Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Mercado rebaixa projeção do PIB deste ano para 1,23%

Por Redação

27 de maio de 2019 : 14h51

Projeção de crescimento da economia em 2019 cai pela 13º vez seguida

Publicado em 27/05/2019 – 08:41

Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Brasília

O mercado financeiro segue reduzindo a estimativa de crescimento da economia este ano. Pela 13ª vez seguida, caiu a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa foi reduzida de 1,24% para 1,23%. Para 2020, a projeção foi mantida em 2,50%, assim como para 2021 e 2022.

Os números são do boletim Focus, publicação semanal elaborada com base em perspectivas de instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos. O boletim é divulgado às segundas-feiras, pelo Banco Central (BC).
Inflação

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi mantida em 4,07% este ano, em 4%, em 2020, e em 3,75%, em 2021 e 2022.

A meta de inflação de 2019, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A estimativa para 2020 está no centro da meta: 4%. Essa meta tem intervalo de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022.

Para controlar a inflação, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer no seu mínimo histórico de 6,50% ao ano até o fim de 2019.

Para o fim de 2020, a projeção permanece em 7,25% ao ano. Para o fim de 2021, a previsão foi mantida em 8% ao ano e para o final de 2022, segue em 7,50% ao ano.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic este ano, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo.

Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação.

Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.
Dólar

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar permanece em R$ 3,80 no fim de 2019 e de 2020.

Edição: Kleber Sampaio
Agência Brasil

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

LUPE

28 de maio de 2019 às 13h12

Caros leitores

O processo de destruição do país
começou com a Lava Jato
e sua desestabilização
e perseguição ao Governo da Dilma.

Continuou com o da direita Temer
e seu perdão de um trilhão em impostos,
e entrega do pré sal.

A destruição foi acelerada
a partir de janeiro deste ano,
com um exrema direita no Poder.

Mas, dizem “eles”,
o culpado é o PT ! ! !

E o povo manipulado por “eles”,
através da Mídia,
que “eles” controlam,
acredita! ! ! !)

Responder

Zé Maconha

27 de maio de 2019 às 17h37

O Brasil age como um ex obeso com bulimia em relação a inflação.
Nada é pior do que essa taxa enorme de juros que dificulta investimentos , endivida as famílias e aumenta a dívida pública.
Claro que hiper-inflação seria péssimo mas o país estaria melhor se tivesse inflação de 10% ao ano e taxa de juros de 1%.

Responder

PACMAN

27 de maio de 2019 às 17h15

ᗧᗧᗧ•••••••••••••EMBRAER••••••••••••••••
ᗧ•••••••••••••••••PETROBRAS••••••••••••
ᗧ•••••••••••••••••EDUCAÇÃO••••••••••••
ᗧ•••••••••••••••••PREVIDENCIA••••••••••••
ᗧ•••••••••••••••••PETROLEO••••••••••••
ᗧᗧᗧ•••••••••••••URANIO••••••••••••••••
ᗧᗧᗧ•••••••••••••CORREIOS••••••••••••••••
ᗧ•••••••••••••••••BANCO DO BRASIL••••••••••••
ᗧ•••••••••••••••••CAIXA••••••••••••

Responder

The State Of The Union

27 de maio de 2019 às 16h23

https://www.youtube.com/watch?v=8278E2FZwHA

Responder

Alan C

27 de maio de 2019 às 15h19

Tudo falso, tudo ceninha do banco central com conivência do PIG.

Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?