Incêndios na Amazonia mobilizam governos do mundo inteiro

O Bozo, o astrólogo e o burro

Por Leonardo Giordano

18 de julho de 2019 : 13h06

Os desmontes baseados em preconceitos ideológicos, slogans idiotas e chavões parecem não ter fim. Enquanto a maioria dos países cuida de suas universidades pela óbvia razão de que pretendem assegurar o futuro de seus povos, as nossas são acusadas de “antros de usuários de drogas”, “marxismo cultural” (como sequer se define o que é isso?) e de “gastança”.

Depois do desmonte ambiental que está chocando o mundo, da deforma da previdência e de palhaçadas e idiotices as mais diversas (do Golden Shower a fritar hambúrguer no Maine, passando por teleshop) o discipulado de Olavo de Carvalho, que tem dúvidas sobre terra plana, vacinas e malefícios do tabagismo, traça um projeto de raquitismo eterno para as universidades públicas.

Existia no Brasil até algum tempo atrás, antes da esculhambação geral que virou o debate público, um consenso geral que aparecia na fala do povo: para melhorar o país o caminho é investir na educação. Todo mundo dizia, repetia e concordava com isso. Era senso comum, porque todo mundo, até certo tempo atrás, era mais criterioso em relação ao comportamento dos governos e o ambiente não era tão tóxico e cheio de imbecis quanto é agora. O abalo na inteligência nacional é sísmico.

Professores horistas que ganharão mais do que concursados define a extinção do concurso público. Fim do FIES (financiamento estudantil público), com a financeirização do mecanismo fecha a Universidade ainda mais. Mensalidades pagas por faixa de renda, quando todos sabemos que isto significa o gradativo fim da ampliação do acesso e que, naturalmente, essas tabelas serão aumentadas progressivamente a cada dor de barriga do governo de plantão, recuperando um modelo elitista de universidade. É a contramão do acesso cada vez maior, para cada vez mais brasileiros.

Tudo neste projeto baseia-se na idéia de investir menos dinheiro público nas universidades públicas. E cada ação aparece como justificadora do centro político deste objetivo cristalino. Mais dinheiro privado, mais cortes, mais arrocho para investir o menos possível.

Contratação de OS (As organizações “sociais”, essas mesmo que vivem de escândalo em escândalo de corrupção nas demais áreas), PPPs (parceria público privado) a rodo, com a pesquisa sendo orientada pelo mercado. Se uma pesquisa não interessar ao dono da empresa financiadora para obtenção de lucro, esta pesquisa não acontecerá mais. Controle particular e privado dos rumos e sentidos da pesquisa nacional. Patriotas, como sempre, esse pessoal da escola de chicago.

Não podiam faltar as as “juntas de governança”, nomeadas pelo presidente, ou ficaria faltando a vertigem pelas ditaduras que abundam no atual governo. Fusão, fechamento ou venda de algumas das universidades brasileiras. Etc e etc.

Nada pode nos surpreender quando o Ministro da Educação defende abertamente que cumprir a Lei e gastar 10% do PIB (com educação) é descabido(!). Nunca vi alguém marcar gol contra com tanto gosto.

Que se Futurem todos nós, e os críticos e os que estão preocupados em sobrar país ao fim desse governo. O que importa é que “universidade é balbúrdia”. Agora, finalmente temos um governo sem “viés ideológico”. Objetivamente e sem contaminação de quaisquer idéias mais complexas, opera para realizar a cada vez as piores e mais medíocres escolhas. Nisto tem se mostrado um governo de eficiência, mesmo. Dou o braço a torcer.

O burro faz exatamente o contrário dos países que respeitam a si próprios e zelam pelos seus. Estes são cuidadosos no manejo do futuro. Agregam valor a suas instituições e as fortalecem. Promovem a universalização do conhecimento e da formação do povo, pois abandonaram a astrologia e o misticismo há séculos, em no favor das luzes da ciência. O Iluminismo ainda chegará ao Brasil algum dia desses e, esperamos, venha com ele a importância e valor das universidades.

Leonardo Giordano, vereador em Niterói pelo PCdoB.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Admar

19 de julho de 2019 às 11h12

“Bozolandia acima de Todos”! Hajam idiotices e imbecilidades. Tem gente que gosta de comer 💩💩💩💩

Responder

Adevir

19 de julho de 2019 às 09h27

O autor do artigo é contra financiamento privado nas IES públicas. Ok. É legítimo e democrático. Mas pergunto: de onde vem o dinheiro da máquina pública?? Cai do céu? Nasce em árvores?
Sem mais.

Responder

    ZVD Diaz

    22 de julho de 2019 às 11h22

    Assisti a uma entrevista de Haddad, com Miriam Leitão. Ele foca esse problema com clareza, lucidez e inteligência.

    Responder

Justiceiro

18 de julho de 2019 às 16h11

E o burro não vê o que o período de Lula fez nas Universidades: tornou-as um antro de esquerdistas.

Vejam vídeo de alunos da UnB queimando a bandeira do Brasil. Vejam vídeos de aluna da USP cagando na rua.

E a UNE? Outro antro de gente que não quer estudar. Karina Vitral, ex-presidente da entidade, está há onze anos na USP e não se forma. Por quê? Porque ser presidente da UNE tem suas vantagen$$$$

Responder

    Adevir

    19 de julho de 2019 às 09h24

    Não sei nem se esse é um privilégio exclusivo do período do Lula, dado que esse tipo de cosia verte nas universidades a muito tempo, como água de fonte. O que o Lula fez de ruim foi sair criando universidades por aí indiscriminadamente, sem qualquer critério de sustentabilidade financeira para isso. A maioria delas já nascendo grandes, com vários campi e cursos, o que torna praticamente impossível que elas se mantenham de pé.
    E antes que digam merda, não sou contra a expansão do ensino superior, especialmente rumo ao interior, mas isso tem q ser feito com critério e responsabilidade. Dinheiro não cai do céu.

    Responder

MARLY SALETE GOTTARDO MACHADO

18 de julho de 2019 às 13h24

#O BRASIL AFUNDANDO CADA VEZ MAIS

Responder

Deixe uma resposta