03.04 Coletiva do Ministro da Saúde

José Carlos Assis: a sabotagem na Cedae

Por Redação

20 de janeiro de 2020 : 08h21

A SABOTAGEM NA CEDAE
Por J. Carlos de Assis

Um antigo provérbio romano diz: Se queres a paz, prepara a guerra! Podemos, no Rio , reformular o provérbio: Se queres privatização, degrada a empresa a ser privatizada. O governado do Estado, Wilson Witzel, seguiu à risca esse conselho na área de saneamento. Determinado a privatizar a Cedae por exigência do Governo federal, ouviu de algum áulico, provavelmente o próprio presidente da Cedae, o conselho de desinvestir propositadamente na empresa, para degradá-la aos poucos; porém, em nível insuficiente para matar.

Hélio Cabral Moreira, o presidente suspeito de corrupção nomeado por Witzel, não é um assassino na acepção semântica do termo. Afinal, nada fez para matar os 9 milhões de consumidores de água na Região Metropolitana do Rio. Era só ferir. Caridoso, deu a dose exata para desmoralizar a Cedae, depreciá-la no mercado e preparar o processo de venda. Para esconder as pistas de envolvimento do governador, aconselhou-o a passar férias nos Estados Unidos com menos de um ano no cargo de governador. É o crime quase perfeito.

O que estraga a festa são um químico, Nelson Furtado, e um sanitarista, Clóvis Nascimento, que, junto comigo, começaram a fazer perguntas. A primeira era por que um pequeno rio altamente poluído, alimentador do Guandu, poderia ser o culpado pelo gosto de terra e a forte coloração da água. O intrigante com essa desculpa é que esse alimentador poluído deságua há décadas no Guandu, e nada explica que venha a manifestar-se como culpado justamente quando o governador do Estado vai passar férias mal explicadas nos EUA.

Outra explicação é que isso seria natural, e tudo se resolveria na próxima quinta-feira. Para quem não é idiota, estamos diante da possibilidade de um antídoto planejado. Sim, porque, repetindo outra vez, o presidente da Cedae e o governador do Estado não querem matar ninguém. Querem privatizar a Cedae, o que já está sendo celebrado pelo jornal O Globo. Isso fica mais patente quando se contabilizam os “altos investimentos” que o Estado, a despeito de quase falido, está despejando no Globo, bem acima dos investimentos na Cedae.

Falemos da água propriamente dita. O problema foi detectado de uma vez e está terminando na próxima semana. Muito suspeito. Se consideramos que a água, no mundo, se tornou uma commoditie mais valiosa que o petróleo, dada a dependência permanente da humanidade de seu suprimento, podemos suspeitar que o incidente na Cedae não é uma casualidade, mas um crime perpetrado por multinacionais para acabar de tomar conta dos mananciais brasileiros. Acabar de tomar conta, porque o processo de apropriação já começou.

Não é que eu seja contra as multinacionais da água. Jamais pensaria que, com o dinheiro que tem, fossem corromper gente como o governador Witzel e o presidente Hélio Sobral Moreira. Coisas como corrupção de governador e seus executivos só acontecem com bandidos declarados como Cabral, apanhado depois do roubo, ou em empresas como a Petrobrás, administrada por títeres em favor de seus acionistas estrangeiros. Esse problema da água só pode ser fortuito. É uma coincidência armada pelo diabo para prejudicar Witzel.

Aves de rapina de todo o mundo estão circulando nos ares da Pátria esbulhada, à cata de reservas de água detectáveis por aparelhos de alta tecnologia. Enquanto isso, o máximo de serviço de informação que temos é o general Heleno, que tem no currículo o massacre de 60 haitianos por causa de uma revolta. Pois bem, são ossos do ofício. Mas seriam ossos do ofício condenar Lula à morte numa mesa de jornalistas, apenas para demonstrar a Bolsonaro que é mais macho que ele? Seria melhor ir cuidar das águas nacionais, general/ministro!

O centro real e definitivo da corrupção no Brasil transcende a Cedae. É o grupo financeiramente degenerado de Paulo Guedes, que ousou montar uma lista de 17 estatais a serem privatizadas a toque de caixa, a maioria estratégica (Petrobrás, Eletrobrás) ou de alto interesse público (como Serpro e Dataprev). Gente como Castello Branco, no BNDES, e Roberto Campos, no Banco Central, valeriam prisão perpétua por corrupção por crime de lesa pátria, se o nosso Código Penal estivesse atualizado. Como não está, só resta que sejam expelidos do governo junto com Guedes e o próprio Bolsonaro, o chefe da organização criminosa.

A degradação planejada da Cedae está no contexto geopolítico da luta pela água e no cerne do programa mundial de privatização orquestrado pelas multinacionais e ideólogos privatistas do Forum de Davos. Fiquemos atentos ao que Paulo Guedes vai dizer nessa edição do Forum, talvez uma reafirmação de sua intenção de vender tudo, inclusive o Palácio do Planalto. Sugiro que o pessoal que domina o inglês escreva cartas para Greta Thunberg, a “pirralha”, fim de que ela faça, por nós, o libelo acusatório do ministro nazista, que só não se descobriu ainda, como tal, porque fica escondido na patacoada econômica de que é doutor.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

fulano

24 de janeiro de 2020 às 16h37

Tem que vender tudo mesmo e acabar com o cabide de empregos dos esquerdistas militontos que não trabalham e acham que o molusco é santo.

Responder

    Mike

    31 de janeiro de 2020 às 16h36

    Se nao me engano sao mais de 35 anos d governos d direita no Rio e na cidade nunca houve governo petista ou de outra esquerda, então onde estao os esquerdistas nessas empresas estatais? Vc prefere dirigir Uber ou ter emprego estável e seguro?

    Responder

Ana Paula Braga

20 de janeiro de 2020 às 17h29

O processo de destruição do Brasil corre acelerado diante da inação da população, da cumplicidade do Legislativo e do Judiciário e do apoio escancarado da mídia nativa.

Responder

Paulo

20 de janeiro de 2020 às 17h02

Também achei estranha essa situação “casuística” da água no RJ…

Responder

Deixe uma resposta para Ana Paula Braga