Câmara discute privatização da Eletrobras

O Datafolha sobre as privatizações

Por Redação

10 de setembro de 2019 : 17h45

Separei algumas tabelas e gráficos sobre a opinião dos brasileiros sobre as privatizações. É importante atentar para a opinião deles em relação à privatizações específicas, como Petrobrás e bancos públicos. Uma pessoa pode ser aberta a ideia de se privatizar estatais, desde que estas não sejam estratégias para o desenvolvimento do país. Além do mais, pode-se privatizar alguns setores e nacionalizar ou estatizar outros. É o que países desenvolvidos fazem o tempo inteiro. A história do capitalismo moderno na Europa é também uma história de nacionalizações.

Inglaterra e Alemanha, por exemplo, já fizeram muito isso. Inglaterra nacionalizou os serviços de transporte ferroviário do país, um dos melhores do mundo, ao passo que algumas cidades alemãs tem nacionalizado serviços de linhas de ônibus.

As tabelas mostram que a oposição às privatizações é um traço cultural e político em todas as faixas de renda, regiões, e níveis de escolaridade.

Mesmo entre eleitores de Bolsonaro se encontra maiorias contra a privatização.

No Datafolha

Maioria segue contra privatizações

Opinião Pública – 10/09/2019 11h22

Baixa a pesquisa completa

DE SÃO PAULO

Embora tenha aumentado ligeiramente a parcela da população favorável à venda de empresas estatais, dois em cada três brasileiros (67%) se opõem às privatizações. Uma parcela de 25% é a favor da venda dessas empresas, e 2% são indiferentes, além de 6% que não opinaram. Em dezembro de 2017. em consulta sobre o tema, 70% se opunham à venda de empresas do governo para empresas particulares, e 20% se mostravam favoráveis.

Pouco mais da metade (54%) dos brasileiros tomou conhecimento dos planos governo de Jair Bolsonaro (PSL) de vender os Correios e outras empresas públicas nos próximos anos. Desses, 16% estão bem informados sobre o assunto, e os demais estão mais ou menos informados (31%) ou mal informados (7%).

De forma geral, independente do grau de conhecimento do assunto, a maioria (60%) é contra privatizar os Correios, e 33% são favoráveis, além de 1% que é indiferente e 5% que preferiram não opinar. A adesão à venda da empresa é mais alta entre os homens (39%) do que entre as mulheres (29%), e também fica acima da média entre os mais escolarizados (38%) e mais ricos (45% na faixa de renda familiar de 5 a 10 salários, e 52% entre quem tem renda familiar acima de 10 salários). Entre aqueles que votaram em Bolsonaro no 2º turno da eleição de 2018, há uma divisão: 46% são a favor da privatização, e 47%, contra.

A privatização da Petrobras, também considerada pelo governo, enfrenta maior oposição: 65% são contra a venda da empresa, e 27%, a favor. Há ainda 1% indiferente ao tema, e 7% que não opinaram. Nenhum segmento endossa majoritariamente a venda da petrolífera, com exceção dos simpatizantes do PSL – 55% são a favor da privatização. Entre empresários, por exemplo, 59% são contra. Na parcela dos mais ricos, o índice de opositores à negociação também é de 59%. Entre eleitores de Bolsonaro, 56% são contra, e entre aqueles que aprovam seu governo esse índice fica em 52% (e 40% a favor).

Em pesquisa realizada em novembro de 2017, 70% eram contra a venda da estatal de petróleo, e 21%, a favor. Em março de 2015, a posição contrária à privatização era ligeiramente mais baixa do que a atual (61%), e 24% eram favoráveis.

O cenário é parecido quando se trata dos bancos públicos, como Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil: 65% são contra, 29%, a favor, 1% é indiferente e 6% não responderam. Entre os brasileiros que tem o PSL como partido de preferência, 50% são a favor e 47% contra. Nos demais segmentos, incluindo empresários, mais ricos e apoiadores de Bolsonaro, há uma porção majoritária que se opõe à venda dos bancos públicos.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Caçador de Corruptos

13 de setembro de 2019 às 09h07

O desespero dos que são contra a privatização é que o processo avaliativo do empregado da empresa privada não é como a bagunça das empresas estatais, onde os amiguinhos e as “boazudas” são sempre bem avaliados. O cara tem que mostrar desempenho. Só é contra a privatização os empregados públicos e seus parentes. Quem não tem ligação com a empresa pública e espera que o Brasil melhore sabe que a privatização EM MUITAS DAS EMPRESAS JÁ É MAIS DO QUE NECESSÁRIA. Existem exceções mas a grande maioria deve ser privatizada imediatamente. A Estatal em que trabalho, por exemplo, se fosse privatizada, não pagaria R$20mil para “analistas” que são officeboy de luxo enquanto Técnicos Administrativos pós-graduados carregadores de piano recebem menos que R$4.000,00.

Responder

Daniel

12 de setembro de 2019 às 18h16

Vergonhoso as privatizações!

Responder

Daniel

12 de setembro de 2019 às 17h39

Privatização é uma covardia de governos que não querem trabalhar de verdade e ter trabalho. Se a empresa teve algum problema de corrupção ou de administração ruim, a solução é entrega-la e não vende-la, mas sim entregar. É uma vergonha, o neoliberalismo na década de 90 deixou um rastro de desemprego e de quebradeira nos países, onde foi aplicado e querem insistir no mesmo erro. Vergonhoso!

Responder

Paulo

10 de setembro de 2019 às 19h59

Privatização virou fetiche de liberais e neo-liberais. Não que não se possa fazê-lo. Mas que seja de forma estudada, criteriosa, e com pagamento justo. E empresas estratégicas, como Petrobrás, Eletrobrás, Banco do Brasil, CEF, etc, jamais se deveria cogitar a sua venda. No Brasil o que acontece é que a privatização virou moeda de troca (leia-se propina) para políticos e tecnocratas, que vendem hoje para encampar amanhã, a preços sempre desfavoráveis ao Estado, tanto num caso como noutro…

Responder

Deixe uma resposta