadores, propostos pelo PDT, alternativamente (ou conjuntamente) aos bancos públicos, para gerir esses recursos da capitalização, provavelmente não saberão fazê-lo e tenderão a fazer investimentos e aplicações suspeitos e dilapidar esses recursos. Já os bancos privados irão acumular as contribuições, durante os 1ºs anos, e, quando chegar a massa dos beneficiários, crescendo ano a ano, para resgatar seus parcos benefícios, vão dar calote e jogar nas costas do Governo, ou seja, nas nossas costas. Já vimos esse filme e sabemos como acaba. #NÃO À CAPITALIZAÇÃO!

    Responder

      LUPE

      15 de maio de 2019 às 19h31

      Ou seja

      A DIREITA que está no Poder ,
      que está propondo este crime, que é a quadrilha toda.

      Direita Quadrilha composta pela Grande Mídia,
      banqueiros,

      lesa pátria em todos os seguimentos sociais.
      Políticos, militares, religiosos, judiciário, etc.

      Todos sob a batuta
      de superpoderosos,

      principalmente superpoderosos estrangeiros.

      E é a DIREITA ,
      para variar,
      que vai jogar a culpa deste crime

      nas…………………… esquerdas.

      O filme passa e repassa ……….e a caravana passa…………………

      Responder

Sergio Araujo

15 de maio de 2019 às 09h41

O porquinho tà precisando de uma chinelada na orelha fàz tempo.

O Congresso Brasileiro è um chiqueiro.

Responder

Sergio Araujo

15 de maio de 2019 às 09h40

O porquinho tà precisando de ua chinelada na orelha fàz tempo.

O Congresso Brasileiro è um chiqueiro.

Responder

Alan C

15 de maio de 2019 às 00h04

Não está nesta matéria, mas o melhor da fala do porquinho Maia foi:

“A falta de clareza sobre as políticas do governo Jair Bolsonaro cria dificuldade para que os parlamentares aprovem a reforma da Previdência. Ainda não compreendemos, olhando a longo prazo, quais são as políticas que esse governo trouxe para sobrepor os 13 anos de governo do PT, que trouxe uma agenda que foi muito criticada, inclusive pelo DEM. Não é o DEM que está no governo, mas a direita mais extrema que está no governo, e até agora a gente não entendeu qual é essa agenda”

Nem o Maia, nem ninguém.

Responder

    Paulo

    15 de maio de 2019 às 00h06

    Errado, Alan! O Botafogo entendeu, mas não aceita…

    Responder

      Alan C

      15 de maio de 2019 às 00h29

      Normal, é ridículo mesmo e aceitar ninguém aceita…

      Popularidade despencando, a base no congresso não se entende, ministro caindo com 3 meses, governo atrapalhado colecionando derrotas, a ala militar em guerra com o “guru” que até os chamou de “bosta”, nem bolsominion tapado tá aceitando…

      Responder

Sidney

14 de maio de 2019 às 22h56

Beleza, o discurso está certinho, bonitinho, invocando a necessidade do governo em ampliar gastos e, assim, agir como indutor de crescimento. Só um pequeno reparo, natural para um neoliberal como ele: isso não é “gasto” e sim, INVESTIMENTO!
A questão principal é: quem, nesse governo tem capacidade política, conhecimento e capacidade para tal feito? O coiso, o thutchuca do posto ipiranga, a damares?
Sabemos que o único político capaz de tirar o Brasil desse estado deplorável é ele, LULA!!!

Responder

    Alan C

    14 de maio de 2019 às 23h56

    Esquece o Lula, ele tá senil, perdeu o senso da realidade e mostrou isso na entrevista, só faltou dizer que o PT é o Vaticano e ele é Deus.

    Responder

    Comedor de Capim

    15 de maio de 2019 às 01h06

    O sabio leitor poderia informar de onde o nosso falido governo vai tirar dinheiro para os tais investimentos? Vai dar calote na divida igual a Argentina ou vai imprimir dinheiro igual à Venezuela?

    Responder

    Jorge Liberal

    15 de maio de 2019 às 08h26

    E se o governo, ao inves de retirar 50% de tudo que o trabalhador ganha, para depois reinvestir a metade desse dinheiro, simplesmente nao deixasse esse dinheiro na mao do trabalhador para que ele pudesse ir as compras e reaquecer a economia, de forma muito mais distribuida e igualitaria? Imagina como seria o nosso povo com o dobro de salario nas maos…

    Responder

      lucio

      15 de maio de 2019 às 12h05

      se nao tivessse imposto e contribuiçao do inss, o empregador NAO pagaria um salario liquido maior, só dobraria o proprio lucro.
      e nao existiria mais escola e saude publica. se voltaria ao seculo 18.

      Responder

        Jorge L.

        15 de maio de 2019 às 13h07

        Imposto 0 nao é o meu ponto, pois logicamente precisamos de um governo que mantenha as coisas funcionando. Meu ponto é que baixando os impostos teremos uma injecao de dinheiro na economia muito mais rapida, direta e distribuida do que esperar o governo, que sabemos que tera corrupcao, perdas, taxas, burocracia, e que no fim o dinheiro caira na mao das empresas e amigos de sempre

        Responder

        Jorge L.

        15 de maio de 2019 às 13h09

        Outra coisa: o imposto recai sobre o seu salario depois que pago, o que vc recebe do empregador nao muda, entao sim, vc tera o dobro do teu salario na mao.

        Responder

Paulo

14 de maio de 2019 às 22h05

Botafogo querendo se investir na condição de um verdadeiro líder, instância moderadora e referência moral (?) do processo político, com as bençãos da Rede Globo. Piada! É só pra fugir de mais uma denúncia de propina…

Responder

Deixe uma resposta

x
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com