Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Pesquisa mostra que maioria quer governo focado em saúde e emprego

Por Redação

03 de julho de 2019 : 13h33

A pesquisa divulgada hoje por um instituto do Paraná revela que a maioria da população acha que as prioridades do governo Bolsonaro devem ser a saúde e o emprego.

Segundo a pesquisa, 26% dos entrevistados disseram que a prioridade do governo Bolsonaro deve ser a política pública de saúde; para 23%, emprego.

Em terceiro lugar, com 17%, vem a segurança pública. Em quarto, com 15,6%, a educação.

O combate à corrupção vem num distante quinto lugar, com 7%.

Economia e “novas leis do trânsito” deveriam ser proridade do governo para 5% e 0,3% dos entrevistados.

Há algumas diferenças conforme o nível de instrução dos brasileiros. As mais evidentes são que, entre menos instruídos (em geral, também mais pobres), a saúde e o emprego são ainda mais prioritários.

Entre brasileiros com ensino médio (maioria da população), todavia, as tendências já estão bastante claras: 26% acham que prioridade é educação; 23,5%, emprego; 16%, segurança; 16%, educação.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcio

03 de julho de 2019 às 15h51

A única coisa seria baixar os impostos mas num país com a carga tributária e que desde sempre viveu exclusivamente da esmola do Estado é impossível.

É tudo estruturado para se sustentar dos impostos que são sistemicamente ou desviados, malinvestidos ou jogados no lixo.

Viva la Revolucion !!

Responder

    Edibar

    03 de julho de 2019 às 18h49

    Por isso q as vezes eu penso q seria bom se essas reformas q buscam diminuir as demandas do Estado pelo dinheiro dos nossos impostos (privatizações, reforma do estado, previdenciária, política, tributária e etc) não passassem. O Estado quebrando quebraria junto com as pernas desses chupins do dinheiro público, carrapatos do Estado. Seria de chacoalhar as estruturas de qualquer um. Quem já estiver preparado q se segure.

    Responder

NeoTupi

03 de julho de 2019 às 14h58

Aí dá tela azul no Bozo. Simplesmente extinguiu o ministério do trabalho. Não tem política nenhuma de emprego, terceirizando para o “livre mercado” em plena crise prolongada. O confisco das aposentadorias (reforma da previdência) vai afunilar mais o mercado de trabalho: mais candidatos por vaga, logo maior desemprego, além de reduzir a renda da população disponível para consumo. A restrição de crédito e sabotagem ao BNDES, BB e CEF estrangula investimentos e, consequentemente, não cria vagas de trabalho. A abertura comercial assimétrica de Guedes gera empregos no exterior e desemprega aqui. A liberação de agrotóxicos proibidos em centenas de países, inclusive o Sulfonato de Perfluorooctano que diminui o penis (não é piada), é motivo de boicote e barreiras sanitárias nos antigos clientes brasileiros. O mesmo ocorre com o afroxamento do desmatamento. O puxa-saquismo do Trump leva a China a negociar diretamente com o chefe, que vende soja estadunidense aos chineses no lugar da brasileira. No G-20, em vez de negociar com os maiores clientes, vai falar abobrinhas com os maiores concorrentes: Trump que está em guerra comercial contra todos que exportam para os EUA (inclusive o Brasil, bobinho, que já toma na cabeça com aço, soja). A Arábia Saudita é concorrente do Brasil no pré-sal e vai boicotar outros produtos brasileiros por causa de Bozo ter tomado o lado de Israel no conflito palestino. Na ONU em vez de defender interesses comerciais e para o desenvolvimento brasileiro, fica discutindo retrocessos em políticas de gênero e religião se alinhando com meia dúzia de países fundamentalistas.
O maior ativo da economia brasileira, a cadeia produtiva do petróleo com o pré-sal é entregue a acionistas estrangeiros a preço de banana e sem obrigação de conteúdo nacional, enquanto a prioridade vira bijuterias de nióbio.
Na saúde, deixa milhões brasileiros sem cobertura de médicos nas cidades pequenas e na periferia simplesmente por serem cubanos. Não tem nenhum projeto, a não ser deixar aumentar plano de saúde 3x a inflação. Segurança pública? Se não consegue vigiar nem 3 dúzias de oficiais qualificados em avião presidencial da FAB deixando entrar 39kg de cocaína, como vai combater as facções criminosas espalhadas no Brasil inteiro.
O que tenho visto de gente “jair se arrependendo” ultimamente.

Responder

Edibar

03 de julho de 2019 às 14h53

Governo não cria empregos. Iniciativa privada é quem cria! Simples assim.

Responder

    NeoTupi

    03 de julho de 2019 às 15h38

    Nem o Trump acredita nisso. Tanto ele acredita que o estado tem seu papel que ele pratica políticas públicas protecionistas, taxando importados, faz guerra comercial, pedindo juros baixos ao FED, etc. Só governos muito idiotas caem na ladainha do livre mercado e não protegem seus mercados em setores estratégicos e que afetam empregos, não buscam crédito barato, não tem políticas para emprego.

    Responder

      Edibar

      03 de julho de 2019 às 17h50

      Socialismo/progressismo/ keynesianismo sempre funciona no começo, mas só até acabar o dinheiro dos outros. Aí pra por ordem na bagunça o q sobra é o arrocho e a “maldade” das politicas liberais.

      Responder

Alan C

03 de julho de 2019 às 14h21

Propostas da bozolândia para o emprego:
Vender tudo, comprar derivados de petróleo dos EUA e seguir criando empregos (no exterior).

Propostas da bozolândia para a saúde:
Xô médicos cubanos, vcs são comunistas comedores de criancinhas, não precisamos de saúde, vai pra Cuba!!

Responder

Deixe um comentário