Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

MP do Rio: porteiro mentiu

Por Redação

30 de outubro de 2019 : 17h56

Na Veja

Caso Marielle: porteiro mentiu sobre ida de suspeito à casa de Bolsonaro

Procuradora confirmou que o funcionário que envolveu o nome do presidente no assassinato da vereadora não falou a verdade à Polícia Civil

Por Leandro Resende e Bruna Motta, do Rio de Janeiro

A procuradora do Ministério Público Simone Sibilio, chefe do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), confirmou que o porteiro que envolveu o nome do presidente Jair Bolsonaro na morte da vereadora Marielle Franco mentiu em depoimento à Polícia Civil. De acordo com Simone, quem autorizou a entrada de Élcio de Queiroz no condomínio do presidente é Ronnie Lessa, suspeito de ter feito os disparos. Élcio e Ronnie foram presos em março deste ano. “Pode ter sido um equívoco, pode ter sido por vários motivos que o porteiro mencionou a casa 58 (de Jair Bolsonaro). E eles serão apurados”, declarou a promotora.

Mais cedo, um investigador relatou a suspeita da mentira a VEJA. Foram prestados dois depoimentos. No primeiro, o porteiro disse que ligou para a casa de Bolsonaro. No segundo, confrontado com o áudio de sua conversa, manteve a versão, mas deixou dúvidas nas investigações em relação à veracidade das informações prestadas.

“As gravações comprovam que Ronnie Lessa é quem autoriza a entrada do Élcio. E, em depoimento, eles omitiram diversas vezes que estiveram juntos no dia do crime. O porteiro mentiu, e isso está provado por prova técnica”, afirmou Simone Sibilio.

Reportagem da TV Globo exibida nesta terça-feira, 29, citou o nome de Bolsonaro na investigação do caso Marielle Franco. De acordo com a matéria, a Polícia Civil do Rio de Janeiro teve acesso ao caderno de visitas do condomínio Vivendas da Barra, na Zona Oeste do Rio, onde têm casa o presidente e o ex-policial militar Ronnie Lessa, acusado da morte da vereadora do PSOL. Conforme as informações divulgadas pelo JN, no dia 14 de março de 2018, horas antes do crime, o ex-PM Élcio de Queiroz, outro suspeito, teria anunciado ao porteiro do condomínio que iria visitar Jair Bolsonaro e acabou indo até a casa de Lessa.

Bolsonaro estava em Brasília no dia 14 de março de 2018 e registrou presença em duas sessões na Câmara, onde exercia o mandato de deputado federal, versão também mostrada pela reportagem.

O MP do Rio informou que Élcio interfonou para Ronnie Lessa às 17h07 do dia 14 de março de 2018, o dia da morte de Marielle e Anderson. Até o dia 4 de outubro de 2019, os acusados negaram que estivessem juntos naquele dia. Seis meses depois da prisão de ambos, o MP conseguiu acesso aos celulares apreendidos de Ronnie Lessa. Em um deles, encontraram uma imagem enviada por Elaine Lessa, esposa do acusado, com uma planilha de controle de entrada e saída do condomínio. Nela há o nome de Élcio e é a primeira prova encontrada pelo Ministério Público acerca do encontro dos dois no dia do crime.

O MP também confirmou através de perícia que a autorização dada para a entrada de Élcio no condomínio foi de Ronnie Lessa. No dia 5 deste mês, uma operação de busca e apreensão das planilhas foi autorizada e recolheu os papéis da cabine do porteiro. Ali, foi encontrada uma anotação que faz referência a casa de Jair Bolsonaro — razão pela qual o MP enviou o material ao Supremo Tribunal Federal, incluindo aí o depoimento do porteiro que também mencionava o presidente. “Se o porteiro se equivocou ou se esqueceu, a informação não é compatível”, resumiu a promotora.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

José Wildes

31 de outubro de 2019 às 12h13

Fico imaginando, por que razão o porteiro iria mentir nessa história?. Imagino também que: seria possível uma manipulação de gravações no caso do porteiro?
São indagações.

Responder

    Evandro Garcia

    31 de outubro de 2019 às 14h31

    Ninguém sabe melhor que o porteiro que as ligações são gravadas por tanto não havia motivo nenhum de mentir para se enrolar coma a próprias mãos… tá muito estranha essa história !!

    Que a esquerdalha tente desde sempre jogar o cadáver da Marinete no colo de Bolsonaro não é segredo.

    A que ponto chega a maluquice ideologica…?!?!

    Responder

    Leandro

    31 de outubro de 2019 às 17h41

    Sério mesmo que tu não sabe que o motivo do porteiro mentir é $$$$$$
    sei….

    Responder

Deixe um comentário