Entrevista de Lula no Página 12

A secretaria especial do PPI, Martha Seillier, os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o da Infraestrutura, Tarcisio Gomes de Freitas, durante entrevista à imprensa no Palácio do Planalto, sobre as empresas públicas que serão incluídas na lista de privatização até o final do ano. Valter Campanato/Agência Brasil

Governo anuncia planos de privatizar Correios, Eletrobras e Casa da Moeda

Por Redação

21 de agosto de 2019 : 23h04

Governo abre estudos para privatizar Correios e mais oito estatais

Empresas federais foram incluídas no Plano Nacional de Desestatização

Publicado em 21/08/2019 – 20:33

Por Pedro Rafael Vilela e Wellton Máximo – Repórteres da Agência Brasil Brasília

Agência Brasil – – Nove empresas federais serão incluídas no Plano Nacional de Desestatização (PND), anunciaram nesta quarta-feira (21) os ministros chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. O governo abriu estudos ou atualizou normas para que os Correios e mais oito companhias da União sejam privatizadas (total ou parcialmente) ou firmem parcerias com a iniciativa privada.

A decisão ocorreu depois da 10ª reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Casa Civil. O secretário especial de Desestatização, Salim Mattar, e a secretária especial do PPI, Martha Seillier, também participaram do anúncio.

Além dos Correios, o governo decidiu abrir estudos para privatizar a Telebrás, o Porto de Santos, a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) e o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). Também foram abertos processos de desestatização da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores (ABGF), da Empresa Gestora de Ativos (Emgea), do Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec) e da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp).

O Conselho do PPI também aprovou a nova modelagem para a concessão da Lotex, serviço de Loteria Instantânea Exclusiva, e a venda de 20 milhões de ações excedentes da União no Banco do Brasil, volume que pode render até R$ 1 bilhão à União sem prejudicar o controle do governo sobre o banco estatal.

Com as decisões de hoje, sobe para 18 o número de ativos federais (empresas, ações e serviços) incluídos no PPI. Na última reunião, em maio, o governo tinha aberto estudos para privatizar a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) e a Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb).

A Eletrobras, as Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasaminas), a Casa da Moeda, o porto de São Sebastião e a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) também estão incluídos no PPI. Segundo Onyx Lorenzoni, os decretos de privatização dessas companhias podem sair nos próximos dias.

Estudos iniciais

Segundo Seillier, a abertura de estudos não indica necessariamente que uma empresa será privatizada. O objetivo inicial dos estudos, ressaltou, consiste em analisar a viabilidade econômica da companhia e o impacto positivo de parcerias com a iniciativa privada.

“Essas estatais que estão para estudos são justamente para gente avançar, inicialmente, numa avaliação técnica de quais as formas de parceria possíveis, para depois ter ou não uma decisão do conselho de ministros em relação à desestatização e o seu formato”, explicou.

O ministro da Infraestrutura afirmou que o futuro dos empregados públicos concursados das estatais que poderão ser privatizadas será definido caso a caso, dependendo da forma de desestatização. “Posso ter uma abertura de capital, posso ter uma venda de ações, posso ter uma concessão do serviço com a manutenção da autoridade pública, posso ter a privatização da companhia. Para cada uma das soluções que a gente colocar na mesa, tem uma equação diferente para a questão dos servidores. A gente vai tentar chegar à solução que maximize o retorno para o Estado”, declarou.

A secretaria especial do PPI, Martha Seillier, e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante entrevista à imprensa no Palácio do Planalto, sobre as empresas públicas que serão incluídasna lista de privatização até o final do ano.

A secretaria especial do PPI, Martha Seillier, e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante entrevista à imprensa no Palácio do Planalto, sobre as empresas públicas que serão incluídasna lista de privatização até o final do ano. – Valter Campanato/Agência Brasil
Concessões

O Conselho do PPI também aprovou a concessão dos parques nacionais dos Lençóis Maranhenses (MA) e de Jericoacoara (CE) e a renovação da concessão do Parque Nacional do Iguaçu (PR). Também foram abertos estudos para viabilizar parcerias público-privadas para o saneamento básico, o tratamento de resíduos sólidos, creches, presídios e unidades socioeducativas, projetos de iluminação pública e a administração de parques.

O conselho aprovou também a nova modalidade operacional da concessão da BR-101, em Santa Catarina. O vencedor será aquele que ofecerer o menor valor da tarifa básica de pedágio. “Acho importante destacar as duas diferentes formas de incluir ativos no PPI. A gente pode incluí-los para estudos na carteira, para amadurecer a modelagem, depois a atração da iniciativa privada na parceria ou os ministros podem optar diretamente por incluir no PND, que é o Plano Nacional de Desestatização. Então, essas estatais que estão para estudos são justamente para gente avançar, inicialmente, numa avaliação técnica de quais as formas de parceria possíveis, para depois ter ou não uma decisão do conselho de ministros em relação à desetatização e o seu formato.”

Edição: Bruna Saniele

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

19 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

euclides de oliveira pinto neto

25 de agosto de 2019 às 02h28

Estas três empresas – Correios, Eletrobras e Casa da Moeda – já possuem “compradores” certos na próxima privataria que está sendo articulada… já devem ter uma idéia de qual o grupo é interessado em apossar-se das empresas, como sempre fazem, sem investir nada, apenas as comissões dos intermediários e facilitadores dos “negócios”… vide o caso da Vale do Rio Doce…

Responder

Nelson

22 de agosto de 2019 às 16h32

A privatização como meio de garantir produtos e serviços a preços e tarifas menores e com maior qualidade existe, sempre existiu somente na propaganda. Avassaladora propaganda, feita para nos engabelar, para fazer com que acreditemos que passaremos a viver no melhor dos mundos, num quase-paraíso, se tudo entregarmos à iniciativa privada.

Lérias

Na real, a privatização foi idealizada pelos neoliberais como meio de abrir mais espaços para que os grandes e mega grupos privados possam acumular mais e mais lucros. Ou seja, para que aqueles que habitam o topo da pirâmide, os 1%, ou bem menos que isso, possam enriquecer-se ainda mais.

Não preciso citar aqui quem vai garantir esses lucros para eles, os já mi e bilionários.

Responder

    Edibar

    22 de agosto de 2019 às 22h13

    “para que os grandes e mega grupos privados possam acumular mais e mais lucros”. Qual o problema nisso?? Qual o problema com o lucro?? Resposta: nenhum.
    Ademais, se alguém estiver “lucrando demais” é só você ir lá e fazer por menos.

    Responder

Marcio

22 de agosto de 2019 às 08h36

Porto de Santos…onde os tontoloides falaram poucos dias atrás que lá ninguém ia preso e a PF fascista pegava só o PT…?? Kkkkk

Hain vó…meu leite com toddy tá amargo põe um pouco de açúcar pra mim….Kkkkkkkkk

Saiam dessa vida, essa doença tem cura.

Responder

Guilherme Nagano

22 de agosto de 2019 às 08h31

Tem q privatizar sim! Olha o nível de corrupção e ineficiência dessas estatais, quem esta com coragem de defender o trabalho dos Correios do Mensalão e do Postalis? E hj tem mais operação contra os corruptos do Porto de Santos! Privatiza TUDO

Responder

    Paulo

    22 de agosto de 2019 às 09h54

    Corrupção? Mas o Capitão não ia acabar com isso?

    Responder

      Edibar

      22 de agosto de 2019 às 22h15

      Sim. Privatizando.

      Responder

        Paulo

        23 de agosto de 2019 às 00h02

        Então não acabou nem acabará com a corrupção. É, de antemão, um fracassado…

        Responder

          Adevir

          23 de agosto de 2019 às 08h39

          Acabará com a corrupção no dinheiro público, que é o que importa. No dinheiro privado depois, que se exploda.

    NeoTupi

    22 de agosto de 2019 às 11h21

    Você está admitindo que o governo Bolsonaro é corrupto? Porque a direção dos Correios atual foi nomeada pelo governo atual. O pobre de direita que votou no Bozo acreditou que ele “acabaria com a corrupção” nos serviços públicos. Agora se está admitindo que o governo continua essencialmente corrupto, que legitimidade tem para negociatas do patrimônio público em processos de privatização?

    Responder

      Renato

      22 de agosto de 2019 às 12h13

      Bem pior foi o pobretao de esquerda que votou no Lula porque pensava que ele era o homem mais honesto do Brasil !

      Responder

      Guilherme Nagano

      22 de agosto de 2019 às 12h41

      Nossa agora o Mensalão e a destruição da Postalis ocorreram no Governo Bolsonaro?

      Responder

        NeoTupi

        22 de agosto de 2019 às 13h43

        Não desvie do assunto, nem da pergunta. Eu sequer defendi o governo petista, nem ataquei o governo Bozo neste comentário. Apenas questionei a contradição do seu argumento.
        Se nos Correios tinha corrupção pelo governo ser do PT, então o problema já teria que ser resolvido sob nova direção. Então isso não serve de argumeto para defender privatização, como você afirmou. A menos que você esteja dizendo que a nova direção continua corrupta e o governo Bozo não combata a corrupção.

        Responder

Marcio

22 de agosto de 2019 às 07h11

Esse careca parece Mussolini é idêntico.

Responder

LUPE

22 de agosto de 2019 às 00h32

Caros leitores

Destruindo, devastando tudo,

O que sobrará para nós??

Resposta:
Caos, caos, caos social
ainda maior que o que temos hoje.

Que a Grande Mídia não se escandaliza,
trata com naturalidade e tranquilidade
os esfaqueamentos de transeuntes,
os sequestros de ônibus por desesperados,
os mortos em automóveis nos sinais de trânsito, etc.

Que o próximo pode ser eu,
você,
ou alguém que eu quero bem
ou que você quer bem.

Mas, o ruim é em Cuba,
o ruim é na Venezuela, etc….

Responder

Paulo

22 de agosto de 2019 às 00h00

Privatizar é sempre perder, num país sério. Como o Brasil não é sério, grassam opiniões de toda ordem…a esquerda municia a direita, sempre que governa.

Responder

    Edibar

    22 de agosto de 2019 às 22h19

    Se privatizar é sempre perder, por que os países ricos não são 100% estatal??? Por que nos países ricos as maiores, melhores e mais destacadas empresas são todas privadas?? Por que nos países ricos e desenvolvidos não há nenhuma, ou quase nenhuma estatal??

    Responder

      Paulo

      22 de agosto de 2019 às 23h58

      Falo em termos teóricos, ideais. É uma conta simples. Igualmente bem administradas, uma estatal dará sempre maior retorno à sociedade do que uma empresa privada, porque pode prescindir do lucro e investir o ganho em mais desenvolvimento. Todos os países têm estatais, até os ditos liberais, como EUA e Inglaterra. Alemanha e França têm mais. Países nórdicos também…

      Responder

        Adevir

        23 de agosto de 2019 às 08h43

        A teoria, na prática é bem diferente.
        Uma empresa estatal, que tenha que seguir as legislações do setor público (licitações e concursos) é IMPOSSÍVEL ela ter o mesmo desempenho e produtividade de uma empresa privada.

        Responder

Deixe uma resposta